Sociedade

Pesquisa mostra que maioria dos chineses apoia o Acordo de Paris e a transição para a energia limpa

Uma recente pesquisa de opinião pública mostra um grande apoio dos chineses à ação climática em nível nacional e internacional. O levantamento foi conduzido pelo Centro da China para a Comunicação sobre Mudanças Climáticas (China4C) com 4250 entrevistados e cobriu seis grandes tópicos: crenças, impactos, resposta, políticas, execução e comunicação sobre mudanças climáticas.

Haibin Zhang, professor da Escola de Relações Internacionais da Universidade de Pequim, que há muito estuda governança climática global disse: “Os resultados da pesquisa mostram que a participação ativa da China na governança global do clima é popular com o público. Na China de hoje, a agenda de baixa emissões de carbono tornou-se recentemente importante estrategicamente para o país. O papel internacional da China está evoluindo daquele de um participante e um seguidor para um líder e um guia. Governança climática e desenvolvimento sustentável são as áreas mais favoráveis ​​à liderança da China “.

Entre as principais conclusões estão:

  • 94,4% dos entrevistados pensam que as mudanças climáticas já estão acontecendo.
  • 75,2% dos entrevistados já foram pessoalmente afetados pelas mudanças climáticas, enquanto 24,6% têm uma percepção contrária.
  • 95,1% dos entrevistados pensam que a mudança climática causará aumentos nas ocorrências de poluição do ar, seguidas de epidemias de doenças (91,3%), secas e escassez de água (89,8%), inundações (88,2%), derretimento das geleiras (88,0%) extinções de espécies vegetais e animais (83,4%) e fome e falta de alimentos (73,4%) nas próximas duas décadas na China, se não houver contramedidas às mudanças climática.
  • 96,8% dos entrevistados apoiam o esforço da China para promover a cooperação internacional em mudanças climáticas, das quais mais de metade (54,7%) afirmam que apoiam “fortemente”.
  • 92,7% dos entrevistados dizem que sabem pelo menos um pouco sobre mudanças climáticas.
  • 98,7% dos entrevistados apoiam a afirmação de que as escolas devem ensinar aos alunos sobre as causas, consequências e possíveis soluções para as mudanças climáticas.
  • 94% dos entrevistados têm forte desejo de aprender mais sobre mudanças climáticas. Especificamente, a maioria dos inquiridos gostaria de aprender mais sobre “impactos nas mudanças climáticas”.

A seguir está a tradução para o português do resumo executivo da pesquisa, que se encontra no PDF anexo. Para contato com o Centro da China para a Comunicação sobre Mudanças Climáticas (China4C): binbinwang@pku.edu.cn; lvmei_amy@sina.com

 

RESUMO EXECUTIVO

  1. Crenças sobre mudanças climáticas

– 2,834 entre 4,250 entrevistados compartilharam a primeira coisa vem à sua mente quando ouvem “mudança climática” em uma palavra ou uma frase. Analisando a freqüência dessas palavras / frases dentro da metodologia da pesquisa, descobriu-se que as palavras mais freqüentemente mencionadas são “calor” (mencionada 225 vezes), seguido de “névoa” (mencionada 179 vezes) e “aquecimento global” (mencionada 170 vezes).

– 80% dos 2.834 entrevistados que deram uma palavra / frase como primeira coisa que veio à mente quando ouviram “mudança climática” classificaram essas palavras / frases como “negativas”.

– 92,7% dos entrevistados dizem que sabem pelo menos um pouco sobre mudanças climáticas. Mais de metade (57,2%) dizem que sabem “apenas um pouco sobre isso”, quase um em cada três (31,5%) diz que sabe “algo sobre isso” e apenas 4% dizem que sabem “muito” sobre mudanças climáticas, enquanto 7,1% dizem que “nunca ouviram falar sobre isso”.

– 94,4% dos entrevistados pensam que as mudanças climáticas estão acontecendo, contrastando com apenas 5,3% declarando que pensam que as mudanças climáticas não estão acontecendo.

– 66,0% dos entrevistados entendem que as mudanças climáticas são causadas “principalmente por atividades humanas”, enquanto 11,1% dizem que é devido a “mudanças naturais no meio ambiente”. E 19,3% dos entrevistados pensam que é causada por ambos os motivos. Nesta questão, 1,7% declararam acreditar que a mudança climática “não está acontecendo”.

– 79,8% dos entrevistados dizem que estão “muito” (16,3%), ou “um pouco” (63,5%) preocupados com a mudança climática. 16,2% e 3,9% dos entrevistados dizem que estão “não muito” ou “nada” preocupados com isso, respectivamente.

  1. Impactos das Mudanças Climáticas

– 75,2% dos entrevistados já foram pessoalmente afetados pelas mudanças climáticas, enquanto 24,6% têm uma percepção contrária.

– 31.1% pensam que a mudança climática os prejudicará e a suas famílias muito ou moderadamente; 51,4% pensam que prejudicará o público na China muito ou moderadamente; 78% pensam que isso irá afetar as gerações futuras muito ou moderadamente, enquanto 71,7% pensam que isso impactará as espécies vegetais e animais muito ou moderadamente.

