Sociedade

Uma parte dos alegados contrabandistas de alto mar postos em prisão preventiva

Num artigo do jornalista Manuel Barros, do Jornal Vitrina, é apresentado os detalhes da acção da Polícia Judiciária, que contou mais tarde com a decisão do Tribunal da Primeira Instância, em decretar prisão preventiva para 3 cidadãos santomenses envolvidos na operação de contrabando em terra.

Quatro tripulantes da embarcação de origem duvidosa que trouxe as mercadorias contrabandeadas, também estão detidos e sob investigação da Polícia Judiciária.

Os três cidadãos santomenses que estão em prisão preventiva, são acusados na prática de crimes de Associação Criminosa, Trafico de Estupefacientes, e Contrabando.

No artigo do Jornal Vitrina, a Polícia Judiciária anuncia algo que a maioria dos santomenses sabe. «A Polícia Judiciaria (PJ) acredita haver “pessoas graúdas” envolvidas nos crimes». 

Segundo o despacho do jornal Vitrina, a Polícia Judiciária prometeu ir a caça das pessoas graúdas, envolvidas no contrabando de produtos diversos incluindo estupefacientes, nas águas nacionais.

Actos de contrabando nas águas nacionais com desembarque nas praias isoladas do país, que as investigações policiais poderão também provar, como sendo antigos no país.

Na madrugada da última segunda feira, Deus, terá permitido que os pescadores de Micoló e a população do mesma comunidade piscatória, interceptassem a operação de transbordo no alto mar, o desembarque das mercadorias na praia, e o consequente transporte em viaturas privadas rumo as empresas ou residências dos patrões ou barões da operação.

Desta vez, o povo de Micoló descobriu o crime, e prendeu as viaturas que transportavam o contrabando. O povo de Micoló, não aceitou suborno dos contrabandistas. O povo de Micoló entregou os contrabandistas e o contrabando, às autoridades do Estado, e espera que pelo menos uma vez, o Estado que parece estar a perder controlo das suas praias durante a madrugada, faça valer a sua autoridade.

Abel Veiga

Todos os detalhes no artigo do Jornal Vitrina que o Téla Nón disponibiliza na íntegra : 

TRIBUNAL SÃO-TOMENSE DECRETA PRISÃO PREVENTIVA PARA TRÊS CIDADÃOS IMPLICADOS EM CONTRABANDO DE MERCADORIAS

Vitrina,   – O Tribunal de Primeira Instância de São Tomé e Príncipe decretou hoje prisão preventiva para três cidadãos detidos, segunda-feira, pela policia durante uma operação de contrabando de mercadorias na praia de Micoló.

Além de prisão preventiva o juiz de instrução criminal exigiu uma “garantia patrimonial” de 400 mil dobras (equivalente a dez mil euros) à empresa envolvida na operação, cujo nome não foi revelado.

Os três cidadãos foram considerados arguidos e indiciados na prática de crimes de contrabando, tráfico de estupefacientes e associação criminosa.

A Polícia Judiciaria (PJ) acredita haver “pessoas graúdas” envolvidas nos crimes, sublinhando que os detidos “são apenas condutores da três viaturas aprisionadas com as cargas”.

Fonte da PJ garantiu que “investigações estão em curso para se apurar todos aqueles envolvidos na operação”.
Detidos na polícia judiciária para interrogação estão também quatro tripulantes da embarcação que trouxe para a ilha de S. Tomé as mercadorias em causa.

Uma fonte do Ministério Público (MP), disse que as “investigações estão decorrer para se apurar a proveniência da embarcação” bem como as nacionalidades dos tripulantes.

Dentre as mercadorias apreendidas, destacam-se tabaco contrafeito, medicamentos vários e contrafeitos e pesticidas com substâncias estupefacientes.

Nas primeiras horas de segunda-feira populares denunciaram a policia que várias viaturas estavam a descarregar mercadorias de um bote no alto mar.

Agentes da PJ, da Policia nacional e militares deslocaram-se ao local e prenderam os motoristas de três viaturas carregadas com varias dezenas de volumes.

A população acabou por rebelar-se contra os agentes da policia quando estes tentavam encaminhar as mercadorias para a sede na capital.

Populares exigiam que esses volumes fossem aberto na presença da população antes de ser encaminhado para o comando.
A situação degenerou-se em conflito entre populares e autoridades policiais que provocou três feridos por balas disparadas alegadamente por agentes da policia.

As três vitimas, duas são adultos e uma criança atingida “acidentalmente”, de acordo com relatos.
A vila de Micoló é zona costeira situada 12 quilómetros a norte da cidade de São Tomé.

M. Barros

    13 comentários

13 comentários

  1. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    12 de Agosto de 2020 as 14:42

    Só em São Tomé que polícia prende ou melhor, a população e a autoridade não divulga o conteúdo do bisness. O povo precisa estar informado,,,e não era preciso atingir quem fez trabalhos dos policiais,,,,pelos vistos com água na boca.

  2. Púmbú

    12 de Agosto de 2020 as 18:43

    Polícia miserável. O canalha que disparou contra os civis deve ser JULGADO e CONDENADO. Essa rede tem que ser desmantelada e os autores e demais detalhes devem vir a ser conhecido pelo povo.
    Obrigado e VIVA MICÓLÓ de gente FIRME.
    ABAIXO a polícia dormioca e corrupta.

  3. Sem assunto

    13 de Agosto de 2020 as 1:03

    O povo de Micoló deveria ser devidamente homenageado pelo Presidente da República. Delfim Neves, o novo homem tudo da república das bananas, não estou a te dar ideia, porque quem homenageia as figuras do Estado é o seu chefe, isto é o mais alto magistrado da nação e não uma simples casa parlamentar, com o seu presidentizinho armado em vedeta, o chico esperto.
    Vamos lá: ao envolvidos no processo de a preensão das mercadorias, prisão dos motoristas, este expediente é pacato que não seja se contentem com isto, os barões, os manda chuvas devem ser pegos e identidades tornada pública, o governou atual fez aumento salarial abismal para os da força, desta feita trabalho exemplar e impecável pede se.
    Não é de estranhar que estas atividades esteja a ser praticada aqui e há muito, nos últimos tempos um grupo de indivíduos da nossa praça decidiram fazer com petição de viaturas de luxos, para quê? , aonde está a estrada propícia para isto? , os vossos rendimentos salariais não são justificam toda esta ostentação, de onde vem o a verba para estas parafarias? a polícia judiciária tem aqui muito trabalho pela frente,para isto é necessário lhe dar condições para o efeito, escuta se as vezes que lhes faltam verbas inseginificantes para porem em marcha seus trabalhos, que vergonha, enquanto isto o povo contribui para pagar 8 mil euros mensais ao amigo do poder disfarçado em causidico para fazer nenhum, até então tudos quanto ele fez deu em nada.

  4. Original

    13 de Agosto de 2020 as 7:24

    Faz despacha que nós queremos saber quem são estes barrões que estão a F. este País e apresentam com cara de santinho.O trabalho feito pela população de Micoló tem que dar o seu fruto.

  5. Sempre atento

    13 de Agosto de 2020 as 8:02

    Nesta investigação é preciso descobrir qual é o grande cabecilha deste contrabando. Os detidos foram os pequenos mandados para o terreno e acredito que existe algum empresário e político metido. Quando investigarem não se esqueçam que a justiça é igual para todos. Tanto quem organiza o esquema e quem transporta são todos criminosos.

  6. 100% São-tomense

    13 de Agosto de 2020 as 9:38

    Ainda bem que população alertou, se não população de São Tomé e Príncipe, iria consumir todos esses produtos Falsificado; imitado fraudulentamente. Graças a Deus foi divulgado.
    Ainda bem mesmo.

  7. Vendaval

    13 de Agosto de 2020 as 10:43

    Muita brincadeira tudo isto que está acontecendo, novos tempos e novos desafios para a nação. Que Deus Abençoe São Tomé e Príncipe.

  8. luisó

    13 de Agosto de 2020 as 11:56

    Os detidos não disseram quem os contratou?
    Os carros não têm dono?
    Nesta altura não há mais detenções ou notificações para inquirição?
    Porque não apresentam ao publico o material apreendido?

    • Tomas Mendonça

      14 de Agosto de 2020 as 11:04

      Meu caro, na minha opinião, eles já têm toda informação porque São Tomé é um ovo. Tudo se vê, tudo se sabe. Todo esse suspense é para buscar uma forma para branquear a situação porque há muito graúdo envolvido. Há que alimentar o sistema.

  9. Esmeralda Freitas

    13 de Agosto de 2020 as 12:50

    Quando é começam a deter os burlões?! O povo com tantas dificuldades e andam burlões, concretamente uma suposta empresa denominada Global Solutions INC, com o suposto número de contribuinte 517617962, situada em Vila Dolores, e contactos telefónicos + 239 222 14 17 e + 239 997 42 00 e endereço eletrónico: gsolutions.stp@gmail.com, a extorquir dinheiro em formato de inscrições de jovens santomenses em cursos em Portugal [(2.500,00 Dobras, conforme recibo datado de 2/7/2020, carimbado e assinado por Vanecia Borges(provável bode expiatório ou nome falso)], recorrendo inclusive à falsificação de documentos, de Instituições de Ensino Superior Portuguesas, para manter a farsa. Será que alguém em São Tomé tem interesse em por cobro a isto?! Eu já denunciei esta situação e enviei todos e dados e provas para o e-mail deste Jornal, mas ao que parece não consideram importante investigar e publicar, bem como, informar as entidades competentes, de forma a punir os infratores e proteger a sociedade deste tipo de embustes. Ou será que terão feito o mesmo que a Rádio Regional do Príncipe que divulgou estas formações?! Foi assim que um meu familiar foi aliciado

    • ONDE MESMO?

      14 de Agosto de 2020 as 10:29

      Enquanto perdeu o seu tempo a enviar os dados a este jornal, deveria isso sim dirigir-se as instalações da Polícia Judiciaria e apresentar queixa, assim não estaria uma vez mais a perder o seu tempo a fazer este tipo de comentário onde se está a falar de um crime de tráfego ilícito da mercadorias ou seja contrabando.

  10. Como será

    13 de Agosto de 2020 as 13:06

    Um pais tao pequeno como o nosso, esses traficantes acham que aqui é o lugar ideal para comercializarem essas drogas pesadas?numa populacao miseral, que mal conseguem ter uma dieta adequada.Muitos jovens da nossa praça fazem uso destes produtos que tem levado a sua destruição, levando essa onde criminalidade que cresce cada vez mais no país, que PJ faça bem o seu trabalho ppr os culpados atras das grades, nao importa se sao peixes graudos ou seja la quem for, afinal de contas a lei nao é so para os pobres, ou para os que roubam galinhas.

  11. Fuba cu bixo

    13 de Agosto de 2020 as 13:28

    A polícia de S.tomé são mal trenados e estão sempre a disparar bala real sobre a população quando no anterior governo do Patrice que a polícia baliava pessoas culpavam Patrice o disparo da Polícia na Igreja universal que vitimou um miudo culparam Anda Pligo e agora gostaria de perguntar o disparo de Micolo é culpa de quem?
    Eu não compriendo porque ate agora não divulgaram o conteudo da caixa nem o nome da empresa e desta forma provocando especulação por parte dos ativistas do partido do governo que ja publicam acusações com fotos do Procurador e do partido adi é lamentável..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo