MLSTP/PSD suspende Adelino Izidro

simbolo-do-mlstp-psd.jpgO deputado Adelino Izidro, membro da comissão política do MLSTP/PSD e membro do conselho superior judiciário por indicação do Presidente da República Fradique de Menezes, foi esta tarde sancionado pelo seu partido o MLSTP/PSD, por causa das suas últimas declarações a imprensa.

As declarações de Adelino Izidro, denunciando casos de corrupção no seio do governo liderado pelo Presidente do MLSTP, Rafael Branco, e a instabilidade política no seio do partido, provocaram uma reunião de emergência da comissão política do MLSTP. «Face a gravidade das declarações proferidas pelo senhor Adelino Izidro, a Comissão Política decidiu pela sua suspensão imediata de todos os órgãos e actividade do partido, devendo remeter o caso a competente comissão de jurisdição nacional», diz o comunicado do MLSTP/PSD.

A comissão política do MLSTP/PSD diz ainda que registou «a demarcação clara e inequívoca dos camaradas mais próximos do senhor Adelino Isidro das declarações por ele proferidas», sublinha o comunicado.

O MLSTP/PSD, reafirma que as suas fileiras estão fortes e unidas sob a liderança «clara e competente do seu presidente doutor Joaquim Rafael Branco», conclui o comunicado.

Adelino Izidro que capitaneou as grandes ofensivas políticas, do estilo terra queimada, desenvolvidas pelo MLSTP/PSD sobretudo após a derrota nas eleições legislativas de 2006, parece estar agora em maus lençóis.

No entanto analistas consideram que se deva ter muita atenção a este episódio político, porque Adelino Izidro é reconhecidamente um dos poucos advogados do país, que terá muita gente política influente nas palmas das suas mãos.

De recordar que Adelino Izidro, foi o advogado dos principais casos de corrupção que marcaram a história de São Tomé e Príncipe, nos últimos 34 anos. Foi sempre um dos homens da linha da frente dos grandes confrontos que o MLSTP/PSD, travou nos últimos tempos. Adelino Izidro deverá conhecer muitos caminhos e histórias, que a opinião pública está também ávida em conhecer.  

Abel Veiga

Deixe um comentario

*