Política

PETIÇÃO: RETORNO DA NOSSA HORA SECULAR!

Exmo. Sr Presidente da República de São Tomé e Príncipe;
Exmo. Senhor Primeiro Ministro de São Tomé e Príncipe;
Exmo. Sr Presidente do Governo Regional da Ilha do Príncipe;
Exmo. Senhor Presidente da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe;
Exmo. Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé e Príncipe;
Exmos. Senhores Deputados da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe;
Exmos. Senhores Deputados da Assembleia Regional da Ilha do Príncipe;
Caras(os) Cidadãs(ãos) de São Tomé e Príncipe;

Ilustres Compatriotas;

À todos desejamos um bom ano de 2018 com muita saúde, bem-estar, saber, visão, amor, amor ao nosso querido São Tomé e Príncipe, compreensão, tolerância e paz!
Este começar do ano de 2018, talvez tenha sido um dos mais sombrios da história Santomense, de que há memória; não fosse a Eclipse Solar de 1919. Pelo menos, a referida Eclipse, elevou Tomé e Príncipe à patamares deslumbrantes, dado o papel que desempenhou para o avanço da ciência e compreensão do mundo, tendo como referência, precisamente, a sua posição geográfica, única e invejável; pois não há lugar no planeta como as nossas Ilhas de São Tomé e Príncipe.

Ao sermos surpreendidos, no começo do ano, com a perplexidade da decisão do governo em mudar a Hora centenária de São Tomé e Príncipe; decisão certamente tomada ingenuamente (sobre os joelhos), vimos por este meio manifestar as nossas profundas tristezas e os nossos sentimentos de indignação, estupefação e discordância.
Dada a natureza do assunto em epígrafe; pretendemos tecer algumas considerações e apresentar às Vossas Excelências alguns factos relevantes que justificam a posição horária das nossas Ilhas de São Tomé e Príncipe como sendo a do Meridiano de Greenwich (i.e. GMT, siglas Inglesa para Hora do Meridiano de Greenwich) e não do GMT+1; como o nosso Governo de maneira pouco clara e quiçá por mero pretexto económico ou de capricho o fez estar. Esta decisão do Governo de assim passar as horas de São Tomé e Príncipe para GMT+1 é, além de, um insulto à inteligência de todos os Santomenses, constitui uma aberração à comunidade científica e uma afronta aos vivos e aos mortos que por esta terra deram e dão o seu sangue e o seu suor.

Ora vejamos:
Por questão de padronização do “Tempo”, em 1884, cientistas e representantes de vinte e seis (26) países, nomeadamente: a Áustria-Hungria, Brasil, Colómbia, Costa Rica, França, Império Alemão, Reino Unido da Grã-Bretanha, Guatemala, Havai, Itália, Japão, México, Paraguai, Rússia, São Domingos; El Salvador, Espanha, Suécia, Suíça, Estados Unidos da América (USA), Venezuela, Chile, Dinamarca, Libéria, Holanda, Império Otomano (hoje Turquia), reuniram-se em Washington (USA) para concordarem de que o Meridiano Primário de Greenwich (uma pequena aldeia inglesa nas redondezas de Londres) fosse tido como ponto comum de zero grau (0) de longitude. Assim ficou definido o GMT (o Tempo de Meridiano de Greenwich). Os cientistas ao fazerem isso, não o fizeram duma forma probabilística, aleatória e alheios à tudo e todos. Fizeram tudo em concordância e consonância; e de acordo com os preceitos científicos.

É do nosso conhecimento, que a Terra gira em torno do seu eixo (i.e. 360 graus) em 24 horas. Isto é, a Terra cobre, no seu movimento giratório, uma longitude de 15 graus (15) por hora. Dado existir 24 horas por dia, assim passou a existir as 24 Regiões Horárias. Cada Região Horária dista 15 graus uma da outra e prolonga-se 7.5 graus (i.e. 7 graus e 30 minutos) à esquerda (Oeste) e 7.5 graus (i.e. 7 graus e 30 minutos) à direita (Este) do Meridiano Central. Para ajudar a descrição basta imaginar uma circunferência de Raio 7.5 metros e cujo centro seja o Meridiano Central. Assim, o diâmetro da tal circunferência será de 15 metros.
Sendo, por exemplo, o Meridiano Central o de GMT (o de longitude zero grau), assim temos 7.5 graus à esquerda (à Oeste) deste e 7.5 graus à direita (à Este) do mesmo; perfazendo assim uma distância de 15 graus de longitude.

As coordenadas geográficas das nossa Ilhas de São Tomé e Príncipe, como podem consultar várias cartas geográficas disponíveis em bibliotecas públicas e em sítios de Internet são:
a) Ilha do Príncipe (Cidade de Santo António): Latitude: 1 grau & 38 minuto Norte (i.e. 1  & 38’ N); Longitude: 7 graus & 25 minutos Este (i.e. 7 & 25’ E);
b) Ilha de São Tomé (Cidade de São Tomé): Latitude: 0 grau & 20 minuto Norte (i.e. 0  & 20’ N); Longitude: 6 graus & 44 minutos Este (i.e. 6 & 44’ E).

Como podem observar, as longitudes das nossas ilhas estão dentro da Zona de 7.5 graus (i.e. 7  & 30’); fazendo, assim, parte da zona do GMT e não na zona do GMT+1 hora (i.e. Hora de África Ocidental). Não é do nosso conhecimento que São Tomé e Príncipe disponha de parcelas territoriais fora desta zona de GMT que possa querer expandir a sua área de cobertura!

É verdade que, por vezes, possa haver desvios/ajustes horários por questões comerciais, políticas, económicas e/ou questão de uniformidade territorial; como é o caso da China (República Popular), que é um país duma extensão territorial vasta, e que possui apenas uma única zona horária; ao invés de ter cinco zonas horárias distintas.

O outro caso, comum é o que se passa, por exemplo, na Europa/América, etc., que, devido a sazonalidade, procura-se ganhar uma (ou mais horas) solar durante o Outono recuando o relógio uma hora. O que é importante notar é que, tanto num como noutro caso referenciado anteriormente, não há quaisquer semelhanças com o nosso São Tomé e Príncipe. Por outro lado, como já fora mencionado, não é do nosso conhecimento que São Tomé e Príncipe disponha de parcelas territoriais fora da zona do GMT, e que queira alargar a sua extensão territorial além-mar! Ao menos que haja em forja ideias ou planos absurdos de poder render-se, ingloriamente, às mãos dum dos países vizinhos, Gabão ou Guiné Equatorial!!! É verdade que São Tome e Príncipe, também, tem laços fortes de amizade com os países circundantes da região.

Por isso, não cremos haver qualquer interesse desses países em quererem alargar as suas extensões territoriais às nossas Ilhas. Embora São Tome e Príncipe estivesse próximo de países da África Central, i.e. na zona horária, GMT+1 (como é o caso de Gabão, Guiné Equatorial, Angola, Nigéria, etc.), o grosso do comércio (i.e. com peso significativo no GDP Santomense) de São Tomé e Príncipe não é feito e nem é garantido com estes países, mas sim com a Europa (basta ter acesso aos dados do Serviços de Estatística); por isso é descartado o argumento comercial.

Muito embora esta decisão possa, talvez, um dia, trazer alguns benefícios na política regional (Oeste/Central Africana) do governo, ela certamente poderá prejudicar seriamente a credibilidade do nosso País perante factos cientificamente provados.
Por outro lado, São Tomé e Príncipe também encontra-se nas proximidades da linha do Equador; o que enriquece mais o valor da sua posição geográfica e/ou geoespacial.

Sob a linha do Equador, independentemente da estação do ano em que se possa encontrar, haverá sempre sol por cerca de 12 horas por dia. Ou seja, a luz do dia é quase sempre por um período de 12 horas. Portanto, os argumentos para o ganho do dia solar à semelhança da Europa/América, etc., é nulo. O governo faria, sim, um grande favor aos Santomenses, se procurasse usar a sua tocha iluminada para colocar em prática estratégias que permitissem tirar proveito das 12 horas garantidas do sol, de forma a iluminar as casas, as instituições e as ruas Santomenses; reduzindo assim os encargos com a importação de combustíveis fósseis (e.g. gasóleo, petróleo, gasolina, etc).

Há cerca de cem anos (100 anos) um grupo de cientistas britânicos da Sociedade Astronómica Real (Royal Astronomical Society) dirigidos por Sir Arthur Eddington e Edwin Cottingham fizeram uma expedição à São Tomé e Príncipe (especificamente à Roça Sundy na Ilha do Príncipe) para provar a veracidade da Teoria de Relatividade do Albert Einstein.
Repercussão na saúde e na vida sócio-económica dos Santomenses:

Gostaríamos de poder perguntar aos nossos decisores do poder político do nosso São Tomé e Príncipe, em particular ao Ministro de Educação o seguinte: porquê que escolheram São Tomé e Príncipe para esse facto científico; e não foram para Gabão e/ou Guiné Equatorial ou a Ilha de Ano Bom, próxima do Príncipe? Seria uma mera vontade de veranear numa estância exótica e delirar no safári Santomense?

A importância cativa e única da posição geográfica que São Tome e Príncipe tem e da qual é invejável, talvez, não seja do conhecimento ou da importância para os Senhores decisores do poder político do nosso São Tome e Príncipe. Mas, creio que é de sumo – importância para todos aqueles que deveras adoram São Tome e Príncipe e por ele tudo fazem para o poder elevar e não para o ofuscar, diminuindo a sua suprema pequenez, como fez o atual Governo e os decisores do poder político Santomense, com a aparente vil e mal-calculada decisão de mudança da hora. Em resumo, as experiências científicas de validação da Teoria de Relatividade, realizados no Príncipe em 1919 (na Roça Sundy), e cujo testemunho o país orgulha-se em apresentar ao mundo uma placa comemorativa ao evento (sito na Roça Sundy); vem mostrar a universalidade da nossa posição geográfica; e é sem dúvida um património cultural não apenas nosso, mas talvez universal que não merece este desprezo!

Por outro lado, a repercussão biológica na saúde das pessoas, que a interrupção das horas de sono nocturnas impostas pelas obrigações de cumprimento do horário na maioria da nossa população activa e estudantil, é algo que não pode ser somado ao serviço de saúde de muito baixa qualidade que já é oferecido aos cidadãos Santomenses.

É sabido que uma grande parte das hormonas importantes para o crescimento, das gónadas (glândulas sexuais) e do regulamento do organismo, têm o seu pico de síntese nas horas do sono durante a noite e madrugada. As fases do sono, são diferentes e com importância crucial para o cérebro e para o organismo, ao longo de diferentes horas da noite, incluindo a madrugada.
Atendendo a tudo isso, gostavamos de saber, qual a sustentação em termos de estudos efectuados à população de São Tomé e Príncipe e discutidos cientifica e publicamente, que permitiram a decisão unilateral do governo em submeter as crianças e adolescentes sobretudo de destinos longínquos como os distritos de (localidades do interior da Ilha do Príncipe), Caué, Lembá, Lobata e Mé-Zóchi a se erguerem mais cedo, para frequentarem os níveis de ensino mais diferenciados existentes só na capital.
Como factor social, gostaríamos também de saber, o índice de garantia de luz eléctrica das habitações e ruas dos distritos (localidades do interior da Ilha do Príncipe), Caué, Lembá, Lobata e Mé-Zóchi que permitiriam às pessoas de se orientarem durante as horas da madrugada (ainda noite) para se prepararem e estarem à horas nos seus postos de trabalho e salas de aulas com segurança e dignidade (limpos, asseados e saciados).

Portugal Continental tem uma hora a mais que os Açores e Madeira. Porque será assism, meus caros Senhores?
São Tomé e Príncipe foi sempre uma Terra pequena de onde saíram pessoas válidas e valorizadas intelectual, social e moralmente. Não é cultural a insensatez, a ganância, a falta de honestidade e a desordem! Almejamos o progresso e gostariamos poder deixar um País melhor àquele que herdamos. Aos nossos filhos e netos queremos que continuem Santomenses, a viver em São Tomé e Príncipe, e não emigrar como tivemos que fazer, nem viver no Gabão ou na costa continental Africana.

A alteração da hora perturba o rítmo circadiano das pessoas ao interferir na produção de várias hormonas como, e.g., a melatonina (activa durante a noite) e o cortisol (activa durante o dia, responsável pela performance física e intelectual) prejudicando as suas actividades diárias. A segregação dessas hormonas são, entre outros factores estimuladas pela presença ou ausência da luz solar. Os indivíduos atingidos acabam por ser de todos os grupos etários. Desde logo os adultos na sua actividade laboral, mas também os jovens/adolescentes nas actividades escolares. Mas não ficam de fora as crianças que dependem da actividade dos pais que, por força dos seus deveres, sentem-se obrigados a acordá-las mais cedo. Tanto os adultos como os estudantes acabam por ter menor rendimento nas suas actividades devido a perturbação desse rítmo circadiano.

Por isso, imploramos às Vossas Excelências, ao Governo de São Tomé e Príncipe, e aos decisores do poder político da nossa terra, de uma forma geral, para que reconsiderem as suas posições e decisões pelo amor à São Tomé e Príncipe, e por um melhor, próspero, mais harmonioso e nobre São Tomé e Príncipe!

Uma vez que esta insensata decisão de mudança de horas foi para este povo um flagelo e uma das grandes surpresas deste ano de 2018, também, suplicamos para que não seja posta a circular como sendo tomada com a nossa anuência ou subscrita em nossos nomes e/ou nomes dos nossos antepassados; pois que gostaríamos poder poupar desta afronta, pelo menos, aos nossos mortos; pois, já não têm vozes!

Atenciosamente subscrevemo-nos:

 Antonio Salvaterra, BEng., MEng., PhD., CEng., CSci., MIChemE., UK

 Dionízia Costa – Professora Reformada do Ensino Básico e Secundário, Alemanha

 Paula Costa – Funcionária do Sector Privado, Manchester, UK

 Adelino Cardoso Cassandra – Professor do Ensino Básico e Secundário, Portugal

 Ana Maria Penhor José da Costa, Médica Consultora em Medicina Interna, OM-38978 Portugal, Colégio da especialidade de Medicina Interna

 Francisco Pina Gil, Médico especialista em Medicina Interna e em Medicina Intensiva, OM – 33812, Portugal, Colégios de Especialidade de Medicina Interna e de Medicina Intensiva

 Generoso Barbosa Neto, Médico Especialista em Medicina Geral e Familiar e em Cuidados Continuados.

 Domingas Pires N. Santos – Licenciada em Ensino de Inglês e Alemão. Actual Intérprete/Tradutora com a Language Empire; Leeds, Inglaterra, Reino Unido

 Tomás da Costa Lima, Engenheiro Electrotécnico, Lisboa – Portugal

 Marcelo da Mata, Licenciado em Geografia e Planeamento Regional e Urbano, Gestor, Londres – UK.

O leitor pode subscrever a Petição Pública promovida por quadros são-tomenses residentes no país e no estrangeiro :

LINK da Petição Online:
https://www.peticao24.com/retorno_da_nossa_hora_secular_em_stp

Também é colocada a sua disposição uma cópia da petição em formato PDF – PETIÇÃO PARA RETORNO DA NOSSA HORA SECULAR

    23 comentários

23 comentários

  1. Nuno Menezes

    15 de Fevereiro de 2018 as 2:11

    Eu pessoalmente concordo com o governo de Sao Tome and Principe neste sentido que esta no poder e fora de poder tambem,por terem mudado as horas dentro de Sao Tome and Principe, eu pessoalmente ia mais longe, mudava tambem a forma de conduzir o carro em Sao Tome and Principe.O Volante seria no lado direito.

    Nuno Menezes
    Lincoln,Reino Unido,England

    • Keddaji

      15 de Fevereiro de 2018 as 11:21

      É este o espírito e missão daqueles que nos governam hoje em dia e também daqueles que lhes seguem de forma cega. Concordo, concordo, concordo sem dizer porquê que concordam. O governo faz a mesma coisa. Muda, muda, muda sem dizer porquê que muda. E quem fica com as consequências negativas de tudo isto é o povo piqueno que tem de se levantar às 3 ou 4 horas da manhã para levar os miúdos para escola e fazer outras coisas. É óbvio que concordam, concordam, concordam mas nunca dizem porque razão concordam. O país está a ser governado desta forma: eu quero, posso e mando num autêntico manto de ignorância total.

    • Gualter

      15 de Fevereiro de 2018 as 11:34

      Este é o típico exemplo da forma como o país está a ser governado e das pessoas que apoiam estas imbecilidades. Eu mudava isto, eu fazia isto, eu tenho poderes, eu mando, etc. Mas não explicam porquê que mudavam isto, porquê que faziam isto ou aquilo, etc. Isto reflete a ignorância que tomou conta do país e e da sociedade. Fazer por fazer. O senhor mudava a forma de conduzir porquê? O senhor tem ideias concretas sobre o que é que isto acarretava para o país? O investimento que isto acarretava? O senhor é donde? O senhor pensa mesmo? Ou o senhor levantou hoe e não tem nada que fazer e lhe apeteceu dizer umas asneiras?

    • Lupuye

      15 de Fevereiro de 2018 as 17:03

      Outro autoritario. So porque vive no Reino Unido e la conduzem no lado esquerdo, tambem quer trazer isso pra STP? Vai mas e tomar banho! E outra coisa, o nosso pais nao se chama Sao Tome AND Principe. E Sao Tome E Principe. Coisas desse tipo, como a mudanca do horario, nao deveriam ser feitas sem consulta ao povo ou pelo menos discussao no Parlamento.

  2. Quidide

    15 de Fevereiro de 2018 as 8:05

    Congratulo-me com a vossa iniciativa e corroboro os vossos argumentos , pois sou profissional de saúde e entendo que de facto esta mudança de horário só traz prejuízo para a saúde. Esperemos que surta efeito.

  3. Fortinho

    15 de Fevereiro de 2018 as 10:47

    Venho com humildade agradecer a todos aqueles que tiveram esta iniciativa. Os meus sinceros agradecimentos. Temos de nos habituar a fazer estas coisas e demonstrar aos governos, quaisquer que eles sejam, que o povo também tem opinião sobre as coisas que lhes diz respeito. Não podemos nem devemos deixar tudo nas mãos de decisores políticos e comportarmos como alguém que não tem nada a ver com os assuntos que interessam ao país e suas gentes. Muito obrigado senhor António Salvaterra e outros senhores subscritores desta petição.

  4. Socolo Messo

    15 de Fevereiro de 2018 as 12:46

    La vem este Nuno Menezes outra vez, a defecar na boca, depois de cheirar estas ervazinhas.

    • Nuno Menezes

      15 de Fevereiro de 2018 as 23:32

      Senhor:Socolo Messo

      Acredite em mim

      Eu sou fumador sim,nunca fumei Droga na Vida,vivo no Reino Unido as vezes pessoas sem conhecimento pensa que papel de enrolar o cigaro o rapaz ou rapariga esta a fumar droga.
      Nem ‘e sempre isso, uso sim muito papel de enrolar o tabaco, ‘e o cigaro que assim fumo tabaco de enrolar, a razao para tal demora mais….

      Eu numa semana gasto o vencimento minimo de Sao Tome and Principe em cigaro.
      10 libras custa o meu tabaco de enrolar se comprar na segunda feira apenas da para mim 4 dias e fico a lucrar.
      Se eu comprar um pacote de cigarro tem 20 cigarros apenas da para mim 1 dia, isso quer dizer se comprar na segunda feira no domingo o total 70 libras mais de 1 milhao de dobras de Sao Tome and Principe.

      No final do mes aquilo que gasto em cigaro pago o vencimento de 4 empregadas domestica em Sao tome and Principe.
      E gracas a Deus nunca fui fumador de droga.

      Enrolo sim tabaco com mortalha papel de enrolar isso na rua quem nao sabe pensa que ‘e droga,Nos os ingleses usamos com frequencia tabaco de enrolar enrolamos a quantidade que queremos e dura mais do que comprar um maço de cigarro com 20 cigarros apenas.
      Nao sou traficante e nem em Portugal nunca tive essas referencias e nem no reino unido as vezes as aparencias enganam.

      A distruicao ‘e a nossa lingua a inveja dos outros, aonde inventamos historias falsas para distruir a vida dos outros e pessoas assim sao pessoas sem sucesso.

      Antes da senhora ou senhor abrir a boca deve analizar para nao maguar outras pessoas, existe pessoas do meu conhecimento dentro do reino unido e ate de portugal e tambem de sao tome and principe apanham cigarro no chao, e isso nao ‘e vergonha mais sim uma necessidade,preferivel assim fazer do que ir ROUBAR.

      A senhora ou o senhor o seu estilo ‘e um estilo falso, pessoalmente nos nao podemos conviver detesto pessoas falsas confusionistas perto de mim.

      E feitico nao ‘e a senhora ou o senhor ter casa vazia, feitico nao ‘e a senhora nao ter dinheiro,feitico nao ‘e a senhora nao ter homem ou mulher.

      Feitico ‘e a senhora ser RICA e de uma hora para outra a sua vida esta a ir a baixo OS SEUS NEGOCIOS AS COISAS NAO ESTAO A BATER CERTO aonde a senhora vai dar o valor o que os pobres fazem apanhar tabaco no chao ter casa vazia dormir na rua.

      Existe pessoas que usam a facebook as suas fotografias sao apenas postas de fato e gravata bem vestidos, e isso para mim ‘e merda uma falsa imagem,nao existe mal nenhum pessoas expressar a si mesma uma expressao natural isso nao demostra a sua capacidade a sua intelegencia.

      Nuno Menezes
      Lincoln England Reino Unido

  5. eugenio

    15 de Fevereiro de 2018 as 14:07

    Falta também mudar o dia 12 de Julho, dia da independência que é aziago, mudem para 13 de Julho. A tabela salarial também tem de ser alterada, para que haja uniformização dos salários na função pública, para passarem a serem iguais em todas as direcções e em todos os institutos de acordo com as habilitações literárias e categorias.Somos todos Santomenses e o OGE é nacional e “NÃO DEVE DESCRIMINAR NINGUÉM”. Zerem todos os mapas de salários e façam uma distribuição salarial mais JUSTA para todos os trabalhadores da Republica !!!

  6. explicar sem complicar

    15 de Fevereiro de 2018 as 14:19

    Ainda bem que Ilha do Príncipe não aceitou e não mudou o horário.
    Parabéns ai Governo do Principe.

  7. António Nazaré

    15 de Fevereiro de 2018 as 15:41

    É uma iniciativa digna de louvar. Desde já podem contar com tudo o que estiver ao meu alcance para os devidos efeitos.
    Como sabem esta mudança irresponsável da nossa hora causará problemas de saúde a longo prazo, especialmente nas crianças e nos idosos.
    A mudança da hora tem impacto no sono e na produtividade no trabalho.
    Vamos dizer Basta!

  8. ANCA

    15 de Fevereiro de 2018 as 16:12

    Primeiro reparo; de notar que todos os subscritores acima vivem fora de São Tomé e Príncipe, essencialmente na Europa

    Não obstante os argumento científicos, aqui explanados e muito bem, muitos bonitos, com explicação com benefícios/prejuízos ou não na saúde, colocaria a tônica na problemática da mudança de hora na questão cultural, independentemente dos interesses motivos que levaram os decisores a optarem por esta decisão de mudança de hora.

    Como sabemos cerne da questão de crescimento/desenvolvimento/progresso do continente África, São Tome e Príncipe após a libertação europeia, está no modo de ser estar,pensar do Africano, o seu modos vivendis social cultural ancestral, embutido acrescido de todo peso da raiz matriz colonial, quer na administração, quer na relação de poder, quer na gestão, uma herança pesada, cultural, quer geográfica com todas as consequências que no presente de sobressalta nestes territórios/população/administração, quer socialmente, quer econômica e financeiramente, quer de liberdade e justiça e paz.

    Analisar comparar modificar igualar África, São Tomé e Príncipe a luz de somente todo conhecimento, administração, gestão Europeu, sem ter em conta as característica do Território/População, no que toca a presente moral social cultural e de todo quanto aconteceu nele, ao longo dos séculos, sem ter em conta no desenrolar de todas atividades humanas, a forma como ela acontece, é formatar um modelo de visão Europeu somente, é restringir a visão da realidade social cultural os hábitos das populações neste territórios.

    Voltando a questão cultural, sabemos que nós cidadãos SãoTomenses temos os hábitos de ser pessoas relaxadas, o leve leve, o amanha e jamais hoje e agora, o logo se vê, o não te armes em Amador em valente, gostamos de festas, bebedeiras e mulheres, poligamia, somos pouco trabalhadores e produtivos, pouco ou nada rigorosos, somos poucos organizados, somos vaidosos, invejosos, poucos unidos, pouco sérios, incultos, pouco unidos, somos pacatos, somos solidários, religiosos crentes, crentes na magia negra, feitiçarias, etc, etc…

    A razão do que escrevi acima reflete-se a organização social, cultural, institucional, econômica e financeira que temos em São Tomé e Príncipe neste momento, a África, salvo alguma exceção não foge a regra. Pois dai termos instituições fracas, a nível social, cultural, ambiental, desportiva, política, econômica e financeira, por mais pessoas qualificadas que lá estejam a desenvolver atividades funcionais administrativas e de gestão, reflexo social cultural da sociedade do meio e hábitos com que, em que se cresce e se desenvolve, juntando o processo de alienação cultural colonial sofdrido, aliados todos este facto sociais, culturais, institucional, ao nosso isolamento duplo(Ilhas e Ilhéus), a nossa pequenez territorial, a nossa periferia, herança de um quadro complexo a definir um modelo de desenvolvimento, em que neste mesmo espaço, pode-se notar a existência de três culturas línguas naturais, o Angolares, o Fôro, o Lunguiê, na convivência com o Português, uma sociedade composta por grupos etnográficos na sua gênese, Cabo-Verdianos, Moçambicanos, Angolanos, Portugueses, hoje Nigerianos, Libaneses, Chineses, de ressalvar a beleza cultural como uma mais valia, quando bem administrada a equidade e Justiça.

    Tivemos e temos territórios em África divididos a régua e esquadro, por Europeus, em que uma população pertencente a mesma etnografia, grupo, povos com seus habitos característicos, modos de ser estar, foi dividida ao meio por dois Países Territórios sob administração gestão diferentes, imaginam o conflitos, perdas, que se gera, o mesmo que dividir para reinar, depois tivemos a escravatura, exportação de nativos africanos, em que a mãos de obra escrava era essencialmente masculina, relegando o Território Africano, a classe feminina, também com objetivos de evitar também conflitos/oposição a administração colonial Europeia, logo isto teve consequências, na densidade populacional Africana, que até hoje a África jamais conseguiu recuperar a sua população, dai uma das explicação para o atraso subdesenvolvimento, poucas mãos para trabalhar, poucas cabeças instruídas para pensar, dai hoje conhecermos dispersão populacional nos territórios países Africanos, percorre-se longas extensões de terras, vê-se poucos aglomerados populacionais, em que a consequência natural é pouca nenhuma partilha de conhecimento, informação, ( o que acontecia ou acontece numa região, nada se sabe na outra, pois tem que se percorrer longas distâncias), pois que isto também trás implicação econômicas financeiras, na condição de atraso, no evoluir da pobreza, pois temos assim hoje populações, que jamais têm acessos aos serviços e São Tomé e Príncipe não foge a regra, agrava-se a questão ainda mais com a nossa dupla insularidade. Todo isto ao contrario diferente da evolução organização social cultural Europeia no espaço e no tempo, ao longo dos séculos.

    Nas nossas instituições de largos séculos, anos, no regime colonial, após a independência, a esta parte no presente, para população negra chegar a horas ao trabalho, a uma reunião, a escola, a empresa, parece denotar um certo relaxamento, falta de compromisso rigor e falta responsabilidade, para com o seu próprio Território/População/Administração.

    Uma repartição a hora de abertura é as 9H00, os administradores, os diretores, os funcionários chegam somente as 9H15, 9H30, 10H00.

    Por outro lado se um cidadão quer resolver um determinado assunto o tempo de morosidade, no atendimento é de tal ordem, que muitas é se obrigado a pagar ou subornar corromper o funcionário, o diretor, o administrador para que os assuntos se resolvam.

    Uma reunião, um evento está agendada/o para começar as 8H00, só começa as 9H00, 9H30, 10H00, assim acontece nos nossos hospitais e centro de saúde, nos tribunais, nos ministérios, na Assembleia da Republica, na Região Administrativa do Príncipe, em África no geral,…quem diz isso diz muito mais, etc, etc…todo todo questões de ordem cultural, que impede ao progresso e condena a pobreza, a miséria, a fome.

    E temos como foi escrito no artigo temos doze horas de luz solar, o que aproveitamos dela para produzir? E sou suspeito pois sou SãoTomense.

    Se uma pessoa uma um familiar está doente, em vez de ir ao médico diz-se que é bruxaria, que tem que ir a um curandeiro, ou feiticeiro.

    Como inverter tal situação? Como mudar estes hábitos culturais ancestrais secular na População Sãotomense, Africana?

    Pois que o setor da Justiça deve ser chamado a razão moral cívica social, cultural, ambiental, desportiva, política, administrativa, econômica e financeira, pois que apraz sobretudo presentes ajustes na nossa constituição da Republica, nos nossos códigos civis, nos nosso código penal, nos códigos procedimento administrativos, em suma nos códigos de conduta da população no território, no mar, na administração, na gestão local, regional, nacional da coisa pública e privada, tem haver com aplicação pratica efetiva da administração da justiça sobre o Território/População/Administração a nível social, cultural, ambiental, desportiva, política, econômica e financeira, para todos os cidadãos sem exceção de cores partidárias, de ser deputado, de ser dirigente, de ser cidadão comum.

    Se nos cidadãos SãoTomenses, temos que levantar mais cedo para começar o dia? Acho que sim é uma boa medida, embora deva ser complementada com aplicação efetiva dos códigos de conduta e aplicação da justiça, independentemente de meridiano de Greenwich.

    Se se os SãoTomenses levantam cedo no outono, no inverno na Europa, Portugal, Inglaterra, etc,… com chuva e frio para ir trabalhar, e tem que chegar a hora se não é marcada falta, é descontado penalizado no ordenado,…para ir a aula na Universidade, para ir a escola, e muitos querem ir, emigrar para Europa, porque jamais levantar cedo em São Tomé e Príncipe, para ir produzir,…e muitos trabalham por turno na Europa, onde está evocação de questão de saúde, perturbação do sono?

    E Europa é uma região desenvolvida, em que se trabalha e se tem mínimas qualidade de vida não é?. Em que se tem respeita dignidade de pessoa humana não é?.

    Então e aqueles que trabalham nos hotéis, noite fora em São Tomé e Príncipe, que têm que atender os turista que se diz trazer riqueza aumentar o PIB, onde está evocada a questão de perturbação de sono?

    E o pessoal que trabalha nos Hospitais, na Policia Nacional, os Militares, pessoal dos portos e aeroportos? Também podem ter perturbação de sono?Problemas de saúde mental?

    Imaginemos que um grupo de empresa quer investir em São Tomé e Príncipe, mas para dar emprego ao jovens tem que vir a trabalhar por turno de dia e de noite. vamos evocar questões de perturbação de sono, de saúde mental, sabendo da falta de rendimento das famílias e jovens no País

    Com uma hora a mais ou a menos, temos que fazer um esforço de moralizar organizar, progredir, evoluir o País, Território/População/Administração, alterando os maus hábitos sociais culturais nocivos para o bem estar de todos, como de falta de produtividade, falta de organização, falta e rigor, falta de regras de conduta, falta responsabilização social pelos atos praticados, vencer o obscurantismo etc, etc, … que a nível da justiça, quer a nível legislativo, quer a nível da constituição da republica.

    És de São Tomé e Príncipe, és capaz, acredita em ti, organiza-te, trabalha, vai fazer produzir algo.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tome e Príncipe

  9. Rato

    15 de Fevereiro de 2018 as 16:53

    Óh Senhor de nome NUNO MENEZES, vem para aqui na grota ver e vivenciar as coisas e deixa de falar à toa, vem sentir um pouco de malagueta nos olhos, sr. filho da P…

    • Nuno Menezes

      15 de Fevereiro de 2018 as 23:46

      Senhor Rato

      Se o Senhor fosse Senhora Rata eu comia a si a RATA neste momento e a senhora ia sentir malagueta dentro de si.

      E filho da P*** como assim escreveu o senhor para mim, vou ajudar o senhor peceber essa historia;

      Para o senhor estar no mundo teve quer ter uma mae certo…. eu tambem para estar neste mundo tambem tenho uma mae certo…. entao, se nos os dois Temos mae______________________________ o senhor ‘e capaz de terminar a sentença??

      Agora aprenda essa comigo, palavras engracadas…

      Quem é que tem terra no ….?

      Nao me leve a mal, nao ‘e falar mal acredite, se Pertungar ou mostrar isso a uma Portuguesa de Portugal ou um Portugues ele sabe se defender e encolher tambem. Pergunta a uma Portuguesa ou um Portugues de Portugal dentro de Sao Tome and Principe que o Nuno Menezes mandou perguntar o seguinte: Quem é que tem terra no ….?

      E isso nao ‘e ofensa, ‘e uma brincadeira, o problema a resposta, entregas ou encolhes…

      Nuno Menezes
      Lincoln,Reino Unido England

  10. ditadura do adi

    15 de Fevereiro de 2018 as 18:04

    Fiquem tranquilos.
    Patrice Trovoada precisa deste horário só para uma operação com a empresa portuguesa TRIGENIUS a partir de Gabão para alterar os dados eleitirais da base de dados da Comissao Eleitoral, em que foram eles ( Trigenius ) quem produziram e venderam o Software e fizeram as alterações do Hardware para Timor Leste, este que posteriormente oferece a S.Tomé e Príncipe.
    Recordam bem que quando a oposição fez barulho sobre a possibilidade da duplicação inscrição neste sistema da base de dados e a falta de confiança no mesmo e exigia auditoria?
    Patrice Trovoada veio ao público dizer que o governo não vai fazer nenhuma auditoria ” porque temos confiança nos timorenses e eles são nossis amigos”.
    Mais santomenses o problema não está nos Timorenses. Longe disto.
    O problema está na TRIGÉNIUS, que readaptou o Software especificamente, e foi pago para o efeito, para S.Tomé e Príncipe. E quem sabe talvez psgo com parte dos 30.000.000 de dolares em que até hoje Patrice Trovoada não dá explicações à ninguém.
    Santomenses, abram vista.
    Oposição façam o trabalho de casa e CERREM bem as mesas de voto. Não percam de vista sequer um segundo. Que sejam muito vigilantes com as actas das mesas.
    Recordem ainda o que disse o José Bandeira nas presidenciais : “Se houve problemas,foi nas mesas de voto.E não reclamaram pirquê?” E sabia porquê disse.
    Portanto oposição o povo quer via vai dar voto. Nao petcam a oportunidade.Não ponham pessoas na mesa de vito só PARA LHES AGRADAR E COMPENSAR! Camarão que dorme, água leva.
    Eu sei bem do que estou a falar.
    Homem prevenido vale por dois.
    Un sá ué qui mé, passôôôhh.
    Un bé zá.

  11. Zani

    15 de Fevereiro de 2018 as 19:27

    Gente vcs non tem nada pa faze não é? Andar aqui a discuti horário! Isso é coisa de quem nom tem o que fazê. Vamo mazê a trabalhar é disso que sao tome precisa!

    CAXARAMBA PA É!

  12. DITADURA DA PEDRA

    15 de Fevereiro de 2018 as 19:36

    Meus senhores realmente uma hora de mer…………… so veio criar transtorno nas crianças sobretudo, credo credo credo, Levi Nazaré, Abnildo de Oliveira, Watson Almeida,… você vão terminar mal… vamos esta ca para vos ver…maldito povo Burrrrrrrrrrrrrrrrrro comprou ilusão dentro de saco preto forrado com tecido de CABARDINE. Dubai vs good bye. agora estamos perto de eleições, vai aparecer novamente muitas promessas e construções para levar mais uma vez… com Juiz Bandeira no Pivô a Victória será certa…

  13. Clemilson souza

    15 de Fevereiro de 2018 as 20:40

    Aqui no Brasil muda-se horários todo ano como o nosso famoso horário de verão e ninguém morreu por causa disso ?

    • Ralph

      16 de Fevereiro de 2018 as 1:59

      Concordo, parcialmente. Assinei a petição a favor mas consigo entender ambos os lados do debate. É verdade que há muitos países em volta do mundo que têm mudanças de hora anuais por causa de um tempo de verão, incluindo vários estados na minha nação de Austrália. A diferença é que aquelas mudanças por causa de tempo de verão são temporárias, não permanentes. Nestes países, uma vez que o verão acaba, os relogios regridem-se à hora que realmente deve ser, de acordo com a posição geográfica do país em questão. Porém, mudar a hora para uma que não corresponda à que um país deveria pertencer geograficamente, por nenhuma razão aparente ou óbvia, parace-me uma estranheza.

    • EAL

      17 de Fevereiro de 2018 as 2:53

      Quer comparar o Brasil a São Tomé e Príncipe? Há pessoas que foram a escola passear. Só pode. Tudo que foi dito nesta petição são coisas básicas da Geografia e da Física.

      Enfim.

  14. dor de parto

    16 de Fevereiro de 2018 as 9:00

    Meus Srs quanto houvi esta noticia perguntei porque e hoje entendi porquê.
    Porque o Patricio não ia trocar horário so por trocar.
    S.tome é muito pequeno para estes sistemas electronico que querem gastar dinheiro que nos faz tanta falta com ele podemos contar os votos um por um fazer a conta no papel e eu sei que no calculo mentais os santomenses são bons.Então todo esse computador troca de horário tinha um porquê nos robar nas eleções povo santomense não façam como 1º vez que apenas o sr presidente ganhou na segretaria e ficou por isso mesmo deixamos de ser covardes vamos enfrentalos

  15. STP Universo

    16 de Fevereiro de 2018 as 10:17

    Povo santomense não gostam de trabalhar…que povo mais preguiçoso….todo isso devido uma hora a mais de trabalho?
    Vão mazé trabalhar porque é disto que o São Tomé e Príncipe precisa

  16. Matrusso

    17 de Fevereiro de 2018 as 4:25

    Oh palerma de STP universo, não se ninguem aumentou hora de trabalho, ate valia si assim fosse. O que se discute é adiantamento de uma hora. Que tipo aumento de produtividade á de se ganhar se as pessoas continuam com mesma tempo de trabalho. Porquê não melhoram condições de trabalho? Dá te jeito comentar sem saber o assunto, como tbm da jeito ao teu PM acertar hora com a do gabão para manipular de lá os resultados eleitorais. Quem deve acordar mais cedo és tu mais alhuns idiotas que aqui andam a comentar a favor dessa hora TMG+1, mas teu/vosso acordar é dispertar do sono profundo, analgesado com banhos de migalhas desse desgoverno.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo