AFRICOM não terá bases em África

O comando das forças armadas dos Estados Unidos para África não terá bases no continente negro, mas sim continuará a funcionar a partir de Estugarda-Alemanha. O anúncio foi feito na última semana pelo número 2 do comando unificado do exército americano em África, baseado em Estugarda. A instalação do comando das forças norte americanas no território africano, gerou muita polémica nos últimos tempos. Potências africanas como a Nigéria e a África do Sul rejeitaram tal projecto.

Em declarações a RFI, o embaixador Antony Holmes adjunto civil do general William Ward  que comanda a AFRICOM, disse que o comando baseado em Estugarda vai lá ficar e por tempo indeterminado.

Criado em 2007, há muito tempo que os Estados Unidos desenvolviam uma forte ofensiva diplomática no continente africano para permitir a instalação do seu comando no solo africano. Segundo a RFI, países como a Libéria, Etiópia e o Senegal, manifestaram interesse em ser a sede do Estado Maior General das forças americanas em África.

Por outro lado potências militares e económicas de África como a Nigéria e a África do Sul, reagiram contra temendo uma presença efectiva e duradoura do exército americano em África.

O projecto de transferência do comando americano instalado em Estugarda para um dos países africanos, acaba por ser substituído por outra acção prioritária na política externa americana para o continente africano. Trata-se da realização de programas de cooperação militar.

Neste programa o destaque vai para a luta contra as bases da Al Qaida no Magreb Árabe, e a luta contra a pirataria no golfo d´Aden e no Golfo da Guiné.

Os Estados Unidos têm apenas uma base militar no continente africano, mais concretamente no Djibouti.

Note-se que São Tomé e Príncipe, é um dos países alvos da cooperação americana. É o principal parceiro na construção da unidade da guarda costeira. Também transformou São Tomé e Príncipe no centro de vigilância marítima da zona do golfo da Guiné. Para isso os Estados unidos instalaram no arquipélago três sistemas de radares de ponta, que permitem o controlo de toda a movimentação de navios tanto no golfo como na zona económica exclusiva do arquipélago.

Abel Veiga

  1. img
    Pensador Responder

    que abram os olhos com estes americanos…antes que formem mais um guantamo em sao tome

Deixe um comentario

*