Destaques

FMI dá nota negativa ao desempenho económico de STP em 2015

Após uma semana de avaliação da evolução económica de São Tomé e Príncipe no primeiro semestre de 2015, o FMI deu nota negativa ao desempenho do país.

A equipa do FMI, liderada por Maxwell Opoku-Afari, concluiu que a actividade económica desacelerou no país, durante o primeiro semestre de 2015, «devido a aprovação tardia do orçamento de Estado», refere a equipa do FMI num comunicado distribuído a imprensa.

Uma situação que segundo o FMI atrasou a execução de projectos – chave de investimento público.

O Governo são-tomense projectou para 2015, um crescimento económico na ordem dos 5%, mas o FMI considera que a economia são-tomense vai ficar abaixo dos 5% em 2015. O comunicado do FMI, explica também que a inflação baixou de 6,4% em 2014 para 5% no final do mês de Agosto. No entanto diz que a baixa da inflação deveu-se a uma procura agregada mais fraca, registada no ano em curso.

Por outro lado, o FMI, destacou que o Governo são-tomense, está disponível para introduzir medidas adicionais para aumentar a arrecadação de receitas fiscais, e cortar nas despesas onde for necessário, de forma a respeitar o défice primário doméstico previsto para 2015.

O Fundo Monetário Internacional, advertiu o Governo sobre o alto risco de endividamento, e propôs que seja limitada a subvenção a fundo perdido e ao financiamento altamente concessional. O FMI justifica esta advertência, com o facto de o Governo estar nesta altura a lançar uma campanha para atrair novos parceiros públicos e privados para apoiar o programa de investimentos públicos.

Abel Veiga

    9 comentários

9 comentários

  1. Triste

    1 de Outubro de 2015 as 16:17

    Acho que FMI não fez bem as contas. Xêee! Vocês não contam as casas van-plégá, nem os chafarizes que PT inaugurou, dançou chão-chão? Ahh Keêee!

  2. Dubai Não Chega?

    1 de Outubro de 2015 as 21:06

    Tanta fala, tanto blá, blá,blá e quando chegam ao poder só vejo asneiras. Quem ouvia este senhor a falar quando estava na oposição pensava que ele iria pegar o país e mudar as coisas num instante. Desde que ele foi eleito as únicas notícias boas que eu ouvi foram: inauguração de casas Vãm Plegá, inauguração de chafarizes e mais nada. Isto é muito pouco para quem andou a falar tanto que iria mudar o país para Dubai. Que raio de coisa é esta?

    • MJ

      6 de Outubro de 2015 as 11:28

      “Dubai fictício” com o muro da baía todo arruinado que até dá vergonha. Foi referido no artigo que medidas adicionais de arrecadação de receitas estão a ser equacionadas, espero que seja incluída uma taxa para turistas que entram sem vistos em STP à semelhança do que acontece em outros países, porque a isenção de vistos sem nenhum dividendo é um desperdício de receitas.
      Que esta “nota negativa do FMI” contribua para alguma mudança positiva de comportamento dos nossos dirigentes!

  3. sina

    2 de Outubro de 2015 as 5:54

    A dois dias ouvi o Patrice naquelas entrevistas fantoches que ele da a dizer que tudo vai bem em STP, agora o FMI desmente. Em que ficamos Patrice, afinal era só jajão? E cuidado com o sobre endividamento, FMI já avisou. Não afunda STP n é. Se não vai melhorar, por favor não piora.

  4. Ajudando Patrice

    2 de Outubro de 2015 as 9:21

    FMI se calhar fez mal as contas, porque esqueceu de meter na sua contabilidade arroz 13 conto.
    Ou melhor, FMI deve ter-se esquecido dos polos desportivos e das internetes e da danca de chaoa-chao.
    Uma vergonha esse meu pais e certos seus dirigentes! Gostaria de ver agora o senhor primeiro ministro falar desse negativo desempenho economico durante os seis meses do seu governo.
    A continuar assim estamos lixados, basta ver que nem chuva quer cair, que pela primeira vez na historia a cascata S. Nicolau secou. Povo cuidado e abra o olho./

  5. Marta Costa

    2 de Outubro de 2015 as 16:29

    O que me entristece é que a tvs está tão adulterada que através das fontes televisivas, esses noticiários nem cheiro deles se ouvi falar, só mentiras são passadas para a população santomense, enfim.

  6. costa

    6 de Outubro de 2015 as 21:44

    https://www.youtube.com/watch?v=fZeU6FnmSN8

    Incrível, o facto de não se vislumbrar um único comentário de responsáveis políticos Santomenses, perante uma exposição tão completa e realista, da situação em que se encontra São Tomé, e das soluções apresentadas por este economista.
    Não foi dito aqui, mas será necessário também que o País seja munido de um porto de águas profundas, e o alargamento do aeroporto internacional.
    Com a construção destas duas infraestruturas e com negociações descomplexadas, é verdade sim que São Tomé se poderia tornar numa plataforma comercial, ligando Europa, África Ocidental e Brasil. Aí sim,em cada dia 12 de Julho São Tomé poderia na verdade festejar a sua independência.

  7. Jorge Miranda

    12 de Outubro de 2015 as 14:41

    xê, até encontraram uma nova estrada, fazendo um corta mato, destruindo o jardim charmoso da subida de hospital, e FMI não viu todos estes investimentos?

  8. Ferceita

    3 de Novembro de 2015 as 12:04

    Creio que o País poderá conhecer outras dimensões. O Patrice até tem vontade de mudar este País. Mas alguns dos seus colaboradores é que estão mesmo a dificultar os seus trabalhos. Se formos fazer uma reflexão ao nível da Educação, a maioria dos Santomenses: Alunos, Professores, Pais encarregados da Educação etc, estão altamente revoltados com este Ministério. Alunos deslocam desde Néves para irem a MM ou Algés em Pinheira. Professores endividados que durante cerca de dois três anos irão passar muita fome junto a família. Como iremos assim melhorar a Educação?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo