Antonieta D´Almeida destituída pelo Governo do Comité Miss São Tomé e Príncipe

Publicado em 24 Fev 2010
Comentários; fechado

antonieta.jpgO Governo através de um despacho assinado pelo Ministro da Educação e Cultura, suspendeu a estilista Antonieta de Almeida da Presidência do Comité de Organização do Concurso Miss São Tomé e Príncipe. Diversas irregularidades que mancharam a edição de 2009, e conduta pouco digna tida por Antonieta de Almeida estão na base do afastamento. O evento passa a ficar sob tutela da Direcção Nacional da Cultura. 

Caiu o Comité Miss STP que vinha sendo dirigido por Antonieta D´Almeida desde 2006. 4 anos de reinado aos quais o governo decidiu pôr fim, devido a uma onda de contestação, na sequencia de violações das regras que regem o concurso.

O caso rebentou com a publicação de um artigo pelo Correio da Semana, denunciando que Marluce das Neves, eleita Miss STP 2009, tem apenas 15 anos. Marluce seria, consequentemente, desqualificada. Outro factor de peso na decisão do governo, terão sido declarações de Waston Bruno, um dos colaboradores, segundo o qual existe no seio do Comité corrupção.

O despacho que deu por finda a presidência de Antonieta D´Almeida, determina que a organização do concurso passa agora a ser assumida pela Direcção Geral da Cultura, que deve apresentar ao Ministério de Educação e Cultura, um orçamento, núcleo de organização e parceiros a serem envolvidos no Concurso de Miss S T P, 2010.

Jorge Bom Jesus que defendera antes a continuidade da estilista santomense à frente da organização, decidiu encerrar o assunto antes mesmo da conclusão de uma investigação por si ordenada.

Antonieta Almeida, presentemente em Angola, estava a angariar apoios, à revelia do governo, para a realização do concurso 2010. Esta terá sido a gota de água que ditou o seu afastamento da presidência do Comité Miss STP.

O governo já fez saber às autoridades angolanas que Antonieta deixou de ser a presidente do Comité Miss STP. Uma das tarefas que se coloca à nova equipa organizadora é a de recuperar a credibilidade do evento.

A forma como vinha sendo organizado o concurso da mulher mais bonita de São Tomé e Príncipe, levou a que muitas empresas públicas, privadas, e personalidades idóneas retirassem todo o apoio à organização do concurso.

Ramusel Graça