Opinião

Carta Aberta aos senhores governantes de STP

 

Exma. Senhora Ministra da Saúde e Exmo.(s) Senhores Governantes de São Tomé e Príncipe.

 

É com muito pesar e indignação que dirijo estas palavras às vossas Excelências. Sou santomense, de raiz, filha de pais santomenses, neta de avós santomenses. Nasci e cresci em São Tomé, tendo vivido no país até a minha adolescência. Naturalmente sai do país pela necessidade de uma formação superior, pois naquela altura não havia sequer outra alternativa. Formei-me médica, e no coração, permanecia o desejo ardente de regressar à minha terra natal, para dar o melhor de mim, ajudar a melhorar algo. Em 2011, ainda no início da minha actividade profissional, tive o desprazer de ser confrontada com a realidade de São Tomé.

O hospital que em 1998, ainda funcionava com alguma qualidade e dignidade, passou a funcionar no desenrasca, por falta de tudo o que é imprescindível.

Exmo.(s) Governantes, por mais que eu tente entender, não consigo, pois continuo a questionar como é possível que em tantos anos, pouco tenha evoluído no nosso país??? O hospital  não passa de paredes que escondem histórias… Ai se elas falassem… seriam certamente, testemunhas de mortes “dolosas”, de angústia dos profissionais e familiares, do desespero de estrangeiros que tentam dar o seu melhor em troco de nada e da indiscutível frustração dos recém licenciados que a cada dia regridem em conhecimento ao invés de progredirem diante dos desafios.

É inadmissível não haver oxigénio no hospital, não haver reagentes para análises, não haver medicamentos, não haver sistema de canalização endovenosa, não haver certos meios complementares de diagnóstico. É inimaginável duas puérperas e dois recém nascidos partilharem a mesma cama, 4 seres humanos, completamente desprovidos de direitos humanos, estendidos num mesmo leito. É inconcebível não haver água, luz, etc., no hospital.

Eu considero fundamental para a edificação dos pilares de um país, o saneamento básico, a saúde e a educação. Não concordam comigo? Talvez não, pois se os vossos filhos precisarem de formação superior vocês fa-los-ão sair do país, pois é chique.

O problema do saneamento básico não vos afecta, afinal têm todo um sistema organizado em vossas moradias luxuosas e as vossas piscinas transbordam de água limpa. Se precisarem de tratar da vossa saúde ou de os demais da vossa família, entram num avião e chegam onde vos for mais oportuno.

Meus caros governantes, tenho que vos reavivar a memória em relação à realidade. A educação dos vossos filhos até poderão resolver facilmente, as vossas piscinas poderão jorrar água limpa, poderão até ter um manancial sair de vossas torneiras, poderão simplesmente não circular em meio à praça fétida, poderão não ter contacto com os amontoados de lixo por toda a cidade e águas sujas paradas naquilo que chamam de mercado municipal, sujeitando-vos a apanhar doenças infecciosas, pois vossos empregados o farão por vós.

Mas de uma coisa podem ter certeza, nem sempre poderão entrar no avião diante de problemas de saúde. E sabem porquê? Porque um Acidente Vascular Cerebral (AVC), um Enfarte fulminante, etc., não esperam que vocês entrem num avião. Um AVC necessita de realizar uma Tomografia Axial Computadorizada (TAC) para o diagnóstico. Ups, não existe o mais básico em São Tomé e Príncipe, que dirá de uma TAC?

Pergunto-me onde está o cartão de visita do nosso país? Será a praça de táxis fétida, a Baía de Ana Chaves esburacada, vendedores ambulantes a perder de vista, as paredes que não encontram limite com o chão de tão sujas, o lixo por toda a cidade, a esquizofrenia desorganizada das motos táxis que amputam e ceifam vidas???

Onde estão os delegados de saúde, onde estão os diretos humanos, qual é a função das Nações Unidas neste país?

É triste, mas não consigo encontrar palavras mais suaves para classificar tanta ignomínia num país só.

Exma. Senhora Ministra da Saúde e Exmo.(s) Senhores Governantes de São Tomé e Príncipe, espero que estas palavras vos façam reflectir, mas que reflictam profundamente. Se algo posso fazer pelo meu país, que esta carta seja o pontapé de saída.

Assinado,

Halane Costa Batista Tiny

    61 comentários

61 comentários

  1. LÔÇÔ TLÊZÊ CONTO - IRMÃO P.TROVOADA

    16 de Março de 2015 as 3:17

    Tem toda a razão a Medica ao levantar todos esses problemas ligados ao saneamento do meio e a saúde. Em 2011, quem estava no poder era o mesmo MALANDRO q se encontra agora. Na altura, havia colocado a testa da liderança do Ministério da Saúde uma tal incompetente – ANGELA COSTA q muito pouco percebia disto! Hoje mais do q nunca, lamentavelmente, acredito q tudo irá continuar na mesma, pois esse tal dirigente (P.Trovoada) q só sabe fazer promessas falsas de DUBAI e CHORAMINGAR mais tarde para o pobre povo por incumprimento, continua a promover INCOMPETENCIAS, IMPEDIR O ACESSO A COMUNICAÇÃO SOCIAL com medo de criticas, perseguir tudo e todos q não pertencem a mesma cor partidária, alimentar o aumento da criminalidade com o populismo barato etc.

    • pichotada

      17 de Março de 2015 as 10:14

      pelas tuas declarações é como se tudo que passa é por causa do actual governo….
      Reveja o passado e as pessoas que andaram la porque o pais tomou a independência a muitos anos e muitos passaram por la…

      • Floga Bodon

        17 de Março de 2015 as 15:07

        Pichotada, vc devia era ir plantar bananeira, pois, vc sabe tanto quanto eu que muitos actuais governantes, incluindo Patrice Trovoada foi governo até há dois anos. Responsabilidade é td nossa e não vem descartar alguns dos actuais governantes na desgovernação do país. tenha juizo, quando, vc tenta mentir para as pessoas.

  2. Severino A.D'Almeida

    16 de Março de 2015 as 7:56

    Congratulo com com tudo e muito mais que não foi mencionado pela Dra Helena Tiny. Todos os que governaram STP contribuíram para matar o sonho desse povo,destruíram não só os patrimónios físicos como por falta de civismo, de moral e ética vão aos poucos incutindo na sociedade seus péssimos hábitos de “Não é meu,não é do meu pai”governam-se,desgovernando.A disciplina e boa educação deixou de ser uma virtude para a sociedade santomense. Há uma falta de competência generalizada nos cargos públicos,associada a um índice de corrupção sem procedentes.Reparem que quando a justiça perde o JUÍZO num país, nenhum outro sector funciona direito.Admira-me os comentários hipócritas dos que ainda vêem beleza num país que em menos20 anos a alteração climática acentuou-se,devido a forte derrube desenfreado de árvores para o uso de madeira para a construção de imóveis,muitas delas precárias.A minha sugestão é que seja criada um organismo de autoridade e fiscalização de património público com poderes de aditar,fiscalizar avaliar e autorizar qualquer tipo de alienação tanto material como ambiental.Há muita falta de saúde mental dos governantes.Severino D’Almeida

    • Emil Veloso

      16 de Março de 2015 as 13:37

      Boa Puto Sevé. Sempre atualizado 😀

    • Mota

      17 de Março de 2015 as 11:44

      Pois é Sr. Severino. Temos um problema que nos enferma e todos aqueles que tentam resolver este problema são travados. Num país onde manda-se “sapateiro tocar rabecão” é difícil conhecer desenvolvimento. Quero ser nomeado diretor por causa das regalias e banalizo totalmente o que norteia a função. Sabemos que ser líder não é fácil por isso não deve ser para quem quer mas sim para quem pode. Independentemente na nossa pequenez (que muitos tomam como razão suficiente para não tomada de medidas) se houver regras e leis a serem cumpridas, conheceremos o desenvolvimento. Vivemos a realidade de Copy and Paste sem antes analisarmos o que somos, onde estamos, o que precisamos. Cria-se leis que o próprio estado não cumpre. Veja o IRS. O cidadão que reclama dos seus direitos são chamados de soberbos.

