Busca do arroz – Pensão de turismo rural revistada

Jerónimo Sebastião Dias da Mota(na foto), médio empresário agrícola que há cerca de 20 anos explora turismo rural na roça Monte Forte, procurou o jornal Téla Nón para manifestar o espanto que teve na quinta – feira, quando agentes policiais entraram na sua unidade hoteleira em Monte Forte em busca do arroz. «Fui surpreendido pela polícia de investigação e mais a polícia económica, dizendo que há suspeitas de que temos lá arroz guardado, e nesse momento mandei as empregadas abrirem todas as portas da minha casa e da pensão para verem se havia alguma coisa do arroz guardado e não encontraram nada. Mas, isso me caiu muito mal, porque são especulações lançadas no seio do povo, segundo as quais temos lá arroz guardado. Caiu muito mal e quero que o público saiba que não foi encontrado nada do arroz», referiu o médio empresário agrícola, que explora turismo rural em Monte Forte.

O leitor pode ouvir na íntegra a entrevista que Jerónimo Sebastião Dias da Mota, deu ao Jornal Téla Nón ;

Abel Veiga

 

.

Notícias relacionadas

  1. img
    luisó Responder

    Pouca vergonha.
    Mas que raio de investigação é essa ?

  2. img
    Lupuye Responder

    Nao sabia que em Sao Tome as autoridades podiam entrar em casas e empresas privadas sem autorizacao escrita pelos tribunais (ou sera que houve tal documento?). Se assim for isso e uma aberracao e um abuso do poder.
    Nao quero com isso dizer que nao se procure esclarecimento pelo desaparecimento do arroz, so que deve ser uma investigacao mais profunda e bem coordenada para que a policia nao caia no descredito e nao venha a ser mais tarde razao de zombaria do mesmo povo que ela propoe-se defender.

  3. img
    perguntarnaofende Responder

    Eu tenho guardado na minha casa 5 sacos de 1 kg de arroz que comprei no supermercado.

    Será que a policia vem a minha casa levar o meu arroz ?

  4. img
    vagi Responder

    NA alfandega nao existe camara vigelancia?
    Nao se pode inquirir as pessoas que trabalham na alfandega?

  5. img
    Marcelino Tavares Responder

    Isto é desorientação fruto da promessa do 1º ministro que a ignorância nos deu a ter.
    O famoso arroz de Dbs. 13.000,00, só aguentou 2 dias. Acontece porém que o P.T. está aflito. Esta é a sua estratégia de desviar atenção com o fantasma do arroz desaparecido. Arroz vindo com esforço do governo de Gabriel Costa e agora vendido apenas para os militantes do A.D.I. porque não procuram milhares de sacos escondedidos por gente de ADI e que são transitados para o canal paralelo.
    Eu Ramiro sei que o XIV quarto governo em 2012 deixou um grande buraco em relação ao fundo do arroz. A revelação foi feita na asssembleia Nacional por um destacado deputado. Quando é que a procuradoria geral comece a investigar o senhor Patrice Trovoada?

  6. img
    bom sinal Responder

    Seria muito bom colocar câmeras de vigilância na alfândega. Assim pode fazer diminuir roubos. Paguei 1400 eur para trazer o meu carro ao meu país e ainda paguei mais 1300 para levantar e mesmo assim roubaram meu tv plasma e mais artigos que vinham dentro do carro . Existe um bando de ladrões na nossa alfândega e não éna roça Monte Forte!

  7. img
    Maria de Fatima Santos Responder

    Procurem arroz, procurem! Ao menos assim mantêm-se ocupados no que melhor sabem fazer: Perseguir!

  8. img
    Atento Responder

    Minha gente.
    Que a polícia vá ter com algum ex-deputado, responsável pelo armazenamento do arroz e vai descobrir facilmente aonde o arroz foi parar.
    Agora acreditem que não foi a casa dos pequenos, mas sim a casa de muita boquita e dos grandes senhores.
    Começem a ver e a apertar os responsáveis pelos armanzéns e logo logo estão com as respostas que necessitam.
    A não fazer e actuar desta forma, andamos mais uma vez a enganar o que sempre foi enganado.
    Tenho dito.

    Tenho dito

  9. img
    promo Responder

    Tenhem vergonha bandos de bicharadas
    a força é impossivel…..
    jamais seras copitente PM

Deixe um comentario

*