Economia

O Paradigma do Desenvolvimento Económico

Muito se fala ou tem-se falado sobre o desenvolvimento económico ou seja o que fazer para alcançar o tão “invejado” patamar de países desenvolvidos. Neste artigo procura-se apresentar algumas ideias, esperando que possa contribuir para este fim, mas antes importa saber em que consiste o desenvolvimento económico.

O desenvolvimento económico pode ser entendido como um processo de transformação de estruturas económico-sociais, logo difere do crescimento económico.

Rostow, economista americano nascido na Prússia em 1916, considera que no decorrer deste processo as sociedades atravessam cinco etapas diferentes e sequências, determinantes do estado de progresso  económico-social.

As Etapas do Desenvolvimento Economico Segundo Rostow

  1. 1. A SOCIEDADE TRADICIONAL

A Sociedade Tradicional, caracterizada por fraco nível de produção per capita, devido à baixa produtividade, aliada a falta de tecnologia, narra a primeira etapa do desenvolvimento. A principal actividade económica, nesta sociedade, é a agricultura, mas a produção é instável e de pequeno rendimento, em resultado a fenómenos  que não dependem exclusivamente da sociedade (pragas, secas, guerras, etc.). As sociedades tradicionais são consideradas de “pré-newtorianas”, por não haver manipulação produtiva sistemática. Também neste tipo de sociedade a presença de laços familiares  é marcante e o centro de poder económico e politico se restringe aos proprietários de terra.

  1. 2. PRÉ-CONDIÇÕES PARA A DECOLAGEM

A segunda etapa do desenvolvimento é denominada por Rostow de “Pré-condições para a decolagem”. A sociedade tradicional começa a aceitar e assimilar a aplicação de conhecimentos científicos e tecnológicos na  produção agrícola, num contexto internacionalização da produção. Nessa fase, a educação toma lugar de destaque entre as medidas de priorização pela sociedade, sendo os laços familiares substituídos pelas habilidades individuais, surgem grandes empreendedores visando grandes lucros e correndo riscos, nascem os grandes bancos,  realiza-se fortes investimentos em infra-estruturas de transportes e comunicação e amplia-se o comércio externo. Essas transformações ocorrem num ritmo limitado devido à persistência de métodos antigos de produção, de antigos valores e estruturas económico-sociais.

  1. 3. DECOLAGEM

Rostow denomina de “Decolagem (Take-off)” a terceira etapa do desenvolvimento económico. A decolagem representa a ruptura de todas as resistências ao desenvolvimento e à difusão do progresso tecnológico por toda a sociedade. Em geral ocorre um considerável aumento das taxas de investimentos e poupança. Surgem novas técnicas agrícolas e industriais. A agricultura sofre um profundo processo de mudança transformando o antigo proprietário de terra em empresário agrícola.

No entanto, de acordo com Rostow, é necessário que haja um rápido desenvolvimento de uma estrutura político-social e institucional, que proporcione um crescimento económico sustentável por vinte anos, tempo de duração médio desta fase.

  1. 4. MARCHA PARA A MATURIDADE

A marcha para a maturidade representa a fase em que o crescimento da produção, graças ao domínio da tecnologia de ponta, supera o crescimento demográfico. A economia experimenta o surgimento de diversas novas indústrias e inédita expansão do comércio internacional. É a etapa em que os antigos valores são ultrapassados e o país possui condições de produzir aquilo que achar necessário. Inexiste a carência tecnológica em qualquer área de produção.

Estas condições económicas tendem a gerar um processo de substituição de importações combinado com um importante aumento e diversificação das exportações. O crescimento torna-se auto-sustentado.

  1. 5. CONSUMO EM MASSA

Nesta etapa a renda per capita já garante a uma grande maioria dos consumidores elevado padrão de vida e a população é na sua maioria urbana, e o consumo é direccionado para os bens duráveis. Nessa etapa, a preocupação com o desenvolvimento tecnológico cede lugar aos anseios por bem-estar social.

Dizem que alguns países (como os Estados Unidos de América) já ultrapassaram a etapa de “Consumo em Massa” e encontram-se numa fase denominada de “Para Além do Consumo em Massa”, onde as necessidades das pessoas são geradas pelo esforço de marketing das grandes empresas e as motivações para o consumo originam de aspirações sociais, como prestigio ou exclusividade.
Quanto a nossa sociedade (santomense), no meu ponto de vista,  ela encontra-se entre a primeira e a segunda etapa do processo de desenvolvimento económico. É preciso descentralizar o poder económico e politico, priorizar a educação, encorajar a iniciativa privada, fazer grandes investimentos em infra-estruturas de saúde, saneamento, transportes e comunicação, e por fim garantir a boa governação, para que possamos alcançar outros patamares do desenvolvimento económico.

Subscrevo-me

Chiquinho Cabral

    30 comentários

30 comentários

  1. O que para se dizer, temos que dizer

    27 de Junho de 2013 as 14:04

    Meu caro amigo e compatriota Chiquinho Cabal!
    O que pretende dizer exatamente? Essa é uma forma de aparecer? Imagina que teu tema ( ou noticia ) é uma laranja, se espremermos, na tua forma de ver, quantas gotas de sumo podemos apanhar? Muito sinceramente, responde me se tivesses que pagar para colocar esta noticia e tendo em conta a crise financeira, e se esse fosse único 100 € que tens, pagavas? Ias gastar teu dinheiro? Pensa antes de fazer isso para próxima vez…. não empata espaço para noticias por favor.

    • Chiquinho Cabral

      27 de Junho de 2013 as 16:08

      Caro compatriota e amigo;
      O que pretendo dizer é que de acordo com os conhecimentos teoricos a nossa sociedade encontra-se num nivel de desenvolvimento muito baixo. Quanto a gota de sumo,em São Tomé, meu caro, falta a boa governação, falta encorajar a iniciativa privada, falta investimentos em infra-estruturas de saúde, educação, transportes e comunicão. E por fim se cada vez que uma pessoa publicar algo, vier alguem como tu, meu caro, a pensar que com a referida publicação ela pretende aparecer ou dar nas vistas, nunca mais avançaremos. Se fosse para pagar ou caso me solicitassem uma pequena contribuiçãoo faria, porque pretendo contribuir de uma forma ou de outra para a nossa sociedade.

      • Trabalhador

        28 de Junho de 2013 as 6:49

        Quando vi o Titulo do Seu Texto pensei que realmente pudesse trazer ideias novas, e não as coisas que a nossa sociedade está careca de saber, mas que os nossos dirigente não fazem nada pra melhorar.

        Mas afinal de contas é apenas mais um que quer aparecer.

        • Chiquinho Cabral

          28 de Junho de 2013 as 10:06

          Que pena para nossa sociedade…

      • jornalista Amador

        28 de Junho de 2013 as 8:57

        Moral da historia????
        Quer aparecer

      • meu namorado

        28 de Junho de 2013 as 9:12

        essas ideias esta no google, porque publicar num jornal?

        • Chiquinho Cabral

          28 de Junho de 2013 as 13:53

          Pois é trata-se de uma teoria de económica que é pode ser aplicada a nossa realidade. O Google não é o unico meio de pesquisa. Muito antes do google já existiram livros de economia.

  2. O que para se dizer, temos que dizer

    27 de Junho de 2013 as 14:18

    Tudo isso já sabemos…. se um dia tiveres que dar aulas, ensina essas teorias na escola.
    O que precisamos para STP é o seguinte:
    1 – Temos que ser humilde e perceber que somos todos intelectuais, mas isso só não chega. Porque tanto de formação como ” dons naturais”, STP é o pais com mais gestores, economistas, arquitetos, juristas….médicos….e sei la mais o que por m2. Toda gente em STP é especialista, ou seja perito em todas as áreas. O nosso mal fundamental, a seguir a inveja e maldade é excesso de conhecimento.
    2 – Deixar de sermos invejosos, mesquinhos, malvados, oportunistas e tudo de ruim que possa existir e ter nome como coisa má.
    3 – Mentalizarmos que se não mudarmos mentalidade, seja com mestrado, doutoramento…. posso de petróleo, mina de diamante….. fabrica de notas….. tudo que é necessário para não depender de seja que pais for…..não arrancamos.
    4 – Definir coisas concretas ou seja necessidades e tentar executar.

    • Bagatela

      27 de Junho de 2013 as 17:31

      Apenas corrigindo -> Poço.

  3. Santomé Plodôsu

    27 de Junho de 2013 as 14:23

    Caro Chiquinho, falta no seu excelente trabalho a condição chave e primária. Enquanto a nossa mente estiver dominada por bruxaria, medo, inveja, maldicêcia, má fé, alcoolismo, pedofilia(catorzinha), resignação, etc, não iremos a lado nenhum, fosse qual fosse a filisofia aplicada.
    Antes de mais nada, temos que mudar a mentalidade. Como???

    • Chiquinho Cabral

      27 de Junho de 2013 as 16:12

      Priorizando a educação.

      • jornalista Amador

        28 de Junho de 2013 as 9:00

        Meu amigo, estrutura melhor a tua aparição, isso é que tem ajudado para STP estar assim…

  4. edy

    27 de Junho de 2013 as 15:12

    E na tua opiniao, o que achas e qual e’ a conclusao ?

    • Chiquinho Cabral

      27 de Junho de 2013 as 16:16

      Caro Edy, deixei a minha opinião e conclusão no final do artigo.

  5. filho de Cabral

    27 de Junho de 2013 as 15:38

    Prezados, sobre essas etapas o nosso Pais (Cabo Verde) penso que ainda esta numa fase de tribulação entre a primeira etapa e a segunda etapa, porque a nossa sociedade tradicional não e fortemente capitalizada mas estamos a fazer esforço para atrair os investidores estrangeiros com forte capital, entretanto a segunda fase o pais esta na faze final de construções de grande infra-estruturas para ser o motor de desenvolvimento de industria e agricultura em via de ser um Pais, cada vês mais atractivos para efectuar de grandes investimento a nível mundial. Toda via temos boa fe que no futuro próximo com as reformas e transformações que estão e ser feitas “lei da modernização do estado” pousa-mos fazer a decolagem via ao desenvolvimento sustentável da nossa economia (2016) para bens dos nossos filhos.

  6. Xavier

    27 de Junho de 2013 as 17:34

    Eu recomendaria que passasse das teses do Rostow (bastante superadas) às de Myrdal, muito mais ajustadas ao que está a acontecer… Com tudo isso apenas são teorias ou modelos.

    Também outra suggestão sobre o tema: veja a minha modesta contribuição ao Seminário Internacional “Educação, Ambiente, Turismo e Desenvolvimento Comunitário”, celebrado em São Tomé no Julho de 2008:
    “Antimodelos y autodecisión en las formas de desarrollo. Un enfoque del sector turístico desde la perspectiva de la oferta”, especialmente na cita 12 ao pé da página final… Essa crítica causo certa controvérsia com algum dos grande valedores desse interessante colóquio. O texto está publicado nas actas do ISCTE,

  7. Barão de Água Izé

    27 de Junho de 2013 as 23:42

    Não há desenvolvimento económico sem crescimento económico. Em STP enquanto não for invertida a politica Económica aplicada no imediato do pós-independência e anos seguintes, nomeadamente ter-se a coragem de reprivatizar o que não devia ter sido nacionalizado e dar força à Sociedade civil para participar activamente na vida económica a nossa Terra não “descolará” da pobreza.

    • Chiquinho Cabral

      29 de Junho de 2013 as 13:19

      Pois é Barão, para transformar as estruturas economico-sociais necessita-se recursos e estes so podem vir do trabalho que no meu ver significa crescimento. Entretanto podemos até crescer como tem acontecido por exemplo em Angola, Moçambique e Nigeria, mas nunca seriamos um país desenvolvido se não houver uma distribuição equitativa do rendimento; Se a sociedade continuar com o mesmo sentimento de malidecencia e idiotice e; se forem sempre os mesmos a decidirem por nós.

  8. meu namorado

    28 de Junho de 2013 as 9:08

    agora santomense copia e cola.essas sena se ve no google. o google me da essas ideias todas. agora venho para o jornal com objetivo de cer informado e vejo ideia de quem quer aparecer, sinceramente…
    a téla nón esta mesmo com fome de noticia para publicar. será que não encontraram mas algo do anterior primeiro ministro para publicar? chiquito o google esta cheio desses comentários e ideias

  9. Aguia Real

    28 de Junho de 2013 as 10:32

    Caros amigos e patriotas muitos falaram e falaram bem mas so quero aqui citar que para haver o desenvolvimento economico em STP ou em qualquer pais do mundo, primeiramente temos que proporcionar as condicoes basicas e essenciais para um povo ( saneamento basico do meio, educacao e saude ) pelo menos o minimo .
    Por outro lado, nao existe desenvolvimento economico sem tambem termos desevolvimento financeiro porq e o sector financeiro q estimula o investimento e consecutivamente cria o desenvolvimento economico e vice versa. Por exemple, a criacao de novos bancos, empresas de seguro e a ramificacao do banco international e especialmente a abertura de linhas de credito isso sim estimula o desenvolvimento economico do pais.
    Portanto, os aqui citaram teoria do Rostow e Myrdal citaram bem mas nao se esquecam que muitas vezes a teoria aplicada num pais pode nao funcionar no outro por razoes diversas como caracteristica do pais, tamanho, clima, locatizacao etc. No meu ponto de vista, a teoria aplicavel neste sentido seria a do Kant “Utilitarismo” isso seria a teoria necessaria para povo STP tendo enconta q ele defende o bem collectivo e nao individual.
    Para terminar, deixaria aqui bem explicito que o povo de STP nao esta preparado para um rapido desenvolvimento economico no pais antes de os proporcionar os tres pilares basicos acima mencionado porque antes de plantar temos que preparar a terra para receber a semente. Para nao acontecer o que aconteceu com a implementacao da democracia.

  10. Pânico do Banho

    28 de Junho de 2013 as 12:37

    Rostow, esqueceu-se que Somos Todos Primos,e que o paradigma de desenvolvimento econômico sustentável, exige responsabilização.

    • Alima Blúcu

      28 de Junho de 2013 as 16:23

      Hahaha… Gostei dessa!

  11. convencidosidiostas

    28 de Junho de 2013 as 15:25

    O Jovem Chiquinho Cabral, está de parabéns. Publicitou um tema bastante interessante que merece reflexão. Todas as criticas que os convencidinhos e sem o minimo de humildade o fazem, visam apenas desencoraja-lo. Para se aparecer tem que se começar do nada. Uma grande caminhada, não terá sucesso se não dermos o 1º passo. Os que acham que sabem tudo, e comentaram, nomeadamente que o mesmo quer aparecer, é pura idiotice. Todos nós para aparecermos temos que começar. O Bill Gates, começou a fazer recados na Microsoft, e hoje é o homem mais rico do mundo.

  12. Carlos Jorge da Silva

    28 de Junho de 2013 as 16:17

    Deixem o Jovem pensar

  13. TEDx Mbites comentários

    29 de Junho de 2013 as 8:45

    Este tema de Rostow é bom demais para ficar por aqui…o Chiquinho Cabral, apresenta-o duma forma simples e divertida sem com isso prejudicar a sua seriedade. Uma simples grande ideia, bem estruturada e melhor consolidada na mente de RT. Cabe agora, a todos nós, divulgar e apoiar estas verdades que podem contribuir para alavancar STP.

    (…) várias ideias de enorme pertinência … só uma fortíssima mobilização popular em torno destas e de outras ideias que tragam reais mudanças poderá fazer frente às forças do statuos quo político e financeiro dominante que bloqueia por completo uma real mudança num sistema que de democrático está muito longe de ser ou ter o que deveria ter ou ser.
    ·

    • Chiquinho Cabral

      29 de Junho de 2013 as 13:07

      Caros compatriotas e amigos com teorias pequenas como esta mas com analises mais profundas espero que consigueremos sair de onde estamos. Decide publicar este pequeno artigo e não obstante as criticas, espirito de malidecencia e idiotice de algumas pessoas, espero que outras restantes tenham o tempo de analisar cada etapa do desenvolvimento economico e comparalas com a nossa sociedade. Por exemplo, na primeira etapa o famoso Somos todos primos, evidencia uma presença de forte laços familiares na nossa sociedade. Outro ponto ainda na mesma etapa é o facto da mesma elite estar no centro do poder economico e politico desde a independencia. Podemos compara-lo com os proprietarios de terra. Por favor apresentem analises e ideias construtitivas.

  14. ERC

    29 de Junho de 2013 as 16:21

    Muito fraco…não entendi bem de que se trata o texto. Um artigo reflexivo? Um ensaio temàtico? Uma exposição cientifica? Academicamente falando, o paradigma do Rostow peca por ser evolucionista e universalista, pois nem todos os paises precisam de passar pelas mesmas fases até chegar a ùltima ( a do consumo em massa). Em todo caso valeu pela tentativa.

  15. CAMP

    29 de Junho de 2013 as 23:04

    Permitam-me caros compatriotas expressar algo que me deixa estupefacto, os santomenses são extremamente egocêntricos e orgulhosos. Isso falo no geral, e é são essa s características que tem contribuído para segregação da sociedade. A mudança de mentalidade que tanto de fala e que deve existir entre nós, passa pela unidade, agir e pensar para o bem comum. Isso tudo para parabenizar o Chiquinho Cabral pelo texto publicado, que acredito que esteja a suscitar reflexão entre os realmente interessados e preocupados com o estado da nossa sociedade santomense.

  16. Atento

    1 de Julho de 2013 as 17:38

    Mão cheia de nada. Não duvido das boas intenções do autor, mas um artigo de opinião que começa com uma definição da Wikipedia de desenvolvimento económico e continua com um resumo da teoria de Rostow que é um mero copy + paste de artigos da internet não deveria ter espaço de antena. Ir ao google copiar teorias e conceitos, colar com numeração e depois deixar um parágrafo final com uma opinião pessoal pouco sustentada e cheia de cliches (priorizar a educação -obrigado! agora algo que não saibamos por favor) não é artigo não é nada

  17. Nando Txonó ( Roça Agostinho Neto )

    1 de Julho de 2013 as 17:57

    Parabéns Chiquinho, gostei.
    O caminho faz-se caminhando!..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo