Unicef diz que cerca de 16 mil crianças perderam responsáveis devido ao ébola

Parceria / Téla Nón – Rádio ONU

Relatório estima que mais de 9 milhões de menores vivem em áreas afetadas pelo surto; taxa de mortalidade atinge 95% dos bebés com menos de um ano.

Criança que perdeu responsáveis em Nzérékoré, na Guiné Conacri. Foto: ONU/Martine Perret

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Mais de 16 mil crianças perderam um dos pais, ambos ou o cuidador principal por causa do ébola, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef.

Um relatório sobre o impacto da epidemia nos países mais afetados, lançado esta terça-feira em Genebra, destaca que os menores compõem um em cada cinco infetados na Guiné Conacri, na Libéria e na Serra Leoa.

Serviços Básicos

Para proteger as crianças e as suas comunidades, a agência considera fundamental pôr fim à epidemia enquanto decorrem ações para repor os serviços básicos.

Nas áreas afetadas, vivem mais de 9 milhões de crianças que segundo o Unicef “têm visto mortes e sofrimento além de sua compreensão”. O relatório sublinha o papel de comunidades na resposta ao surto, ao revelar tendências encorajadoras de comportamentos seguros.

Na Libéria, por exemplo, a pesquisa indica que 72% das pessoas acreditam que uma pessoa com sintomas melhora se for atendida num centro de tratamento, o que é considerado importante porque, no princípio, estas eram mantidas em casa.

Antropólogos

O documento menciona, entretanto, haver ainda resistência em algumas comunidades onde circulam rumores, mitos e teorias da conspiração. A agência disse que apoia a ação de antropólogos sociais para convencer as pessoas a alterar algumas dessas práticas.

O impacto do ébola é considerado severo no tratamento de doenças como sarampo e malária, bem como desnutrição aguda e HIV/Sida. Metade dos hospitais da Guiné Conacri, consultas e internamentos deixaram de funcionar 2014, em comparação com o ano anterior.

Na Serra Leoa, o número de menores que recebia imunização básica caiu em mais de um quinto, além da queda de 39% dos tratados contra a malária. Em menores de cinco anos, quatro em cada cinco pessoas infetadas morreram, enquanto as taxas de mortalidade chegaram a 95% dos bebés com menos de um ano.

A preocupação do Unicef é com um possível aumento de mortes de menores de cinco anos se os serviços de saúde não forem restaurados e melhorados em breve. O estado nutricional também preocupa com as medidas de quarentena que influenciaram a queda de receitas e dos padrões comerciais.

 

Notícias relacionadas

  1. img
    DESCAMIZADO Responder

    SATÁNICO em SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE
    É estranho que a Comunicação Social não faz passar o que está acontecendo na Escola Patricie Lumumba, sobretudo nas Salas debaixo de ocá.Muita coincidência que numa das palavras do candidato a Primeiro Ministro, no Programa Cartas na Mesa, a Jornalista São Lima perguntou ao candidato do ADI, caso não vença com maria absoluta qual seria a posição do ADI. Respondeu que o ADI não formaria o governo.
    No nosso governo actual existem duas figuras que são padre. São eles:Sr Olinto Daio, ministro da Educação Cultura e Ciências e o Sr. Carlos Gomes que é o ministro de Formação e Emprego.Actualmente tem-se verificado o aumento de crianças com coceiras em que os próprios médicos, pessoal da Saúde não conseguem explicação para o sucedido.Este fenómeno apareça, sempre que o ADI assuma o governo de STP, aumenta o fenómeno Santo e agora neste últimos dias coceiras Falam de Maracunjas. Como é que as empregadas de limpezas, pessoas adultas não têm tido coceiras? Ainda Hoje os Bombeiros fizeram frete para o hospital Ayres de Menezes,depois de passarem à pente fino limpezas das salas em questão variadíssimas vezes.

Deixe um comentario

*