– 95,1% dos entrevistados pensam que a mudança climática causará aumentos nas  ocorrências de poluição do ar, seguidas de epidemias de doenças (91,3%), secas e escassez de água (89,8%), inundações (88,2%), derretimento das geleiras (88,0%) extinções de espécies vegetais e animais (83,4%) e fome e falta de alimentos (73,4%) nas próximas duas décadas na China, se não houver contramedidas às mudança climática.

– 33,4% dos respondentes preocupam-se com a poluição do ar. Outros estão mais preocupados com doenças (29,0%), secas (10,9%), inundações (8,6%) e derretimento das geleiras (6,8%).

– 72,6% dos entrevistados pensam que as mudanças climáticas e a poluição do ar estão inter-relacionadas entre si. Além disso, 14,3% pensam que as mudanças climáticas levam à poluição do ar e 12,8% pensam que a poluição do ar leva à mudança climática.

  1. Respondendo às Alterações Climáticas

– 47,8% dos entrevistados acreditam que a mitigação da mudança climática é mais importante do que a adaptação às mudanças climáticas como contramedida no enfrentamento da crise climática. 45,3% dos entrevistados pensam que a mitigação é tão importante quanto a adaptação. Apenas 6,7% pensam que a adaptação é mais importante.

– Quando perguntados sobre os principais papéis na resposta às mudanças climáticas, entre governo, ONGs ambientais, empresas / organizações empresariais, o público e os meios de comunicação, a maioria dos entrevistados acredita que o governo deve assumir relativamente mais responsabilidades, seguido de “Imprensa” e “ONGs ambientais”.

l   Quando perguntados sobre os temas aos quais o governo central chinês deve prestar atenção, entre “poluição do ar, poluição da água, mudanças climáticas, proteção do ecossistema, desenvolvimento econômico, educação, terrorismo e cuidados de saúde”, mais de 70% dos entrevistados pensam que a todas essas áreas deve ser dada especial atenção do governo central. Na média, os entrevistados dizem que a questão da poluição do ar é a mais importante, seguida da poluição da água, proteção do ecossistema, saúde e mudanças climáticas.

l   Entre as áreas acima mencionadas que são de alta atenção pública, 24,3% dos entrevistados pensam que a poluição do ar é a mais importante, seguida de proteção ecológica (18,0%) e saúde (17,2%), 8,8% dos entrevistados acreditam que a questão mais importante é mudança climática, que é ainda mais crítica do que o desenvolvimento econômico e o antiterrorismo.

  1. Políticas de mudança climática

l   Em 2015, a China assinou um acordo internacional em Paris com outros 195 países. 96,3% dos entrevistados apoiam “um pouco” ou ” fortemente” a participação da China no Acordo de Paris e entre eles, 59,3% afirmam que o apoiam “fortemente”.

– 94% dos entrevistados dizem que apoiam a decisão da China de permanecer no Acordo de Paris para limitar a poluição que causa a mudança climática. 52,5% dizem que o apoiam fortemente.

– 96,8% dos entrevistados apoiam o esforço da China para promover a cooperação internacional em mudanças climáticas, das quais mais de metade (54,7%) afirmam que apoiam “fortemente”.

– 96,9% dos entrevistados apoiam os esforços do governo no controle total da quantidade de emissões de gases de efeito estufa da China e 64,5% são fortemente favoráveis ​​a ele.

l   Cada política para mitigar as alterações climáticas ou reduzir as emissões é “um tanto” ou “fortemente” apoiada por cerca de 90% dos entrevistados.

– 98,7% dos entrevistados apoiam a afirmação de que as escolas devem ensinar aos alunos sobre as causas, consequências e possíveis soluções para as mudanças climáticas.

  1. Execução de ações climáticas:

l   Quando perguntados se eles estariam dispostos a pagar mais por produtos amigáveis ​​com o clima, 73,7% dos entrevistados responderam afirmativamente.

l   Quando perguntados se gostariam de pagar para compensar suas emissões pessoais completamente (se a compensação das emissões pessoais custa 200 mil milhões de yuan por ano), 27,5% dos entrevistados disseram que sim.

– 46.7% dos entrevistados usaram bicicletas compartilhadas.

– 92.6% dos entrevistados apoiam o uso de bicicletas compartilhadas como forma de viajar.

– 55.6% dos entrevistados ouviram que, além do consumo doméstico, a eletricidade gerada a partir de painéis solares fotovoltaicos pode ser vendida para o State Grid.

  1. Comunicação sobre Mudanças Climáticas

– Os entrevistados dizem ter obtido informações sobre mudanças climáticas através de três principais canais de informação, que são televisão (83,6%), WeChat (79,4%) e amigos e familiares (68,1%).

– 94% dos entrevistados têm forte desejo de aprender mais sobre mudanças climáticas. Especificamente, a maioria dos inquiridos gostaria de aprender mais sobre “impactos nas mudanças climáticas”.

l   Os respondentes confiam mais no governo central como fonte de informações sobre mudanças climáticas.

– Quando perguntados sobre o tipo de notícias sobre as quais mais se interessam, 12,3% selecionam notícias ambientais.

– 97.7% dos entrevistados estão dispostos a compartilhar informações sobre mudança climática com suas famílias e amigos.

 

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo