Ex-cônsul em Roma ofertou materiais cirúrgicos ao Hospital Ayres de Menezes

Michele Sciurba, antigo cônsul de São Tomé e Príncipe em Roma-Itália, ofertou um kit de equipamentos cirúrgicos ao hospital Ayres de Menezes. O encerramento desde 2010, do consulado em Roma, é segundo Sciurba, prejudicial para o país. Uma delegação de 11 operadores privados italianos trouxe a ajuda médica.

Diversos equipamentos cirúrgicos compõem o kit, que Egidio Alagia, colaborador do ex-cônsul de São Tomé e Príncipe em Roma- Itália, ofertou ao hospital Ayres de Menezes.

Numa altura de crise financeira internacional, a delegação de empresários italianos que visita São Tomé, está a analisar as potencialidades do mercado nacional.

Algumas empresas italianas estão interessadas em fugir da pressão fiscal que enfrentam actualmente na Europa, para se posicionarem em África. São Tomé e Príncipe pode ser um destino.

Turismo é uma das áreas que está a despertar grande atenção do grupo de 11 empresários italianos, que está a descobrir as potencialidades do país. Os empresários admitem a possibilidade de promover voos entre São Tomé e Príncipe e Roma com ligação também a Milão, para trazer turistas.

Em declarações ao Téla Nón Egídio Alagia, deu o exemplo de Cabo Verde, que tem o mercado italiano como um dos principais emissores de turistas. O chefe da delegação empresarial italiana que se reuniu com a Ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, entregou a Natália Umbelina uma carta endereçada pelo ex-cônsul Michele Sciurba.

Um cidadão italiano, apaixonado por São Tomé e Príncipe, que continua interessado em dar a sua contribuição pelo progresso do arquipélago, referiu Egídio Alagia.

Para além da oferta de equipamentos cirúrgicos para o hospital central, São Tomé e Príncipe, poderia beneficiar de outras oportunidades, nomeadamente a orientação dos investidores italianos para o mercado nacional. Mas o consulado em Roma está encerrado desde o ano 2010, constituindo um entrave, uma desvantagem, precisou Alagia.

Após 5 anos como cônsul de São Tomé e Príncipe em Roma, Michele Sciurba, foi afastado das funções por uma decisão do Governo são-tomense no ano 2010. Na altura Tribunal de Potsdam – Alemanha, emitiu uma ordem de detenção contra o cônsul por alegado crime de burla, relacionada com um caso de hipoteca que aconteceu em 1999.

A acusação não foi devidamente provada. O cônsul foi posto em liberdade algumas horas depois.  Em Agosto de 2010, o Tribunal Supremo de BUNDESGERICHTSHOF- Alemanha, decidiu anular a decisão do Tribunal de Potsdam que tinha indiciado Michele Sciurba por prática de alegado crime de corrupção.

Abel Veiga

  1. img
    anônimo Responder

    Todos os Países sérios têm uma representação em Roma. Acho. Ótima idéia retomar o consulado de Roma, Cabo Verde por exemplo o seu centro emissor. Do turismo é. Itália. além disto termos mais uma ligação. A Europa parece ser muito boa idéia retomar. Só. Desenvolvempos STP se conseguirmos levar o País ao Mundo, isto é saímos deste nosso espaço pequeno e passarmos a pensar Grande.

  2. img
    tela mu Responder

    Pois é boa ideia mas muito cuidado com as mafias italianas .Vão com cuidado analizar muito bem ;esses projectos pode haver alguma coisa por detraz .

  3. img
    nilton carvalho Responder

    falar de mafia e facil quando piri piri arde no cu dos outros,mas quem mafiou primeiro foi sao tome aos italianos na altura da contrucao de casas pre- fabricadas no sitio de kilombo.aquelas casas iriam abranger mais localidades nao sei se e de vosso conhecimento.

Deixe um comentario

*