  3. Ma Fala

    16 de Março de 2015 as 9:37

    Esta gentalha maquinada com objectivos antagonicos na sua ascessao ao poder, muitos agindos e feitos de mera mera marrioneta com certeza que nao vao estarao desponiveis para ler e refletir sobre o teor desta carta bem rigida e com uma sequencia logica rara , tratando-se de questoes que clamam por apaziguamento!
    Vem ai Primavera, e tempo de novas flores brotarem e com elas novas fragancias.

  4. João Pinto

    16 de Março de 2015 as 10:50

    Para mim está tudo falhado.
    Tenho umas questões que gostaria de expor aqui nesse fórum. Eis as questões, não temos um hospital digno com os equipamentos necessários para um bom funcionamento dos profissionais que ali labutam e para responder a reais e básicas necessidades dos utentes/pacientes, como é que a Câmara Distrital de Água Grande anda a construir postos médicos por todo o quanto do distrito sem se ter um hospital que responde ao menos o mínimo da sua população? Por que não convergir todos os apoios que esta Câmara consegue para melhorar o hospital Ayres de Menezes de forma a podermos ter um hospital exequível e munidos dos equipamentos Próprios? Porquê da pluriferação dos Postos Médicos quando não temos hospital de qualidade e com qualidade desejável?

  5. Eusébio Pinto

    16 de Março de 2015 as 12:25

    Temas como esse deviam ser merecedores de uma profunda reflexão, não só da parte de quem detém o poder político, mas de cada cidadão santomense anónimo, lá onde ele se encontre.

    Mas o problema mesmo é que, por norma, os partidos que governam em São Tomé e Príncipe (não importa a cor politica ou o governo de momento) apenas focam as suas atenções nas (falsas) promessas feitas nas alturas das campanhas eleitorais, que nunca chegam a ir de encontro com as expectativas do povo que vota. Depois dessa fase, o objectivo principal é a acomodação dos membros partidários com tachos aqui e acolá, para depois terem que caminhar ao ritmo do “leve-leve” que caracteriza a nossa gente, até que a legislatura termine, isto quando não é interrompida por artimanhas de conveniências dos próprios políticos.

    Quem nasceu com a independência completa agora 40 anos, tendo vivido toda a juventude em ambiente de democracia multipartidária, mas não consegue vislumbrar um futuro risonho para o país e para os seus filhos.

    Tamanha hipocrisia!

    Eusébio Pinto
    Luanda – Angola

  6. Emil Veloso

    16 de Março de 2015 as 12:37

    Drª Helena. Parabéns pela coragem. Obrigado por tentar da o melhor de si todos os dias. Essas palavras fortes e dolorosamente verdadeira escorrem em forma de lágrima no meu rosto.
    Sem muito a poder ajudar, nem fazer, espero que o seu grito, representante de muitas outras lágrimas incluindo as minhas, consiga chamar atenção dos responsáveis.
    Muito obrigado.

  7. Mabutú

    16 de Março de 2015 as 12:40

    Ups! Lamentavelmente é esta a situação do nosso País. Será que o povo terá de agir sangrentamente contra a cúmplice desenfreada dos governantes astutos e sórdidos que lutam contra tudo e todos para atingirem seu objetivos pessoais? Assim aconteceu na Líbia, no Egipto e nos outros países em torno da África. Os africanos são mesmo corruptos! Mas, enquanto cada um de nós nos posicionarmos do lado “DUM SILÊNCIO TOTAL”, vamos somando e seguindo, rumando à nossa própria desgraça, sem se quer deixar um legado ambicioso para as novas gerações. Tenho 1/4 de 1 Séc., ou seja, 25 anos e as coisas desde meu nascimento até a data mantêm a mesma. Por isso, é indispensável tomarmos uma atitude, uma decisão certa. Repito, D-E-C-I-S-Ã-O = cisão = Corte normal das coisas para uma nova direção.

  8. Masturbação intelectual

    16 de Março de 2015 as 14:00

    Cara Drª e caros cibernautas! Acho que momento é de alegria, de regozijo. Chegou o Partido que o povo poderá pedir contas, aguardem mais 4 Anos e façam justiça! Porque se dos outros que décadas delapidaram o bem público ninguém mais tem memória, porque ter medo. Se o nosso problema é a cabeça de alguém que lidera este novo Partido (Com a Maioria Absoluta), porque não nos matar-mos mutuamente para transmitir um sinal que estamos a falar sério? Comecem pela vossa família, vossos filhos…até chegar quem vocês não queria de todo que fosse Primeiro-Ministro, muito menos Presidente da República.

  9. Jose Rocha

    16 de Março de 2015 as 14:12

    Minha colega Dra Helena

    Regresse tal como fiz e venha ajudarnos a melhorar o nosso sistema de saude. Falar/criticar nao custa, fazer e que sao elas.
    Em vez de estar ai em Portugal, onde leva uma vida de luxo, mandando umas bocas, vem ca para todos juntos possamos fazer ouvir a nossa voz, in locu, junto aos nossos dirigentes.

    Aguardamos por si minha querida amiga e colega de profissao.

    • Seabra

      16 de Março de 2015 as 23:47

      Excelente resposta, caro dr….gostei!
      Miss Helena Tiny, porque não regressa para pôr as suas boas criticas em prática. Parece que ama STP profudamente, venha demonstra-lo.
      Já agora uma pergunta. Estudou em Portugal, por que meios…por conta propria ou Com bolsa?

      • Atento

        18 de Março de 2015 as 17:03

        Meus caros José Rocha e o Seabra.
        Efectivamente vocês não estão á altura da nossa Halane Tiny.
        Ela sim sabe e tenta mesmo de longe acordar a classe responsável pelo estado da saúde de STP.
        Mas convenha dizer que o José Carlos também é cúmplice da vergonha que se vive em termos de saúde em STP.
        Quantas vezes se ouviu a sua voz José Carlos contra o sistema actual em que se encontra a saúde em STP. Eu digo-lhe quantas vezes, NENHUMA.
        Por isso deixem a Halane em paz, e mais ainda, deixem a mesma adquirir mais valia profissional, para que um dia seja uma excelente funcionária em STP, e não seja como você um carniceiro.
        Tenho dito.

      • 20 de Março de 2015 as 18:03

        Caro Seabra. Não foi com contributo contínuo de São Tomé, e estou na posição de fazer essa afirmação. Conheço muito bem a Dra. Em questão. Se for se informar um pouco mais, vai saber que muitos estudantes “ditos bolseiros” do governo de São Tomé, na realidade não recebem nada ” dinheiro fictício ou em conta gotas” e para continuarem a estudar vão trabalhar.

    • 20 de Março de 2015 as 18:26

      Caro colega José Rocha. Falar realmente é mais fácil, fazer é difícil. Acredito por ser difícil trabalhar nas condições que actualmente está o hospital, foi escrita e publicada esta carta aberta.
      Que ganho teve o hospital com a sua ida? Espero que o colega seja especialista em alguma área! Porque a noção que eu tenho, é que especialistas contam-se pelos dedos, medicação da mais básica não há, etc…etc… Será que se lhe dessem a oportunidade de trabalhar fora de São Tomé com todas as condições e com salário acima dos 6.000.000 de dobras que ganham actualmente depois da greve que fizeram, pois apesar de estarmos distantes, seguimos atentamente tudo, para sabermos como ajudar. Será que a sua opinião seria a mesma? Provavelmente sim, uma vez que esta conivente com o sistema de saúde de São Tomé, que colocam não especialistas a fazerem coisas que após 4,5,6 anos de internato para especialidade, tornam-se “aptos” para exercerem pratica médica não tutelada! Continuo curiosa em saber o que fez e faz para melhorar a situação do hospital! Não coloco em causa a sua prática clínica, pois admiro todos os colegas médicos e outros profissionais de saúde que trabalham no hospital sem condições mínimas. Espero que não faça parte dos que trabalham mais em clínicas e deixam para o segundo plano o hospital.

    • Curiosa

      20 de Março de 2015 as 18:28

      Caro colega José Rocha. Falar realmente é mais fácil, fazer é difícil. Acredito por ser difícil trabalhar nas condições que actualmente está o hospital, foi escrita e publicada esta carta aberta.
      Que ganho teve o hospital com a sua ida? Espero que o colega seja especialista em alguma área! Porque a noção que eu tenho, é que especialistas contam-se pelos dedos, medicação da mais básica não há, etc…etc… Será que se lhe dessem a oportunidade de trabalhar fora de São Tomé com todas as condições e com salário acima dos 6.000.000 de dobras que ganham actualmente depois da greve que fizeram, pois apesar de estarmos distantes, seguimos atentamente tudo, para sabermos como ajudar. Será que a sua opinião seria a mesma? Provavelmente sim, uma vez que esta conivente com o sistema de saúde de São Tomé, que colocam não especialistas a fazerem coisas que após 4,5,6 anos de internato para especialidade, tornam-se “aptos” para exercerem pratica médica não tutelada! Continuo curiosa em saber o que fez e faz para melhorar a situação do hospital! Não coloco em causa a sua prática clínica, pois admiro todos os colegas médicos e outros profissionais de saúde que trabalham no hospital sem condições mínimas. Espero que não faça parte dos que trabalham mais em clínicas e deixam para o segundo plano o hospital.

  10. Maria Ricardo

    16 de Março de 2015 as 15:40

    Halane Tiny, São boas as tuas preocupações. Mas, infelizmente, os santomenses são muito comodistas. Somos um povo muito pacífico e não temos o hábito e capacidade de se manifestar. È uma pena!… Aceitamos tudo e ninguém é capaz de reagir. Rezemos todos, para que o pior não venha muito em breve. O pior a que me refiro, é uma ditadura silenciosa. Não tenhamos dúvidas porque já há sinais muito claros que apontam para uma ditadura do Sr. Patrice Trovoada.

  11. Total

    16 de Março de 2015 as 17:50

    Bem dito Halane …e é por essa razao e mais outras que
    que tanta criminalidade esta aumentando na nossa terra.

  12. Bega Loco

    16 de Março de 2015 as 18:46

    Vai la e faz o melhor.

    • Emil Veloso

      16 de Março de 2015 as 21:59

      Dói-me ver alguém que não sabe estrelar um ovo armar-se em entendedor de cozinha. Para falar besteira só mesmo por de traz de uma máscara ocultando a sua identidade.

  13. Antonio

    16 de Março de 2015 as 22:41

    Votaram no arroz, não foi isso!!!Como digo sempre, o problema deste pais não se encontra apenas nas más governações que o pais conhenceu desda sua hioneira historia,como de igual modo a população com elevanda ignorancia… mente curto, não sabem o que quer nem tão pouco a capacidade de distinguir o mais importante. Durante as campanhas viveram na euforia cantando arroz arroz e mais arroz, esquecendo que sem a saude nada vale.

    • C.S.

      17 de Março de 2015 as 16:10

      Caso para dizer que so ficamos doentes nos últimos 100 dias de governação de ADI. Antes todos respirávamos saúde. Ah, também com um intervalo de doenças entre 2010 e final de 2012. Haja paciencia para aturar tanta politiquice…

  14. Secretaria

    17 de Março de 2015 as 10:31

    Minha querida médica dr etc vetc, falar é muito fácil escrever optimo. Mencione por favor tudo que a sr ja fez pelo seu querido país. Qual foi a sua contribuição ao longo destes anos?

    Vamos deixar de palavriados, o precisa de obras, coisas feitas. Chega de bla bla

  15. Francis Mekano

    17 de Março de 2015 as 11:32

    Doutora e comcidadã
    Reconheço que tem razão,as coisas não estão completamente bem mas penso que podemos inverter a situação contudo deveria talvez regressar ao país como disse o José Rocha e dar a sua contribuição para melhorar a situação como médicaque é(tenho quase a certeza que estudou com bolsa do estado santomense) ao invés de querer protagonismo fácil como muitos santomenses no estrangeiro normalmente fazem de Criticar,Criticar e nunca TRAZEM Solução para um país que nos pertence a todos.

    • 20 de Março de 2015 as 17:55

      Senhor mekano, o contributo está a ser iniciado mesmo de longe. E para a sua informação essa Dra. pouco ou nada teve de apoio de São Tomé. Engraçado que os que lá estão até agora nada fizeram. Eu gostaria de saber onde é que, um certo cirurgião que opera tudo e mais alguma coisa fez a especialidade que o capacita para tal?! Já estive em contacto directo com médicos que ficaram indignados com a má prática existente no nosso país. Em vez de críticas vamos aproveitar a oportunidade para começar a fazer alguma coisa pelo país. Pelo que me consta já começaram a trabalhar no sentido de melhorar.

  16. De Longe

    17 de Março de 2015 as 12:25

    Saudações fraternas, Drª Halane Tiny.
    Agradeço a partilha de preocupações tão actuais e tão pertinentes apresentadas de forma clara e direccionada como o fez. Talvez surtisse um maior efeito se alguma vez a nossa democracia reunisse são-tomenses com ideias diferentes em diferentes partidos a tentarem convergir a diferença em prol do país. Na realidade temos imensos casos de pessoas com interesses semelhantes em partidos diferentes correndo umas contra as outras de costas para o interesse do país. Nesta conjuntura, as opiniões que pudessem ser construtivas, são repudiadas ou jubilosas, conforme cada um sentir que o seu partido possa estar ou não a ser atingido: raramente conforme o país se possa beneficiar.
    Quantas pessoas são-tomenses que ao fugirem das calamidades referidas por si, não foram encontrar impreteríveis apoios de outros são-tomenses no estrangeiro? Que necessidades terão as pessoas que se encontram na nossa estimadíssima terra natal para irem “atacando” quem escreva de fora manifestando a preocupação com o rumo do país? Se temos tantos quadros formados no estrangeiro a darem o seu préstimo nas nossas ilhas e o rumo das coisas é o que se vê, por que razão manifestar-se tanto contra os que contribuem (cívica, economicamente e não só) a partir de fora?
    Por um lado, falo porque custa a ver serem atacadas pessoas que se manifestam pelo bem; por outro começo a entender a desconfiança das pessoas que estão cansadas de ver o mal chegar sempre atrás de boas palavras, de flores e de doçarias. Temos uma consciência social destruída.
    Daí que vamos tendo imensa dificuldade de lidar com um mundo em mudanças aceleradas onde as necessidades de cada homem é cada vez maior por mais que ele tenha bens materiais e onde a preparação do Homem como ser social está cada vez mais superficializada ou banalizada em países de referência mundial.
    Estamos neste momento com grandes dificuldades de formar crianças com bom nível de consciência social e, como a democracia é igual a todo o resto – tem outra face por trás da ideal – não serão as que têm melhor formação a atingirem os patamares cimeiros da gestão das causas sociais.
    Preocupa-me mais, Drª Halane, o grupo de pessoas que escreveram como eu ou a senhora ou que manifestaram profundo pesar pelo rumo do país e depois, em posição política ou económica privilegiada, passaram, insensivelmente, a fazer parte do sistema que regride o nosso desenvolvimento.
    Conseguiremos inverter este processo de destruição de bens e de valores?
    Como?
    Quando?

  17. ccSTP

    17 de Março de 2015 as 13:23

    assino por baixo as opiniões de secretaria, Jose rocha e Seabra

    já dizia o Kennedy e transportando para a nossa realidade pergunte o que podes fazer pelo
    pais não pelo que o pais ou os governos pode fazer por ti. Deixemos de demagogia de estar sempre a culpar os políticos quando nos também povos temos uma grande responsabilidade no atraso do nosso país por causa da nossa tacanha mentalidade.
    senão vejamos a senhora estudou na europa e sabe que os cidadaos sabem os seus direitos deveres e obrigações isso que dizer que sabem por exemplo que o caixote de lixo e para depositar o lixo. Em nosso STP as pessoas não conseguem seguir esta regra tão básica. Mijam na rua vendem em cima do passeio. Queima caixote de lixo ou o jojo. Acha que um governo vai colocar um polícia em cima de cada cidadão individua que deliberadamente joga o lixo chão? Teriamos de ter pelo menos 200 mil policias para vijiar o comportamento de cada cidadao?
    Em Portugal por exemplo ou em qualquer parte da europa as pessoas em comunidade se reúnem para realizar uma obra a favor de comunidade por exemplo para reparar vias de acesso e as pessoas aparecem a hora marcada.
    Tente fazer isso em São Tome e Príncipe e contabilize quantas pessoas aparecem. Estao a espera que o estado faça tudo. Nem querem saber onde o estado vai buscar dinheiro para colocar água e luz ou dinheiro para construir uma estrada. A doutora sabe o que são as portagem senão fosse elas onde o estado português por exemplo ia buscar dinheiro para reabilitar as estradas.
    Mas se Doutora organizar um banquete com bulauê Pastelin ou Chao Chao (que está na moda agora )com muito para comer e beber de borla vai ver quantos vão aparecer.
    Portanto cara doutora faça também uma carta aberta aos saotomenses apelando ao seu patriotismo.
    Felicitações e tal como os outros já lhe pediram a sua terra precisa urgentemente da sua contribuição e portanto regresse o mais cedo que puder.

    • É?

      17 de Março de 2015 as 16:05

      Uma pessoa que vive no estrangeiro e tem a sua situação económica estável, ao se queixar dos governantes que têm piscinas cheias de água limpa ao lado de um hospital sem água potável com regularidade, estará essa pessoa a perguntar o que o país faz por ela? Não estará ela a pensar em o que pode fazer pelo país? O contributo moral não conta? Se ela constrói uma casa de bom nível no país com o ordenado ganho no estrangeiro não é uma mais valia para o país? Se ela manda os medicamentos ou dinheiro para apoiar na alimentação aos familiares desnutridos não é uma contribuição para o país? “00 mil políciaS? Cada cidadão deve ter uma consciência que faça dele a polícia de si mesmo. Essa consciência não devia ser incrementada pela política criteriosa de cada governo?
      Quando as pessoas de S.Tomé acreditaram que a terra era de todos, trabalharam de graça muito mais do que os portugueses alguma vez conseguiram. Quem começou e continua a tirar a esperança ao povo?

  18. Manga

    17 de Março de 2015 as 13:54

    Todas as criticas construtivas são bem-vindas. Parabéns Drª Halane. Infelizmente muita gente não quer que se fale sobre a realidade santomense. Acredite que em STP vivemos numa ditadura silenciosa, vozes como a sua são muito bem-vindas. Actualmente em S.Tomé vivemos num sistema que é “OU ESTÁS COMIGO, OU ESTÁS CONTRA MIM”. As pessoas estão com medo de falar para não perderem os seus empregos e não ser isoladas na sociedade. Se reparar todas as criticas com assinatura reais vêem do estrangeiro, o Tela Non é prova disso. Os comentários são todos assinados com nomes fictícios. Aqui ninguém pode falar mal do governo, só bem. A TVS e a Radio Nacional têm censura, só passam o lado bonito do governo, não dão lugar ao contraditório. E assim vai o nosso país.

    • C.S.

      17 de Março de 2015 as 16:13

      Só agora é que deste conta disto?

    • Seabra

      17 de Março de 2015 as 16:52

      “estar comigo ou contra mim”, é o Estado Novo da ditadura e do fascismo do Salazar…é a idéologia do Pt+ADI. É exactemente a politica dos marmanjos no poder….votos do POVO.

  19. Adriano conceiçao

    17 de Março de 2015 as 16:27

    Dtra agradeço a sua preocupaçao como santomense k és,muitos criticam,falam o k quer está no seu direito mas é preciso conhecermos bem a realidade do nosso pais.temos um pais k vive atraves de ajuda externa,temos um orçamento do estado mas baixo do mundo(150 milhoes de dolares) e k nenhum governo conseguiu arecadar esse valor,nao temos o produto interno bruto,o país tem mas dispesa do k a receita,sem dinheiro é impossivel desenvolver esse pais,temos um sistema de saúde grates,com o k estado arecado nos sectores produtivos durante um ano nao ultrapassa 6 milhoes de dolares onde é k o estado vai buscar dinheiro,os nossos parceiros tambem teem seus problemas,estao em crise,com um pais k todos os anos tem eleiçao,por isso o nosso pais tem futura,estabilidade politica é o fator prioritario para k os nossos parceiros acreditem em nós e nos de dinheiro,o país precisa de um governo sério com boas propostas para o futuro,reforma do estado,justiça a funcionar,os santomenses nao gostam de pagar impostos e muito mas………?

  20. Halane Tiny

    17 de Março de 2015 as 18:55

    Caro colega José Rocha,

    Tendo estudado e sendo colega meu de profissão, acredito que está ciente de que difamação e calúnia dão direito a cadeia. Agradecia que me enumerasse quais são os luxos nos quais tenho vivido, pois talvez os tenha e ainda não esteja a usufruir deles. Se leu bem aquilo que escrevi, deve ter reparado que eu escrevi, que “este seja o pontapé de saída”. Eu em momento algum disse que não faço é que não farei nada pelo meu país. Caso contrário, nem a carta aberta tinha escrito. Afinal, estou em Portugal vivendo no “luxo” como o colega referiu, sem nada saber da minha vida. Aliás, deve sim saber algo que ainda não sei. Mostre-me o caminho para o tal “luxo”, porque, como se diz na nossa terra, estou a procura dele com candeeiro. Ainda que eu estivesse vivendo uma vida luxuosa, seria pelo meu esforço, pois não dependo do país.
    A título de curiosidade, acrescento que meu apelido Tiny não me traz vantagem nenhuma, também não sou comprada por dinheiro para me calar. Pelo menos eu falei eu “coloquei a boca no trombone”, muitos não têm coragem de o fazer, pois têm medo de retaliação.

    Já agora, meu nome não é Helena, mas sim Halane. Não me escondo atrás de uma máscara, muito menos de nome fictício.

    Saudações,

    Halane Tiny

    • Atento

      18 de Março de 2015 as 17:15

      Cara Drª.Halane.
      Penso na minha modesta opinião, que não deve dar resposta a essa cambada de embatados que proliferam por STP, e que nada fazem para mudar o que está mal.
      Você sozinha chama a atenção para factos reais da nossa saúde em STP.
      Mas eles somente em matilha pretendem fazer algo, e é se fizerem, pois na hora da verdade escondem-se no primeiro lugar onde possam beber cerveja ou derrubar uma garrafa.
      Por isso Halane deixe de dar conversa a quem não a merece.
      Actue por si e com base na sua consciência, e já agora aproveite o facto de estar em Portugal para adquirir o máximo de conhecimentos profissionais, para um dia se quiser, os trazer para esta ilha e bem assim cuidar de nós.
      Um grande bem haja para si.
      Seja feliz.

  21. luzubox05

    17 de Março de 2015 as 21:36

    É lamentável e triste ler certos comentários desnecessários de pessoas supostamente adultas com olhos de ver de que, o país está mal e precisa melhorar o sistema de saúde e não só.
    Porque tanta ignorância, tanta intolerância, tanta arrogância??
    As criticas da Drª/Srª, Halane Tiny, são construtivas, não importa se a mesma estudou fora ou dentro, com ou sem bolsa de estudo, se vive ou não na terra natal, isso não deve ter relevância alguma gente, mudem os hábitos, aprendam a ser pelo menos uma vezes na vida “humildes”, aceitem críticas e observações que podem ajudar a melhor as coisas, sem levantarem questões malucas e caricatas….., mas que tipo de clonagem de raças deram origem ao povo São-Tomense?? Triste….

  22. Seabra

    17 de Março de 2015 as 21:37

    Senhora Dona Dra, Sua Excia, Sua Majestade Halane Tiny, felizmente q apresentou-se como médica, porque senão eu não haveria de acreditar, porque na sua resposta ao Dr.Rocha (este sim, por excelência), você é de um ridiculo até dizer basta…você é um ser mediocre.
    A Sra Dra Sua Majestade HT ,considera o propósito de “viver no luxo”, como uma “difamação que dá condenação à prisão? Mas que falta de cultura geral…tem a certeza que obteve o seu diploma? Acabou o seu curso?
    ……e por cima é pretenciosa!!! Ninguém lhe citou o seu “soit disant” célèbre apelido Tiny , e você vem expo-lo sem razão. Conheci alguns Tiny, sinceramente, não há nada que possa suscitar invejosa, ciúmes ou cobiça….você pode sonhar até que é rainha. É seu problema, aproveite e goze do que imagina ou pensa ser …Madame Tiny, votre tête ne passe plus à la porte…tellement elle est conflée!
    Você não respondeu à questão, já que não tem nada à esconder…deu a sua carocha, “botou a boca no trombone”, breve, é uma GRANDE heroína, diga là, se estudou com bolsa ou por conta própria?
    Conhece a litania da HUMILDADE? Pode-lhe ser útil….e evitá-la de ser ridícula.

    • 20 de Março de 2015 as 19:19

      Caro Seabra qualquer difamação pode dar cadeia ou pagamento de indemnização, pelo menos em países desenvolvidos.
      Se o senhor não era ridículo e medíocre passou a sê-lo agora. Como sabe ou deveria saber, muitos estudantes ditos bolseiros do governo de São Tomé, recebem bolsas fictícias ou gota a gota.
      É claro que os tiny não são todos iguais, uns sãos humildes outros nãos, uns são coniventes com a corrupção e outros não. Acredito que conhece muitos da mesma família com personalidades diferentes e educação.
      Diga-me já agora, onde tirou o curso o Dr. Rocha que tanto defende e como o tirou, com apoio ou não do governo, voltou realmente porque quis ou fez a licenciatura num país após terminar envia os mesmos para o país de origem?
      Aproveitem a oportunidade para realmente fazerem alguma coisa. ANTES TARDE DO QUE NUNCA. Mostra-me o seu trabalho!!!
      Porque se fala tanto é porque tem medo de perder o boquinha que deve ter com a situação em que se encontra o país e o hospital. Anda muito verborreico. O Dr. Rocha deve ser amigo das festas e não de trabalho…porque se fosse de trabalho…o hospital não estaria como está.

  23. Helton Borges

    17 de Março de 2015 as 22:31

    Cara Halane Tiny, não podia deixar de felicita-la pelo seu texto. Confesso que diagnostica de forma clara e precisa alguns dos problemas que afectam o nosso hospital e o nosso sistema de saúde. Vozes como está que ganham a coragem para identificar os problemas e exigir medidas de quem de direito são sempre desejadas e não podemos simplesmente tentar rebaixar as iniciativas deste género. Mas… sempre existe um mas ou um entretanto… fico sem entender o porquê de só agora. Sua intervenção que, repito é sempre bem-vinda e não pode ser “covardemente” atacada, peca por tardia. Daí que, sem condenar o mérito da questão e do diagnóstico que teceu, apenas me cingirei na questão do timing, para lhe questionar o que a demoveu de “colocar a boca no trombone” nestes anos todos de amargura e decadência do nosso sistema de saúde, ignorados pelos sucessivos governos e desgovernos? Uma vez mais não quero colocar em causa a pertinência do seu diagnóstico e das suas exigências, apenas temo que por detrás das suas nobres exigências não esteja a sombra de interesses obscuros que caracterizam e sempre caracterização certas vozes e os objectivos “elitistas” da nossa sociedade. Já que teve a coragem de dar a cara, agradecia que desse novamente a cara e sossega-se o meu espírito, de tal forma que eu possa fazer uma leitura das suas nobres reivindicações, com as quais também me identifico, sem qualquer temor de cair na armadilha da demagogia ou de meras lutas de classes “elitizadas”.

  24. Lima Santos

    18 de Março de 2015 as 1:18

    Drª.Halane, para os que te conhece, sabe que sua AUSÊNCIA DE STP nada mais é do que PREPARAÇÃO PROFISSIONAL E EDUCACIONAL, já que na ilha não existe ensino a altura de sua busca. Portanto não leve a crédito os comentários feitos contra o seu desabafo em prol daqueles que não podem se manifestar, até por que se REALMENTE FOSSE PARA FAZER ALGUMA MUDANÇA, os que comentaram contra, já haviam feito. Para uma cidade com a quantidade de moradores que hoje existe em STP, é inadmissível uma boa gestão dos recursos públicos. Oxalá Deus possa dar sabedoria e POSTURA AOS CORAJOSOS QUE SE EMPENHAM em prol da melhoria de todos.

  25. cacau

    18 de Março de 2015 as 14:53

    Cara dra. Bem haja as suas palavras e espero sinceramente que elas sensibilizam não só aos governa tes, mas sim a toda população santomense.

    Pude ler alguns comentarios e entristeci ao os ler, o que me leva a crer que a burrice, a inveja e arrogância habita em santomenses de modo irreversivel.

    A sua mensagem foi um grito de socorro a qualquer governante desde que esteja no comando de STP.

    Saúde em primeiro lugar. Disseste bem, existem certas patologias que requer intervenção imediata, e para tal são precisos materiais medicos cirurgicos de urgência.

    Portanto senhores governantes, antes de pensarem em importar carros de luxos, construir casas luxuosas e etc… pense em si e na sua saude. Vever é bom, mas viver com saude é muito bom.

  26. Jose Rocha

    19 de Março de 2015 as 2:42

    Pois e, cara colega Dra Halane, creio que poderia chamar-se Helena, como escrevi, que para mim seria irrelevante.
    Vou cingir-me ao extrato que por conveniencia a Dra quis retratar. Pela descricao que fez, deduzo que conhece bem as nossas condicoes de trabalho aqui em STP. Sera que nos pode provar que nao leva uma vida de Luxo ai em Portugal? Estaria disposta a trocar a vida que leva ai em Portugal pela que se leva ca no Pais?

    • Atento

      19 de Março de 2015 as 9:26

      Meu caro José Rocha.
      O senhor é de uma indelicadeza gritante.
      Em primeiro lugar não se muda o nome a ninguém, a sua colega chama-se Halane e não Helena, tal como o senhor é José Rocha e não Zé Calhau, ou José Pedrinha.
      E depois a sua indelicadeza continua querendo saber ou melhor que lhe seja provado ( não lhe conhecemos autoridade para tal) que a Drª.Halane não leva uma vida de luxo em Portugal.
      Olhe a sua pequenez de espírito, é de tal forma angustiante, e arrepiante que somente demonstra o seu caracter como pessoa e profissional.
      Por acaso deve ignorar que qualquer profissão exercida em qualquer lugar do mundo é sempre mais valorizada do que qualquer profissão em STP.
      E por fim, permita-me que lhe diga, a sua formação académica foi obtida em STP?? Não me responda, pois sei que não foi, a menos que seja mais um curandeiro ( e aqui não estou muito longe da verdade).
      Por favor deixe a sua colega em paz, e tenha gratidão por a mesma estar a alertar as autoridades para a melhoria das condições de vida hospitalar.
      Deixe de ser mesquinho e seja homem com todas as letras.
      Tenho dito.

  27. Silvio Jose

    19 de Março de 2015 as 10:59

    Minha qrd Mana, depois de ler com mta precisao as suas ricas palavras, sinti uma magoa no meu coracao. Porque ??? Porque sou humano e fomos feito de ossos , carne e sangue.
    Eu tbem venho questionando ha mts anos a gestao da vida deste Povo pela qual tbem faco parte e desta Terra q tds chamamos de “TERRA MARAVILHOSAS” feita por tds aqueles q tiveram a oportunidade de serem chamados (as) Sr. Ministro (a).Depois de tanto refletir e ver as disigualdades existentes pude perceber q: TEMOS Q DOBRAR O NOSSO JOELHO DIANTE DO NOSSO DEUS O CRIADOR DA VIDA PEDINDO – LHE Q CONSOLE OS NOSSOS CORACOES E N SO.
    BEM HAJA …. juntos imploremos a misericordia de Deus………

  28. Seabra

    19 de Março de 2015 as 13:10

    Caro Dr. Rocha, creio que a sua colega ,a sra dra majestade Halane “de” Tiny, precisa mas é de uma bôa liçao de simplicidade, de modéstia….descer do seu falso pedestal, oco…que và mas é praticar com aplicaçao à sua funçao de médica (se é que pratica), para salvar vidas.
    Até porque nao descordo (concordo mesmo), com as boas idéias e propostas deitas , para permitir o progresso de STP, mas os comentàrios da dra majestade madame Tiny, é ùnicamente de boca pra fora,para o inglês ver… ela tem “soif” de fama (proprio das pessoas MEDIOCRES), de se disntinguir…ou entao é por falta de assunto.
    Jà là vao anos, que STP vive uma situacao catastrofica no dominio da Saùde…é so agora que ela deu conta do caso. Quem quer fazer algo para o seu pais, fà-lo…faz gestos simples, bons e justos.
    Se eu tenho meios, por exemplo, vou é directamente comprar lençois, pedir uma intervençao de uma ONG (é o que nao falta), para que entre em contacto com a instituiçao em questao , o HOSPITAL, garantir meios que podem ajudar o material oferecido chegar ao destino.Aliàs, hà muito que ela jà podia ter entrado em contacto com certas organisaçoes susceptiveis de vir em ajuda o dominio da saùde de STP. Isto é, se ela realmente chegou de pensar no pais, se teve a algum momento a boa intençao de ajudar STP, mesmo de longe, sem là estar.
    No meu ponto de vista, esta pessoa, Halane, é muito egocêntrica, que procura chamar a atençao sobre a pessoa dela, para sentir EXISTIR, com o seu grandes nomes e titulo Tiny, senhora dona majestade madame etc…mordomias! Vai catar Halane!!!
    Dr. Rocha, nem creio que ela vive no luxo (este jeito de falar,é mais das “donas” que utilizam os atributos que a natureza que lhes deu, para ter um pobre bom partido, que lhes satisfaça materialmente….as parasitas da sociedade).
    Dra majestade Halane, espero a sua resposta sobre a questao “estou com ou sem bolsa?”…seja como fôr, você tem divida com STP ou entao, pare de dizer BESTEIRAS e sê menos arrogante.

    • Atento

      19 de Março de 2015 as 14:38

      Deixa de ser mesquinho homem.
      Mas a Drª.Halane tem que te dar alguma satisfação???
      A carta aberta é dirigida aos governantes de STP e não a ti cobarde!!!
      Quem és tu afinal para questionar a DRª.Halane se o esforço dela a nível académico foi com base numa bolsa ou não?
      Se a Drª.Halane se formou em medicina, foi porque queimou muita pestana a estudar e a valoriza-se como pessoa.
      Quem és tu para colocar o esforço de anos de estudo e formação em causa?
      Sabes o que tu és, pura e simplesmente um invejoso que não deve ter nada na vida, a não ser umas quantas catorzinhas e muitas centenas de litros de vinho bebidos.
      Toma tino moço e deixa a Drª.Halane em paz, pois o que ela escreveu, não te era dirigido.
      Terra pequena esta, com gente ainda mais pequena.

  29. Secreataria

    19 de Março de 2015 as 15:04

    Deus vai fazer justiça com vcs todis que afundaram esse país e vêm aqui vestidos de críticos e defensor d pátria. Senhor não dorme.

  30. Pedro Soarea

    19 de Março de 2015 as 17:56

    Confesso que nunca tinha visto nome semelhante ao da Dra em STP. Halane deve ter sido importado, talvez do Brasil, sera? Mas o que deixa mais encantado nao e nome mas sim a beleza da Dra. Fiquei apaixonado!

  31. Seabra

    20 de Março de 2015 as 11:19

    Mister Atento, o que é que você quis dizer? Trouxe alguma contribuiçao no debate, sobre a ARROGÂNCIA da dita dra majestade madame Halane Tiny?
    Leu bem o meu comentàrio a proposito da intervençao da dita dra, quanto a boa intençao dele em querer ajudar STP( tout à son honneur, d’ailleurs)? Leu o que disse o dr Rocha que està no terreno?
    Qual foi a sua intençao…falar à toa?
    Sim, a dra tem satisfaçao a dar, sobre como formou-se, jà que se permitiu de se expôr publicamente criticando a situaçao de STP…e com toda a razao!Porque se ela estudou com bolsa, é obvio que “DESERTOU” à sua responsabilidade e nao deve ter voz na matéria, por principio e respeito aos outros médicos no terreno, que dao o fisico ao manifesto.
    Mas a sua ignorância, Mister Atento, nao lhe permite compreender a questao do principio MORAL e do RESPEITO pelos que estao na mina de carvao, como o dr.Rocha e muitos outros.
    Outra questao. O mister Atento acha que a dra, com toda a sua SABEDORIA (tal como ela se apresenta e por cima da grande familia dos sàbios TINY), nao pode responder e argumentar pontos por pontos à “contreverse” que ela suscitou (avec sa grande gueule de savante)?Você e outros tantos IGNORANTES é que vêm deitar olio no fogo, sem nada trazer de BOM e de POSITIVO ao debate. Francamente!!!
    Repito, se a dra majestade madame Halane “de”Tiny, tem a intençao de ajudar STP pode fazê-lo, sem precisar de GRITAR. Espero que os meus e outros comentàrios neste sentido, lhe sejam positivos e lhe dêem boas ideias, para vir em auxilio ao pais, STP .
    Nos meus comentàrios nao lhe agredi, respondi apenas baseando no que ela disse com muita arrogância, sobre o comentàrio do colega dr.Rocha, numa linguagem supinamente ATREVIDA!

    • 20 de Março de 2015 as 19:57

      Aí aí aí Seabra…realmente está de parabéns!!! Qualquer dia o suco da laranja acaba, quando um dia tiver um enfarte ou um AVC ou um pneumotórax ou peritonite ou um derrame pleural ou uma pneumonia bilateral grave ou uma DPOC descompensada espero que o seu querido Dr. Rocha consiga estabilizá-lo até apanhar um avião, que pode ser arriscado, para um país que tenha mínimas condições para o tratar e salvar.
      Antes de chegarmos a ofensas ordinárias contra alguém que decidiu dar a cara, concentremo-nos na estrada que nos leva até lá e comecemos por si e pelo Dr. Rocha que heroicamente abdicou da vida de luxo que teria num outro país estrangeiro para estar no seu país a ajudar. A “covardia,egocentrismo, a falta de humildade, mediocridade, a mania da grandeza, a parasita da sociedade” levou que a mesma dessa a cara e escreve-se uma carta aberta. Aproveito a oportunidade para pedi-lo, uma vez que não tenho tamanha intimidade para o fazer, e uma vez que tem vontade de ajudar o seu país, pelas palavras que firmemente escreve, que tenha uma conversa amiga com o Dr. Rocha, para aconselhar o colega que opera tudo e mais alguma coisa sem capacidade técnica para o fazer, que deixe que os entendidos o façam.

  32. Tânia S.

    20 de Março de 2015 as 18:55

    Caro colega José Rocha!

    Falar realmente é mais fácil, fazer é difícil. Acredito que por ser difícil trabalhar nas condições que actualmente está o hospital, foi escrita publicada esta carta aberta.
    Que ganho teve o hospital com a sua ida? Espero que o colega seja especialista em alguma área!!! Porque a noção que eu tenho, é que especialistas contam-se pelos dedos, medicacao da mais básica não há, etc., etc… Será que se lhe dessem oportunidade de trabalhar fora de São Tomé com todas as condições e com salário acima dos 6 milhões de dobras, que ganham actualmente depois da greve que fizeram, a sua opinião seria a mesma? Provavelmente sim, uma vez que o colega está conivente com o sistema de saúde de São Tomé, que coloca não especialistas a executar actos médicos, que só após 4, 5 ou 6 anos de internato para a especialidade, tornam-nos aptos a exercerem-nos de forma autónoma. Apesar de estarmos distantes seguimos atentamente tudo para sabermos como ajudar.
    Não colocando em causa a sua prática clínica, tenho curiosidade em saber o que fez e faz para melhorar a situação do hospital, pois admiro todos os colegas médicos e outros profissionais de saúde que trabalham no hospital sem mínimas condições. Espero que não faça parte dos que trabalham mais em clínicas para manter uma vida de “luxo”, e deixam para o segundo plano o hospital.
    Apesar de pequena, os ecos da carta já se fazem sentir. Está ciente disso? Caso contrário, informe-me.
    Aproveitando a ocasião, respondo ao senhor Seabra que, talvez no país onde mora, difamação e calúnia não dêem direito a cadeia. Acho que o senhor, sim, terá que rever o seu grau de cultura geral.

  33. Halane Tiny

    20 de Março de 2015 as 19:28

    Sua Excelência e Majestade Seabra!

    Pelos seus comentários, posso conjecturar que é de uma mediocridade de carácter, que sequer merece a minha resposta ou consideração. Até então não tenho ofendido àqueles que têm feito comentários. Afinal, não podemos agradar a gregos e troianos. A liberdade de expressão existe e nem todos concordamos em tudo. Aceito todos os comentários a menos que me ofendam sem qualquer motivo.
    Não lhe devo satisfações da minha vida. Pelos vistos, com a minha carta fiz mais do que você tem feito por São Tomé. Certo? Caso contrário, enumere os seus planos e projectos para o país. Talvez eu até possa dar o meu contributo para que os mesmos se concretizem. Não é por eu não ter dado a cara antes, que significa que não tenho feito nada pelo país.
    Atrevo-me a dizer por muitos, que aguardamos ansiosamente pela sua resposta.

  34. Halane Tiny

    20 de Março de 2015 as 19:52

    Caro Helton Borges,

    Antes de mais, agradeço o seu comentário.
    Relativamente às questões que me colocou, devo dizer-lhe que, caso se refira a questões políticas, essa é uma área que, de todo, não me fascina. O meu “dar a cara” agora, não tem nenhum motivo em especial. Mas, convenhamos que, antes tarde que nunca.
    Trata-se de uma situação que há muito tem sido questionada por mim. Tenho contacto com colegas que manifestam sua frustração constante por falta de meios para uma prática clínica digna.
    Eu poderia manter-me calada e assistir de longe a tudo isso, tendo em conta que não sou directamente afectada. Mas não posso deixar de ser solidária com os meus colegas e com a população em geral. Entristece-me saber que muitos que vêm com junta médica, vêm com quadros clínicos graves que poderiam ser minimizados em São Tomé, caso houvesse condições para tal.
    Não existe da minha parte nenhum interesse pessoal com a minha carta aberta. Mas sim é mesmo uma preocupação para com o país.
    Tal como referi anteriormente, eu poderia não ter dito nada, mas resolvi falar, porque penso que antes um grito de socorro soltado ao ar, do que palavras que apenas permaneçam no silêncio. A carta aberta poderá não ter efeito nenhum, mas isso só o tempo dirá.
    Tenho planos no sentido de dar o meu contributo na melhoria do sistema nacional de saúde de São Tomé, mas esses serão dados a conhecer em tempo oportuno.
    Cumprimentos,

    Halane Tiny

  35. cacau

    21 de Março de 2015 as 16:10

    Apenas reflexão nas palavras do senhor Seabra.
    Tudo leva a crer que se trata de um amor profundo e não correspondido.
    Senhor na vida nem tudo o que se quer ou pretende, se tem. A dra chamou atencão dos govetnantes no que refere a saude.
    As suas palavras trazem maguas, e são cegas.o amor tem dessas coisas.
    Aconselho – o a procurar a ilustre dra e ter um dialogo face a face.
    Upss cuide da sua saude e lembre se que amanha sera o senhor estatelado na do hospital.

  36. Pedro Pontifice

    22 de Março de 2015 as 2:25

    Tambem quero me declarar publicamente a Dra Halane. A Dra e linda, linda, linda. Ca esta mais um candidato rendido a sua beleza. Sera que ainda vou a tempo de me candidatar? Os meus Parabens pela carta e espero que a mesma servia para despertar consciencia aos nossos responsaveis politicos.

  37. safú

    25 de Outubro de 2015 as 1:14

    li com muita atenção todos os comentários,,meus caros a Drª expreso-se muito bem,mas mi respondem uma questão,,

    como é possivel os cidadãos santomenses têm a petulancia e a ousadia de exigir algo a qualquer governo que seja,si os mesmo nunca cumprem os seus deveres,que são os de pagar os impostos e outros??

    vocês acham justo vir a rua,exigir melhor saude,melhor educação,melhor estrada,energia e outros,sabendo que a maioria não cumprem os seus deveres???

    OS HOLANDESES TÊM UM DITADO MUITO BONITO QUE DIZ..

    ««DEUS CRIOU O MUNDO,E OS HOLANDESES A HOLANDA»»LINDO ESSE DITADO..

    nos so temos a ousadia de exigir,quando cada um começar a cumprir os seus deveres como cidadãos,,.PAGA IMPOSTO..

    obrigado

  38. Agnelo Mendes de Oliveira

    25 de Outubro de 2015 as 9:32

    Senhora Doutora proponente desta triste lamentacao pelo estado critico ou pessimo da situacao da nossa terra mae:
    Com todo respeito que tenho por qualquer humano digo -lhe que existe muito boa gente e bem posicionada e formada academica e profissinalmente so sabe pura e simplismente dizer que ( isto esta mal , esta mal feito ,isto tem defeito , isto nao deve estar aqui ,voce fez mal , nao deves ou deveria proceder assim e muito mais adjectivo de faltam para completar este entre parentses)mas nao sabem dizer ou nunca diz que se fosse eu , teria feito assim , assim , assim. Embora nao tenha eu lido todos os comentarios em relacao ao assunto exposto pela Senhora Doutora , tanto a Senhora como qualquer dos intervenientes ousaram a sua inteligencia de como encontrar a solucao
    dos problemas multifaceticos que enferma a nossa querida e sofredora populacao da Republica Democratida de S. Tome e Principe , tanto residentes como os na diaspora. So sabem dizer que esta mal mal mal. Porque nao dizem se fosse eu faria assim assim assim? Obrigado……..

  39. NUNO ALMEIDA

    26 de Outubro de 2015 as 7:22

    meu bm, acredito ke sentes muito pelo seu pais + o nosso irmão da camada baixa so sabem escolher pessoas incopitentes, pessoas cm fins lucrativos, pork deste governante ke plantaram so vao escolher mizeria pobreza triteza vergonha, ( votarm por arroz ) e nem tal arroz tem + qualidade, uma pekena ilha ke vive de doação ñ tem governates cm coraçao de honestidade, são tds aldrabões bandidos gatunos e ++++++.

  40. Melixa

    26 de Outubro de 2015 as 15:14

    Tu devias ter vergonha e ser patriota. Em vez de estares a denegrir o teu governo na praça Pública. Algum dia já deste algum contributo a este pai? Mais o estado te custeio os estudos!!! Há sim intenções para melhorias, portanto queremos mãos cá na terra, não manda bocas. Ma-lixa.

  41. joaquim sequeira

    24 de Novembro de 2015 as 10:06

    bom dia eu só queria perguntar a este presidente da republica que e o mais sínico que já mais conhecemos porque deu dinheiro para deixar de produzir as vinhas as vacarias a pesca a construção tudo ao abandono agora quer mamar mais já quer produzir mas como ? o sr portas os alemães foram para a cadeia o portas e o mais gatuno foi para o altar da igreija ,o passos roubou onde trabalhava ou seja através da empresa que trabalhava roubou o que lhe apeteceu agora os cofres estavamcheios devolvia a sob taxa do irs pois agora já não há dinheiro com muinta pena o digo tirão homes sérios do governo e metem corruptos sérios como o sr Manuel monteiro aquém depoisito toda a minha confiança já não interessa porque os corruptos juntam.se esse Manuel antonio pos a camara de gaia na ruina agora quer mamar no governo e vai que tem jeito para mamar isso tem pois o meu obrigado por me poder abrir aos gatunos deste pais

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo