Política

Assembleia Nacional devolveu Moção de Censura da ADI a procedência

Numa frase o Presidente da Assembleia Nacional Alcino Pinto, pede ao partido ADI que seja observado rigorosamente o artigo 225 do regimento da Assembleia Nacional.

O Téla Nón publica uma cópia do texto da moção de censura apresentada pela ADI a mesa da Assembleia Nacional na última quinta – feira, e também o despacho do Presidente da Assembleia Nacional, que pode ser lido na mesma cópia do documento que foi devolvido a procedência. O despacho de Alcino Pinto diz o seguinte : Devolva ao proponente para a observação rigorosa do artigo 225 do regimento da Assembleia Nacional. Despacho assinado pelo presidente do parlamento no dia 18 de julho.

O artigo 225 do regimento da Assembleia Nacional diz o seguinte :

Artigo 225.º  – “Podem apresentar moções de censura ao Governo sobre a execução do seu Programa ou assunto relevante de interesse nacional, um quarto dos Deputados em efectividade de funções ou qualquer grupo parlamentar”.

O leitor pode também consultar o regimento da Assembleia Nacional, para melhor analisar ou compreender esta polémica política.

Pode clicar sobre o documento abaixo :

1 – Moção de Censura da ADI

    47 comentários

47 comentários

  1. Negro de STP

    20 de Julho de 2013 as 3:58

    Em Portugal Passos Coelho ja foi confrontado com 5 mução de censura .Julgo que em S.Tomé o direito a mução de censura esta a ser posto em causa .
    Os instrumento que a democracia dispõe como mução de censura , o direito a manifestação estão a ser retirado e bloquiado por este governo de Gabriel Costa isto é priecupante e asustador.
    Difinitivamente estamos de volta a ditadura.

    • Tio António e gente burra

      20 de Julho de 2013 as 16:13

      O teu comentário bem como alguns de nomes já sobejamente conhecidos são tendenciosos,respeitosos de nexo e fastidiosos de ler,aconselho a reler a noticia,e ser mais honesto intelectualmente,tente livrar-se dos teus propósitos ou se conseguires, conjugue-o melhor com a realidade sob pena de lassares por nécio…

      • Negro de STP

        20 de Julho de 2013 as 21:39

        (Tio Antonio gente burra) pelo facto dos meus comentarios não lhe agradar ou não ir ao encontro de aquilo que você defende não quer dizer que elas sejão tendeciosas.
        Os meus comentarios não são para agradar ninguem, nem a Adi nem partido nenhum vai ao encontro sim da realidade de S.Tomé.
        Quero dizer tambem que não preciso dos seus concelho para nada a situaçào de S.Tomé esta a olhos de todos.
        O pior cego é aquele que não quer ver.

        • Tio António e gente Burra

          21 de Julho de 2013 as 8:43

          Realmente a tua catarrata causou- te uma irreversível penumbra que mal consegues interpretar,uma noticia clara e concisa,do modo como partes para o ataque,tens uma narrativa já feita,estas que nem os meninos quando aprendem as vogais limitas acrepetir,situação que hoje apelidas de ditadura,não era nos estranha a 2 anos atrás,esqueceste da ditadura da TVS,do desprezo das convocatórias da AR,o mal do nosso pais esta na ausência de imparcialidade dos seus autóctones,pense a tua terra como pensas a tua família veras que tenho razão,ai de mim querer condicionar um cidadão livre,! mas convenhamos haja coerência paracque respeitem a tua opniao,porque não existe num mesmo facto 2 razoes,por isso fé kua pá sum tê lazon…respeitosos cumprimentos

          • Tio António e gente Burra

            21 de Julho de 2013 as 9:30

            Digo-te mais, se estas atento aos problemas de São Tome e Principe,achas sério este espectáculo que o ADI tem nos oferecido a 2 anos,se o governo do Gabriel esta no poder,queira vós concorde ou não,foi por culpa do ADI,perfilaram por uma estratégia de confronto,autocrático,desnecessário disvirtuando regras do jogo democrático para forçarem uma eleição,estratégia que se gorou,agora tenham paciência,assumam as consequências dos vossos actos,as estratégia que passava por obter nas eleições maioria absoluta,pois o estratega mor,percebeu que só assim conseguiria os seus intentos megalómanos,invés de resolver os problemas do pais gerando emprego,andou a vender sonhos e a comprar os seus colaboradores mais próximos,foi o primeiro,1 ministro que foi ao estrangeiro influenciar um presidente de um pais africano,para propor o PR um sistema presidencialista,porque será?Não è que eu seja contra um tal sistema de governo,apenas acho que esta opção a ser feita,deve partir de uma consulta popular,e de uma discussão alargada entre a sociedade civil…

          • Negro de STP

            21 de Julho de 2013 as 11:39

            (Tio Antonio gente burra)
            Se eu tenho catarata você tem miopia.
            Alguns santomenses tem mania que sabem mais do que os outros .
            Vamos fazêr um debate com elevação sem insultos.ok?

          • joão pedro

            21 de Julho de 2013 as 18:48

            Engraçado como o sr. António debita os seus palavrosismos,assumindo-se o patrono da verdade,diagnosticando inclusive a sanidade visual do seu oponente.Bravo,mas no sentido jocoso do termo,porque quem se encontra viso-patologicamente enfermo é o sr. se realmente esta atento aos problemas socio-politico de stp,teria uma linguagem mais justa.Quem é que não percebe, que em stp existe uma campanha feroz,atroz,desenfreiada com o unico objectivo de exterminar a família ADI!! só que esquecem que o ADI é o povo.
            A reijeição da moção de censura não obstante suscitar incomodos para o governo,ela foi legitima.Cabe agora ao ADI cumprir as fomalidades invocadas pela AR. Até aguardemos com serenidade.

        • Tio António e Gente Burra

          22 de Julho de 2013 as 11:29

          Meu caro João Perdro,sentido jocoso são as palavras provindas de quem por dever de obediência a troco de quê só elas sabem,ou por mera aversão a verdade quando lhes é inconveniente,se dedicam a querer enfiar barretes,e a pregar calotes,aos inocentes,queira acreditar meu concidadão,ninguém precisará sujar-se para exterminar o teu querido ADI,porque pelo andar da carruagem serå os proprios menbros do ADI a decertarem a sua setença de morte,basta atentares aos atropelos e a incongruencias das acoes dessa “força”por via dos seus dirigentes para se constatar que já se encontram em estado de putrifacão,quanto ao A DI representar o Povo é tua ideia,mas Uê Péna Mú na Xi Belê fô….

          • E. Santos

            22 de Julho de 2013 as 17:14

            Heheheh, não consigo compreender porque têm tanto medo da moção de censura. Não estão seguros da vossa aliança, é isso? Gigante com pé de barro…é disso que têm medo cert? Porque no próprio MLSTP já há vozes descordantes desta política estupida que querem impingir a este POVO, em que o Presidente é o Todo Poderoso, o Ministro da Defesa o seu carasco e o POVO, um nada.

          • joão pedro

            22 de Julho de 2013 as 18:49

            Estimado António
            Questões Prévias.
            Por lapso ou por erros de escrita que vão para além do mero lapso,o sr.escreveu,(…a decertarem…sentença de morte.)Pois salvo o devido respeito, “decertarem” vem da palavra decertar,que significa lutar,batalhar,pelejar.

            MOTIVAÇÃO.
            Eu não debito falácias,nem elabirinto-me em trivialismos literários.
            Para o teu governo,sou por indóle próprio,honesto e pragmático.
            O sr.fica intimado para despir a sua ostentada mascara,e dar uma chance a sua consciência escutando-a depois dizer-me da
            sua avaliação,quando ela(a sua consciência)que pelos vistos,encontra-se aprisionada por ti próprio, putativamente por ignorancia,te segredar os sentimentos da populção santomense,dos descontentamentos que pairam no seio da massa,das preferências partidárias,de que lider é mais acalorado pelo povo,se houver uma eleiçao amanha que partido ganharia,enfim.Portanto,quando o sr. munir destas informações autoriza-lo-ei a pôr-se em bicos de pés para dissertar comigo.
            Para terminar,não podia deixar de refutar a sua insinuação.Quem vive alheado das realidades do país é o sr.até porque,pelo o que escreve,exibindo falta de honestidade,de sonancia,apenas demonstra uma especie de sons neblusos que só têm efeitos para os aliados dos teus pensamentos.Eu escrevo o que é sentimento maioritário.O aprendiz de CAPCIOSO é o sr. António.
            Ficamos por aqui.

  2. loqueto iambongo

    20 de Julho de 2013 as 4:19

    Adeistas, palhaços!

  3. Takora Mohamed

    20 de Julho de 2013 as 6:54

    Resumo da moção de censura PALHAÇADA do ADI.

    • homem honesto

      20 de Julho de 2013 as 20:54

      Takora, palhaçada és tu.
      Não te lembras que quando vocês assaltam o poder o vosso sucesso é só corrupção ( venda de ação da enco, STP trading, arroz podre e mais). A recusa da moção de censura pelo presidente da assembleia é medo de perder tacho não trabalhado.
      O governo vai cair.

      • kwatela

        21 de Julho de 2013 as 11:08

        Ninguém assaltou o poder. O ADI ofereceu-o numa bandeja de ouro ao actual governo. agora aguentem. não chorem!!!

  4. pedro

    20 de Julho de 2013 as 8:08

    Viva Pr. Alcino Pinto VIVA

  5. Cassuma-sofredor

    20 de Julho de 2013 as 8:43

    Tudo indica que o Alcino Pinto apenas quer tirar proveito politico fora de se tratar como presidente de assembleia onde já temos menor dúvida que iria ser devolvida a moção de censura na qualidade de atropelar a constituição da Republica

  6. Vai tu

    20 de Julho de 2013 as 10:56

    Por aquilo que posso interpretar é que a aritmética da ADI, está esquecida, só espero
    que o rigor exigido pelo Sr Presidente da Assembleia,não inclua décimas (13,75 Deputados).

    • Vai tu

      20 de Julho de 2013 as 16:30

      Ou os deputados não são efetivos…

  7. Alfredo

    20 de Julho de 2013 as 11:15

    Adi estão frustrados

  8. Mário Freitas

    20 de Julho de 2013 as 11:38

    Viva a democracia!

  9. rui

    20 de Julho de 2013 as 13:49

    Formado na iucai….vergonha pra todos aqueles k queimaram pestana numa licenciatura em direito. Esta interpretaçao indicia para alem de imcopetencia….abuso de poder

    • rato

      20 de Julho de 2013 as 15:27

      Ola rui,
      uma pessoa pode ser formada na lua não é mais esperta que a outra.

      Só para você escreve-se incompetência e não imcopetencia….!

      • Neima Cassandra

        20 de Julho de 2013 as 18:21

        Desculpe, mas estes senhores deportados do ADI, são mesmo muito brincalhões! Então os senhores não reconhecem o Presidente da Assembleia e dirigem a carta a ele com a moção de censura.
        Acho que em primeiro lugar deviam fazer uma declaração pública tal como fizeram no passado ao abandonar os trabalhos na Assembleia e o não reconhecimento do poder instalado, a informar ao povo que eles arrogam estar de lado deles de que finalmente reconhecem o poder instalado e que já retomaram os seus trabalhos na Assembleia Nacional! Estes é no mínimo o ponto prévio por respeito a pelo menos a parte da população que estes senhores representam. Embora desconheço o regimento e as razões da devolução do documento, acho que o Presidente da Assembleia tem razão. Senão vejamos:
        O ADI, não reconhece o primeiro ministro Gabriel Costa nem o seu governo ( disse publicamente em varias ocasiões) então a moção de censura é contra que governo? aquele que eles não reconhecem? Isto é ser no mínimo incoerente! A nota que submete a moção foi dirigida a que Presidente da Assembleia? Aquele que eles não reconhecem até enviaram carta a Timor a dar conta disso?
        Acho que o ADI sobretudo o seu secretário geral está a agradecer ao Alcino por ter tomado esta medida só que por vergonha estão a busca de bod expiatório. Por que insistirem na introdução desta moção e ela chumbar depois de varias derrotas em todas as frentes de batalha do ADI esta será o fim do ADI do Patrice e Levy. Num partido sério isto poderá desembocar num congresso extraordinário para substituição da direcção ou perda de muitos militantes.
        Modesta opinião que uma jovem que nada de politica entende:

        • Nom Mole

          21 de Julho de 2013 as 12:24

          Jovem tomei a liberdade de subscrever o cerne do conteúdo da sua reflexão,em primeiro para exaltar a evolução que esta representa em confronto com as ideias por si exposta anteriormente,e se bem recorda já contestei veementemente algumas exposições advinientes da vossa pessoa,em segundo para dizer que tal coerência deve prevalecer nas nossas ações sempre ainda que contra personalidades que por nós colhe afecto,porque para além do afecto que nutrimos por certas individualidades,afecto maior devemos nutrir pela pátria de que somos parte e que intrinsecamente estamos ligado,e se o acto dos nossos afectos(individualidades) merecerem reprovação nao hesitemos,porque ridículo é a defesa do indefensável pior ainda quando configurem crime de lesa pátria,como ocorreu numa certa situação que é de si recordavel,bom aguas passadas nao movem moinho,registei a evolução com agrado,Sao Tome e Principe agradece…um bem haja

    • DCGA

      21 de Julho de 2013 as 9:46

      Caro Rui;
      O Sr. sente-se tão competente por ser formado em raio-que-o-parte que vê-se no direito de julgar os outros por ter sido formado no IUCAI. No entanto, os seus erros são tão básicos “ortográficos”, que a sua incompetência fala por si.

  10. zeme Almeida

    20 de Julho de 2013 as 16:39

    Isto tudo vai acabar daqui a uns meses.podem crer.Já está no cerco e vamos arrazar com maioria absoluta.Aproveitem com o tempo

  11. Joscon

    20 de Julho de 2013 as 17:08

    O expediente jurídico, bloqueia a moção de censura

    Estamos a aferir que em São-tomé e Príncipe, todos os direitos fundamentais de cidadania estão a ser arrebatados de forma mordaz e até provocante. Caminha-se lentamente para as formas mais graves de um despotismo empacotado. A moção de censura apresentada pelo maior partido de posição – ADI, foi rejeitada de forma propositada – atendendo aos expedientes jurídicos constitucionais. A vontade do povo foi pervertida pelo órgão legislativo – Assembleia da República. Pergunto – será que o deputado Alcino Pinto tem legitimidade democrática e política para tal acto?

    A eleição do deputado Alcino Pinto para Presidente da Assembleia de São-tomé e Príncipe, representa um arresto, uma torção, um ofensa e um atraso civilizacional no que diz respeito as regras elementares de uma democracia evoluída. Não se percebe, nem tão pouco se compreende, que um parlamento funcione sem quórum. O deputado Alcino Pinto foi eleito para o citado cargo, num momento em que não havia quórum no parlamento, isto é, o número de deputado requerido para que a sessão plenária funcionasse em pleno estava em falta (ausentes os deputados afectos ao maior partido (ADI)), por incompatibilidades políticas e divergências insanáveis. Portanto, a eleição do deputado Alcino Pinto para o cargo de Presidente da Assembleia – constitui um golpe duro para a democracia, porque não se respeitou o número de deputados exigidos para o efeito, por isso, estamos a observar os vícios, as manobras e as arbitrariedades.

    Vimos o que aconteceu com o deputado Amândio Pinheiro que foi amovido do cargo por expedientes jurídicos – situação aliás inconcebível e intolerável, tendo em conta que a constituição de São-tomé e Príncipe, tem características similares à da constituição Portuguesa. Nunca ocorreu um caso deste em Portugal, em que o deputado foi sequestrado pelo partido. À medida que o deputado entra em rota de colisão com o partido, é livre, passa-se a situação de independente.

    Os partidos políticos em São-tomé e Príncipe enclausuraram os deputados de tal maneira, que ficaram acorrentados, sem autonomia, submissos, sem liberdade quer de pensamento e de contestação, pois funcionam como autómatos. Se por alguma razão, o deputado não concorda com as políticas seguidas ou os rumos traçados pelo partido, não pode passar a situação de independente, terá forçosamente que deixar o lugar ao partido. A isto se chama – nova forma de escravatura e de liberdade de pensamento. Desde Abril último ano, que o parlamento São-tomense, está a funcionar com ausência de um deputado, pois o partido PCD que detinha 7 deputados – passou a funcionar com apenas 6 deputados, após a suspensão do deputado de Amândio Pinheiro. Portanto, há um desvio da regra elementar. Pergunto, vale a pena ser deputado em São-tomé e Príncipe, com os dados viciados e com regras que subvertem os princípios morais?

    Devido a carência de empregos dignos e de rendimentos, muitos aceitam ser deputados nestas condições, o que acaba por ser um subemprego, isto é, esta situação ocorre normalmente quando a pessoa não tem recursos financeiros ou formação técnica adequada para se recolocar no mercado de trabalho e conseguir um emprego digno.

    Qualquer São-tomense que pensa pela sua cabeça, de forma autónoma, sem preconceito e imparcial, chega à seguinte conclusão – o sistema de representação da república mudou e foi alterado, sem que houvesse uma alteração da constituição, passamos de um sistema semi-presidencial para um sistema presidencial, em que o chefe de Estado detém todos os poderes e, tem como executantes os dois delfins (ex JMLSTP) como articuladores – o Primeiro- ministro e o Presidente da Assembleia da República. Enfim, temos todos os ovos, no mesmo cesto, agora é preciso ter paciência e cabeça fria, para enfrentar esta nova forma de vida, sem violência e verdade.

    Quando refiro “não-violência e verdade”, pela forma que eu a concebo, quer dizer que devemos lutar activamente em prol aquilo que acreditamos, sem perder o norte e sem abdicarmos de ser aquilo que sempre fomos – a verdade e a não-violência são as forças mais activas de que São-tomé e Príncipe necessita neste momento.

    Espero que a situação de que o país está a passar, seja transitória e, aguardo sinceramente que em São-tomé e Príncipe não sejam cercadas por murro e barreiras de todos os lados e, que as janelas não sejam tapadas, de modo a que haja uma luz ao fundo do túnel e que a liberdade seja possível.

    • kwatela

      21 de Julho de 2013 as 11:20

      é verdade meu caro…só que quando ele esteve do lado do ADI ele era santo agora!!!

      • E. Santos

        22 de Julho de 2013 as 17:30

        Desde que o Pinto da Costa tinha saído da cena política são-tomense que já não se via um país assim. Nós fizemos o Pinto da Costa voltar e com ele toda a bagagem. Agora temos de assumir as consequências da nossa opção. Até um dia.

  12. felisberto

    20 de Julho de 2013 as 17:50

    MINHA GENTE:
    Desculpem.Português claro:
    Artº225:
    “….em efetividade de funções…”.
    Ou será que todos os assinantes “NÃO ESTÃO EM EFETIVIDADE!?
    ADI´istas palhaços.Este partido perdeu toda noção.Enfim nem os “ditos” juristas já não conhecem lei.
    Estudar,estudar e sempre estudar é importante.

  13. maria luzia

    20 de Julho de 2013 as 19:17

    Oi Rui,
    IUCAI escreve-se com letra maíscula e, não te esqueças que é a primeira Universidade do pais formou muita gente e garanto-te que temos e conheço bons quadros frutos de lá. Não concordo que espezinhes a pessoas que por la passaram ou têm passado. Vc onde concluiu os teus estudos superiores no mundo do além? E por isso es melhor do que todos? convenhamos…

    • Maria

      22 de Julho de 2013 as 8:56

      Maria Luiza, faço minhas as suas palavras. Dois dos grandes problemas sociais que temos é a arrogancia e o envenenamento politico em que vivemos. As pessoas não conseguem manifestar pelo seu ideal, tudo movido pelo rancor da politico. É uma pena!… E os valores que deixaremos aos nossos filhos nem se fala. A formação no país, a verdade seja dita foi a solução para muitos problemas. Quando terminei o 11º ano, com 17 anos e com boa media,bolsa era só para os meninos bonitos. Graças a deus surgiu IUCAI e foi a salvação. Tudo na vida vai aperfeçoando com tempo e todos podermos a apoiar, não havia ISP nem Lusiadas. O país ja tinha quadros formados nos exterior, eu pergunto, as coisas recorreram/correm mal porquê? O fracasso todo é devido a incopetencia dos formados no IUCAI. Não devemos substimar os outros. Em S.Tomé sempre houve distinção do país de formação, mas a verdade é que estamos todos no mesmo barco. Portanto formado no país ou no exterior o importante é que todos deem o melhor de si, nós nos complementados. Quem se acha muito competente dê uma mão as nossas universidades/instituto. Enfim…

  14. Nelson Carvalho

    21 de Julho de 2013 as 8:20

    Não sei onde vamos parar com esse nosso comportamento. A sociedade esta-se a degradar cada vez mais, o futuro esta mais longe e incerto. Ninguém se assume a culpa, andamos a acusar uns a outros, a passar a culpa para este e para aquele e acaba de ficar sempre solteira, ninguém se responsabiliza dos erros cometidos enfim…
    Penso eu, que deveriamos nos congregarmos unidos para resolver o problema que hoje afeta o mundo, onde os nossos parceiros económicos têm grandes dificuldades de nos apoiar, e acho que seria a melhor forma duque andarmos aqui a falar mal deste e daquele que não nos identifica.
    Somos um povo pequeno, quase todos parentes e deveríamos nos entender e partilhar o conhecimento, sabedoria, experiência, ideias, levando connosco a consciência, coerência, responsabilidade, disciplina,trabalho, transparência, humildade para se aprender e compreender o outro, evitar os conflitos, tenho a certeza que o País e o povo viria agradecer.

    • matuitui

      22 de Julho de 2013 as 8:13

      Attenção ao “duque”.Para não ser confundido com “Duque de pau”.

  15. Stwart Neto

    21 de Julho de 2013 as 11:22

    O Governo tem maioria no parlamento, então porquê não o debate? Se a trioka sabe que isso de censura não passa, então porque não o debate. Porquê tanto medo?
    O poder actual prometeu abertura e transparencia, será isso a transparencia? O Pinto pediu união, então não se descute os problemas, será que so o MLSTP tem razão?

  16. terra a mão

    22 de Julho de 2013 as 7:59

    O Levi se lembra a quando da queda do Governo do Patrice Trovada ,em que ele veio a neves fazer uma reunião,e que em plena reunião um deputado suplente da bancada do ADI,fez aintervenção dizendo que “O PODER LEGISLATIVO TEM UM CUSTO”?…….. O Levy naquela altura cega pela ignorancia respondeu de forma soberba e ignorante,hoje o senhor da razão ao jovem deputado.Alias a intervenção foi feita por jovem que nunca dependeu da politica ,ao contrario do Levy que mesmo sendo conhecedor da verdade ,ignora-os por causa do interesse pessoal (dinheiro do patrice),os dias estão a acabar para o ADI,vejamos ,se acaba o patrice ,acabou o ADI,porque o ADI não é um partido democratico ,tem um dono ,e se ele afunda ja era.
    Fui LEVYY ,PREPRA-TE SEU IDIOTA.

    • OLHOS ABERTOS

      22 de Julho de 2013 as 11:59

      Muito bem dito. O dia vai chegar.

  17. desta terra

    22 de Julho de 2013 as 8:58

    Alcino Pinto com esse despacho, envergonha a Universidade que lhe passou o diploma.
    Ou por outra, coloca em causa o esforço que ele fez no IUCAI para tirar o curso de direito.
    Então o Alcino não sabe, que quando a lei diz até 1/4 de deputados, está a referir a no mínimo 1/4?

    Ora vejamos, a assembleia tem 55 deputados.
    Logo 1/4 dá nos 13,75 deputados.

    O Alcino Pinto está a exigir que a moção de censura seja subscrita por 13,75 deputados.
    Neste caso como é que um deputado só se faz representar por 0,75, ou seja por metade?

    Onde que o Alcino Pinto aprendeu isso?

    Ou é mesmo a sua própria falta de capacidade de entender e interpretar a Lei.

    Se for esse o problema, ele errou ao escolher o ramo de direito para se formar.
    Quer dizer que ele não tem vocação para ser jurista.

    Devia ser politólogo.

    Essa justificação Alcino, foi muito má para alguém que é formado em direito.

    É com tipo desses formados que fez com que o STP não desse passo rumo ao desenvolvimento que todos nós almejamos.

  18. Chefe de Estado

    22 de Julho de 2013 as 9:25

    A minha opinião sobre o despacho proferido pelo Presidente da Assembleia que recaiu sobre o pedido do partido ADI é uma Aberração Jurídica nunca Visto!Apercebe-se logo, que o Presidente do órgão legislativo por excelência desconhece-se o art.º 9.º do Código Civil.
    Um abração de longe (Portugal).

  19. adelino santos

    22 de Julho de 2013 as 9:32

    Eis o texto.
    Gabriel Costa demite-se e facilita a vida ao Pinto da Costa
    Gabriel Costa vai ter que tomar a decisão política mais difícil da sua carreira. Ou demite-se antes da quinta feira ou enfrenta o maior vexame durante o debate de moção de censura apresentado pelo ADI. Nesse momento Gabriel Costa não tem argumentos para convencer a ninguém nem à ele próprio.
    O actual Primeiro-Ministro Gabriel Costa, jurista de formação, advogado de profissão, ex-bastonário e ex-embaixador, é uma pessoa integra, nacionalista, patriota e pessoa de bem. Ao ser convidado pelo Pinto da Costa para assumir o Governo, definiu como eixos prioritários combater a corrupção, despartidarizar a administração pública, dialogar com os deputados, promover a coesão nacional na base do diálogo. Nada disso aconteceu.
    Depois de oito meses, Gabriel vê-se entalado, refém do PCD (corrupção), pressionado pelo MLSTP (tachos), discredibilizado pela classe intelectual (fala muito e faz pouco) e afastado do povo. 1..Os Ministros revelam incompetência e ingenuidade, (o da Juventude; promessas de 3 mil atletas, mil empregos e 400 casas), envolvimento em casos de corrupção (Agricultura e Comércio), caso de crime ( o de comercio; importação e comercialização de arroz podre), discrédito internacional (a dos Negócios Estrangeiro; viaja para actividades dos quadros técnicos, mentiu as autoridades camanonesas que STP tem crise de fome, etc), abuso de poder (o da defesa), incapacidade (o da saúde; falta de medicamentos), perda de princípios (o da Educação), infantilidade (o das obras públicas), sem solução e perdição (o das finanças; incapacidade de convencer os parceiros e mobilizar fundos).
    2..Gabriel durante o seu debate do Estado da Nação fez várias acusações, algumas muito pessoais, dirigidas contra ex-membros do anterior Governo e altos dirigentes do ADI. Hoje? 3..Gabriel Não tem dinheiro para trabalhar. 4..O Governo de Gabriel Costa ao invés de unir a família São-tomense passou a cimentar a divisão com perseguição e acusações contra único adversário (ADI). O Governo de Gabriel Costa tem protegido a corrupção e promovido a incompetência.
    O futuro está nas mãos de Gabriel Costa. A sua demissão será um acto de coragem, de defesa de princípios, abertura para que o país crie base de diálogo entre os partidos, será benéfico para o país pois facilitará a vida PR, Pinto da Costa, a encontrar a melhor solução para que todos, realmente, possam estar do mesmo lado da canoa.
    Caso Gabriel se demita? 1.Pinto da Costa reúne o Conselho de Estado, dissolve o Parlamento e convoca eleições antecipadas? 2..Pinto chama de novo o MLSTP para formar o novo Governo e afastar-se de Governo da sua iniciativa?3..Pinto cria mais um Governo de salvação Nacional ou de Transição para cumprir a legislatura?
    Caso Gabriel não se demita. 1..Enfrenta o vexame, sai fragilizado do debate a quando da discussão da moção de censura? 2..Vai tomar medidas sérias no combate a corrupção? 3..Terá coragem para remodelar o Governo?:(Ministros da Juventude e Desporto, Comércio, Agricultura, Negócios Estrangeiro e da Defesa). 4..Terá capacidade suficiente, tendo em conta o tempo, para resgatar a boa imagem do país e reconciliar-se com o povo. 5..Terá abertura para tomar decisões?
    Esse fim de semana foi de muita agitação no terreno. Encontros, pequenas reuniões e visita às bases. Cada um explicando a sua base e a sua versão do que se está a passar. Nas tendas e quitandas o prato quente foi a pertinência e as consequências da moção de censura. Os adeistas defendam que a moção de censura é apenas para discutir com o governo sobre os vários problemas do país (Acreditamos?). A opinião pública defende que o Governo devia cair (Tem razão?). O PCD, na defesa de Delfin Neves, no terreno vai assegurando de que o arroz de Delfin é bom para o consumo (Fala verdade?). O MLSTP diz que não tem nada a ver com o arroz de Delfin e que esse governo não é seu (Tem razão?). O MDFM tem dito que está neutro e apenas a assistir(Postura acertada?). Quem afinal tem razão? Até a sexta-feira saberemos o resultado do jogo, mas o povo é que tem sido o mais lesado.

  20. Antonio Neto

    22 de Julho de 2013 as 9:39

    Não devemos insultar os outros, isto faz perder a qualidade deste Jornal, e apelo para que essas linguagens não sejam autorizadas. Sejamos educados compreensivos e sobretudo o respeito, posso não gostar de alguém mas devo lhe respeitar.

    • nito.s.borges

      23 de Julho de 2013 as 23:54

      (António Neto)
      Concordo com o que disse. O insulto não leva a lado nenhum e só tira credibilidade ao argumento que se apresentou. É triste quando a unica forma que uma pessoa tem de provar o seu ponto de vista é atravez do insulto e da ameaça, e não de um argumento valido. A politica e o país merecem mais respeito do que meros insultos escritos neste jornal. Quem é responsável pela publicação dos comentários devia prestar atençao ao que é escrito e delinear um minimo de moderação dos comentarios.

  21. de Ceita

    22 de Julho de 2013 as 10:18

    Entendí que 1/4 de deputados em efectividades de funções corresponde a 13,75, bom ou alguém não sabe matemática ou os deputados da ADI não são efectivos.

  22. STP

    22 de Julho de 2013 as 10:35

    Bom dia meus Compatriotas!

    Os nossos Políticos não têm vergonha, não há uma política clara de controversa com ideias novas, claras para o bem-estar do povo, ela é toda feita por pessoas que só pensam nelas mesmas, refiro-me a todos os partidos! Nem um deles pensam no povo que precisa e que ralam para ganhar a vida todos os dias. Por isso, vivemos 5 anos de Presidência com Miguel Trovoada, sem inovações esperadas pelo povo, mais 10 anos de Fradique sem nada, agora o Pinto da Costa, até hoje, nada se vê. Prefiro não me referir aos 15 anos do regime Socialista, porque hoje ninguém assume o erro do passado. Mas é um erro de todos os que foram responsáveis naquela era, desde os reles capatazes até a Presidência da Republica. A minha esperança em Deus. No dia em que ele conseguir fazer os políticos se assentarem a mesma mesa acertar as arestas sem ressentimentos, ai sim teremos Justiça, desenvolvimento e respeito pelos órgãos de soberania, seja ele pequeno, feio, gatuno, bandido ou qualquer outro adjetivo mais horroroso. Desculpe a franqueza gente.

  23. Sandro Costa

    22 de Julho de 2013 as 12:53

    Custa ver como os nossos políticos andam a brincar com o povo e o país. Acho que existe uma opinião unânime por parte dos santomenses que não temos homens com mentalidade política: temos sim, um grupo de garotos falhados e miseráveis, que nunca trabalharam na vida, por isso olham para a política como forma de rendimento. Caros irmãos santomenses: ainda vamos sofrer muito devido as nossas decisões erradas e pela nossa busca de situações imediatas. Temos de aprender a planear as coisas, aliás é assim que se fazem nos países a sério.

  24. E. Santos

    22 de Julho de 2013 as 17:07

    A questão da interpretação da Lei é uma coisa que se estuda. Não só se toma a letra da lei como válidade mas aquilo que o legislador pretendia salvaguardar quando escreveu uma qualquer lei.
    Infelimente, assim o Alcino Pinto deixa o Sr. Rita mal.
    Como é que o IUCAI dá diploma a este camarada e nem interpretar a lei ele consegue?
    E depois, somo todos formados e espertos. Como é que querem que o país avance, com esse bando de burro convencidos de que são espertos a nos governanr.
    Não há paciência.

  25. adelino santos

    24 de Julho de 2013 as 9:47

    Este senhor taxista tem que voltar a fazer cadeira de direito constitucional II.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo