Malanza mais segura e com projecto para ser de facto uma Vila

Encravada entre o mar e elevações que brotam água abundante, a Vila Malanza, que é atravessada por um rio, estava a ser ameaçada pelas mudanças climáticas. Aos poucos o mar avança sobre a terra onde a água abundante na região sul da ilha de São Tomé, que chove todo o ano, ameaçava engolir as casas e a vida da população.

malanza canalO projecto das mudanças climáticas nas regiões costeiras, financiado pelo banco mundial e o fundo mundial do ambiente, construi valas de drenagem que conduzem a água desde as diversas nascentes nas elevações que circundam a vila, até o canal principal que desagua no mar. Diques foram erguidos ao longo do rio que atravessa a vila, para evitar as habituais inundações.

O projecto criou também uma zona segura de expansão para realojar os habitantes. Arlindo Carvalho, Director Geral do Ambiente e Coordenador do Projecto das Mudanças Climáticas nas Zonas Costeiras, realçou a importância da zona de expansão, que garante o futuro da comunidade essencialmente piscatória. «Hoje temos uma zona extensa onde a comunidade de Malanza pode expandir de forma segura. Nesta área está previsto a construção de algumas infra-estruturas de carácter social, como escolas, posto médico, vias de acesso, unidades desportivas, e vai-se colocar água e energia», relatou Arlindo Carvalho.

rioAtravés das infra-estruturas sociais a serem instaladas na zona de expansão, o projecto acredita que a população que hoje vive a beira-mar e exposta aos caprichos da natureza, vai sentir-se estimulada a criar nova vida na zona de expansão segura.

No fundo a zona de expansão vai permitir o nascimento da verdadeira Vila Malanza. A actual vila é um espaço de pobreza profunda, onde as populações vivem em casas de madeira degradadas, em péssimas condições de saneamento de meio, um verdadeiro lamaçal designado Vila. «Vamos agora integrar as outras instituições do Estado, para que na realidade possamos virar para esta localidade e pô-la a funcionar como deve ser. A vila Malanza tem que ser uma verdadeira Vila e não esta comunidade que temos agora desordenada e bastante ameaçada», pontuou Arlindo Carvalho.

O Primeiro-ministro Patrice Trovoada que marcou presença na inauguração das obras de drenagem e de protecção costeira, prometeu acções para dignificar a nova Vila Malanza em projecção. «Somos um país jovem e os jovens querem espaço para habitar, querem terreno para construir. O objectivo do Governo a partir de agora é de disponibilizar terrenos mas já infra-estruturados para que as pessoas possam de facto construir as suas habitações», declarou o Chefe do Governo.

Vila da Santa Catarina no norte da ilha de São Tomé, a Vila da Ribeira Afonso no centro sul, e a Praia Burra na ilha do Príncipe são outras 3 comunidades beneficiárias do projecto.

O projecto do banco mundial e do fundo global do ambiente investiu 350 mil dólares para proteger a comunidade da Vila Malanza.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    O Revolucionário Responder

    Muito bem! São através de ações que se conhece o carater de uma pessoa, melhor dizer, de um Governo. Por 40 anos de independencia, eis que surge um governo que pensa no povo, que na realidade cumpre as promessas que faz, que embora desvie um pouco daquilo que é destinado ao povo a menos faz para que se note transformações na sociedade ( boas transforamações quero assim dizer – desenvolvimento). Esperemos que não seja mais uma obra que se conhece o começo mas nunca o fim ou mais uma meia palavra. Pois como diz Paul Pilzer “Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo”, por isso esperemos todos que seja erguido um futuro que justifique o quão sábio fomos – nós os Santomenses – em dar um voto de confiança a um governo que na realidade faz a diferença.
    Abençoado será sempre aquele que luta pelo bem do povo…

  2. img
    Ralph Responder

    Esta é uma história agradável. É isto que um governo deveria estar a fazer pelos seus eleitores. Porém, o governo seria capaz de fazer cada vez mais deste tipo de melhoramento se os órgãos governmentais não roubassem da sua população por meio de corrupção.

  3. img
    Alerta PT Responder

    Ao senhor Revolucionário.
    favor informar-se bem das coisas antes de emitir opiniões ou pontos de vista. Todas obras sociais como esta sao boas e Deus queira que existirão sempre para o bem dos santomenses. Todavia, quero dizer ao senhor Revolucionario que não se trata de uma obra desta governo da ADI. E na realidade uma obra do anterior governo de Gabriel Costa com financiamento do Fundo Internacional do Ambiente. As negociações para a obtenção desse capital, que visa também proteger toda a orla costeira de STP foram protagonizadas por Fernando Maquengo que na ocasião pediu para ser a Direcao geral do ambiente a se ocupar por inteiro do assunto. Mas como o Governo de Patrice Trovoada quer dar nas vistas com tudo e por tudo, lã foi ele assistir a entrega das obras. Sabe o que é isso? E falta de coisa para fazer, falta de ocupação. Quando ele não vai para essas actividadezinhas pequeninas ele viaja porque não tem o que fazer. Coitado do Varela que apanha com tudo!

  4. img
    luisó Responder

    Não chega, infelizmente.
    Com as alterações climáticas nos próximos 25 anos se nada se fizer em concreto e válido vai haver grandes problemas.
    A ONU estima que várias ilas no pacifico vão ficar debaixo de água nos próximos 50 anos, por causa da subida do nível do mar.
    Veja-se o caso recente do furacão que varreu Cabo Verde. Se fosse em STP estava tudo desgraçado. Com a quantidade de povoações que temos em cima da linha de mar e algumas abaixo a seguir á linha de mar e abaixo do nível de mar era uma catástrofe e de certeza com muitas mortes, para além de milhões de dólares de prejuízos que demorariam muitos anos a pagar.
    Fica o alerta para quem de direito….

  5. img
    luisó Responder

    Não chega, infelizmente.
    Com as alterações climáticas nos próximos 25 anos se nada se fizer em concreto e válido vai haver grandes problemas.
    A ONU estima que várias ilhas no pacifico vão ficar debaixo de água nos próximos 50 anos, por causa da subida do nível do mar.
    Veja-se o caso recente do furacão que varreu Cabo Verde. Se fosse em STP estava tudo desgraçado. Com a quantidade de povoações que temos em cima da linha de mar e algumas abaixo do nível de mar era uma catástrofe e de certeza com muitas mortes, para além de milhões de dólares de prejuízos que demorariam muitos anos a pagar.
    Fica o alerta para quem de direito….

  6. img
    João Vaz Responder

    Parabéns S.Tomé e Príncipe, parabéns Malanza, Parabéns os técnicos todos que estão a trabalhar nestas atividades.
    Pude visitar Santa Catarina, Ribeira Afonso e agora Malanza e pude constatar que estas obras têm melhorado bastante a situação meio ambiental destas comunidades.
    São estas, as coisas que nos dão esperança, de que é possível mudar o nosso sem a necessidade de ter mundos e fundos
    Obrigado a todos e Bem Haja
    J Vaz

  7. img
    Nitócris da Silva Responder

    Bom dia povo,
    Da mesma forma que criticamos o lixo que se amontoa nos diversos cantos da cidade, chamando mosca, ratos, cães vadios, EKeneide, Câmara, Polícia, Ministério do Ambiente e Saúde a dar uma solução ao problema.
    Não podemos deixar de congratular ao governo e toda a sua equipa por este grande esforço, pela grande obra que executou, trazendo melhor qualidade de vida a comunidade de Malanza.
    O povo precisa de mais senhor PT, 40 anos de conversas e poucas obras notáveis.
    Para quando o porto de águas profundas?

  8. img
    Fernando Responder

    Estamos lixados!
    O país sofre a aparição de iniciativas segundo interesses do calendário político e dos políticos. Que critérios foram observados para a transformação de Malanza numa vila. Não é que eu esteja contra o crescimento daquela aglomeração, mas qual vai ser a continuidade de tudo isto?! Devemos exigir aos políticos, observem bem, todos os partidos políticos que tenham aspiração a ser poder que organizem o nosso país de forma equilibrada e criteriosa. É possível que muitos não me entendam e que até me associem a um certo estigma, mas algum dia compreender-se-á o que quis dizer….

  9. img
    antonio fernandes Responder

    Caro Fernando
    Parece que estás a viver num outro mundo e não em S.Tomé e Príncipe.
    O senhor não sabia que Malanza era uma vila? Penso que ninguém transformou Malanza em vila agora. Malanza já é uma vila a muitos anos. As obras feitas agora vão dar maior dignidade a esta vila e a sua população como eu que sou genuino da mesma.
    Em vez de estarmos sempre com espirito pessimista, porque é que não pensamos em quê fazer para ajudar a melhorar o nosso país.
    Como dizem: Nunca dizes o que o país possa fazer por mim, mas o que posso fazer pelo meu país.
    Só com este espirito o nosso STP poderá avançar
    Bem haja STP
    Antonio Malanza

Responder a Nitócris da Silva Cancelar resposta

*