Política

Ministro Leonel Pontes foi demitido das suas funções desde a noite de quinta – feira

Para defender a estabilidade política e governativa, a luz da polémica sobre o pagamento de subsídios de chefia a pelo menos dois membros da sua família, por alegada prestação de serviços, o Ministro da Saúde e dos Assuntos Sociais anunciou a sua demissão do cargo.

Numa nota da Direcção Administrativa e Financeira do Ministério da Saúde e dos Assuntos Sociais, lê-se que no mês de Dezembro de 2013, o Ministro Leonel Pontes, recebeu subsídio de chefia na ordem de 700 dólares.

A sua esposa Natália Tavares Catarina, também foi comtemplada com o subsídio de chefia no valor de 500 dólares. O seu irmão Emídio Pontes residente em Angola também recebeu 500 dólares.

Segundo o ministro ambos são seus conselheiros. Emídio Pontes, seu irmão, é segundo o Ministro uma pessoa idónea, que para além de aconselhar o seu ministério a partir de Luanda onde vive, apoia outras instituições do Estado são-tomense e não só. «Portanto o senhor Emídio Pontes a quem se faz referência é um indivíduo que tem perfil e aliás para além do ministério da saúde e dos assuntos sociais há várias outras instituições santomenses, incluindo a embaixada de Angola em São Tomé que tem prestado serviços a ajudado a resolver várias situações», explicou o Ministro.

A sua esposa Natália Tavares Catarina, não trabalha no Ministério da Saúde nem em qualquer outra instituição do Estado. «Estar neste preciso momento desvinculada não significa estar incapaz de prestar serviços», defendeu o Ministro.

Antes de anunciar a sua demissão do cargo, Leonel Pontes, defendeu a legalidade da sua decisão de pagar subsídios de chefia ao irmão e a esposa. « A lei da República de São Tomé e Príncipe, até me provarem o contrário não faz observância nenhuma a impedimentos de pessoas que têm laços de consanguinidade para prestar serviços a um determinado ministério a pedido do ministro», precisou.

Uma prática habitual em São Tomé e Príncipe «Gostaria que me contradizessem em relação ao facto de ter havido, seja na presidência da república e outras instituições de soberania, pessoas com laços de sanguinidade que prestavam serviços nessas instituições e não estevam impedidas de o fazer porque eventualmente o irmão ou primo ou pai era o dirigente em questão», acrescentou o ministro demissionário.

Leonel Pontes condenou o título que o Téla Nón deu ao assunto. Segundo o Ministro, não houve qualquer escândalo na gestão dos fundos que há mais de 10 anos, Taiwan coloca a disposição do Ministério da Saúde. Explicou que durante a sua gestão esses fundos geraram remanescentes, que permitiram o pagamento de subsídios aos doentes são-tomenses em tratamento em Portugal.

O mesmo fundo que segundo o ministro financiou o pagamento dos subsídios de chefia aos seus familiares contactados para prestar serviços aos ministério e que provocou a sua queda.

No meio da polémica, o ministro só encontrou uma solução. « Em nome da estabilidade política e governativa, e em nome dos superiores interesses da nação, gostaria de comunicar solenemente ao povo de São Tomé e Príncipe, que tomei a decisão em concertação com o meu partido MDFM de pedir a demissão ao Governo e ao senhor Presidente da República do cargo de ministro da saúde e dos assuntos sociais», frisou.

Leonel Pontes deixa o Governo antes da discussão do orçamento geral do Estado, para 2014, prevista para a próxima segunda-feira.

Abel Veiga

    29 comentários

29 comentários

  1. feijoada

    3 de Janeiro de 2014 as 7:05

    Mano a bufufa, vai ser devolvida ou é um blefe? Por favor devolve os 18.400 ( 12.000 pago ao emidio e Natália mais 8.400 pago ao ministro) recordem que os ministros já recebem todos subsideos que saiem do cofre do estado. Boa sorte ministro, afinal meu irmão é corrupto nééé? eu até via meu irmão com um bom ministro, mas tb tem aquela parte podre. Esta explicação não tem nexo.

    • Paquito

      3 de Janeiro de 2014 as 7:54

      Você não sabe nada.

    • Paquito

      3 de Janeiro de 2014 as 8:02

      Faltou o Ministro dizer que recebeu medicamentos de Luanda a meses que o Governo não pagou. Ainda tinha porta aberta para receber mais um carregamento. A verdade é que o stock nos hospitais estão quase a zero.

  2. incrédulo

    3 de Janeiro de 2014 as 8:08

    Esse ministro ganhou a lucidez perdida enquanto exercia o cargo de ministro quando pagava à sua esposa e ao seu irmão 500 dólares norte americanos cada um.

    Ganhou lucidez e a consciência do seu péssimo acto e pediu a demissão.

    Gostaria de o felicitar por ter reconhecido o seu crasso erro e ter-se demitido.

    Os outros corruptos desse governo deveriam seguir-lhe o exemplo.

  3. augusta quaresma

    3 de Janeiro de 2014 as 8:08

    Mas afinal, oque faz a esposa do senhor ministro ou o que fez para ter direito a esse subsídio? Expliquem-me porque até então não sei que serviço a senhora prestou? Conselheira do marido?

  4. Missionário

    3 de Janeiro de 2014 as 8:13

    Akilo de apanhar a fama sem proveito nenhum não traz beneficio a ninguém, pior ainda quando se fala dos 700 dólares ou dos 500.
    Ser ministro honesto neste País é complicado, porque tem sempre uma casca de banana de um “bufo” da oposição.
    Viu só que que queriam fazer com o António Dias…
    Cuidado minha gente… a oposição neste País é terrível… akeles que querem trabalhar de verdade é sempre a pedra no calcanhar de alguns!!!
    Bem haja este País

  5. feijoada

    3 de Janeiro de 2014 as 8:31

    Digo, 20.400 usd e não 18.400, durante o ano 2013.

  6. Barão de Água Izé

    3 de Janeiro de 2014 as 8:46

    Para quando os detentores de TODOS os cargos políticos e públicos de chefia serem obrigados a apresentar relação dos bens imobiliários e rendimentos antes de tomarem posse e até 5 anos após saída do poder?

  7. Reflexão

    3 de Janeiro de 2014 as 8:53

    Realmaente não tem nexo: O que tem a ver prestação de serviço com subsidio de chefia? estavam a prestar serviço chefiando o quê?
    Por outro lado, se houve prestação de serviço, que serviço foi prestado? onde está o contrato de prestação de serviço.
    Infelizmente agora rouba-se em nome do Povo e comunica-se solenimente a esse mesmo Povo …, deveria ser vergonhosamente…

  8. Zé Povo

    3 de Janeiro de 2014 as 9:20

    Muito bem Leonel Pontes. É assim que se age. Todos poderemos (não deveremos) cometer erros. Tu Cometeste um erro e saiste bem ao pedir a sua demissão. Mas agora resta saber se se tratou da tua livre decisão ou se foste obrigado a fazer isso pelo seu Partido MDFM? Que eu saiba, o Fradique de menezes – o patrão do MDFM, jamais pactuaria com esse tipo de coisas.
    Se for por pressão do MDFM, então o Partido do Fradique revel-se diferente no meio dessa troika à tres.

    • Deus pai

      3 de Janeiro de 2014 as 10:23

      O Homem disse bem que tomou a decisão em concertação com o partido.

    • Abençoado

      4 de Janeiro de 2014 as 11:20

      Seja como for, na reunião interpartidária realizada na quinta de favorita para tentar resolver o grave problema causado pelo Jorge Amado, o Sr. Fradique de Menezes tinha manifestado a vontade do MDFM de substituir o seu Ministro de Saúde.

      Se houve casca de banana ou fuga de informação isso deve ter sido mesmo do MDFM, que encontrou uma maneira inteligente de substituir o Ministro de Saúde e ainda sair com louvores.

  9. Danilo Salvaterra

    3 de Janeiro de 2014 as 10:17

    O Senhor Leonel Pontes, ministro demissionário, foi consequente.Se todos outros do passado tivessem agido assim, talvez teriamos um país diferente. Decisão responsável.

  10. Libô Mucambú

    3 de Janeiro de 2014 as 10:48

    Pelo menos MDFM teve uma atitude exemplar, não obstante o seu ministro tivesse cometido o acto que cometeu. PCD deve seguir o mesmo exemplo!

  11. zeme Almeida

    3 de Janeiro de 2014 as 11:56

    O MDFM/PL teve uma atitude exemplar?Gracas ao partido da oposicao o ADI que denunciou sem medo a falcatrua do ministro.Quero ouvir o Pires Neto{deputado vinhanteiro}que diz que o seu partido tem gentes sérias,nao mete as maos nos bens do povo, estou com expetativa de o ouvir na segunda feira no parlamento.

  12. Ney Trindade

    3 de Janeiro de 2014 as 12:34

    Nota-se na declaração do ministro demissionário várias contradições que deve ser investigada. Em primeiro lugar, a sua esposa e o seu irmão não pode ser seus concelheiros: está em causa o conflito de interesse. O seu irmão reside em Angola, portanto não pode trabalhar em Ministério da Saúde em São Tomé: algo está mal explicado. O seu irmão trabalha para várias outras instituições e para seu ministério inclusive: está uma vez mais em causa o conflito de interesse. E por último é preciso que o Ministro Leonel Pontes fundamenta a sua tese com um documento que comprova o contrato de prestação de serviços dos seus membros de família ao Ministério.
    Conclusão: Leonel Ponte é um autêntico corrupto e deve, para além de repor a quantia roubada, sofrer as consequências jurídica.

    • MV

      3 de Janeiro de 2014 as 14:10

      Muito boa reflexão Ney. Mutio bem visto.

    • Emilio Pontes

      3 de Janeiro de 2014 as 17:29

      Caro Ney, o Ministro não precisa de responder. Eu em tempo vou vos explicar a todos o trabalho desenvolvido a favor de Stomé e Príncipe.

      Eu estou descansado enquanto empresário em Angola e com contactos ao mais alto nível e muitos deles a favor dos interesses do país durante anos.

      Saiba o senhor que o conselheiro não tem que estar domiciliado no Ministério.

      As vezes criticamos sem saber o que os outros fazem. Eu trabalhei e posso provar e quando provar podes ficar envergonhado.

  13. Xuxanti

    3 de Janeiro de 2014 as 15:19

    Sao pequenas coisas que temos que acabar com ele enquanto os estudantes a passarem dificulidades no exterior os senhores andam a esbanjar dinheiro do povo sem nenhuma causa justa abaixo a curupçao
    Viva Sao Tome poderoso o juiz de todo mal e bem!

  14. malebobo

    3 de Janeiro de 2014 as 16:14

    Sr. Leonel pontes foi muito exemplar neste aspeto não foi necessário espera por decreto da presidência da republica

  15. Mira Cardoso

    3 de Janeiro de 2014 as 18:33

    É rir pra não chorar. Haja descaramento.

  16. Floli Canido

    4 de Janeiro de 2014 as 9:00

    Esse Emilio Pontes deu cabo do seu irmão,das conversas que tive com o Leonel o mesmo me confessou que o Emilio lhe induziu ao erro, e por ingenuidade caiu nesse erro. Eu acredito, porque conheço bem as falcatruas do Emilio. Voçês acham que um empresario em Angola iria se meter num negocio de 500 dolares? Jamais. Emilio sempre esteve metido em bandidagens e acabou influenciando o irmão. Coitado do meu amigo Leonel, mas isso é para aprenderes a lição.

    • Emilio Pontes

      4 de Janeiro de 2014 as 22:41

      Senhor Floli Canido filho incógnito, assim considero-o não tendo se identificado escondendo para ofender, caluniar sem provar. Deves ser um cão e quando se deita com cães levanta-se com pulgas. O meu irmão não é de ter amigos e muito menos baixar com gente do seu nível sem caracter.
      Você é como os enteados numa casa das tudo, crias com luxo, mas depois de feito gente vira cobra dentro de casa. Coisa peçonhenta.

      Se o que disse é verdade tire a mascara e afirme publicamente os bastantes males que conhece de mim. Fica aqui o meu desafio.
      Se bem que lhe digo já quem fala de mim com mascara é porque me respeita e acredito que aqui vais estar anonimo para de pé assistires o meu sucesso.

      Emilio Pontes

  17. Felisberto Bandeira

    4 de Janeiro de 2014 as 11:44

    Nos temos que ter a consciência daquilo que nos fazemos, se e correto ou se e errado, o que estou fazendo se vai de acordo com o bem, ,porque ate onde eu sei o teu irmão e a tua esposa tinha que estar registrado como funcionários de Ministério da Saúde ,e se ele prestasse algum serviço na Embaixada , cabia a embaixada pagar serviços prestado ., outra coisa, este fundo e destinado para chefia do Ministério da Saúde, O Ministro tem que reconhecer e aceitar que estava fazendo algo muito errado e que devia demitir a mais tempo e não esperar que o escândalo viesse superfície, para depois pedir demissão, Não há nada que que permaneça eternamente oculto, portanto meus Senhores façam bem quantas vezes for necessário,se seu Irmão e seu conselheiro então bom conselho ele não estava dando a você,mas melhor coisa e quando reconhecemos o nosso ERRO. as nossas falhas e um Pedido de desculpa pelo Povo Governo e o Presidente da Republica.

  18. Diáspora Angola

    4 de Janeiro de 2014 as 14:04

    Sr Leonel Ponte Ministro da saúde cessante, tu foste humilde corajoso e sensato, e mostraste que és um homem de carácter, quando as coisas se dão mal, oxalá se os outros políticos tivessem a sua conduta. S. Tome estaria melhor,e eu digo-lhe, que a sua carreira politica não terminou, mas esta apenas a começar, Deus te abençoe força.

  19. zeme Almeida

    4 de Janeiro de 2014 as 15:20

    Se nao descubrissem estas falcatruas o senhor ministro continuava a usufruir destes subsidios.O ministro Leonel Pontes foi apanhado com a boca na BOTIJA,nao houve outra saida,a nao ser pedir a demissao do cargo. Acredito que o ministro foi exaemplar em aceitar pagar pelo mal que fez ao povo de STP.

  20. Madalena

    5 de Janeiro de 2014 as 16:27

    A atitude do ministro, é uma afronta para o MDFN, que em situações idênticas de falta de transparência, apenas ameaçou ir para Favorita aclamou a justiça, nada mais. Estamos a lembrar dos 100 mil dólares, 30 Mil Barris de petróleo, etc. Ele reconheceu o erro, pediu a demissão, será uma boa resposta para dentro do seu Partido, que os corruptos nunca se demitem, Fizeste Bem, Pontes. Aprendemos todos os dias. Recomenda o Arrastão, para não falar nada sobre esse assunto. Sobre o que acontecia nas instituições do Estado, antes e depois de 90, não tem correlação positiva, com o que fez. Nem penses em levantar #questiones#. Havia sim, muito nepotismo, compadrio, assedio sexual, etc. Chefe engravida empregada, funcionaria, etc, envia para bolsa de estudo, no estrangeiro, coisas ruins, eram outros quinhentos outros tempos. Com a #DEMOCADURA#, não DEMOCRACIA, a coisa fica feia a luz do povo.

  21. os angolanos

    9 de Janeiro de 2014 as 17:33

    meus caro amigo de são tome não lutem por mesquinhas um ministro e livre de se demitir cosa não se sinta disponível ou mesmo contente. não falam de dinheiro isso não e nada qualquer um de nos faria o pior vamos trabalhar e cuidar de nos.se falar de dinheiro, e nosso bem olha para meu presidente camarada José Eduardo dos santo e a sua família

  22. Tudo igual

    29 de Janeiro de 2014 as 1:13

    E o apoio á criminalidade e emigração ilegal do outro ex ministro da saúde ninguém fala? Anos ilegais em sao tome e principe com apoio de ex ministro da saúde em troca de dinheiro facil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo