Política

Governo não abre mãos da duplicação de verba para viajar mais em 2012

Polémica está instalada entre a maioria parlamentar composta pelo MLSTP/PSD e o PCD, e a minoria que sustenta o governo liderada pela ADI. Tudo por causa da duplicação pelo governo das verbas para viagens em 2012. Na discussão do OGE na especialidade, a oposição exige redução da verba. O Governo não aceita.

Em 2011 o Governo inscreveu mais de 8 mil milhões de dobras, para alimentar as suas viagens ao estrangeiro. Para 2012, o executivo duplicou a verba. O OGE prevê mais de 16 mil milhões de dobras, para pagar viagens do Primeiro Ministro Patrice Trovoada e do seu elenco ao estrangeiro.

Na discussão do OGE na especialidade, a oposição que representa a maioria parlamentar, exige que a verba para viagens seja reduzida para o mesmo valor de 2011, e que neste momento de crise e de contenção financeira, a diferença seja aplicada para reforçar outros sectores mais carentes. «Não há nenhuma tentativa de bloquear o OGE. A questão é que a verba para viagens duplicou neste orçamento para 2012, em relação a 2011. O que estamos a propor é que se mantém o mesmo valor que foi de 2011. É lamentável que da parte do Governo há uma insistência em manter essa verba de aumento das viagens. Viagens que muitas vezes não trazem benefícios para o povo», declarou António Barros, deputado da bancada parlamentar do MLSTP/PSD.

O PCD também comunga a mesma posição. Através do seu líder parlamentar, Delfim Neves, defende corte na duplicação da verba para viagens em proveito dos mais desfavorecidos. «O governo está a defender o seu orçamento como é lógico. Mas o que estamos a dizer não é que o Governo não viaje. Tanto é que está viajando muito. O fruto dessas viagens ainda não veio, mas pronto temos que ter esperança que virá. Mas o que estamos a dizer é que com a mesma verba que foi definida para 2011, também pode-se viajar em 2012. E a diferença desse valor deve servir para atender os mais coitados. Não há nada para eles no OGE», afirmou Delfim Neves.

A bancada parlamentar da ADI, que suporta o Governo, considera que a oposição está a fazer política de má fé. Levy Nazaré deputado da ADI, explica a má fé da proposta apresentada pela oposição. «Estamos num país pobre com dificuldades, e é necessário que o Governo vá em busca de recursos para o país. Por isso achamos que o que está a acontecer é uma política maldosa. Porque quando a oposição diz que viabiliza, mas depois cria dificuldades ao governo para cumprir a sua política através do Orçamento, é uma política de má fé. Isto não é uma contribuição positiva que a oposição quer fazer», precisou o deputado da ADI.

Reforço de verba para viagens do governo em 2012, gera polémica no parlamento e expectativa na sociedade são-tomense.

Abel Veiga

    58 comentários

58 comentários

  1. Francisca Cara Linda

    8 de Dezembro de 2011 as 14:52

    Cortar as viagens é o mesmo que cortar o salário, por isso haverá sempre resistência. É graças a estas saídas que cada um consegue muitos “euros/dólares” extra e aproveita para recompor os respetivos guarda fatos.

    • ZE Mulato

      8 de Dezembro de 2011 as 20:01

      Nao e’ primeira vez que Patrice Trovoada exerce funcao de Primeiro Ministro de Sao Tome e Principe. Se ele nao conseguiu ate’ agora criar condicoes de melhorar situcao economica de STp entao e’ incompetente. Ele deve deixar outra pessoa oferecer solucao. Que tem fazendo Patrice Trovoada para que STP produza mais para expertacao, comercializacao e consumo interno? Producao para STP sair de dependencia estrangeira e’ solucao, nao viajar para cima e para baixo. Patrice Trovoada nao traz nenhuma solucao, so despesas, atraso, gastos, e dividas para o pais. Temos que produzir mais de 8% em Sao Tome e Principe. O mundo nao tem mais “esmolas” para dar aos corruptos!

      Outros perguntam e comentam:
      “porque até então essas viagem não trouxeram resultado nenhum para o pais. Então porquê queram aumentar a verba?”

      “..Esta gente, o senhor Varela e o senhor primeiro-ministro gostam muito de viajar, boa vida, comer e beber. Deviam mas é estar a trabalhar no duro para tirar o país desta situação de miséria e pobreza.”

      “Viagens que muitas vezes não trazem benefícios para o povo», declarou António Barros, deputado da bancada parlamentar do MLSTP/PSD.

      A bancada parlamentar da ADI, que suporta o Governo, considera que a oposição está a fazer política de má fé. Levy Nazaré deputado da ADI”

      O PCD também comunga a mesma posição. Através do seu líder parlamentar, Delfim Neves, defende corte na duplicação da verba para viagens em proveito dos mais desfavorecidos. E a diferença desse valor deve servir para atender os mais coitados. Não há nada para eles no OGE, afirmou Delfim Neves.”

      Ja sabia Primeiro Ministro Patrice Trovoada odeia o povo pobre de Sao Tome e Principe. Patrice quer ser PM para usar o povo e usufrir de regalias diplomaticas e tratamento VIP com passaporte diplomatico de STP. Neste tempo de crise devemos poupar dinheiro com viagens quer governamental, quer publica, com alguma excepcao incluindo junta de saude medica.

      Temos que poupar dinheiro! Reprovo e chumbo categoricamente ma fe, ma conduta, e ma indole de Patrice Trovoada! Patrice nao gosta do povo Santomense! ponto final

      • PedroCkrles@yahoo.com

        9 de Dezembro de 2011 as 11:50

        Quem so sabe dizer asneira e melhor estar calado.

        • waldemar

          9 de Dezembro de 2011 as 18:04

          voce é k cala

        • h silva

          9 de Dezembro de 2011 as 18:30

          POis sr ira beneficiar dessas viagens…Agora manda calar o povo.Bem de agua…

        • h silva

          9 de Dezembro de 2011 as 18:52

          Isso só teria um remédio!Fradique já mandava esse governo pastar em 2 tempo… não sei onde vai parar o Pinto com a promessa que fez ao povo”de não deixar cair esse governa sem cérebro”…Pinto as vezes temos que quebrar os juramentos…Patrice já esta a começar a abusar da sorte.Manda-o dar uma volta ver se estamos na esquina porque ele acha que a próxima eleição vem com esse dinheiro enganador.Miguel Trovoada fez com PCD aquilo que ADI esta pedindo.A condenação pra toda vida.Bless

      • zulmira carneiro

        29 de Dezembro de 2011 as 18:40

        mt bem dito gostei, so querem boa vida ao sàcrificar o nossa gente.Maus!

    • Nilson

      8 de Dezembro de 2011 as 20:07

      Demitir o Governo, nos termos do Artigo 117.º!!!

      Demitir o Governo, nos termos do Artigo 117.º!!!

      Demitir o Governo, nos termos do Artigo 117.º!!!

      Esse Governo de Patrice Trovoada deve cair o mais rapido possivel! “Duplicação de verba para viajar mais em 2012!!!???”
      Credo! Credo! Credo!

      Demitir o Governo, nos termos do Artigo 117.º!!!

      Lei Mais Alta da Nação:

      Constituição da República Democrática de S.Tomé e Príncipe diz o seguinte:

      Título II
      Presidente da República

      Artigo 81.º
      Competência quanto a outros órgãos

      i)Demitir o Governo, nos termos do Artigo 117.º;

      • waldemar

        9 de Dezembro de 2011 as 18:10

        isso não é necessário. importante é que o governo trabalhe para que o país produza mais e muito mais. stp precisa de produzir de modo que não dependa muito da ajuda externa. o povo, através dos seus deputados devem exigir ao governo mais trabalho e menos viagem.

        • waldemar

          9 de Dezembro de 2011 as 18:12

          … o povo, através de seus deputados, deve…

    • Calibre-12

      12 de Dezembro de 2011 as 12:29

      Convenhamos meus senhores!
      Cortas despesas com viagens num governo liderado por patrice Trovoada serioa o mesmo que desmamar um “bizero” logo a nascença.
      Patrice não vive sem os dividendos resultantes de viagens. Ele adora viajar em detrimento de governar. Governar, isso para ele é apenas um adjectivo. Quem de facto está a governar o País é a geração esperança. Isso mesmo, geração esperança. Um tipo de nucleo dentro duma célula chamada ADI, o que está a levar o verdadeiro ADI a se rebelar. Os adeistas de gema estão muito, mas muito descontentes e eu sou um deles.

  2. asfasfasfasf

    8 de Dezembro de 2011 as 15:17

    Sera que no OGE esta explicito o objectivo dessas viagens e qual é o resultado ainda quando seja ao longo pravo. Sabemos que os membros do governo gostam de viajar porque dai é onde tiram dinheiro para construir suas casas e comprarem carros de luxo para uso pessoal, porque até então essas viagem não trouxeram resultado nenhum para o pais. Então porquê queram aumentar a verba?

    • Martelo de Palha

      9 de Dezembro de 2011 as 5:15

      Neste caso, a razão até pode estar dos 2 lados!

      É verdade que numa situação de crise internacional grave na zona euro, estando nós, ancorados ao Euro e dependendo o nosso Orçamento de Estado em mais de 90% do financiamento externo, estar a duplicar despesas de viagens é no mínimo questionável.

      Até porque se a estratégia passar por fazer mais viagens para a zona euro parece-me a partida falhada, porque neste momento enquanto a Europa não colocar a sua casa em ordem, qualquer pedinte vai levar com um “epah…agora não posso, eu depois vejo o que te posso arranjar”.

      Mas, se por outro lado, o governo pretender alargar os seus esforços na cooperação com os países emergentes como o caso do Brasil, que tem vindo a investir cada vez mais em África, ai acho que a duplicação da verba até pode ser justificada.

      Quem dera que o nosso maior problema fossem esses míseros 8mil milhões de dobras, cerca de 320 mil Euros!

      Este tipo de discussão até parece ter sido encomendada só para dizer que o OE não passou sem qualquer polémica e que os deputados até leram o documento ou que não estavam lá a dormir como acontece com alguma frequência. Sinceramente acho estranho que essa fosse a única ou a matéria mais relevante e que devesse merecer atenção da oposição, mas confesso, não tive acesso ao documento.

      Infelizmente os nossos problemas são muito mais graves!

      O nosso maior problema é a corrupção que tomou conta da justiça no nosso país.

      Meus caros, sem uma justiça séria, credível e transparente, qualquer teoria que se possa ter sobre estratégias de desenvolvimento para um país, cai obrigatoriamente em saco roto.

      É urgente encontramos uma saída. A impressão que me dá é que o novelo é cada vez maior e que ninguém tem ideia de como é que podemos resolver o problema.

      A corrupção existe em todos os Estados, mesmo nos mais desenvolvidos, mas quando os tentáculos chegam a justiça e se instalam de forma tão descarada como está a acontecer em STP, se não for o fim, seguramente que é o inicio do fim.

      Peçam ajuda internacional!

      Tem que haver alguma forma de por termo a esta situação.

      Recuso-me a admitir que seja necessário fazer uma revolta popular para que se faça uma limpeza nos tribunais.

  3. Fála sétu!

    8 de Dezembro de 2011 as 15:38

    Mais um artigo escrito de forma tendenciosa. Telanon ja nos mostrou como se posiciona no contexto político de STP. Em vez de imparcialidade, o jornal não desperdiça uma possibilidade para atacar o Patrice Trovoada. Qual será a desavença havida entre o Patrice e o Abel Veiga, meu Deus?
    Todos sabemos que as verbas para deslocações inscritas no OGE destinam-se a pagar as despesas de viagem de todos aqueles que viajam em missão de serviço, desde os quadros tecnicos até o Primeiro Ministro. Então qual a necessidade de dizer-se: “O OGE prevê mais de 16 mil milhões de dobras, para pagar viagens do Primeiro Ministro Patrice Trovoada e do seu elenco ao estrangeiro”?

    • Téla Nón

      8 de Dezembro de 2011 as 17:34

      Nunca houve desavença entre as duas pessoas por si citadas. No debate parlamentar o que transpirou para o público é que são dotações financeiras, para o gabinete do Governo.

      • Fála sétu!

        9 de Dezembro de 2011 as 8:05

        Muito obrigado pela resposta! É meu dever felicitar ao Telanon pois tinha enormes receios de que o meu comentário não seria publicada. Mas, o Telanon acaba de me provar o contrário, por isso dou “ao Cesar o que é de Cesar e ao Telanon o que é de Telanon: Obrigado e parabens!

    • ARibeiro

      8 de Dezembro de 2011 as 19:04

      Realmente também tenho percebido de um tempo para cá, uma certa ausencia de imparcialidade nos artigos do Tela Nón. Sou um leitor assiduo deste Jornal Digital, mas é com um certo desagrado que deparo com o alastrar dessa situação. É lamentável o rumo da comunicação social santomente.

      Sobre a noticia em causa, acredito que o governo deve ter o necessário para suportar todas as viagens oficiais do governo, e de outros funcionários públicos, nas deslocações as cimeiras, formações… etc. Se a oposição ainda à dias criticava o governo de não ter conseguido todo o montante do orçamento de 2011, e que não houve alterações na lista dos psises parceiros, é obvio que as viagens não foram suficientes ou ainda não surtiram o efeito desejado, de alguma forma o governo precisa se financiar, não é com apostas de longo prazo, como na agricultura, que gerará capital necessário para suportar o orçamento de 2012. Essas apostas devem ser feitas, a pensar ao longo prazo. Tanto a Agricultura como a pesca, o Turismo, etc. Mas por agora precisamos de soluções maais práticas e rápidas. E a principal delas é recorrer aos nossos parceiros históricos (que devido a crise, não poderão dar muito), e arranjar novos parceiros.
      Acredito que as viagens feitas pelo governo em especial pelo PM, não foram desnecessárias e nem foram disperdício de dinheiro, foram investimentos, todo investimento tem um custo (para colher é necessário, plantar, regar e cuidar).

      Compreendo que na situação que se encontra o país, levam à que muitos santomenses, muitas vezes involuntarimente critiquem o actual elenco governativo, mas precisamos também de ter o mínimo de descernimento e saber que as coisas não acontecem num passe de mágica. Pouco mais de um ano de governação não apagará marcas criadas desde a independencia. As coisas estão a tomar o seu rumo. Acredito que o governo não fez melhor porque o cenário macro económico internacional não é favoravel. Mas a nível geral esse é o melhor governo que já vi esse país inssular ter.

      • Anca

        9 de Dezembro de 2011 as 13:22

        Concordo consigo, mas, mais fundamentação dos gastos, com as viagens, mais transparência e ponderação.

        Contenção dos gastos e evitar desperdícios.

        Mais unidade, mais disciplina, mais empenho de todos os cidadãos Santomenses no gosto pelo trabalho árduo, para o caminho, de desenvolvimento social, político, económico/ambiental e financeiro, do país(território/população).

        O passado nada, nos serve, a vida é para frente, no presente podemos cimentar bases solidas para e pelo futuro, da nação, povo.

        Que este governo tem tido mérito, até então, é inquestionável, pelo tempo de tomada de posse, nisso concordo consigo, mas os problemas, que assolam o país(território/população), é e deve ser responsabilidade de todos os cidadãos, da sociedade civil organizada, das instituições do poder, tanto central, como regional e local, com ajuda/cooperação, dos nossos parceiros de cooperação, nunca deve ser visto no seu fim somente, como problemas de governos, tanto deste como de outros, e nós cidadãos Santomenses devemos ter essa consciência, é altura de todos arregaçar-mos a manga e trabalhar.

        Mais empenho e gosto pelo trabalho.
        Mais educação/formação de qualidade interna/externa.

        Pois somos país mais pobre do mundo.

        Pratiquemos o bem

        Pois o bem

        Fica-nos bem

        Santomenses

        Deus abençoe São Tomé e Príncipe

        • ARibeiro

          9 de Dezembro de 2011 as 18:10

          Faço das tuas as minhas palavras.

          É óbvio que a situação que o país se encontra, é da responsabilidade de todos nós santomenses, cidadãos comuns, governos, privados, funcionários públicos, sindicatos, etc. Uns por fazerem as coisas de maneira errada, tomando decisões erradas (demonstra falta de capacidade para ocupar o cargo que ocupa), outros pela corrupção (demonstra uma má índole, falta de idoneidade), outros por deixarem outros praticarem a corrupção (demonstra uma ausência de compromisso com o país) outros por agirem em defesa dos seus benefícios (demonstra orgulho, egocentricidade, e falta de responsabilidade, que pode-se até encaixar uma boa parte da oposição) e outros por não fazerem nada e de se intitularem inocentes pela situação em que o país se encontra, na qual fazem parte uma boa parte da população (demonstra até uma certa ausência de patriotismo, se a pátria é nossa devemos utilizar de todos os meios legais para defendê-la)critiquemos sim, mas que critiquemos com responsabilidade, critica construtiva acima de tudo, para defesa de um bem maior, para defesa da nação, para o bem estar do país, não de um grupo de cidadãos.

          Não devemos viver do passado, mas também não devemos esquecer das escolhas e decisões erradas responsáveis pela situação que se encontra o país.

          Quem vive do passado é museu, mas quem esquece do seu passado Condena o Seu Futuro.

      • fa serio

        9 de Dezembro de 2011 as 14:46

        Meu amigo fala serio, alguma ves o Sr. Primeiro Ministro teve alguma visita oficial, O Sr. viaja quando quer, e horas fora do normal

    • João Beleta

      8 de Dezembro de 2011 as 21:03

      Sr. ou Sra. Fála Sétu,

      Deixe lá de querer dar uma de defensor do Sr. Patrice. O Téla Nón só tem cumprido a sua missão de informar e é um facto que o tem feito com nota positiva.

      Sr. Abel Veiga, não se deixa levar pelas más línguas e continua a cumprir com a vossa missão de informar os santomenses nos 4 cantos do mundo!

      Força Téla Nón!

    • luis santos

      9 de Dezembro de 2011 as 1:18

      Concordo plenamente com o seu comentario- Fála sétu-. E lamentavel essa guerra que Abel abriu ao Patrice, com informacao inclinada e tendeciosa. Tela non se transfomou de um tempo pra ca em buletim informativo do PCD o que e pena pois esse jornal consiguiu um lugar digno no seiu dos santomenses e e triste ver esse jornal a se alinhar a esses ultra negativistas do PDC TRADING. Abre olho Abel. A tua dignidade nao tem preco e o teu jornal merece melhor rumo.. Sobre a resposta do tela non pergundo, o jornal deve reportar o que se transpira na opiniao publica ou o facto? que é essa verda destina-se a toda maquina do estado e nao exclusivamente a P. Trovoada.

  4. fernanda

    8 de Dezembro de 2011 as 16:02

    Pergunta para o Levy Nazaré deputado da ADI:
    Quantos dias o sr PM Patrice esteve em RDSTP durante este ano? Quantas viagens fez ” em busca de recursos para o país” como o sr diz?
    Quanto trouxe? Pelo contrario, o orçamento deste ano tem menos vinte (20) milhões de euros do que o do ano passado.
    Devia-se mais é reduzir o valor em vez de duplica-lo.
    Falei

  5. Mé Zemé

    8 de Dezembro de 2011 as 16:05

    Relativamente a este assunto de viajens, acho que a oposição tem razão, e o governo devia rever os números. No ano passado houve muitas viajens ao estrangeiro e muitas delas ainda não se viu resultados palpáveis. A verba igual ao de ano passado ou com um aumento igual a da inflação do ano passado acho que é suficiente e o resto do dinheiro aplicar em outras áreas mais sensíveis.

    • João P.

      8 de Dezembro de 2011 as 16:34

      Mas o governo quer viajar tanto para quê? Só viajando é que se consegue criar condições para atracção de investimento para o país? Ou é trabalhando mais internamente criando condições para a organização do país, do ponto de vista legislativo, administrativo, diplomático,etc.? Esta gente, o senhor Varela e o senhor primeiro-ministro gostam muito de viajar, boa vida, comer e beber. Deviam mas é estar a trabalhar no duro para tirar o país desta situação de miséria e pobreza. No entanto preferem estar a viajar de um lado para o outro sem fazer nada. Emfim. Estamos destraçados. Não vamos a lado nenhum com esta gente.
      João

    • Helmader

      8 de Dezembro de 2011 as 17:12

      Meu caro, enquanto as viagens não forem pagas por eles tudo irá continuar.

  6. sonia santos

    8 de Dezembro de 2011 as 16:33

    A oposição só esta a agir assim por n estarem no governo pk se eles estivessem o olhar seria outro, sabemos k o nosso pais depende muito da ajda financeira do estrangeiro, por isso se para isso ha necesidade de viajar pk não? Quantas viajens esses bandidos não fizeram quando estavam no poder? Invejosos.

    • Zidane

      8 de Dezembro de 2011 as 19:05

      Será que o melhor para o Pias e perpetuar o que está mal?? Esse Governo foi eleito por prometeu-nos fazer o melhor que o anterior.Por isso é que não podemos passar a vida a fazer referencia ao passado.Agindo assim, não estaremos a contribuir para o desenvolvimento desse Pais.

  7. Anca

    8 de Dezembro de 2011 as 16:35

    Numa altura em que o mundo e as grandes economias os grandes mercados financeiros, são confrontadas, com a conjuntura de cride de dividas, soberanas, redução de investimentos públicos/privados externos, para um país(território/população), que somente contribui com a fatia de 8% do seu financiamento nacional, para o seu orçamento de Estado, estado este – da qual fazemos todos parte integrante, exige-se moderação e contenção nos gastos, fundamentação das despesas(gastos com as viagens), transparências das contas públicas, transparência nos actos de gestão de territorio suas populações, seus recursos, naturais disponíveis, embora, também se deve dizer,o Estado – que somos todos – representado neste caso pelo Governo e Assembleia da República deva, aproveitar a oportunidades dos mercados emergentes OS BRICS, Brasil, Russia, Índia, China, Africa do sul, e outros mercados como Asia Média, mercados Sul Americanos, para cimentar a cooperação, benefica mutua, para os povos, de modo, a estruturar a nossa economia para o futuro, com atracção de finaciamento e investimento crédivel, à nossa economia e finanças, embora deve se ter uma atenção redobrada a criação de iqueza interna, com o aumento de productividade nacional, a nível de agricultura, pescas, turismo, serviços, etc…,etc.

    O paradigma do financiamento do oçamento de Estado – da qual pertencemos todos, deve ser tido em conta e alterado mediante o compromisso entre diferentes forças políticas nacionais, o quadro de percentagem de finaciamento e investimento superior à 90%, para 30% a médio e longo do prazo.

    A altura é de respeito e contribuição trabalho pela a soberania e desenvolvimento sustentável do país(território/população), mediante, estabilidade política, a luta contra a corrupção, pobreza e miséria extrema, que assola o nosso país.

    Mais unidade, Mais Disciplina, Mais empenho no trablho árduo para inverter, as condições de vida a nível social, economico, ambiental e financeiro, do país(território/população).

    Bem Haja

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  8. Anca

    8 de Dezembro de 2011 as 16:36

    Onde se lê “cride”, deve-se lêr crise.

    Desculpem

    Bem haja

  9. realista

    8 de Dezembro de 2011 as 17:04

    essa razao que elegemos deputados pra defender o pais das certas clausulas do governo o povo na pobreza e uma menoria que usufrui da verba do povo viajam pra europa com hoteis pago e muitos velhos criancas e jovens que vao pra cama com fome e sem uma casa propria com condicoes pra habitarem por isto e justo que aja cortes nota 99.

  10. luisó

    8 de Dezembro de 2011 as 18:42

    peguem nestes 8 mil milhões em viagens e comprem mas é uma grua nova para o porto do príncipe para descarga das mercadorias ou então reparem o navio que está avariado por falta de verbas.
    assim sim se ganha o apoio popular e as gentes do príncipe bem merecem.
    depois não se admirem das manifestações e de queimar a bandeira e de pedir a independência. o povo está farto destas gentes que só se governam a eles próprios e não ouvem o povo a passar mal. depois digam que é tarde demais…

  11. das ilhas

    8 de Dezembro de 2011 as 19:44

    bem dito luisó,investir no porto do principe.

  12. Antonio Nilson Menezes do Rosario Amado Vaz

    8 de Dezembro de 2011 as 20:53

    O problema de São Tomé e Príncipe não é apenas Primeiro Ministro, Patrice Emery Trovoada ou o seu governo. O problema está em todo o sistema de governo e do estado Santomense quer a nivel publico ou privado, capacidade, e fracas instituições. Existem muitas pessoas ruins ocupando posições estratégicas de poder em STP a corromper e destruir o país e impedir economico progresso, paz, estabilidade, e bloquear com certeza que não exista responsabilidade fiscal no país. Essas mesmas pessoas corruptas não fazem nada e não deixem que os outros façam algo para a melhoria do país ou do seu povo.

    The problem of Sao Tome and Principe is not just Primer Minister, Patrice Trovoada or the government. The problem is in its entire system of government, capacity, and institutions. There are many bad people occupying strategic positions of power corrupting and destroying the country and preventing progress econonimic, peace, stability, and making sure there is no fiscal responsibility in the country. Those same corrupt people do not do anything and do not let others do something to the betterment of the country and its people.

  13. Paracetamol 500mg

    8 de Dezembro de 2011 as 22:40

    Buscar recursos? Antes de ir buscar devia-se cria-la em stp. Vê-se que o patrice e o seu partido não têm uma solução para a viabilidade de stp, nem os partidos da oposição.
    Os recursos de um pais são os seus cidadão e os recursos naturais. Bem, devia-se apostas nas pessoas, cativar mais os santomenses no estrangeiro em investir em stp, e não ir atrás dos estrangeiro com intuito de dar.
    Patrice gosta não tem dinheiro? Porque é que ele não doa a sua própria fortuna ao pais? Os milhões que secaram a dobra no mercado já não há? Algo cheira a podre neste governo…

  14. Martelo de Palha

    9 de Dezembro de 2011 as 5:05

    Neste caso, a razão até pode estar dos 2 lados!
    É verdade que numa situação de crise internacional grave na zona euro, estando nós, ancorados ao Euro e dependendo o nosso Orçamento de Estado em mais de 90% do financiamento externo, estar a duplicar despesas de viagens é no mínimo questionável.

    Até porque se a estratégia passar por fazer mais viagens para a zona euro parece-me a partida falhada, porque neste momento enquanto a Europa não colocar a sua casa em ordem, qualquer pedinte vai levar com um “epah…agora não posso, eu depois vejo o que te posso arranjar”.

    Mas, se por outro lado, o governo pretender alargar os seus esforços na cooperação com os países emergentes como o caso do Brasil, que tem vindo a investir cada vez mais em África, ai acho que a duplicação da verba até pode ser justificada.

    Quem dera que o nosso maior problema fossem esses míseros 8mil milhões de dobras, cerca de 320 mil Euros!

    Este tipo de discussão até parece ter sido encomendada só para dizer que o OE não passou sem qualquer polémica e que os deputados até leram o documento ou que não estavam lá a dormir como acontece com alguma frequência. Sinceramente acho estranho que essa fosse a única ou a matéria mais relevante e que devesse merecer atenção da oposição, mas confesso, não tive acesso ao documento.

    Infelizmente os nossos problemas são muito mais graves!

    O nosso maior problema é a corrupção que tomou conta da justiça no nosso país.

    Meus caros, sem uma justiça séria, credível e transparente, qualquer teoria que se possa ter sobre estratégias de desenvolvimento para um país, cai obrigatoriamente em saco roto.

    É urgente encontramos uma saída. A impressão que me dá é que o novelo é cada vez maior e que ninguém tem ideia de como é que podemos resolver o problema.

    A corrupção existe em todos os Estados, mesmo nos mais desenvolvidos, mas quando os tentáculos chegam a justiça e se instalam de forma tão descarada como está a acontecer em STP, se não for o fim, seguramente que é o inicio do fim.

    Peçam ajuda internacional!

    Tem que haver alguma forma de por termo a esta situação.

    Recuso-me a admitir que seja necessário fazer uma revolta popular para que se faça uma limpeza nos tribunais.

  15. Isidoro Porto

    9 de Dezembro de 2011 as 6:02

    16 mil milhões de dobras para viagens de um governo insular como o nosso, durante um ano é seguramente muito pouco. Senão vejamos:
    – 16,000,000,000.00 Dbs/17,000.00 Dbs = USD: 941,176.47 por ano;
    – 941,176.47 USD/12 = USD: 78,431.31 por mes;
    – USD: 78,431.31/30 = USD: 2,614.37 por dia.

    Muito pouco para um país insular onde as companhias aéreas vêem buscar os dividendos (com bilhetes caríssimos) para cobrir as suas luxurias nacionais.

    No entanto, devemos considerar em primeiro lugar que não produzimos o suficiente para suportar as nossas constantes presenças nos eventos (desportivos, diplomáticos, políticos, sociais, comerciais, etc, etc) internacionais. Por isso, sou de opinião que se deve reduzir estas despesas com viagens.

    A oposição esteve bem. Mas, se a proposta da oposição, nao for aceite pelo governo, as consequencias serão da sua inteira responsabilidade. Ele arcará com as consequências nas próximas eleições, pois todos tomaram boa nota do bom trabalho da oposição.

    Contudo, isto não é o motivo moralmente suficiente para que o orçamento não seja aprovado, nem para que haja uma crise politica no país.

    A oposição diz que os resultados das infindáveis viagens do Primeiro Ministro tardam a chegar. A oposição não deve se esquecer que aquando da passada FAMIGERADA MOÇÃO DE CENSURA, um figurino antes de se decidir assumir a pasta que lhe era dedicada, fez várias viagens a Angola em vóos privados. Assinou memoranduns de entendimento para vários acordos em 2008 e passados 3 anos, estes acordos ainda estão a ser cozinhados.

    Estou a referir ao acordo do Bunker de Neves, da modernização do Porto da Baia de Ana Chaves, bem como do “Aeroporto Distrital de Agua Grande”. A oposição (MLSTP e PCD) esteve no poder durante 2 anos e esses acordos não saíram do papel naquele periodo.

    A oposição mais do que nós sabe muito bem, como esses acordos funcionam. BAGA DEÇU CA FLÊBE LÉVE LÉVE.

    Mais uma vez concordo plenamente que a verba para viagens deve ser reduzida para beneficiar áreas sociais e o sector de produção de bens que possam reduzir a importação, nomeadamente (produção de sal, água mineral e de mesa, medicamentos a base da nossa rica flora medicinal, etc).

    Nenhum parceiro nos ajudará de forma séria, se não reconhecer que somos sérios e que as suas ajudas seráo bem aplicadas.

    Nesta tribuna, já pedi ao Sr. Primeiro Ministro para recusar viagens oficiais em aviões privados, com o propósito de ir pedir ajudas internacionais. POR FAVOR, NÃO FICA BEM.

    Isto é apenas um conselho em forma de pedido. Se ele não aceitar o conselho, as consequências serão apenas suas no futuro.

    Isidoro Porto
    08/DEZ/2011

  16. ADELINO DOS SANTOS

    9 de Dezembro de 2011 as 7:23

    Gostam de luxo na mizeria

  17. aumato

    9 de Dezembro de 2011 as 7:49

    Use a tecnologia evite viagens

  18. Espirito Santo

    9 de Dezembro de 2011 as 8:22

    Devi-se encontrar um meio termo para resolver essa questão. Humildade e bom senso resolvera o empasse.Deve haver sedencia parte a parte em todo o Orçamento, visto que o governo não tem a maioria parlamentar.

  19. fidelito

    9 de Dezembro de 2011 as 8:56

    Que viajem!
    Mas, não se esqueçam de pressionar os grandes devedores (ROSEMA, GRUPO PHENICIA) do ESTADO a pagar aqulio(IMPOSTOS) que cobram dos contribuintes!

    Só com esses IMPOSTOS podem dar cobertura a essas despesas.

    Os 3 MILHÕES de euros que esses individos devem ao ESTADO devem ser pagos!

    ISTO É QUE É TRABALHAR A SÉRIO!

    • Amadeu

      11 de Dezembro de 2011 as 13:46

      Boa, Fidelito:
      Não sei qual é o seu “JOB”, mas, você daria um bom gestor, se consiguisse pôr a sua ideia em prática. “Todas as economias, que queiram progredir têm que criar políticas de auto-sustentação” PAUL KRUGMAN” (Prémio nobel da economia 2008)

  20. 9 de Dezembro de 2011 as 8:56

    Concordo com a posição dos grupos parlamentares. Desde sempre as viagens dos dirigentes são-tomense nunca sortiram efeito na vida da população. As pessoas que viajam têm desenvolvido a si próprio. Alias é como agúem disse acima, que essas viagens é mais um, dois, três, quatro, cinco…. Salários. Essas viagens são férias daquelas pessoas por isso concordo que seja cortado. Bom trabalho da oposição.
    Sou de opinião que essas verbas sejam afectas á sectores sociais e não só.
    Hoje em dia sabemos como é difícil os jovens encontrarem bolsas de estudos externo, logo porque muitos foram obrigados a estudarem internamente, sou de opinião que essas mesmas verbas sejam alocadas para pagamento de propinas e um subsídio aos estudantes. Por outro lado, que atenção seja dado aos jovens de distrito de cauê, Lembá, região autónoma de príncipe que frequenta ao curso superior.
    Porque o governo não adoptou verbas para compra de livros para a biblioteca nacional e biblioteca distritais, porque a leira é tida como bem público, sou de opinião que os deputados devem adoptar parte dessa verba para compra de livros.
    Um braço

  21. João Bosco Menezes de Pinho

    9 de Dezembro de 2011 as 8:57

    Vocês ainda não perceberam que o Patrice só quer dinheiro para viajar?
    Não está preocupado com o Pais. O Presidente da República que se acautele com Patrice Trovoada.

  22. Suásuá Pires

    9 de Dezembro de 2011 as 9:07

    Toda esta brincadeira só vai parar quando um dia povo dicidir sair à RUA em massa exigindo que dupliquem tambem o salario que se praticam com os desfavorecidos da função publica,que dupliquem tambem as reformas daqueles que quando chega a hora de irem para casa e morerem por causa da miseria que os ditos governantes deste país os colocam.
    Mas toda esta brincadeira só acabará de verdade quando os malditos diregentes que o povo escolhe comessar a ser apanhados um por um e enfolcados pelo povo na praça publica como tambem têm feito com o povo.

    Se este país é um estado de direito demócratico! a onde esta o estado do direito de povo?

    O que tenho muitas vezes pedido a Deus é que o SENHOR faça acontecer o que aconteceu no Japão. Isto sim é justiça que peço sempre. O Governo japonês sempre deu ajudas, até mesmo ao São Tomé enquanto existia muitos filhos de Japão vivendo de baixo da arvore,pontes enfim…

    Querem aumentar verbas para viagens quando deveriam aumentar verbas para hospital Central e Reginal no sentido de criar melhorias de condições!!!

    quando ha muita gente para aranja água pra beber etc ainda passam mal!!!

    quando existem muitas crianças que vão a escola com fome!!! etc.etc…

    O governo quer tocar mais uma musica e uma guitara mas
    o pova ja não quer dançar nem rir entamos fartos com a situação…

    “Aumento de verbas para viagens” ?????

    O buzio ja acabou no mato é agora que vamos começar a comer cão.

  23. kua li

    9 de Dezembro de 2011 as 9:17

    Nesta matéria,não deve haver brincadeira, a oposição está certa e deve manter a sua posição.Caso o governo não aceite que se demita…
    Tantas viagens foram feitas pelos membros do governo e se pergunta quais foram os resultados? Portanto essa verba deveria reduzir e não ser duplicada.Que abuso é este?
    Espero que os deputados da Comissão Especialidade sejam verdadeiros deputados do povo e não meros deputados sem conhecimento de causa e que só estão lá para receber o seu dinheiro.Espero que cortem a verba como a única solução visto que estamos na crises internacional e os membros do governo têm que dar exemplos de austeridade e não de abusividade…

  24. Filho das ilhas maravilhosas

    9 de Dezembro de 2011 as 9:21

    Estou de acordo a oposição,não sei o porquê da necessidade de tanta viagem. O governo devia é apostar numa politica de aumento de produtividade em todos os sectores. Tanta verba para viagem com que justificação? Em vez de estar a contar com o apoio estrangeiro temos é de pensar em sermos autónomos e menos dependentes de ajudas externas cada vez mais difícil tendo em conta a conjuntura da crise internacional que afecta a todos.
    Em vez do deputado Levy Nazaré defender a manutenção desta verba devia é apresentar um plano concreto das viagens. Meus senhores tenham o bom senso porque o povo está farto de crises politicas em STP.

  25. flogá

    9 de Dezembro de 2011 as 10:35

    Em vez de se viajar mais, o Governo deveria vijar melhor, ou seja, neste tempo de crise financeira, é necessário definir estratégias de forma que como o mesmo número de viajens do ano transacto se consiga mais proveitos para o País.

  26. Felado

    9 de Dezembro de 2011 as 11:44

    Em tempo de crise as despesas realmente com as viagens devem baixar.
    Sou um apreciador das actividades deste governo, sobretudo, já que desde a sua entrada em funções, calmou um pouco os grandes escandalos, tais como STP Trading, negociatas de arroz com a firma D e D, caso GGA, casos de passeios da cidade, corrupção da parte dos ditos juízes do tribunal etc.etc.
    No entanto, considero que deve-se restringir as viagens, apenas para o necessário. Penso que a ordem deveria ser, de que com a excepção dos chefes dos órgãos de suberania (primeiro ministro, presidentes da república, do tribunal e da assembleia), todo o resto devia viajar apenas na classe económica.
    Viagens só deveriam ser autorizadas, quando realmente tem-se a certeza que pode trazer algum beneficio para o país. caso contrário, só seriam autorizadas viagens que tenham convites e pagas pelas agências internacionais de cooperação e com tudo pago por eles. Senão não haveria viagens.
    Por isso, baixem um pouco o montante proposto para viagens
    Pensemos no país e no seu povo
    Bem Haja

  27. Mimi

    9 de Dezembro de 2011 as 14:38

    A Camara de Me-Zochi tem uma boa receita para reduzir despesas de viagem. Era bom q o Governo seguisse o exemplo. Nao necessariamente a mesma coisa mas algo que o dignificasse mais, uma vez que o cinto esta cada vez mais apertado para a maioria dos residentes.

  28. Levy e Pratrice

    9 de Dezembro de 2011 as 19:31

    um certo reparo (porquê que isso que isso vos incomoda tanto, dexa-nos em paz para nós comermos um cóchí de dinheiro ok)

  29. Governo

    9 de Dezembro de 2011 as 19:46

    Eu Sou daqueles que sabia que vcs estavam no governo desde sempre com este plano

    Levy TODOS SABEMOSM QUE É UM PAU MANDADO, os outros seguem as ordem do Patrice
    e assim vai governação

    TEMOS QUE POR ESSES SENHORES PARA FORÁ, AGORA É OPORTUNIDADE.

    EU FALO EM NOME DE POPULAÇÃO DE MÉ-ZOCHÍ, DE ÁGUA GRANDE, CAUÊ, PRÍNCIPE, LOBATA, CATAGALO, LEMBA, têm que sair já por fizeram campanha e prometeram e agora dizem que não prometeram nada, vcs estão a brincar, vamos entra vcs com cassete, menos aqueles que abaixo cistamos, Ministra de Saúde, Negócio Estrangeiros e Obras Públicas; restante vão tomar muito paú vcs vão ver noticia a correr em breve.

    fico por aqui com esperança de cumprir o que dessemos aqui é sera em breve

  30. Linda

    9 de Dezembro de 2011 as 19:48

    força!

  31. Fijaltao

    9 de Dezembro de 2011 as 23:17

    O governo da república e a constituição da república, deveria honestamente analisar a questão de números de deputados do país e o número de ministros do país que também deveria ser reduzido para metade popando assim algumas despesas ao estado santomense!

    O orçamento do estado que prevê uma verba para deslocação dos membros do governo, não é caricato, mas um tanto ao quanto pretencioso! porqu; modestamente esta verba para viagens que durante o exercicio do governo surgem exporádicamente para o bem do país deveria ser uma verba financiada na altura da viagem e contabilizada no orçamento posterior às viagens!

    Também é normal que na terra de desonestos, as viagens são como que mais uma subvenção ao salário real de alguns na busca de bens materiais como carros, mobilias, electrodomesticos e tudo que só podem possuir estando no governo!

    por outro lado, o governo honesto deve evitar as viagens desnecessárias, porque hoje em dia existem videos vigilâncias para todo o tipo de encontros e negócios!

  32. Vane

    10 de Dezembro de 2011 as 23:30

    Bom, existe alguém q pode me passar o orçamento da demissão de tds esse políticos improdutivos?
    Por que será eles são bem rápidos em exigir beneficíos próprios enquanto a população não tem nem transporte coletivo?
    Será que só existe sanguessugas, alguém pode me passar o nome de algum político ético?

  33. Bernardino monteiro

    12 de Dezembro de 2011 as 0:30

    Sr antonio nilson muito obrigado pelo comentario politico e democratico es a gerecao da melhoria e desenvolvimento sustentavel, quero lhe dizer que ando a procura de jovens com esperito de mutivacao coragem e ideias, para por fim a ma politica que se vive em sao tome, deixa falar o ctodos temos direito de exprimir a revolta e descontentamento mas com respeito no uso da expressao gosto ler o seu comentario fala o que deve usando artigos da constituicao, obrigado

  34. Carla

    12 de Dezembro de 2011 as 10:51

    O PCD e MLSTP/PSD são virus do HIV matam o povo silenciosamente.Sobretudo os jovens.Esses bandidos tanto tempo falavam da juventude e nunca fizeram nada.

    O ADI hoje contemplou no OGE 1 milhão de dollar pra jovens MLSTP/PDS E PCD associaram e cortaram.porque não terão margem para roubar, isso não é justo por isso estamos calados a espera da eleiçao para punirmos de forma dura esses dois bandidos santomenses que só sabem viver no poder e não fora dele.

  35. ju

    12 de Dezembro de 2011 as 12:23

    Na mina oponião, o Sr PR.deveria chamar esse Sr.PM e aconcelia-lo para baixar esse valor que ele quer no seu bolço para viagens desparatadas no sentido de evitar contrangimentos com o seu governo.E digo mais,disem que esse Sr. Patríco Trovoada tem seu Avião.
    Eu pergunto, porquê que com esse Avião Ele não pode nos dar apoio, nesse caso STP, um pais tão pobre que tanto precisa?

    Este Sr. gastou tanto dinheiro em toda as eleições.
    Será que é encontro de conta?

    Este Sr. queria que fesse o seu colega da ADI a ser o Presidente da República.
    Se fosse?

    Este Sr. está a governar com muita arrogancia,até mesmo com ditado.
    ST. não é um pais democrático, ou não tem direito na democracia?
    O Governo está a resistir com esse OGE porquê?
    Os Depotados já não temhem valor no parlamento quando se ponhem contra o mal?

    Alguém disse no parlamento que a oposição está a fazer uma política de má fé. Mas, quêm realmente está a fazer política de má fééé,são todo os ADIENSSES mas o seu Governo.
    Fundamento dizendo que:
    Os elimentos do Governo não andam a nossa praça, porque andssem poderiam ver com os seus próprios olhos, quando as pessoas constantenete nos pedem dinheiro,outros poque não comeram durante o dia,outros porque não têm nada prara jatar,outros porque querem comprar medicamentos etc,etc…

    Obrigado a todos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo