Ex-Búfalos em crise

Os são-tomenses que pertenceram ao antigo batalhão sul-africano Búfalo, estão em rota de colisão com o seu chefe, Arlécio Costa. Tudo por causa da gestão dos recursos financeiros avaliados em mais de 500 mil dólares, alegadamente cedidos por um dos investidores do projecto turístico que deveriam implementar na zona da lagoa Azul.

São no total 14 homens. Todos são-tomenses. Vieram da África do Sul sob a liderança de Arlécio Costa, antigo oficial do extinto batalhão de forças especiais sul – africanas que combatiam o movimento de libertação da Namíbia, e o exército regular de Angola. A faixa de Capriv na Namíbia, era a principal base das operações.

Na sua terra natal, São Tomé e Príncipe também realizaram operações. Foi no ano 2003. Planearam e executaram um golpe de estado, que serviu para demonstrar aos seus concidadãos a sua competência na matéria.

Apenas 14 homens, conseguiram invadir o quartel-general das forças armadas, contando para isso com o apoio de um oficial superior do exército. Na madrugada de 16 de Julho de 2003, tomaram o controlo do quartel-general e do país.

Resultado do golpe de estado perpetrado, os ex-búfalos conseguiram negociar com os mediadores internacionais a sua reintegração na sociedade são-tomense. O memorandum de entendimento assinado no dia 23 de Julho de 2003, deu garantias aos ex- búfalos.

O estado são-tomense decidiu entregar ao grupo liderado por Arlécio Costa, mais de 500 hectares de terra para realização de projectos agrícolas e turísticos com vista a sua integração na sociedade. No nordeste de São Tomé, foram cedidos mais de 300 hectares de terra que preenche a savana da praia das Conchas. A bela Lagoa Azul está incluída no lote de terra.

Com apoio de investidores sul-africanos, os ex-búfalos lançaram o projecto turístico Lagoa Azul. Um projecto que implicava a construção de condomínios de luxo na savana, hospital, centros comerciais, enfim uma nova cidade e de luxo no nordeste de São Tomé.

Segundo a sociedade criada pelos ex-Búfalos e pelos investidores sul-africanos, o projecto iria garantir mais de 1000 postos de trabalho para os são-tomenses. 6 anos depois a linda savana da praia das Conchas continua intacta. Nenhum condomínio foi construído.

O projecto tarda em iniciar e mais grave ainda é o facto de os ex-búfalos estarem em confronto directo. O líder Arlécio Costa, parece estar isolado. «Paulatinamente, segundo o nosso sócio sul-africano, ele disse que já deu ao senhor Arlécio mais de meio milhão de dólares, para nos apoiar em termos de alimentação e apoio as nossas famílias e o senhor Arlécio nunca nos deu esse dinheiro», reclamou Júdice Afonso, um dos ex-búfalos.

O antigo operacional do batalhão Búfalo acrescentou ainda que «O senhor Arlécio começou a esbanjar esse dinheiro para si próprio, as suas famílias e os seus amigos, e nunca se preocupou connosco. Vivemos a deus dará, à nossa sorte há dez anos para cá», frisou.

Mas o líder do grupo tem outra leitura dos factos. «Quero vos pedir para deixarem de acusações fúteis e obterem mais informação sobre a matéria», salintou Arlécio Costa.

Amâncio Lima outro antigo operacional do batalhão sul-africano, reforça as críticas contra Arlécio Costa. «Depois de ele encontrar esse montante de dinheiro ele mudou. Ele nunca tinha visto tanto dinheiro, e mudou.  O dinheiro transforma as pessoas», declarou.

Amâncio Lima, recordou as campanhas de combate realizadas pelo grupo dentro e fora do país. Ainda no início de 2009 foram todos detidos por uma alegada tentativa de golpe de estado, que acabou por ser desmentida no tribunal. Foram absolvidos de tal acusação.

O espírito de corpo ruiu alegadamente por causa do dinheiro. Arlécio Costa, garante que nada está perdido. «Quero endereçar aos meus colegas para lhes dizer de que nem tudo está perdido, embora esse projecto tenha aguçado apetites a muitos, principalmente, alguns dirigentes do nosso país. Tivemos o cuidado de estruturar tudo de forma legal, para que ninguém ficasse de fora», declarou.

Mas Amâncio Lima, e outros colegas que estão em São Tomé, dizem que não descansam enquanto a justiça não for feita. Exigem o regresso de outros 4 colegas que estão na África do Sul, para juntos resolverem o problema com o chefe Arlécio Costa. «Senhor Arlécio vive numa casa onde paga 2 mil e quinhentos dólares mês, tem caro de luxo. Onde é que ele tem visto este dinheiro todo. Vamos sentar com os outros colegas para pedir contas ao senhor Arlécio porque isso ainda não acabou», concluiu.

O líder do grupo pede calma. «Vamos ter mais calma e esperar por melhores dias. O mundo mudou muito nesses últimos 10 anos. Tomem como exemplo os projectos da zona franca e do porto em águas profundas. A quanto tempo as autoridades lutam freneticamente em busca de financiamento para esses projectos? E reparem bem, estamos a falar de um estado», apelou, Arlécio Costa.

Para além dos mais de 300 hectares de terra no nordeste de São Tomé, os ex-búfalos receberam outro lote de terra na região sul da ilha, mais concretamente na zona da ponta baleia.

Os ex-búfalos estão novamente em marcha. Desta vez a contenda é entre eles.

Abel Veiga

  1. img
    jp Responder

    espero que não voltem a apropriar dos 300 hectares de terra no nordeste de S. Tomé que em muito faz falta a futuras gerações deste País…..

    • img
      Celsio Junqueira Responder

      «Vamos ter mais calma e esperar por melhores dias. O mundo mudou muito nesses últimos 10 anos. Tomem como exemplo os projectos da zona franca e do porto em águas profundas. A quanto tempo as autoridades lutam freneticamente em busca de financiamento para esses projectos? E reparem bem, estamos a falar de um estado», apelou, Arlécio Costa.

      Está frase do Líder diz tudo, já temos mais um politico. Só espero que fique a gerir as coisas dos ex-bufalos, porque se vai para o Governo :(.

      Abraços,

  2. img
    Joao Batepa Responder

    Sao Tome e historias de encantar!

    Que novelão!

  3. img
    Hugo Lima Responder

    Quem com pouco não contenta muito não li basta. O que só falta em STP é morte nas esquinas como acontece no Brasil.

    Resposta seria : Acerto de contas.

  4. img
    sankhara-correcao ao texto Responder

    mas nao havia melhor lugar para tira-los uma foto e ilustrar no jornal a nao ser no matagal, ou melhor, no meio do capim?

    ou querem dizer que o Arlécio lhes deixou a viverem no capim?

    nao só pessoas nacionais leem os nossos jornais digitais, portanto, é bom tratar de ser-se um pouco mais inteligente ao fazer-se coisas que revelam a imagem do país. pois tentem contextualizar mais.

    por isso é que tambem até hoje, por mais que se tenha por um lado que reconhecer que é o pais que temos e pouco há que mostrar, mas os cantores tambem tem que deixar de fazer seus pobres video-clips no mato, no cemitério, ou qualquer raios que o partam de lugares podres e impróprios, pah!

    jornalistas, fotográfos, camaramans e operadores da comunicacao, por favor, deem um pouco mais de asas e melhorem o vosso génio criativo! recriem marketing que possa tapar um pouco o grande fosso a nivel geral que é o país que temos!

    recordo-me bem, que encontrava-me na américa latina tambem e soube que em 2004 esteve em stp uma representacao politica brasileira acompanhada pelos seus jornalistas, e soube que estes ultimos quando apresentaram no seu país a dita reportagem acerca da visita a stp,as únicas imagens que passaram de stp foi apenas o chafariz diante da padaria miguel bernardo que encontrava-se cheio de lixo e semi podre. se formos a falar de paises como cuba ainda é pior, que dado o sistema politico, apenas ainda mostram imagens de África dos tempo antes da independencia de modo a que a sua populacao acredite deveras que vivemos nos ramos das árvores.

    por isso, busquem como espelhar o nosso pouquito vós mesmos, senhores operadores da comunicacao social! e se for necessario, queimem um pouquito os outros tambem! quando forem ao brasil, cuba ou raios que o partam, filmem tambem as suas favelas e lugares degradados tambem. agora como se diz em linguagem terrena: “nós com nós mesmo” é que nos picamos todos os dias e nos denigrimos por nao demonstrar pelo menos esforco de disfarcar o mau que temos é que já basta!

    sinceramente!

    que miséria de mentalidade e falta de criatividade!!

    alguém que olha pra esta foto, o primeiro que lhe vem a mente é : pobreza em extremo; ou talvez,haviam acabado de defecar no matagal…etc…

    • img
      Lagaia Responder

      Não te esqueças que são BÚFALOS, por isso estão no seu habitat natural, a pastar.
      lol

      • img
        peter Responder

        cada um tem a sua historia, lembre irmao, nao os chamen de bichos.

  5. img
    Lagaia Responder

    Entregar terras preciosas a uma cambada de assassinos por terem falhado um golpe de estado!!!
    Espero que o governo faça justiça e aproprie de novo dos terrenos.

    • img
      peter Responder

      ai se fossemos assassinios…. voce seria ja morto, bandido, nao se deve chamar de assassinio a quem nao matou a ninguem ok?? e se eu te chamar de nomes??

  6. img
    rapaz de riboque Responder

    que trabalhem ca morre a fome quem nao quer trabalhar o que nao falta e terrenos para cultivarem

    • img
      peter Responder

      ESTOU DE ACORDO COM TIGO AMIGO, SAO MEUS COLEGAS MAS NAO QUEREM TRABALHAR

  7. img
    EVCJ Responder

    isso parece me mais um teatro…kkkkk…ate achei engraçado as falas de cada um…esses hectares todos que esses ditos cujos se apoderaram pertencem a sociedade santomense..trabalhem, transpirem e conquistem vosso dinheiro para depois se apoderarem democraticamente das coisas…isso foi castigo de Deus…a justiça tarda mas n falha…quero sentar me para poder assistir melhor a essa novela e o desenrolar dos proximos capítulos….

    • img
      santola Responder

      Isto so acontece em stome, atravez da forca obrigaram o governo a ceder-lhe terra que nos pertence a todos…lindo exemplo! deviam esses gatonos serem expolsos da sociedade

  8. img
    peter Responder

    eu estou de acordo com certos leitores, eu felizmente pertence ao groupo Buffalos e nao tenho vergonha por isso e nem me arrependo de ter sido, sou dos que nunca recebi uma bolsa do governo do M,e o destino me levou ate os buffalos, quando falo dos destinos muitos amigos sabem porque.
    mas depois de muitas peripecias da vida , deves escolher o destino nao o destino te escolher, o governo deve retomar as rocas e ectares, esses meus camaradas e colegas, nao querem trabalhar estao abituados a boa vida, sempre fui vitimado neste groupo e sempre avisei aos outros colegas sobre as artemanhas do Sr ARLECIO, mas tambem me admiro o Fissawe a falar mal do arlecio hoje?? as coisas viraram,. o melhor conselho que posso dar e irem trabalhar, ajudar o governo capinar as terras e produzirem algo, amigos… sentar e esperar… eu sempre vos disse e voces sempre me chamaram de traidor e agora??? vao pescar, pedem o governo canoa para pescarem, nenhum de nos ca em africa do sul estamos despostos a esses vossos, bobices.estamos a trabalhar e escolhemos outros caminhos.ainda bem que estao na terra.
    um abracos a todos

    • img
      joy boss Responder

      caro PETER,conhecendo ti como conheço e ler e entender ki tas a cuspir no prato de comeste… até ki em partes de comentarios tu tens razão,realmente os individuos em causa não são muitos amigos de trabalho pesados,mais acredito que é uma kestão de oportunidades… sempre tive uma grande admiração por ti mais não gostei nada de ler oque escreveste ai… abraço

  9. img
    Carlos Ceita Responder

    Oxalá consigam resolver as suas crises e quem mais que os tribunais para resolver os diferendos como é normal numa democracia. Mas o que país precisa mesmo é de um batalhão de búfalos para a indústria de produtos lácteos. Refiro-me não aos militares ou ex-militares búfalos com devido respeito mas aquele animal que da leite.

  10. img
    Zumbakuê Responder

    Búfalos,
    em STP não existe essa espécie. Os denominados, deveriam sim procurar uma ocupação e deixarem de ser parasitas. STP não pode ser dividido a belo prazer, porque alguns reguilas resolvem reivindicar um pedaço de terra que pertence a todos os sãotomenses e posteriormente hipotecar a estrangeiros. Afinal, estamos na república das bananas ou quê? Já repararam se todos nós resolvessemos entrar em guerra porque cada um de nós achávamos que uma determinada parcela do país nos pertencesse.Penso que os nossos governantes deveriam tomar medidas sérias para anular esses bandos de parasitas.Ao menos que ao fazerem negociatas com estrangeiros parvos, usassem as verbas para enriquecerem a mente, investindo em conhecimentos e não em carros luxuosos e muitas mulheres.
    PONHAM ESSES PARASITAS A TRABALHAR.
    Temos muita roça para trabalhar, cacau para colher,subir andim,lavrar terra, pescar.
    O que não falta é trabalho para eles. Assim poderiam ser mais úteis a nossa sociedade.

  11. img
    Madalena Responder

    7 de Março de 1989/1990

  12. img
    BARÃO DE ÁGUA IZÉ Responder

    Búfalos é sinónimo de vergonha para os governantes que aceitaram a chantagem de mercenários. Em Democracia não se pode pactuar com golpistas, seja qual seja o argumento apresentado.
    Os Búfalos se se acham tão importantes deveriam devolver ao Estado de STP o que conseguiram pela força das armas, e deixar que outros tornem produtivas as terras que indevidamente lhes foram dadas.

Deixe um comentario

*