Destaques

FITXICÊLU – um documentário de São Deus Lima

Conheça factos da realidade são-tomense, sobre a descriminação e maus tratos a que os idosos são submetidos em São Tomé e Príncipe, pela acusação de serem FITXICÊLU (feiticeiro). Um documentário de investigação social, da jornalista São de Deus Lima, que o Conselho Superior de Imprensa, excluiu do prémio de jornalismo realizado em Finais de 2016, por alegado “capricho”.

https://vimeo.com/197766715/settings

    25 comentários

25 comentários

  1. FCL

    2 de Janeiro de 2017 as 21:32

    Idosos+Pobre= feiticeiro..

    Idosos+não pobre= Presidente da Republica, ex Presidente da Republica ou sr/sra fulana

    Tudo isto é resultado da ignorância, pensamento de gente atrasada, que se esquece que se não tiver meio de sustento quando for mais velho vai ter o mesmo destino

    • José de Brito Carlos

      20 de Maio de 2017 as 15:14

      É só coragem…
      Os Santomenses já não têm carácter,próprios os seus projenitores, acusados e crucificados como feticeiros..
      Que pouca vergonha desse povo pequeno..
      Os nossos pais, pelo sim, pelo não, com maior ou menor diferença, não importa a posição social ou financeira, eles são e serão os nossos tesouros
      por resto da vida..
      Jamais nos deixarão a deriva, com maior ou menor dificulidade estarão sempre desponivel para dar-nos o suporte necessário…
      Os primeiros feiticeiros são os que acusam, não têm o amor próprio..
      Palermas..
      Obs: São Deus Lima, estás num bom caminho, continui com o seu trabalho, estás a salvar muitas almas desemparadas..
      Essa sua obra diante dos homens não serão reconhecido, mas diante de Deus sim..
      faça a sua parte, dê o seu exemplo e que Deus fará por ti..
      Obrigado…

  2. Josias Mendes

    3 de Janeiro de 2017 as 10:40

    Este documentário é que devia ser Aprovado para o premio de jornalismo. Ele retrata a realidade das ilhas. O documentário do Medeiros,em primeiro lugar têm uma mão politica, foi encomendado e retrata o saudosismo dos colonos e dos que com ele convivem.
    Este documentário”A Roça” do Medeiros têm muita inverdade e devia ser em primeiro lugar rodado e discutido em STP, ao ivés de o fazerem em Portugal com gente que pouco sabe dos meadros da Nacionalização das Roças e que nutrem o ponto de vista dos colonos.

  3. Ribeira Afonso

    3 de Janeiro de 2017 as 16:45

    Grande reportagem da Conceição de Deus Lima. Os meus sinceros parabens.

  4. Mandelax

    3 de Janeiro de 2017 as 20:30

    Muito obrigada a autora do documental. Um documental que esclarece com um problema nacional: o sítio dos mais velhos no nosso país no meio do desamparo e dos abusos; os mais “velhos carenciados”, como aponta “FCL”.
    Muito obrigada a São por este documental

  5. sotavento

    4 de Janeiro de 2017 as 10:55

    Excelente trabalho de informacao.Parabéns a autora e oxala sirva para mudar a forma de pensar e agir de muitos em relacao a este tema.

  6. ANCA

    4 de Janeiro de 2017 as 11:58

    Parabéns, São Deus Lima pelo Trabalho, de investigação da realidade social, cultural, na nossa sociedade.

    Vários, alertas tem sido feito para a problemática da família ou das famílias Sãotomenses, a nível social, cultural, econômico.

    Temos casos de mortes infantis, por causa de faltas de cuidados médicos infantis(maternidades sua estrutura e papel na sociedade), temos problemas de subnutrição, ver números estatísticas de mortalidade infantil;

    Temos casos de maus tratos infantis, ofensas corporais, ver estatísticas;

    Temos violências domesticas contra as mulheres e crianças;

    Temos abandono das crianças, meninos de rua;

    Temos casos trabalho infantil;

    Temos problemas de gravidez precoce da adolescência, com consequências na educação/emprego e meios sustentabilidade pela jovem que muitas vezes é mãe solteira;

    Temos problemas de prostituição juvenil,

    Temos problemas registros civis, responsabilização parental pela sustentabilidade social econômica da família, educação acompanhamento dos filhos;

    Temos problemas de exclusão social, juvenil, adulta e idosa, como faz referência a peça acima, com agravante de criar distúrbios mentais, agravar ainda mais a pobreza, levar a praticas de crimes, de ostracismos.

