Banco Central cancela licença concedida ao National Investment Bank

Propriedade do empresário português Paulo Mirpuri, o banco de investimento, que abriu as portas em São Tomé no ano 2004, esteve encerrado cerca de 5 anos, por causa de um litígio judicial.

Segundo o Banco Central a situação do National Investement Bank, põe em causa a imagem e a credibilidade do sistema financeiro nacional. Há cerca de 5 anos que o único banco de investimento criado no país, está encerrado por causa de um litígio judicial.

A inauguração pomposa de 2004, foi sol de pouca dura. Em 2006 o Tribunal da Primeira Instância, deu provimento a uma acção de penhora dos bens da antiga companhia aérea Air Luxor, que pertencia ao proprietário do National Investment Bank, o empresário português, Paulo Mirpuri.

Consequência da decisão do Tribunal, os bens do National Investement Bank também foram arrestados, aliás a antiga companhia aérea Air Luxor, e o banco de investimentos, funcionavam no mesmo edifício.

A Air Luxor de Paulo Mirpuri, devia a empresa nacional de combustíveis a ENCO, cerca de 250 mil euros, e a execução da penhora envolveu também o National Investment Bank.

O litígio judicial arrastou no tempo. Passaram 5 anos, e o Banco Central decidiu pôr fim a existência do National Investment Bank como operador na praça financeira são-tomense.

Num comunicado enviado a redacção do Téla Nón, o Banco Central, diz «considerando que o longo período de inactividade observado pelo National Investement Bank, põe em causa a imagem e a credibilidade do sistema financeiro nacional, o Banco Central de São Tomé e Príncipe, leva ao conhecimento do público em geral, e dos clientes bancários em particular, que foi cancelada com referência a 11 de Agosto corrente a autorização para funcionamento sob referência LIF/BC/nº01/2004 concedida à instituição», lê-se no comunicado assinado pelo director do Banco Central, Assis Vera Cruz.

Abel Veiga

  1. img
    fradique Responder

    sao tds ladroes

    • img
      Harrison Responder

      O Bandido agora sigue operando en Lisboa com o nome de Hi Fly, mudou de Air Luxor para Hi Fly. Deveriam mandar prender este bandido.

  2. img
    Paracetamol 500mg Responder

    Agora, qualquer um abre banco em stp. Basta meia dúzia de milhões e já esta.
    Não há investigações acerca do histórico dos indivíduos, nem nada.

  3. img
    Vai em Bora para Belgica Responder

    Foi Fradique de Menezes que os meteu la a força.. 3 Setembro nuna mais chega!
    Credo, essa praga que nos entrou em STP durante 10 anos foi fatal para nossa sociedade! Miguel Trovoada está de parabens, por causa de odio e rancor fomos obrigado a ter FM como Presidente de STP.

  4. img
    jaka doxi Responder

    Exemplo de uma “NUTÍCIA”.

  5. img
    Pagué a Caué Sa djiNon Responder

    por 250 mil euros de dívida uma penhora destas? que empresário tão fraco…

    • img
      Dlima Responder

      Caro leitor, espero que tenhas tido a oportunidade de ver/ouvir a notícia tornada pública no último fim de semana, sobre este caso, que dá razão ao referido empresário. Desta forma será reposta a legalidade, para a insatisfação de alguns corruptos da nossa praça que tentaram denegrir à todo custo a imagem do referido banco e a do seu dono.

      Ao Téla Non, gostaria de perguntar porquê também não passaram esta notícia?

Deixe um comentario

*