Política

Preços de alimentos e petróleo sobem, custos das operações aumentam e PAM sem dinheiro para enfrentar fome

DAKAR – Os custos operacionais do Programa Alimentar Mundial da ONU (PAM) para 2022 aumentarão US$ 136 milhões somente na África Ocidental devido ao efeito cascata do conflito na Ucrânia, que está a elevar os preços globais de alimentos e combustíveis. Entretanto, a fome aguda na região quadruplicou em três anos – atingindo uma alta de 10 anos este ano, com 43 milhões de mulheres, homens e crianças enfrentando insegurança alimentar aguda até junho de 2022.

Este custo adicional para as operações do PAM poderia ter sido usado para fornecer uma refeição nutritiva diária durante seis meses a seis milhões de crianças em idade escolar. Isso é lamentável, pois milhões de famílias na região não conseguem atender às suas necessidades alimentares básicas como resultado de uma crise alimentar sem precedentes, impulsionada por conflitos, clima, consequências do COVID-19 e altos preços dos alimentos.

Carências em Africa

“O aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis não só colocará milhões em risco de fome; eles também estão a forçar o PAM a uma situação impossível de ter que tirar dos esfomeados para alimentar os famintos”, disse Chris Nikoi, Diretor Regional do PAM para a África Ocidental.

“Antes do conflito na Ucrânia, já estávamos a ser forçados a cortar cestas alimentares na Nigéria, República Centro-Africana, Chade, Burkina Faso, Camarões, Mali e Níger devido ao financiamento limitado. Com o desdobramento do conflito na Ucrânia, portos e fornecedores não estão mais acessíveis com embarques do Mar Negro atrasados ​​ou simplesmente cancelados, o que afeta as operações do PAM na África Ocidental”, acrescentou.

Em resposta à crise alimentar e nutricional sem precedentes na África Ocidental, o PMA está a ampliar sua resposta para alcançar 22 milhões de pessoas com assistência para salvar vidas e construir resiliência. Isso inclui oito milhões de mulheres, homens e crianças com necessidades alimentares extremas nos países do G5 Sahel (Burkina Faso, Chade, Mali Mauritânia e Níger), durante a época de escassez agrícola que começa em junho, até o período pós-colheita em outubro.

Para garantir a implementação efetiva de seu plano de resposta regional, o PAM precisa urgentemente de US$ 951 milhões adicionais nos próximos seis meses.

“Precisamos aumentar nossa assistência que salva vidas para limitar o impacto da crise nas famílias vulneráveis. Mas esse apoio de emergência vital deve ser acompanhado por intervenções de longo prazo, fortalecendo os sistemas nacionais e a resiliência das comunidades, para reduzir as necessidades humanitárias ao longo do tempo e abrir caminho para soluções sustentáveis ​​para a fome e a desnutrição. Temos evidências de comunidades em toda a região de que isso funciona”, Nikoi notou.

Fonte – PAM

4 Comments

4 Comments

  1. Vanplega

    15 de Abril de 2022 at 18:06

    Terra è fertil, plantam, cimeam
    Dp cohle fruto

    Agora, parado cm frente de calçāo do homem, ñ vāo a lado menhum

    Ñ roubar è que està a dar. Corto-vos māos com Manchim

  2. Vanglega

    15 de Abril de 2022 at 18:11

    Voçes è que sabem

  3. Vanplega

    15 de Abril de 2022 at 18:12

    Podem apagar a seu pelo prazer

  4. Margarida Lopes

    17 de Abril de 2022 at 23:22

    Sem preguiça e com boa vontade, a nossa África não morre de fome…NUNCA!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top