Sociedade

São Tomé e Príncipe terá brevemente uma unidade cardiovascular no hospital central DR. Ayres de Menezes

Vai serpediatria.jpg montado no hospital central DR. Ayres de Menezes uma unidade cardiovascular. Para o efeito esta no país uma equipa da ONG cadeia de esperança médica humanitária do hospital de Coimbra-Portugal, que se encontrou com o ministro da saúde Arlindo Carvalho para traçar os pontos deste projecto que nesta primeira fase vai durar três anos.

O principal objectivo desta ONG portuguesa, segundo o seu presidente Luís Marques é deixar no arquipélago um projecto de cooperação na área de saúde e doenças cardiovasculares. »O que pretendemos com este projecto é vir a criar uma unidade cardiovascular no hospital Ayres de Menezes. O nosso objectivo é transferir meios técnicos para aqui, formar pessoas nesta região, porque não faz sentido formar pessoas sem recursos técnicos nem ter recursos e não ter pessoas. Os projectos de cooperação devem visar autonomia e são os profissionais de S.T.P  que vão beneficiar com isto.»

Os doentes deverão ir ao hospital trimestralmente ou de quatro em quatro meses e os que forem identificados beneficiarão desta consulta. Este projecto é também uma oportunidade para os médicos, enfermeiros e técnicos do país ampliarem os seus conhecimentos na área de cardiologia. E com os equipamentos que a ONG trouxe o diagnostico vai ser mais fácil » Vamos dar inicio a um ciclo de consultas externas em cardiologia, ao nível do hospital central a equipa já esta preparada, inclui médicos enfermeiros  e técnicos de laboratório. O objectivo é junto a essa equipa de cardiologistas trabalharmos no sentido de instituirmos consultas regulares de cardiologia aqui em S.T.P. As consultas que eventualmente não poderão ser feitas  por estes cardiologistas poderão ser feitas via  telemedicina. Vamos ver se instalamos esse dispositivo no hospital central  para que as pessoas possam ser consultadas em S.Tomé por médicos em Portugal.» Disse o tutelar da pasta de Saúde em São Tomé Arlindo Carvalho. O projecto é ajudado pela cooperação Portuguesa e financiado pela IPAD- instituto Português de apoio ao desenvolvimento.

A ONG cadeia  de esperança medica humanitária do hospital de Coimbra está virada para a área de cardiologia e já possui algumas experiências na matéria. O projecto que vai ser implementado em São  Tomé e Príncipe foi feito com êxito em Moçambique.  O projecto já arrancou e dentro de alguns meses a equipa começa a trabalhar.

Ectylsa Bastos

Recentemente

Topo