    Temos más péssimas estruturas/instituições de saúde a nível nacional.

    Temos más péssimas estruturas/instituições de educação a todos os níveis, e quando se fala de educação é também educação familiar educação para a cidadania, educação comunitária para a comunidade, localidade território.

    Temos instituições fracas desestruturadas para o objetivos propostos, logo uma má gestão direção.

    A problemática social, cultural, econômica, esta no modo de ser estar, pensar fazer dos cidadãos SãoTomenses, a sua cidadania cultura de responsabilidade, noção da justiça e paz.

    A que dar respostas a estas questões, se se quer dar um salto social, cultural, económico.

    O saber

    O Porquê?

    O Onde?

    O Como?

    O quando?

    O quanto?

    Se se num gabinete sentados a gerir e administrar quando tivermos um problemas social, cultural, ambiental, desportivo, político, econômico e financeiro, em mãos, colocasse-nos estas questões de, o porquê?, onde?, quando? quanto? o como?, obteria-mos as respostas a resolução de partes de problemas, sem contudo esperar do governo ou das ajudas externas, precisamos de agir ser pro-activos.

    Se se o SãoTomense é preguiçoso, tem crença ou pratica feitiçarias, é inculto, tem falta de saúde, é porco, pratica poligamias, tem falta de educação, tem falta de civismo etc, etc,… é porque o Estado, as instituições e estruturas do Estado , quer que assim continue, pois que se o contrario tomaria medidas estruturais para o mudar, corrigir e responsabilizar nestes sentido sem esperar ajudas externas ou do governo, nomeadamente a Presidência da Republica, as Câmaras Municipais, o Governo, o Governo Regional do Príncipe, os Ministérios, os Tribunais, a Policia Nacional, os Hospitais, os Centros de Saúde, etc, etc,…

    Pois que a anarquia o caos a desordem, criam-se com o deixar andar,… o desleixo, logo a condenação ao subdesenvolvimento social, cultural, ideológico, ambiental, desportivo, político, econômico e financeiro .

    Para mudar uma realidade uma comunidade, precisamos de estabelecer regras responsabilizar, obrigar a cultura de responsabilidade e trabalho. Pois que o trabalho dignifica o Homem. Isto exige um período de curto prazo. Mudar os hábitos, sobretudo de instituições com objetivos socais de saúde de educação de criação de estruturas de emprego e trabalhos, punição, justiça e corrigir responsabilizar social cultural e criminalmente.

    Somos comodistas, somos vaidosos e preguiçosos

    Muito bem Abel Veigas, São Deus Lima, é necessários mais investigação, mais testemunhos da realidades social, cultural, ideológicas, pois só com conhecimento público destes factos faz-se relembrar as memórias, contribuir para mudar a realidade, pois quanto mais se falar e investigar melhor será.Bem Haja

    Quantas mais mortes serão necessárias para que o cidadão nacional, as instituições nacionais, a sociedade, a comunidade tenham, a consciência da essência das suas raízes transcendentais?

    Tenhamos vergonha

    Não faças a outros aquilo que jamais queres que te façam um dia

    Pois que nas costas dos outros devias ver a tua

    Existe um pé que vai na frente o de trás a de vir também

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  7. SDL

    5 de Janeiro de 2017 as 11:14

    Feitiçaria – uma definição:

    Complexo ideológico e cultural que atribui a ocorrência de desgraças a divindades malignas ou a elementos malquistos da comunidade.

  8. zé maria cardoso

    5 de Janeiro de 2017 as 11:46

    Está dado mais um alarme para a consciencialização pública. Parabéns!

  9. São de Deus Lima

    5 de Janeiro de 2017 as 21:32

    O realizador GERSON SOARES é co-autor do documentário ”Fitxicêlu – Crenças, estigma e ostracismo.” As opiniões favoráveis, aqui gentilmente postadas, serão divididas por dois. Obrigada e um feliz 2017 para todos.

  10. Pereira

    6 de Janeiro de 2017 as 10:34

    Grande reportagem. Eu admiro como é que o nosso país não dá valor e confiança a estes quadros com tanto mérito. Sinceramente que eu não percebo isto. Os nossos melhores quadros estão impedidos de dar o seu valor para o desenvolvimento do país enquanto meia dúzia de fracos e incompetentes é que estão na ribalta.
    Bem haja Gerson Soares e Conceição Deus Lima.

  11. WAKSON CHAÚL

    6 de Janeiro de 2017 as 12:02

    Na verdade essa Reportagem é de tirar o chapéu… Retrata a realidade dos mais pobres que que pura e simplesmente são considerados Feiticeiros. Parabéns SÃO DEUS LIMA. Gostei do trabalho Então não desista, sorria. Você é mais forte do que pensam e serás mais feliz do que os incompetentes.
    Também concorre com uma peça denominada` INFÂNCIA PERTURBADA` mais infelizmente aconteceu o mesmo.

  12. Original

    6 de Janeiro de 2017 as 16:46

    São!

    O objectivo é ofuscar a verdade e apagar as vozes críticas o que nunca foi possível e nunca será.Viste o fiasco de eleger o PT como a figura do ano?Porquê que este inquérito não foi feito por uma imprensa independente e foi encomendado por Rádio Nacional que representa Empresa do Governo e dos seus capangas jornalistas? tenho nojo disto tudo.

  13. Joana Areosa Feio

    7 de Janeiro de 2017 as 22:00

    Parabéns São Deus Lima

  14. rapaz de Riboque

    9 de Janeiro de 2017 as 12:04

    grande reportagem espero agora que os senhores da lei e os politicos ponham as mãos a obra e acabam com estas barbaridades e ignoracias

  15. rapaz de Riboque

    10 de Janeiro de 2017 as 14:53

    não quero alumiar o nome mas conheço um senhor que é professor , que andou metido com feiticeiros e matou uma mulher que ele teve em lisboa sei que é verdade porque ela antes de morrer fez vários tratamentos também e pelo menos 5 destes curandeiros disseram a mesma coisa

  16. Gualter Almeida

    11 de Janeiro de 2017 as 13:14

    eu imagino quem sera foi professor em Lisboa na casa Pia não sera ? agora da aulas cá.

    • rapaz de Riboque

      13 de Janeiro de 2017 as 21:09

      sim é professor de educação física

  17. malebobo

    13 de Janeiro de 2017 as 7:34

    São Deus Lima, o nosso muito obrigado, este documentário, é de tirar chapéu

  18. Xacier

    23 de Janeiro de 2017 as 14:56

    Um magnífico documento gràfico! Bravo São!

  19. Juliana Palmer

    9 de Abril de 2017 as 17:10

    Antes de tudo agradeco a Sao Lima por este documentario e queria pedir que nao ficasses por ai, ainda que nao foi premeado continua esta luta para transformacao desta mentalidade. Os velhos sao nossas historias que vao passar de geracao e uma experiencia deixada que nao se encontra nas escolas ou nas faculdades. Faca mais pesquisas faca planos e cria projectos que possam ajudar esses velhos e peca ajuda, ainda que seja internacional.
    Em

  20. Marilda Flores (Brasil)

    5 de Maio de 2017 as 22:32

    São de Deus Lima e Gerson Soares, parabéns pelo documentário!

  21. José de Brito Carlos

    20 de Maio de 2017 as 15:25

    São Deus Lima..
    Dou-lhe os meus parabéns..
    Um exelente trabalho, pessoas como são poucos no mundo inteiro..
    És uma mulher do povo..
    Mulher de sociedade e para sociedade..
    Mulher guerreira, polivalente e muito mais..
    Eu me orgulho de ti, pela a sua simplicidade, determinação, transparencia, atitude, respeito e etc..
    Força, és uma verdadeira mãe da nação e patrióta..

  22. Olinda Beja

    20 de Maio de 2017 as 22:48

    Só hoje vi este maravilhoso e sensível trabalho jornalístico que me comoveu até às lágrimas. Embora tivesse já conhecimento desta triste realidade pois de vez em quando a imprensa relata um ou outro acontecimento, desconhecia tão dura e terrível crueldade de um povo que ainda tem pela frente um longo caminho que o leve ao esclarecimento e o retire de tamanho obscurantismo.
    Obrigada São e espero que este trabalho volte à ribalta pois “água mole em pedra dura…”. Será uma injustiça, perante os nossos mais velhos que tanto trabalharam e agora ainda sofrem com este estigma, que este trabalho fique na gaveta do esquecimento.

  23. Consolado

    28 de Junho de 2017 as 13:22

    A culpa é sempre do outro , regra numero um dos pecadores que não se arrependem , ( Aqueles que estão longe de Deus )

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo