Observadores da CPLP para as presidenciais estarão no terreno a partir de segunda – feira

A Missão de Observação Eleitoral (MOE) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às Eleições Presidenciais de São Tomé e Príncipe de 17 de Julho de 2011 vai deslocar-se a São Tomé, a convite das autoridades são tomenses, a partir do dia 11 de Julho, a fim de acompanhar todo o processo eleitoral à luz de princípios internacionais para a realização de eleições democráticas.

A Missão de Observação Eleitoral da CPLP (MOE CPLP) é chefiada pelo Prof. Dr. Fernando José de França Dias Van-Dúnem, ex-primeiro ministro de Angola. Integram a MOE CPLP onze observadores eleitorais, provenientes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Portugal. A MOE CPLP permanecerá em território São Tomense até ao dia 21 de Julho de 2011.

As missões de observação eleitoral da CPLP integram representantes do Secretariado Executivo e dos Estados-membros, à excepção do país onde se realizam as eleições, procurando-se que a sua composição seja heterogénea, incluindo parlamentares, diplomatas, peritos em eleições, universitários, juristas e outros profissionais, de modo a permitir um conhecimento alargado sobre os diferentes tipos de escrutínio e sobre os mecanismos eleitorais.

Os observadores têm como mandato testemunhar o processo eleitoral, o escrutínio e o apuramento dos resultados, competindo à missão emitir parecer sobre a credibilidade do processo eleitoral, em função de critérios relativos à transparência, ao carácter democrático da eleição, à aplicação da lei eleitoral e aos procedimentos exigíveis.

A observação eleitoral, propriamente dita, tem um conjunto de regras básicas de actuação que, para além da observação nas secções eleitorais das condições efectivas de votação, deve incluir o acompanhamento da fase pré-eleitoral, incluindo a campanha eleitoral, e o estabelecimento de contactos junto das instituições encarregues da realização das eleições, de organizações da sociedade civil, com pessoas e organismos das diversas esferas de actividades do país.

A CPLP já detém um património assinalável no domínio da observação eleitoral. As suas missões baseiam-se nos melhores procedimentos, em que o observador eleitoral é descrito como mera testemunha do processo eleitoral, tendo por função observar, anotar e sugerir, não devendo em circunstância alguma mediar o processo eleitoral, sob pena de colocar em risco o princípio de não ingerência.

A CPLP realizou missões de observação eleitoral ao referendo sobre a autodeterminação de Timor-Leste, as eleições para a Assembleia Constituinte e eleições presidenciais em Timor-Leste (Agosto de 1999, Agosto de 2001, Abril de 2002); eleições autárquicas, presidenciais e legislativas em Moçambique (Novembro de 2003 e Dezembro de 2004); Eleições legislativas e presidenciais na Guiné-Bissau (Março de 2004 e Julho de 2005); eleições legislativas e presidenciais em S. Tomé e Príncipe (Março – Abril e Julho de 2006); 1ª e 2ª volta das eleições parlamentares em Timor-leste (Junho de 2007) e eleições presidências em Timor-Leste (Abril de 2007 e Maio de 2007), às eleições presidenciais na Guiné-Bissau (1ª e 2ª voltas, em Julho 2010), às eleições Presidenciais, Legislativas e para as Assembleias Provinciais em Moçambique (2009), às eleições legislativas em São Tomé e Príncipe (Agosto de 2010) e eleições gerais no Brasil (Outubro de 2010).

Nota Informativa enviada ao Téla Nón pela equipa de observadores da CPLP

  1. img
    nacional Responder

    ACHO BEM

  2. img
    Digno de Respeito Responder

    Aguardemos pelo exercício de transparência e o melhor resultado para STP e em geral para o mundo. É de louvar essa tão importante Missão da CPLP.

  3. img
    leonel pinto Responder

    Confio na transparência dos observadores da CPLP para um trabalho de grande nível como tem sido feito nos outros países membro da CPLP.Acredito que avaliem e conferem todos os detalhes para que não haja manobras fraudulentas em São Tomé e Príncipe.

Deixe um comentario

*