STP-Airways voa mais alto em 2009

Publicado em 05 Jan 2009
Comentários; fechado

6 meses após a constituição da socijose-pestana-1.jpgedade STP-Airways, a companhia de bandeira são-tomense, diz que as suas bases estão consolidadas e que 2009 será o ano em que vai voar mais alto, promovendo a imagem de São Tomé e Príncipe nos quatro cantos do mundo. José Caetano Pestana(na foto) responsável pelas relações públicas, explicou para o Téla Nón as acções em curso que colocam a STP-Airways no panorama internacional da aviação civil. A par da ligação semanal com Portugal, já na primeira quinzena de Janeiro entra em actividade um aparelho para assegurar a ligação regional. Angola é um dos principais alvos da companhia que pretende ser destaque na ligação entre os países do golfo da Guiné com São Tomé e Príncipe e o mundo.

Os últimos 6 meses do ano 2008, serviram para a STP-Airways companhia de bandeira são-tomense, que tem a Euroatlantic, como accionista maioritário, organizar e reestruturar a sua administração e reabilitar as suas infra-estruturas, para melhor responder as exigências da aviação civil.

José Caetano Pestana responsável pelas relações públicas em entrevista ao Téla Nón, apontou um conjunto de acções fundamentais que ficam concluídas no ano em que a STP-Airways vai atingir a velocidade cruzeiro, 2009. «A adesão da STP-Airways, ao sistema Galileu. Isto significa que em qualquer parte do mundo, mesmo nos cantos mais recônditos como amazónia ou na China, numa agência de viagens estarão disponíveis as linhas da STP-Airways», explicou o gestor das relações públicas.

José Caetano Pestana, apontou a realização de várias obras de melhoramento das condições técnicas e infra-estruturais da nova companhia de bandeira nacional. «Estamos a melhorar o sistema informático. Estamos a melhorar as comunicações, estamos a melhorar os hangares da STP-Airways no aeroporto que estão em obras. São obras que estão na fase de conclusão. Temos também a formação do pessoal da STP-Airways para adapta-la aos parâmetros da nova companhia, com base na Euroatlantic. Já estamos a trabalhar também para no futuro termos comissários de bordo são-tomenses nos nossos aviões», realçou.

A elevação das capacidades técnicas do Instituto Nacional da Avião Civil(INAC), é outra grande aposta da STP-Airways. A companhia de bandeira nacional sabe que vai ser auditada por importantes instituições internacionais da aviação civil, daí a decisão de apoiar o INAC. Técnicos ligados ao sócio maioritário a Euroatlantic vão trabalhar junto com a instituição nacional da aviação civil de forma a elevar a competência do INAC são-tomense.

A companhia que já abriu em Lisboa uma loja que promove São Tomé e Príncipe como destino turístico privilegiado em África, assegura para 2009 uma ampla parceria com o governo no sentido de colocar as ilhas verdes nas principais feiras de turismo do mundo. A promoção da imagem de São Tomé e Príncipe é assim uma das prioridades do novo ano, segundo o responsável pelas relações públicas da STP-Airways.

José Caetano Pestana deixou transparecer para o Téla Nón o interesse da companhia em aumentar no futuro breve a frequência de voos de ligação entre São Tomé e a Europa. A ligação sub-regional, ou seja entre o arquipélago e as principais capitais da África Central e do Golfo da Guiné, é uma garantia para 2009. O aparelho que segundo José Pestana já está identificado deverá estar disponível na primeira quinzena de Janeiro. «É um avião de médio porte. Ainda não vou revelar qual é o tipo de avião porque existem muitas propostas em cima da mesa. Não seria muito simpático as empresas que estão a concorrer para oferecimento deste tipo de equipamento conheceram através dos jornais», afirmou.

A abertura da ligação directa entre São Tomé e a capital angolana, Luanda, é uma das grandes prioridades para 2009. O governo são-tomense deverá estabelecer os contactos bilaterais. Será a primeira vez na história que o arquipélago fará uso do seu direito de reciprocidade na ligação com o país vizinho. Até agora só a transportadora Angola TAAG, tem assegurado a ligação aérea entre os dois países. «A cabeça, e é vital para o desenvolvimento de São Tomé e é desejo do povo são-tomense chegar a Luanda. Ainda neste reveillon se notou que teria algumas pessoas de Angola que queriam vir cá e tiveram dificuldades em conseguir voos», sublinhou.

A aposta da STP-Airways na conquista dos céus do Golfo da Guiné, onde a exploração de petróleo tem gerado riqueza e oportunidades de negócios sustenta a viabilidade económica da empresa que para além da Euro-atlantic que domina 37% das acções, tem como sócios o estado são-tomense com 35%, a empresa privada GIAS com 14% , e o Banco do Equador com outros 14%. «Vamos seguir este caminho e tentar ligar estes países do equador, produtores de petróleo e de riqueza, ligando-os a Europa e aos centros financeiros e de desenvolvimento. Uma companhia aérea além de transportar pessoas, culturas, e bens é sobretudo um motor de desenvolvimento da economia. E a STP-Airways fez o seu trabalho de casa e quer ser um motor de desenvolvimento do país e dos seus accionistas», enfatizou José Caetano Pestana.

Nigéria, Guiné Equatorial, Congo Brazaville, são outros mercados em crescimento que atiçam os apetites da STP-Airways.

O responsável pelas relações públicas da STP-Airways, assegurou ao Téla Nón que este jogo é para ganhar. A concorrência sobretudo com a transportadora portuguesa, TAP, na ligação com Portugal é também um desafio que a STP-Airways diz ter tudo para ganhar neste novo ano.

Os resultados alcançados nos primeiros seis meses de actividade na rota Lisboa-São Tomé e Vice-Versa, sustentam a certeza da STP-Airways. «Estamos a começar bem, acima das expectativas», conclui José Caetano Pestana. A companhia já transportou cerca de 10 mil passageiros neste espaço de tempo.

Mais pormenores da conversa entre o Téla Nón e o responsável das Relações Públicas da STP-Airways, estão disponíveis no espaço entrevista.

Abel Veiga