Análise

SEGUNDA CARTA PÁ APOLINÁRIA

Di todo bicho qui nossa tera tá com êli, qui más – más pegô maninha di genti, juntô com maninha dêli qui deus já tinha dado êli já, é cão. Cão tá a parêcê genti d’uma manêra qui dá ôcê disgosto.

Escrever na Areia

 

São de Deus Lima

 

SEGUNDA CARTA PÁ APOLINÁRIA

Minh’amiga:

Ôcê ainda non rispondeu minha carta, talvez non chegô n tua mão ainda, ô deus sabe si ôcê tá n modo di rispondê. Ê sei como kuesa lá também non tá bem. Quando ôcê tivé manêra, ôcê risponde.

Toda genti manda ôcê comprimento, toda genti tá a esperá ôcê. Camerita di prima Lídia pariu íngleva, home deu bariga dêxô, foi n’bora, ê non sê como é qui ela vai fazê pá criá êssis dôs filho. Família vai tê qui virá virá, ajudá ela assim mêmu, como genti faz?

Notícia di tera, non falta. Kwa na sem fá, maji kwa sa pamba.

Êssi pitrólio qui chega non chega, essi pitrólio qui genti non sabe quando qui vai chegá, non sabe bem- bem mêmu si vai chegá, já tá a chêrá como êssi cangado di pêxi salgado qui tia Límpia fazia n frijdêra com cibola frita. Chão di cidadi di San Tomé só, já tá com más banco, banco-banco di dinhêro, do qui bom posto di saúde n todo país. Hospital nem val a péna falá, porqui ôcê sabe, tem dôs só: um n San Tomé, ôtro n Prínspi.

Quando ôcê vem, genti senta, ê conto ôcê uma uma kuesa, bôka vai arrancá ôcê. Estória dêssi pitrólio piquena! Si kuesa já tava dêli uala-uala, agora, parece kuesa tá a querê ficá txáca-txáca. Si Deus non ajudá genti e si genti non  abri bôka, a dizê êlis todos, a mostrá êlis todos, di toda cor e bandêra, qui tera é di toda genti, genti tá mal.

Um a indicá ôtro com dedo só, caterva di kapiango! Essa kuesa di pitrólio já tunxô mu, ê tô a dizê ôcê.

Mas pitrólio é pulitika e êssis dôs dia, corpo non tá a damu pá falá di pulitika-pulitika. Nem di pulitika-pulitika, nem di um um nosso pilutiku qui tá aqui a falá falá como quem caiu n madêra, pissôa intiligenti di verdadi, a falá cada kuesa qui espanta ôcê, ôcê non acridita n kuesa qui ôcê tá a vê, tá a ôvi. Dá ôcê vontadi di zémé, zemé só, calá bôka, tomá mão tapá olho, chorá!

É pôr isso, qui ôcê vai disculpá mu, Apolinária, mas genti vai falá di bicho. Ééén. Di bicho. Porqui tem hora, qui pá ôcê falá di genti, ôcê tem qui falá di bicho. Aranja um bocadinho di paciência pá ôcê lê essa carta comprida, punda kwa muntu!

Ôcê sabe, di todo bicho qui nossa tera tá com êli, qui más – más pegô maninha di genti, juntô com maninha dêli qui deus já tinha dado êli já, é cão. Cão tá a parêcê genti d’uma manêra qui dá ôcê disgosto.

Primêra kuesa qui ôcê vai répará, cão non cori más. Cão non quer nem ôvi essa kuesa di andá dipressa. Si ôcê vê um cão a corê como cão coria, ô a livantá upé n chão a sério, é porqui êli robô kuesa di genti tá a fugi, ô então, tá a i puxá ôtro cão kuesa n bôka. Cão tá dêli lévi-lévi, lévi-lévi, a andá divagarinho, a dobrá rabo, desa mu ku vida mu, ixatamenti como genti. Ocê diz cão ‘Sica!’, qual cão! Cão olha ôcê como kuesa qui ôcê é doida.

N’ zona,  n’todo luxan, Trindadi, Santana, no meio di cidaadiii d’alê, ôcê vê cão camineti! Tem todo êssis qui anda sôzinho com vida dêlis, a fazê chichi, a fazê festa n contentor di lixo, a virá ngombé, a fazê confusão.

Mas ôcê sabe essa kuesa qui genti diz aqui ‘ flá von-von mó caçô’?

Agora é qui essa kuesa virô verdadi-verdadi mêmu. N todo sítio, ôcê vê grupo. Quatro, cinco, sês ô más: ôcê vê êlis juntado a dá bendenxa, a dá paléstia um com ôtro,  a agitá cabeça, a coçá upé, assim mêmu como êssis grupo di home vadjin qui tá espalhado aqui.

Antigamenti, genti ia pá casa di genti purguntá si tem quintal pá capiná, si tem cova pá abri, si tem qualquer kuesa pá fazê pá ganhá um tostão. Hoji, piquena, pekadôr vem chorá falso pá ôcê: tem nozadu di mãe non tem dinhêro, tem mulhé doente non tem dinhêro, inventa recêta d’hospital quer dinhêro pá remédio, tem até qui diz ôcê filho môreu! non tem dinhêro para intéro. Cão aprendeu dipressa nem miá-miá.

Dêsdi tempu foi tempu, genti escolhia cão, cão escolhia genti. Um dia, ôcê livantava di manhã, ôcê via um cão n tê quintal, mansinho-mansinho, com orelha pá baxo, a olhá ôcê com um olho di dor qui dava ôcê péna. Ôcê dêxava êli ficá, porqui tripa di pêxi, um bocadinho di fuba, uma lata di lêti Nido pá fazê cumida dêli, non era kuesa d’ôtro mundo.

Agora, Apolinária, ôcê acorda com dôs, três lupunhé ô txini n tê quintal, a corê caminzada, a ladrá más alto qui tê própi cão, a espantá ôcê galinha n quintal, a mordê tê gato, si genti ainda non robô tê gato para cumê. Ainda abre dênti pá ôcê si ôcê pegá pau pá corê com êlis.

Cão invade ôcê quintal com olho rijo, como pissôa tá a invadi roça d’ ôtra pissoa com boçali cu impustôr n cima dêli, como pissôa tá a tomá terêno d’ôtra pissôa d’abuso, como êssis dono di tera tomô terêno di Estado, roça di Estado, jipi di Estado, gasolina di Estado, armazém di roça di Estado, casa di Estado, bêra di mar qui é di toda genti, dinhêro di povo . Até nomi di país elis tá a robá para fazê negócio dêlis nôtra tera! País intêêêro ficou kuesa dêlis qui pai dêlis môreu dêxô pá êlis. Estória di pitrólio qui Nigéria dá genti desde 2003, faz ôcê vanganá. Dipôs genti fala.Cão aprendeu dipressa: tomô todo sítio di mão cheia, fez casa dêlis também.

Cão passa n junto d’ôcê, in vez pá êli mioká corpo como dantis, êli vê ôcê a vi, êli passa a roçá ôcê. Dipôs, ainda vira cabeça pá trás a olhá ôcê como quem tá a sónó ôcê, a dizê ‘munfinu’. Tooooda falta di rispêto di genti, cão tomô, Apolinária.

Tem estória qui ôcê non acridita! Tem um cão qui todo avião di TAPI qui chêgava, êli ia pá airoporto pá i cumê lanchi di TAPI, essa cumida d’avião. E êli cumia!  Como americano cercô airoporto, talvez agora êli tá a ladrá pá lua como doido, a pidi praga para quem tirô êli lanchi dêli.

Mas maior –maior atrivimento di cão agora, é com caro. Assim mêmu como genti dêxô di rispêtá caro, assim mêmu como genti passô a andá no meio di caminho, qui caro é qui tem qui disviá genti, agora, meio di estrada também ficô cama di cão. Non tem sítio qui ôcê vai, qui non tem um cão dêtado no meio di estrada. Caro non tá a vi? Ôcê pensa cão sai a corê como dantis? Primêro, êli livanta cabeça um bocadiiinho só, devagarinho, como quem tá a pensá:

– Ngá lantá ô na ka lantá fá?

Êssi tempo k’êli tá a pensá, condutor é qui tem qui diminui velocidadi. Condutor non diminuiu velocidadi já? Agora vê cão, hem!

Primêro, êli livanta cabeça. Dipôs êli livanta os dois upé di frente. Dipôs êli livanta espinha, divagar. Dipôs, êli livantá os dôs upé di trás. Tem dia, livantado já, êli ainda vira cabeça antis pá êli saí, olha caro, parece kuesa êli tá a reclamá:

– Nê ômê xtlada sum na bilá ka pô dumini nê sossegadu fa! N’konventá kwa!

Nosso cão tá assim, Apolinária. Minha avó Dôminga viu kuesa, siora non aguentô, um dia siora disse:

– Caçô bilá fastóso mó pekadô.

Fastóso, malandro, com toda maninha di genti. Mas todo dedo di mão non é um. Lá n nossa zona, n San João, n frenti d’ Igreja San Pedro, tem um cão qui já ganhô fama: toda vez k’êli salta estrada, êli olha pá cima, olha pá baxo, só salta caminho  n dentro di passadêra! Si ôcê non vê com tê olho, ôcê non acridita.

Êssi cão é como uma uma orelha di pissôa qui ainda sôvezô aqui n nossa tera, qui trabalha di verdadi, qui prucura dôs, três trabalho pá vivê; êssi cão é como uma orelha di risponsável qui non tá a pensá n vida dêli e n vida di família dêli só, qui pensa n terá, pensa n povo. Essas pissôa é qui ajuda genti a pensá: genti tem qui continuá, genti non pode disisti. Si cada pissôa dicidi fazê kuesa qui sabe fazê com npenho,

com vontadi, com força, tera milhora um bocado. Si cada pissôa vugu com corpo di parte dêli, kuesa milhora um bocado. Governo deve fazê parte dêli, genti deve fazê nossa parte.

Mas ôcê pensa qui ôtros cão rispêta êssi cão di San João? Êssis ladrão, robador di vadôr di gente, assaltante di quintal aleio, quadrilhêro, fingido, saltiador, saltibanco, kapiango, mentiroso, sonso, pá êlis, nenhum cão non é más cidadão qui êlis. Pá êlis, esse cão di San João, Câmara devia dá êli bolo há muito tempo já, acabá com raça dêli, traidor, onde é qui ôcê já viu cão a saltá estrada n dentro di passadêra, más bem comportado ainda qui genti, a fazê ôtros cão vergonha só di graça?

Assim mêmu como todo êssis nosso kapiango-chefe: genti qui non tem mão lévi como êlis, êlis corta-corta olho, sónó, zu com nariz:

– O gajo tá armado em honesto, parvo! Não come nem deixa comer.

Cão tá dêli como genti. E ôcê pode tê di certo: dia qui toda Câmara cumê, bêbê, acordá pá fazê alguma kuesa, êssis lupunhé vai prucurá uns dôs, três dêlis qui sabe escrevê. Com sorte, um dêlis lumpen intelectual, pá mandá Câmara um abaxo-assinado, a reclamá como êlis também é cidadão, êlis também tem dirêto di fazê chichi, fazê cócó n sítio qui êlis quiser, porqui tera é dêlis também.

Mas dêxa êssis nosso cão com êssi lévi-lévi dêlis, com êssi falá von-von dêlis, com esse robá-robá dêlis, com todo êssi atrivimento dêlis, com toda essa maninha dêlis di juntá a dá paléstia, di invadi quintal di genti, di tomá toda estrada fazê cama di pai dêlis. Quando genti um dia começá a cumê êlis todos, tooodos, di toda cor e de toda bandêra, como genti tá a cumê kuêtado di gato, um vai dêxa di indicá ôtro com dedo. Kolê fá, ôtlô kwa!

Ôcê vai vê êlis todos a corê como dantis como flecha, com língua a saí di bôka. Ê tô a dizê ôcê.

    76 comentários

76 comentários

  1. Alberto Nascimento

    19 de Novembro de 2010 as 19:14

    ‘E adoravel a forma como fazes da nossa lingua a nossa cultura e da nossa cultura a nossa lingua.
    Parabens

    • Fernando

      21 de Novembro de 2010 as 22:24

      Língua, neste contexto concreto, não é cultura? Já não percebo nada!
      Adeus
      Fernando

      • Venâncio

        24 de Novembro de 2010 as 0:52

        Muito bom. Isso me fez ver como o nosso dialéto ou criolo (nunca sei o que é um o que é outro)é dificil, principalmente escrito.
        Nossos especialistas no cursos de linguística, letras ajuda-nos a implementar e valorizar o nosso dialeto.

    • Júvem

      22 de Novembro de 2010 as 10:18

      Também conhecí um desses “cães” (com todo o respeito)certinhos que percoriam 1Km pa atrevessar a passadeira e os outros cães-os di falá von-von di robá-robá até o respeitavam ou aparentavam fazê-lo pelo estatuto e credibilidade que o “cão” certinho havia adquirido. Mas infelizmente o “cão” certinho acabou por morrer cedo e a partir daí os robá-robá pareciam abutres. Mas ao contrário e pior do que os abutres começaram a atacar assim que anunciada a sua morte.

  2. caboverdiano

    19 de Novembro de 2010 as 19:19

    pssa o portugues esta a ser bem danificado portugal ja esta na falencia e a falarem e escrever o portugues assim qualquer dia nao se sabe se é portugues ou grego

    • Antoninho

      19 de Novembro de 2010 as 20:37

      Se fosse o teu crioulo do Fogo ou da Brava já era bom, não era?
      Respeitinho pelo português falado pelo meu povo. Ninguém te obriga a ler, desliga a ficha, nhô ca ta bai.

    • Helmader

      19 de Novembro de 2010 as 20:40

      Isso só mostra que és limitado e ignorante, seu atrasado mental. Pelos vistos não percebeste nada. Antes de comentar tente primeiro pelo menos se contextualizar,em vez de se armar em sabichao.

    • Cuny Prazeres

      21 de Novembro de 2010 as 16:08

      Acho pouco inteligente da tua parte pois facilmente nota-se que essa “carta” tem como objectivo mostrar a forma como as pessoas menos habilitadas conversam entra si agora se um “cabujura” acha que o português esta a ser maltratado, que ñ lesse….

    • Santola

      27 de Novembro de 2010 as 18:31

      Cabo-verdiano: não sei se fizeste o comentario a brincar ou não, mas se estavas a falar a séro, isto mostra uma profunda ignorância e falta de respeito para com a cultura dos outros. Tenho um enorme carinho por Cabo Verde, mas a verdade é k voces nao estao em boas condições para falar de nós: pk ao falarem tanto crioulo, isso tem trazido dificuldades no exercício da língua portuguesa… a prova disso são os milhares de bujuras k nem falar português… por isso bate a bola baixa! Quem tem telhado de vidro, não atira pedras!

  3. Diogenes Aguiar

    19 de Novembro de 2010 as 19:53

    Mais um primoroso texto em que metaforicamente delineias os nossos “cães” que pululam amiúdes pelas nossas plagas e assaltam-nos constantemente. Parabéns uma vez mais pelo acerto na prosa

    • Sara s.

      22 de Novembro de 2010 as 18:19

      Está optimo, faz-me lembrar das conversas soltas que um jovem escrevia e falava da nossa realidade de forma humorada. Continua assim…

  4. Deus é Grande e Seja Louvado

    19 de Novembro de 2010 as 20:02

    Obrigada querida São Deus Lima.
    Viva S.tomé e Princípe
    Este Sujeito que se Diz Chamar CABOVERDIANO, Devia ter Mais Respeito Pela Cultura dos Outros.
    Se a Ignorância Pagasse Imposto!!!!!!!!!!!

  5. Coisas & Lugures@hotmail.com

    19 de Novembro de 2010 as 21:07

    É impressionante o estilo maravilhoso e a forma como tu narras estes contos com alguma originalidade,buscando figuras de estilos exuberantes,o que espelha bem o nosso quotidiano e que só tu o sabes fazer!Só lhe quero pedir para continuares a produzir estes generos de escritas e que por favor não deixe de nos brindar enquanto puderes com esta saborosa imenta literária.A nossa maeira.Por isso,a cultura sao tomense agradece.Palavras para quê?Tudo que é nacional é bom.Para quando o teu próximo livro?.Tens todo o meu apoio.Porque as pratelheiras das nossas bibliotecas ainda estão muito vazias e tu mereces ser uma das premiadas.Quem sabe um dia os decisores deste nosso belo País reconheça isto e saiba dar valor ao teu esforço, a tua dedicação e não só!…
    Saudações patrioticas.
    Cordealemente eu sou P.F.

  6. zeme almeida

    20 de Novembro de 2010 as 2:18

    Este senhor que se diz{caboverdiano)tem cada uma?Se o senhor nao percebe o que foi ali escrito deveria perguntar.A escrita e como falamos em s.tome.No entanto o seu comentario nao tem sentido e nao misturemos as coisas.Escreva o seu criolo por favor favor que precisamos ler.S.Tome e Principe.

  7. kua muntu

    20 de Novembro de 2010 as 4:32

    KA VEDE KEM TEM BO KUA SE…KUA KU FE BO SA TLEBESUBE… LIBRA GOS..

  8. BLAGA PENA

    20 de Novembro de 2010 as 5:58

    Este é um artigo de que devemos reflectir sobre o que esta a passar no nosso país, independentemente de usar uma linguagem terra terra usal no nosso país é algo para reflexao

  9. dulce neto

    20 de Novembro de 2010 as 9:48

    Bom dia , adorei tanto a primeira, como a segunda carta .Deveriamos todos após a leitura fazer uma reflexão profunda do país que temos e o rumo que queremos para o futuro, sem receios e culpados .

  10. zeme almeida

    20 de Novembro de 2010 as 9:55

    Os caboverdianos sao nossos irmaos.Este senhor nao deveria usar o bom nome deste povo querido que e Cabo Verde.Temos filhos caboverdianos nascido ca em S.Tome e sao Saotomenses,de certeza este senhor nasceu aqui e nao percebe nada,no entanto deveria estar calado e nao se meter em comentarios que nao lhe compete.Repito o texto foi escrito tal e qual como falamos a nossa lingua.O senhor endendeu nada e meteu-se no caminho errado e que nao e o seu.(Bo golonom ledo).Viva S.Tome e Principe.

  11. suave

    20 de Novembro de 2010 as 12:43

    fantástico, fantástico o modo como podes satirizar a realidade da nossa terra.

    quanto ao individuo que se diz cabo-verdiano, pois nem se devia lhe responder, pois ele é farto é de ignorancia.

    abracos senhora jornalista, Sao!

  12. jaka doxi

    20 de Novembro de 2010 as 14:35

    Meus compatriotas este senhor não é Caboverdiano.
    É apenas um dos nossos corruptos que está revoltado com a nova estratégia para o desenvolvimento do país.
    E pela forma como escreve eu até desconfio de alguém que eu bem conheço.
    Estou a dar deligências junto da “INTERPOL” para apanhar-mos o sujeito com a boca no trombone.
    Até já.

  13. Arquino dos Anjos " Bró"

    20 de Novembro de 2010 as 15:35

    Primeiramente quero parabenizar a São Deus Lima , pela forma que ela vem usando para poder transmitir o que si passa na nosso país. Si vocês notarem , o que ela transmite no texto, são a realidades do pais , e muitos pontos citados são assuntos de atualidade, usando uma dinâmica de cão que na verdade esta si comportando como gente , e uma linguagem que toda gente percebe , e tem a curiosidade de ler de matar saudade da terra.
    Eu acho que ela esta usando essa linguagem também por que houve ai muitos comentários sobre outros artigos delas que muitos leitores não entendiam , e reclamava muito sobre a forma dela de explanar o assunto , que eu particularmente gosto.

    Para o meu irmão de Cabo verde .. O meu Caro tu foste muito infeliz nessa tua colocação, mexeste com a cultura do outro, e isso não si faz, embora todos somos livre de o fazer , mas para fazer ter que feito com ” reparo “. Eu vou deixar a carga ai com os meus compatriotas por que eu sei que eles serão de bom tamanho para ti dar uma lição de moral.
    TUA POUCA SORTE , É UMA PENA VOCÊ ESTA COBERTO DE NOME FICTÍCIO. ” BÁ BU TELA “

  14. Joao Bartolomeu

    20 de Novembro de 2010 as 15:41

    Garanto que este individuo que se faz passar por cabo-verdiano, não é cabo-verdiano, quanto muito, ele será um cabo-verdiano mascarado. Ele só pode mesmo ser um santomense manhoso porque os cabo-verdianos não se comportam deste jeito.

    Cabo-verdiano, retire a mascara e mostre a tua face. Caso nao retires a mascara irei revelar a tua identidade.

  15. Hilaria Lima De Menezes

    20 de Novembro de 2010 as 17:57

    Muito obrigada, pelas ‘fotos’,’radiografias’ que tens feito.
    Essas radiografias sao feitas para serem analisadas.Os diagnosticos que estao sendo realisados, nao deixa dùvida nenhuma que o pronostico é inquietante.Mais a verdade é que vamos ter que salvar ‘esse doente’ custe o que custar.Os especialistas que se encontram aos pés do doente nao estao dando conta que nao se trata simplismente de um braço ou uma perna partida.Esperemos somente que nao seje um cancro, jà em fase avançada.O facto de tu e mais alguns estarem sempre a pedir secorro para essa ‘coitada’ que parece estar agonisar-se, ela vai ter que erguer-se de novo.

  16. MALA PE TEMA

    20 de Novembro de 2010 as 18:07

    PROBLEMA E QUE A MUITOS CAES NA NOSSA TERRA, NAO E SO CAO DA TAP OU DOURTRAS COMPANHIAS HA CAO DE Fradique ha cao de Patrce, Ha cao de PINTO, HA CAO DE RAFAEL, MAIS O PIOR CAO E ESSE QUE TEM VARIOS DONOS DE ACORDO COM AS CIRCUNSTANCIAS. TOMA CUIDADO VARELA LUPUNHE

  17. caboverdiano

    20 de Novembro de 2010 as 19:14

    esta saozinha qualquer dia vai ser santificada ai com tanto susseso o meu criolo e o vosso dialeto que diferença tem

    • Santomense

      20 de Novembro de 2010 as 23:25

      Se és mesmo caboverdiano como te apresentas, devias é deixar de meteres o fucinho onde não és chamado!
      Pois se nós santomenses aplaudimos as “Cartas Pá Apolinaria”, nas quais a nossa querida São Lima nos leva a reflectir sobre a trajectoria do nosso país durante os 35 anos da nossa independência, quem tu pensas que és para estares aqui a dar opiniões? Devias é te preocupares com Cabo Verde, onde 70% dos seus filhos não fala o português, mas sim o crioulo.
      Pelas tuas opiniões, acabas por dar provas de que és uma pessoa altamente ignorante sobre São Tomé e Príncipe. A melhor coisa que deves fazer é ficares calado, seu bôbo!

    • CMDT.CASSANDRA

      21 de Novembro de 2010 as 20:54

      Desculpe la ó senhor CABOVERDEANO ,mas Tu és mesmo PARVO

  18. ela

    20 de Novembro de 2010 as 19:18

    são ôsse sabe tòda eqqa cùêsa kôsse disse è verdade mêmoé,mais ôsse sabe,gente grande disse;; zemé sà tamé de flâ,káke dia mêmo essa kùesa tudo muda,eu tém fé

  19. Deus é Grande e Seja Louvado

    20 de Novembro de 2010 as 19:58

    Estimada Sra. Jornalista São Deus Lima:
    No 1º Comentário que fiz, Tratei-te por Minha Querida, por isso com Devido Penhor, as Minhas sinseras Desculpas por este mimo, muito embora Considerar que no nosso S.tomé e Princípe Fazes Parte dos que merecem ser Tratada com Carinho, Estima e Muita Consideração.
    Também Mostrei o meu Desagrado a um Sujeito que se Denomina de CABOVERDIANO, um Sangazuza de Meia Tigela( com Devido respeito ao Nosso Agrupamento Musical Sangazuza), como é Obvio, não vou Confundir este desprespeitador da cultura dos outros com a Nação Caboverdiana, por isso o mesmo que va dar Banho ao Cão.
    Depois de ler a 1ª Carta pá Apolinária, ê Senti uma Kuêsaa subi di Planta di mê pê até fita di mê Cabelu, e Percebique Ainda existem Pessoas que com seu Saber Consegue Aglutinar Razões, Razões estas que por Motivos de Várias Razões, Foram Obrigadas a Esquecer a Própria Razão.
    Tôô Fala Verdade Dona São, Dona Pode Acreditaaa.
    Depois de Saborear estas Mexelanêa de Sensações, Decidi Patrioticamente imprimir esta Maravilhosa Missiva e Destribuir aos meus Amigos e Conhecidos. Muito sinceramente testemunhei sorisos Largos de ourelha a Ourelha,lagrimas sem conta que surgiram de Forma Estantanêa e o soluçar Involutário de Choro, Sinceramente, Algo Defícil de Explicar ( Pá Falaa ocê, ê Vanganê como Genti que Estáa cu Bebeu). É Uma Sensação Sublime, Para Mim Tornaste a Melhor. Por Mim, para os Meus Amigos e Conhecidos, mais uma véz Muito Obrigado.
    Dê um Forte Abraço ao meu Amigo e ex-Colega da Tropa o Grande “AFRICA-PÉPÉ DE CASTRO” Tito Deus Lima.
    Que Deus ti dê Força e Proteja-te, e que Mantenhas Sempre a Nossa São Deus Lima.
    Beijinhos e Forte Abraço

    Deus é Grande…………….

  20. Deus é Grande e Seja Louvado

    20 de Novembro de 2010 as 20:14

    Quero Dizer “Desrespeitador”

    Quero Dizer “Genti qui Bébéu”

  21. J. Maria Cardoso

    20 de Novembro de 2010 as 23:31

    São Lima, continua a oferecer aos seus admiradores o k de bom pode ainda ser retratado na maldade dos nossos homens.
    A ferida doe, doe até ao fundo dos calos como k o coração já non existisse nesses cães “fastôsos ki comem kumida un fogo ainda sónó genti”.
    Haverá sempre quem finge de não entender a luz fusca k acendes ao fundo do tunel para k as consciências possam medir as consequências ou um tal gangá no seu vun-vun k se atreve em intrometer na “camisa de onze varas”.
    A nossa humildade inquerida em qq inferno por onde passamos ainda vale o k vale, até o frio europeu ensinou a Apolinária a correr como doido e doido mesmo fica parado a pensar k nem genti di cabeça un lugar como a Apolinária.
    Sabemos k o caminho é longo, no entanto a Apolinária tem k acreditar pk ainda há um cão que olha cima, olha baixo antes de pôr as suas patas na passadeira para atravessar a estrada.
    Zémé ni Téla Nón flá kwa lumadu!
    Parabens São!

  22. jorcilina

    20 de Novembro de 2010 as 23:44

    esta carta fez com que eu parasse para analizar o quanto fui feliz em são tomé… e a falta que sinto da minha família e visitar aqueles locais de são tomé que só se encontra mesmo em são tomé… obrigada por este previlégio…

  23. COCO NZUCU

    21 de Novembro de 2010 as 9:19

    N’conveta’ cassoh. n’cunzula’ cassoh. Cassoh d’ope’. Inen te kwa fe’ n’gue. Dessu na ka dumini-fa.

  24. Helio Montoia

    21 de Novembro de 2010 as 11:35

    Sao sou dales q gosto da tua escrita, e adorei as duas cartas da Apolinaria, mas se puderes tente fazer uma outra carta para os Joses ou Pedros , escrita em portugues corecto, porque existe na nossa sociedade infelismente pessoas com tanta falta de leitura, bem aja.

    • Tagarela

      22 de Novembro de 2010 as 10:33

      Permita-me descordar de si:
      A “carta pá Apolinária” é o que é, tem o impacto que tem, não só pelas figuras de estilos utilizadas como fundamentalmente por ser escrita da forma como habitualmente nos expressamos em STP. A leitura pode ser mais morosa, mas conseguimos viver plenamente o universo relatado, que não conseguiriamos com a escrita na língua de Camões.
      Essa forma de escrita desenvolvida na “carpa pá Apolinária” nos faz ir ao encontro de STP de ontem, de hoje e nos obriga a pensar no STP que queremos para o amanhã. Tem servido como ponto de encontro da nossa “Santomensidade”.
      O formato usado, na minha opinião, deve continuar. A escrita em língua portuguesa deverá ser usada em outras crónicas, objectivas, directas que ela tem escrito. Viva STP!!!

  25. caboverdiano

    21 de Novembro de 2010 as 12:18

    realmente estao bem instruidos agora é que portugal vai ao fundo nda maneira como estao a usar e escrever o bendito portugues o socrates também nao se importa compram as dividada de portugal gramatica e tudo fica bom para os dois lados

    • Hugo Lima

      23 de Novembro de 2010 as 18:16

      O que queres ai sei eu convesa e mais nada. demonstravas ser instruido mas com essas, faz me crer que és ………..

  26. rapaz de riboque

    21 de Novembro de 2010 as 12:26

    senhor caboverdiano o senhor deve ser muito esperto no sentido contrario escreva sobre a sua terra e deixe os outros em paz escreva o vosso criolo que também tem muito que se diga nao faça pouco da terra que ja matou muita fome aos seus atpassados emboram tenham trabalhado muito nela mas era ca que vinham ganhar aquilo que nas suas terras nao conseguiam portanto amigo agora que estao com a barriga um pouco mais cheia nao armes em esperto porque quem muito alto voa quando cai magoa-se mais dos que que voam mais baixo ok juizinho

  27. N.C

    21 de Novembro de 2010 as 15:33

    Ja uma vez disse que esse caboverdiano e um atrevido quando veio chamar os santomenses todos de preguicosos,agora vem mais uma vez insultar a nossa cultura pois sim e e essa forma que caracteriza a fala e a lingua das nossas comunidades e nao so.Ninguem fala mal do vosso criolo quando dizem “nha mae,menino macho,um coisa” etc etc.respeito exigi-se.Es a vergonha dos caboverdianos.o culpado e quem deixa passar esses comentarios e nao os censura

  28. De Longe

    21 de Novembro de 2010 as 17:31

    SÃO…
    Se usasse o meu verdaeiro nome, saberias que já não me surpreendes devido à confiança que deposito nas tuas qualidades. Mas…soberbo!

    Como considero que ignorar CERTAS COISAS resulta mais que lhes dar atenção, peço a todos os leitores que não votem, não critiquem, não respondam, se puderem nem leiam comentários assinados por alguém que tanto ruído provocou nesta comunicação tão informativa e tão emocionante entre a SÃO e nós.

  29. E. Santos

    21 de Novembro de 2010 as 19:35

    Carissima São. A primeira carta a apolinária não foi mais do que um retrato do país de há já uns anos para cá, longos anos, diga-se de passagem. Esta última não trás grandes novidades, só reforça a primeira. Não ponho em causa o seu mérito na escrita. Perfeito. Mas o que me surpreende é a postura que se esconde por detrás do relato. Senão vejamos: Qual a motivação para este relato nesta altura? Porque precisamente agora, se não nos vem dizer nada que todos já sabemos ou sempre soubemos.Sinceramente estava a espera que este relato actual a qualquer momento tivesse uma perspectiva futurista. O que adianta dizer que está mal…é preciso apontar soluções, ajudar a encorajar as pessoas fazendo-as sentir parte da sociedade e que o seu contributo pode ser válido na sociedade. Na verdade dizer a apolinária que as coisas estão mal, é verdade, mas que só nós o conseguimos mudar. Estamos a espera que quem o faça por nós? Se a apolinária não está bem na terra dos outros, que volte, mas volte preparada para ajudar a contruir e não se sentar com mão no queixo diante de prima a reclamar e nada fazer. Ou pior que isso, voltar para tentar safar sua parte.
    Estamos claramente num peirodo de mudança, e ainda que não seja, temos que acreditar nisso e fazer os possíveis e impossíveis para que de facto haja mudança de atitude e possamos ter um país melhor. Já estamos a partir do princípio que este governo vai falahar, acredito que há quem esteja a rezar para que falhe. Porque na verdade nós São-tomenses não fazemos e nem deixamos que ninguém faça para não revelar a nossa própria incompetência. Eu queria sinceramente que este governo desse certo, quero lhes dar um voto de confiança, queria poder inclusive dar o meu contributo enquanto cidadão. Isto é um dever de todos, se quizermos ter uma país milhor. E não sistematicamente desacreditar e torcer para dar erado para podermos dizer: “Ê non dissi ôcê qui eles também iam roba roba deles só”. Por isso, para próxima dá um recado meu a Apolinária. Enquanto na terra dos outros ela é mais uma entre muitos, em São Tomé ela pode fazer a diferença. Se ela não está bem na terra dos outros, aproveita o tempo para estudar, aprofundar os seus conhecimentos, ganhar experiência suficiente para volta para terra dela. Porque aqui, ela tem de lutar para ser ouvida, ajudar os outros a fazer melhor e não colocar casca de banana no nosso caminhoa para escorregarmos mais uma vez. Porque o azar será de todos nós. Que ela não volte para se apegar ao passado, mas que traga inovações para ajudar a melhorar a sociedade.

    • São de Deus Lima

      23 de Novembro de 2010 as 19:45

      Para o Sr. E. Santos:

      Uma definição possível de sátira: estratégia através da qual se pretende censurar, ridicularizar e levar à correcção de defeitos e vícios da sociedade, suscitando a rejeição de aberrações, a partir de normas assumidas como socialmente desejáveis e saudáveis. A sátira é, consequentemente, uma forma de protesto, a sublimação e o refinamento da fúria e da indignação. Ian Jack afirmou: ‘A sátira nasce do instinto de protesto. É o protesto em forma de arte.’

    • São de Deus Lima

      23 de Novembro de 2010 as 20:02

      Caro Sr. E. Santos:
      Às vezes, é difícil não responder. Acho que a sua mensagem merece uma resposta. E a minha será tão curta quanto possível. E simples.
      O senhor disse tanta coisa, que fiquei enredada no novelo das suas palavras e perdi o essencial do que terá pretendido transmitir-me. Retive isto: ‘Que ela ( Apolinária) não volte para se apegar ao passado.’
      Caro senhor:
      Nem tudo no passado era mau. E onde houve não progresso, mas sim degeneração, a restauração não nos faria mal à saúde. Exemplos de alguns valores do passado que nos faria muito jeito recuperar e com urgência:
      – o respeito pelos outros
      – uma certa ordem administrativa que não facilite a transformação de qualquer responsável, baixo, médio e alto, num potencial gatuno;
      – um pingo de auto-estima que os santomenses já tiveram; um pingo só,que não nos leve a vergar a espinha e a chamar ‘patrão’ ao primeiro matarruano que nos apareça pela frente, só para lhe extorquir uns tostões;
      E, para finalizar, esta coisa básica, elementar, que a Câmara COLONIAL fazia e que se deixou de fazer: controlar a população de canídeos, evitando o risco de proliferação de doenças. A população de cães vadios em todo o lado, incluindo o centro da capital,deve estar a crescer a um ritmo superior ao dos humanos. À atenção da Direcção Nacional de Estatísticas.
      Os meus cumprimentos
      São Lima

  30. caboverdiano

    21 de Novembro de 2010 as 20:17

    mas apolinaria é gay nao esatou a perceber nada disto

    • Lupuye

      23 de Novembro de 2010 as 16:20

      E pa, mas esse gajo e mesmo ignorante. Nao leste os outros comentarios que fizeram sobre ti? Cala-te e desaparece. Esse trabalho nao foi escrito pra ti. Deve ser por isso que nao entendes patavina daquilo que foi escrito pela Sao. Ba bo busca trabajo di bo tera pa bo critica!

  31. Zovirax

    21 de Novembro de 2010 as 20:51

    Lindo texto. É maravilho!

  32. Adolfo

    21 de Novembro de 2010 as 23:45

    Meus parabéns!!!! espero anciosamente pela proxíma carta. Por favor ignorem o etnocêntrico.

  33. Gilker Nascimento

    22 de Novembro de 2010 as 0:20

    Este amigo cabo-verdiano realmente nao sabe realmente de quem esta a falar.Sao de Deus Lima é uma fantastica joranalista da nossa terra e ainda pode dar o amigo cabo-verdiano aulas de portugues.Gostei imenso desta cartaA,ela mostra realdade de Sao Tomé e Principe.Parabéns a Sao e o Abel Viega,sao dois grandes jornalistas que muito admiro.Deus abençoe Sao Tomé e Principe e ao todos profissionais!!!

  34. Chocolate-Biológico

    22 de Novembro de 2010 as 0:44

    Cara São,

    Simplesmente fabuloso …!

    Santomé kú Santantóni têm-te de novo.

    “POR AMOR À TERRA …!” É um slogan da nossa praça política, que vem lá do Topo, mas que eu aqui, disprovido da intenção para qual utilizado é, te quero de coração dedicar.

    Excelente, esta tua arte de criar e fazer viver em nós, os sentimentos a mui tidos como perdidos.

    A tua arte do juntar o crítico ao agradável, deixa-nos em crêr que, é para todos nós “Apolinárias”, um desfrutar do prazer de sermos Sãotomenses; uma sensação positiva, quer associada as características físicas e / ou ao um bem-estar mental.

    Uma vez que, “ …Cão tá dêli como genti. E ôcê pode tê di certo: dia qui toda Câmara cumê, bêbê, acordá pá fazê alguma kuesa, êssis lupunhé vai prucurá uns dôs, três dêlis qui sabe escrevê. Com sorte, um dêlis lumpen intelectual, pá mandá Câmara um abaxo-assinado, a reclamá como êlis também é cidadão, êlis também tem dirêto di fazê chichi, fazê cócó n sítio qui êlis quiser, porqui tera é dêlis também”.

    Se é um prazer saborear o nosso “Chocolate-Biológico”, delicioso é mais ainda por certo, o deixar derreter deste teu lyrismo – nesta tua crónica – nos coraçoes e sentimentos dos muitos e muitas “Apolinárias”; …E neste Domingo onde a noite já vai bem longe, me deixa “morrer” suave de saudades, “POR AMOR À TERRA …!”.

    Um salve a todos
    Chocolate-Biológico

  35. IDALECIO PEREIRA DA FONSECA

    22 de Novembro de 2010 as 3:02

    CONTINANDO ,TRATA-SE DE UM RETRATO REAL DO NOSSO PAÍS , DE SANTOMENSE ,PARA SANTOMENSE ,POR ISSO ,É QUE ESTÁ DESCRITO DESTA MANEIRA . ESPERO ATENDER AO SUPOSTO CABOVERDIANO.

  36. extra

    22 de Novembro de 2010 as 7:17

    Acredito que não se deve responder a ignorantes ou provocações. Por isso faço um apelo a deixar em paz o caboverdiano ( que realmente nem sabemos se é caboverdiano e nem sequer entendo o que pretende a pessoa dizer).No entanto queria felicitar a São de Deus Lima pela 2º carta , a forma como pude perceber o caos , a frustação e desorientação que se vive em São Tomé & Príncipe. Creio que as pessoas racionais , honestas e esforçadas não tem ganho muitas recompensas da sociedade .Contudo é bem possível que as mentalidades hajam um día de evoluir e que possamos ter a consciencia do atraso profundo que estamos a incorrer devido a corrupção, a falta de humanização , e de irresponsabilidades dos nossos governantes. Contudo , creio bem como a São já o referiu que certas pessoas “clever mind” possam continuar o trabalho de chamar atenção a sociedade e em particular a diaspora fora que há uma necessidade de intervir proactivamente através de informações , sugestões a sociedade e apelos a communidade internacional da nossa vontade para um futuro melhor. cumprimentos a todos

  37. carlos

    22 de Novembro de 2010 as 8:50

    São de Deus lima estas tuas paalavras são maravilhos só assim podemos modar o nosso país, continua a mos brindar com essas palavras linda, não dizista mesmo sabendo de poblema que esses cão vam ti criar

  38. AAPP

    22 de Novembro de 2010 as 10:13

    Uma vez mais os meus sinceros parabéns São Lima. Continua com estas preciosas e reais imagens desse belo País plantado no Equador.
    Com um pouco de sorte talvez esses textos possam produzir algum efeito nas pessoas honestas dessa terra e as levem a revoltar-se e a baterem-se por um País melhor e mais justo para todos os filhos de S. Tomé, e que corram com todos aqueles que até agora apenas usaram o poder em seu proveito próprio.
    Votos de muitos êxitos e as maiores felicidades para STP.

  39. Tagarela

    22 de Novembro de 2010 as 10:37

    Extraordinário!!! Essas cartas obrigam-nos a pensar nas nossas vidas e no nosso país.Parabéns pelas crónicas nesse formato que nos chegam a alma. Viva STP!!!

  40. São Tomense

    22 de Novembro de 2010 as 10:53

    Força São, continua que esta bom demais. Porquê fugirmos daquilo que somos( o que nos faz são-tomenses)
    Coisas como estas têm que ser impreensas para ficarem registradas.

  41. Jacinto

    22 de Novembro de 2010 as 12:43

    Parabens São, por mais este tabalho.
    Por favor continue nos “brindando” com maravilhas destas. Que Deus te proteja e te dê forças.

  42. morena alves

    22 de Novembro de 2010 as 13:06

    Oh São, valeu! Ainda bem que existes!!!
    Meus irmãos a crónica,a carta está tão linda que nem me preocupo com o sr caboverdeano. Esse sr, há anos dizia que era verdeano, por isso está tudo dito.
    Mas também não é preciso insultar, “dêxa ele cu praga dele”!!! Mas analisemos a mensagem que nos foi passada, analizemos a situação do nosso pais, porque senão um dia desses…e quando dermos conta já o “outro vendeu ou hipotecou a nossa terra”.

  43. Filho das ilhas maravilhosas

    22 de Novembro de 2010 as 13:30

    È com grande alegria que leio este texto tão criativo, o texto espelha o estado das coisas no nosso lindo e maravilhoso STP. È o mesmo que dizer são alguns filhos da terra que estão a acabar com ela. Mas os verdadeiros santomenses não devem perder a esperança e todos devemos fazer a nossa parte como é sugerido no texto e acreditar que mais cedo ou mais tarde a justiça será feita, muito obrigado São de Deus Lima, continua que os verdadeiros santomenses te apoiam, viva STP.

  44. mezochiano

    22 de Novembro de 2010 as 14:03

    Primota, permita que lhe chame assim.
    Como já tive o privilégio de poder falar pessoalmente ” TU ÉS FORTE”.Os meus parabéns, continue assim e não deixe nunca de nos brindar com essas pérolas.
    Te cuida…

  45. Madalena

    22 de Novembro de 2010 as 14:18

    Drª SÂo.
    Se a moda pega!!
    O Parlamento pode oficializar a linguagem, assim os menos cultos poderiam falar e escrever sem problemas.
    A mensagem é muito importante.
    Parabéns

  46. LeveLeve

    22 de Novembro de 2010 as 18:15

    Concordo com extra. Cá para mim este que se diz caboverdiano pode também ser português do PNR pela maneira como escreve. A net esta infestada de dessas criaturas da direita radical onde encontram refugio para descarregar as suas frustrações. Deixem o tipo falar sozinho.

  47. Severino d'Almeida

    22 de Novembro de 2010 as 21:18

    São osu mais um que vem reconhecer o seu potencial académico,pode não parecer maneira correcta de escrever mas vindo de uqem és pocos sabem escrever comoi tu por isso estamos perante uma mensagem muito clara e de fácil compreensão a todos os santomenses entenda melhor aquele que conseguir interpretar o enigma.Estamos dinte de um texto poetico que só São sabe escrever rico em figuras de estilo sem fim.V

  48. Laury

    23 de Novembro de 2010 as 16:19

    Parabens Sao Lima, es a prova que a nosso cultura aida sobrevive.

  49. zr cabra

    23 de Novembro de 2010 as 18:48

    gostei da carta e a sao é uma grande jornalista nao sei porque estao a dar tanta inportancia as criticas do caboverdiano se este site é livre deixem o homem escrever e criticar ele acha esperto deixem escrever o dedo é dele so chateia quem quer achei piada o jaka doxi dizer que ja tinha a INTERPOL ao alcance dele pois isto é que é mostrar um pouco de ignorancia porque la o homem nao cometeu crime nenhum so fez uma critica que nos todos fazemos ja viram quando veem para ca chamar ladroes as pessoas e ofederem as pessoas acho pior do que fazer uma critica acho que a INTERPOL tem mais coisas importantes senao essas coisas mas nao deixo de repgnar o comportamento deste caboverdiano se e mesmo mas a imprensa é livre leva a mal quem quer

  50. caboverdiano

    23 de Novembro de 2010 as 20:45

    amigos nao vejo o motivo por tanta revolta por eu comentar os comentários sao livres nao insultei ninguém nem difamei ninguém como leio nos vossos comentários a insultarem e chamar ladroes a tudo e todos simplesmente achei um pouco exotico esta maneira de expresao nao ofendi ninguém ja vira quantas pessoas importantes no mundo sao criticadas so levassem a mal estava tudo morto nem sou portugues nem la vivo estamos num mundo livre acho que podemos comentar desde que nao ofendemos as pessoas como voces insultam uns aos outros ao senhor JAKA DOXI acho que nao nao matei nem robei nem falei nada de mal par o senhor estar a falar na INTERPOL que tem amis que fazer senao dar atençao a um comentario o senhor nao é dono da policia internacional fala com eles para investigarem outras coisa no seu pais mas como sou uma uma pessoa bem educada a senhora jornalista pesso desculpa porque nao a ofendi achei um pouco estranho e exotico essas expressoes aos stomenses que acham que ofendi nao ofendi porque em toda parte do mundo a os idiomas de cada um a todos um bom natal

  51. Gilker Nascimento

    23 de Novembro de 2010 as 22:21

    Esta mulher,é de tirar chapeu!Parabéns,porque fizeste-me voltar a essencia.Granda comunicadora,profissional
    e acima de tudo patriota.Parabéns Sao!

  52. zémé

    24 de Novembro de 2010 as 11:18

    É só para parabenizar a São pela sua dissertaçõa, realmente és um orgulho da naçao. espero que os teus colegas de profissao possam te acompanhar no desenvolvimento do teu QI, para bem de jornalismo nacional.

  53. Osama bin Laden

    24 de Novembro de 2010 as 11:23

    Apolinaria precisa de saber disto:
    dá uma vista de olhos neste link tirado do jornal visão http://www.cstome.net/visaosabado/desporto18.htm
    Vê em que estado Manuel Dendê deixou a nossa Federação de Futebol.
    Apesar da notícia do Tela Nón não ter nada ver com isso, mais está em causa também a gestão danosa, julgo que todos devíamos ter conhecimento disto, 12 anos de Dendê na federação o resultado é este.
    Triste STP

  54. PURA AFICANNA

    24 de Novembro de 2010 as 11:31

    SERIA BOM QUE A MAIOR PARTE DOS SÃO-TOMENSE TIVESSEM ACESSO A INTERNET,SE INTEIERAR NISTO, PARA QUE POSSAM INFORMAR SOBRE ESSAS CRÓNICAS, PRA DEPOIS SEREM CAPAZES DE REFLECTIR SOBRE OS PROCESSOS E ETAPAS DO PAIS E PODER CONTRIBUIR NO PROGRESSO DO NOSSO S.TOMÉ;…ESTES DOIS TEXTOS, NÃO SÃO APENAS “CARTAS PÁ APOLINÁRI” MAS SIM TAMBÉM QUER NOS TRANSMITIR MENSAGENS E ALERTAS. PARABÉNS E AGRADEÇO PELO TEU TRABALHO.FORÇA AÍ SÃO

  55. Boca do Mundo

    24 de Novembro de 2010 as 14:20

    um dia que esse cão for pra kintal de mim eu vou dá ele ku kácete.
    Agora cuando eu ver eci cão ni televisão eu vou desligar televisão de mim.
    Dia que esse cão pedir voto eu não vou votar nele.
    Um dia gente vai correr trás deci cão para matar ele porki ele tá fazer coisa muito.
    Guadá, kua scabi

  56. yuelio

    24 de Novembro de 2010 as 14:58

    Magnifica escrita

  57. Mina di Célivi

    24 de Novembro de 2010 as 16:13

    Kidalêôôôôô, Chê!
    São, ê tô a grita mêmo, porki dêmu vontadi di fazê comu essas palaiê la di mercadu faz quando elas ganha bucadu di dinheiro, pra dipois i gastá ni Sacode poêra…
    Piquena, ocê sabi…cada kuêsa qui deci!

    Minha cara São, da forma como relatas esses factos quotidianos nessa “lingua” utilizada pela nossa gente, pelo nosso povo é muito linda…
    Aí está o casamento do nosso criolo e o português,lindo!

    Ma esses “Lupuiês” podem ter a certeza que o que esse “leguelá” vai terminar em “padicê”!

  58. São de Deus Lima

    26 de Novembro de 2010 as 9:40

    Caro Sr. E. Santos:
    Às vezes, é difícil não responder. Acho que a sua mensagem merece uma resposta. E a minha será tão curta quanto possível. E simples.
    O senhor disse tanta coisa, que fiquei enredada no novelo das suas palavras e perdi o essencial do que terá pretendido transmitir-me. Retive isto: ‘Que ela ( Apolinária) não volte para se apegar ao passado.’
    Caro senhor:
    Nem tudo no passado era mau. E onde houve, não progresso, mas sim degeneração, a restauração não nos faria mal à saúde. Exemplos de alguns valores do passado que nos faria muito jeito recuperar e com urgência:
    – o respeito pelos outros
    – uma certa ordem administrativa que não facilite a transformação de qualquer responsável, baixo, médio e alto, num potencial gatuno;
    – um pingo de auto-estima que os santomenses já tiveram; um pingo só,que não nos leve a vergar a espinha e a chamar ‘patrão’ ao primeiro matarruano que nos apareça pela frente, só para lhe extorquir uns tostões;
    E, para finalizar, esta coisa básica, elementar, que a Câmara COLONIAL fazia e que se deixou de fazer: controlar a população de canídeos, evitando o risco de proliferação de doenças. A população de cães vadios em todo o lado, incluindo o centro da capital,deve estar a crescer a um ritmo superior ao dos humanos. À atenção da Direcção Nacional de Estatísticas.
    Os meus cumprimentos
    São Lima

  59. São de Deus Lima

    26 de Novembro de 2010 as 9:43

    Para o Sr. E. Santos:

    Uma definição possível de sátira:

    Estratégia através da qual se pretende censurar, ridicularizar e levar à correcção de defeitos e vícios da sociedade, suscitando a rejeição de aberrações, a partir de normas assumidas como socialmente desejáveis e saudáveis. A sátira é, consequentemente, uma forma de protesto, a sublimação e o refinamento da fúria e da indignação. Ian Jack afirmou: ‘A sátira nasce do instinto de protesto. É o protesto em forma de arte.’

  60. Okmin Conceição

    24 de Dezembro de 2010 as 14:07

    É nesta altura que apetece perguntar para quê serva oi INDEPENDÊNCIA?
    Chegamos a ses estrangeiros na nossa própria terra.( kê-kua)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo