Destaques

Rádio Jubilar não aguentou a pressão do Governo

Waldiner Boa Morte, jornalista que durante 5 anos, produziu e moderou o programa de Debates “Resenha da Semana” da Rádio Jubilar, não aguentou as pressões do governo de Patrice Trovoada, contra a liberdade de imprensa e de expressão, que caracterizou o programa e a própria Rádio Jubilar nos últimos 5 anos.

O Jornalista teve que abandonar o programa, após o Primeiro-ministro ter chamado de urgência o Bispo da Diocese de São Tomé ao seu gabinete.

Um programa que dissecava os assuntos de actualidade nacional, e permitia o esclarecimento da opinião pública sobre os mais variados assuntos de interesse nacional. Comentadores livres e independentes, participavam no programa. Técnicos e quadros nacionais de competência reconhecida e livres e independentes, também colaboravam no programa, que punha luz sobre a realidade dos factos que ocorrem no país.

O programa e a Rádio Privada, pertença da Igreja Católica passaram a ser referência informativa, para o público são-tomense sobretudo o chamado povo pequeno, que começou a encontrar luz da verdade, para perceber o rumo do país onde vive.

Como Jesus Cristo morreu na cruz pela verdade, assim começou o calvário da Rádio Jubilar, a teimosia em por a  VERDADE na mente dos são-tomenses. Em Julho último quando o Governo fez aprovar no parlamento a criação de um Novo Tribunal Constitucional, cujos articulados violam gravemente a Constituição Política de São Tomé e Príncipe, a Rádio Jubilar pôs luz na mente dos são-tomenses sobre o assunto.

Juristas independentes, participaram no programa de debates, e puseram a nu, a ilegalidade constitucional que o partido ADI e o Governo tinham acabado de realizar no parlamento.

O público são-tomense ficou esclarecido. Na altura o Téla Nón tinha avisado, que o programa da Rádio Jubilar tinha provocado muita fúria nas hostis do regime. Nos círculos do regime era advertido que a Rádio Jubilar, nasceu para rezar “Pai Nosso e Avé Maria” e não para meter em questões desse tipo.

Por causa do programa que desmontou a ilegalidade na proposta de lei para criação de um novo Tribunal Constitucional, o apresentador Waldiner Boa Morte, teve que subir as escadas do Palácio do Primeiro Ministro Patrice Trovoada, para explicar o que está a acontecer naquela rádio que tão livremente deixa a verdade ser dita.

Segundo Waldiner Boa Morte, na conversa com Patrice Trovoada, o Chefe do Governo fez-lhe saber que não se revia no painel dos comentadores do programa.

A rádio Jubilar, marcou para a passada sexta feira 18 de Agosto, uma entrevista com Peter Lopes. O ex-operacional dos Bùfalos, que num vídeo denunciou a origem do Golpe de Estado de Julho do ano 2003.

O Governo soube. O bispo da diocese de São Tomé, foi chamado de urgência ao Gabinete de Patrice Trovoada. O programa especial de sexta – feira foi cancelado. Waldiner Boa Morte conta que conversou com o Bispo Manuel António. Depois da conversa, pôs fim a apresentação do programa Resenha da Semana. «O programa não agradava o Governo, e o Governo há muito tempo tem pressionado a Igreja Católica para reduzir a carga do programa que segundo o Governo o criticava», declarou Waldiner Boa Morte.

É o fim ….resta aos leitores escutarem na íntegra a entrevista do apresentador do Programa de Debates da Rádio Jubilar, para perceberem que a liberdade de imprensa e de expressão, grande conquista do país em 27 anos de democracia pluralista, está mesmo, no fim.

Abel Veiga

    17 comentários

17 comentários

  1. Pumbú

    21 de Agosto de 2017 as 21:23

    Isso está MAL. Está um pipy de gato!!! Os tipos perderam a p… ta da cara e vão eliminando o pluralismo…

  2. São de Deus Lima

    21 de Agosto de 2017 as 22:28

    Indignada. A minha solidariedade total, Waldyner Boa Morte.

  3. Vexado

    22 de Agosto de 2017 as 0:51

    Agora o governo vai dar continuidade ao programa com as suas pessoas.

    Ideias novas precisa se: arranja um local gravam e pública na NET. Quem quiser escuta…pronto.

    Ou faz emissão em directo Facebook.

    As ferramentas são muitas.

    Na minha opinião, Waldiner boa morte não devia participar em reunião com o primeiro ministro.

    Pedro carvalho deve estar a pular de alegria.

  4. Netinho castro

    22 de Agosto de 2017 as 9:55

    Agora o programa do mateus ferreira , um incompetente, burro, patacho e lambebotas de todos os partidos quando estao no poder vai deixar de ser 50 minutos para ser 24 horas. Que horror! Esse governo so sabe meamo e trabalhar em pessoas miseras

  5. Bartolomeu Dias

    22 de Agosto de 2017 as 10:27

    Patrice depois de matar todos os bons, melhores jornalistas, agora decidiu atacar o vaticano. Mas Deus e todo poderoso.
    No governo de Gabriel Costa tinhamos uma verdadeira imprensa livre com acesso para todos, mas hoje mataram a nossa a nossa liberdade de imprensa e ate custa um simples cidadao ouvir ao menos musica na nossa radio nacional ou na tvs. Nos estamos agora pior do que no regime de partido unico.

  6. EX

    22 de Agosto de 2017 as 11:00

    acolocação de mordaças, num mundo globalizado e muderno é uma vergonha a Democracia e Liberdade de Impressa,

    Povo deve manifestar a favor do programa e da Rádio Jubilar.

  7. Vergonha

    22 de Agosto de 2017 as 11:59

    Este governo mais o seu líder são avessos a quem trabalha, aos que são competentes e aos verdadeiros profissionais. É só olhar para os dirigentes das administrações públicas e às empresas públicas que andaram a colocar. A nossa comunicação social não fica atrás. A Radio Nacional está entregue a bicharada com um Director que nem sequer fui um dia chefe de Departamento. A TVS com um Director “azelha” que quando fala, come sílabas. Os jornalistas deixam a desejar. Os meus filhos põem-se a rir cada vez que vê ou ouve os jornalistas. Uns com ar pasmo, outros com ar triste e sem graça. São estes que o Sr. Patrice quer a governar o País. O País perdeu qualidades em todos os aspectos…agora atacam a rádio que vem denunciando essas poucas vergonhas. Convenhamos…

  8. Gente de Bem

    22 de Agosto de 2017 as 14:32

    Oh senhor Bartolomeu Dias, o problema e que no governo de gabriel costa a comunicacao social era dirigida por um competente jornalista e no govermo fe patrice trovoada a comunicacao social e simplesmente manipulada por afonso varela, olinto daio, oscar medeiros e o proprio patrice que sao seres humanos mediocres nessa materia. A comunidade internacional ja sabe que nao ha liberdade de imprensa em stp. O ambrosio quaresma ja reconheceu isso publicemte.

  9. Aurora da Trindade

    22 de Agosto de 2017 as 21:28

    Ora nem mais. De facto pelo facto de Gabriel Costa ser jurista e Adelino Lucas ser jornalista a imprensa santomense era bem vista e reconhecida pelas suas realizacoes. Nada que se compara com os incompetentes de agora que so querem migalhas do Patrice vendendo.se ao desbarato. Mas ainda assim pergunta.se onde para e o que faz o sondicato dos jornalistas? Precisamos salvar a imprensa de STP.

  10. explicar sem complicar

    22 de Agosto de 2017 as 22:50

    SR Hélder Bexigas do Sindicato dos Jornalistas,
    O Senhor não diz nada?
    Aliás, nunca disse. Mais é uma oportunidade para se afirmar como presidente de sindicato.
    Ou tem medo?

  11. Nuno Miguel do Espirito Santo de Menezes

    23 de Agosto de 2017 as 6:10

    Rádio Jubilar não aguentou a pressão do Governo.
    O Jornalista teve que abandonar o programa, após o Primeiro-ministro ter chamado de urgência o Bispo da Diocese de São Tomé ao seu gabinete.

    Por falta de infrastructurA dentro de Sao Tome e Principe faz com que o primeiro Ministro de Sao Tome e Principe faz esse papel, esse nao ‘e trabalho do Pimeiro ministro deve existir em Sao Tome e Principe um orgao que deve cntrolar a radio e a televisao sem o primeiro ministro de Sao Tome e Principe intervir neste assunto.

    O Senhor Primeio Ministro de Sao Tome e Principe gosta de Viajar para a Euopa e como o modelo da lei Portuguesa de Portugal quase identica deveriam pelo menus seguir o modelo de Portugal em questao de freedom de jornalistas dentro da lei que assim faz os tribunal de Portugal para assim obdecerem e existe um orgao que controla que nao ‘e o papel nem do primeiro ministro de Portugal ou do Presidente da Republica Portuguesa, tanto ‘e que eles sao criticados e tem que calar e para proxima fazerem melhor, estou a ver que em Sao Tome e Principe o nosso Primeiro ministro controla com a lei muito muito antiga de Portugal do Tempo de SALAZAR.

    NUNO MENEZES
    lINCOLN,ENGLAND

    The journalist had to leave the program after the prime minister had called urgently the Bishop of the Diocese of Sao Tome to his office.

    Due to lack of infrastructure within Sao Tome and Principe, the prime minister of Sao Tome and Principe plays the role, this is not the work of the Prime Minister, and there must be in Sao Tome and Principe an organ that must control radio and television Without the prime minister of Sao Tome and Principe intervening in this matter.

    The Prime Minister of Sao Tome and Principe likes to Travel to Euopa and as the model of the Portuguese law of Portugal almost identical should by the menus follow the model of Portugal in regard to freedom of journalists within the law that so does the court of Portugal So that they obey and there is an organism that controls that it is not the role of the Prime Minister of Portugal or of the President of the Portuguese Republic, so much that they are criticized and have to shut up and to do better, Sao Tome and Principe our Prime Minister controls with the very very old law of Portugal of the Time of SALAZAR.

    NUNO MENEZES
    LINCOLN, ENGLAND

  12. Reflexão

    23 de Agosto de 2017 as 9:58

    O PM segundo o rosto com q se apresentou na TV quando desmentia o Vídeo, caracterizava-se por dois comportamentos: Receio se esta verdade viesse a ser bem esclarecida ou seja viesse a tona ou então era uma calúnia que ofendia ao próprio Deus. Se se trata de uma calúnia porque n deixou que o sr Peter entrasse em contacto direto entre os comentadores e Rádio Jubilar? Muita gente está agora com medo d si sr PT pois o nosso país é até ao momento aquele q tem resolvido as questões de uma forma Pacífica sem sangue o q não nos caracteriza. Se o ADI for vencedor das próximas eleições o povo irá comer pão q o Diabo amassou e aliás já está o comendo a larga escala. Veja como o homem mandou subir tudo. Até a consulta no hospital q se pagavam 10.000 dobras, agora está a 35.000. Nem tem dó dos doentes.

  13. Nuno Miguel do Espirito Santo de Menezes

    23 de Agosto de 2017 as 10:42

    Rádio Jubilar não aguentou a pressão do Governo.
    O Jornalista teve que abandonar o programa, após o Primeiro-ministro ter chamado de urgência o Bispo da Diocese de São Tomé ao seu gabinete.

    Por falta de infrastructurA dentro de Sao Tome e Principe faz com que o primeiro Ministro de Sao Tome e Principe faz esse papel, esse nao ‘e trabalho do Pimeiro ministro deve existir em Sao Tome e Principe um orgao que deve controlar a radio e a televisao sem o primeiro ministro de Sao Tome e Principe intervir neste assunto.

    O senhor Primeio Ministro de Sao Tome e Principe gosta de Viajar para a Europa e como o modelo da lei Portuguesa de Portugal quase identica deveriam pelo menus seguir o modelo de Portugal em questao de freedom de jornalistas dentro da lei que assim faz os tribunal de Portugal para assim obdecerem e existe um orgao que controla que nao ‘e o papel nem do primeiro ministro de Portugal ou do Presidente da Republica Portuguesa, tanto ‘e que eles sao criticados e tem que calar e para proxima fazerem melhor, estou a ver que em Sao Tome e Principe o nosso Primeiro ministro controla com a lei muito muito antiga de Portugal do Tempo de SALAZAR.

    NUNO MENEZES
    lINCOLN,ENGLAND

    Rádio Jubilar could not stand the pressure of the Government.
    The journalist had to leave the program after the prime minister had called urgently the Bishop of the Diocese of Sao Tome to his office.

    Due to lack of infrastructure in Sao Tome and Principe, the prime minister of Sao Tome and Principe plays this role, this is not the work of the Prime Minister, and there must be in Sao Tome and Principe an organ that must control radio and television Without the prime minister of Sao Tome and Principe intervening in this matter.

    The Prime Minister of Sao Tome and Principe likes to Travel to Europe and as the model of the Portuguese law of Portugal almost identical should by the menus follow the model of Portugal in question of freedom of journalists within the law that so does the court of Portugal So that they obey and there is an organism that controls that it is not the role of the Prime Minister of Portugal or of the President of the Portuguese Republic, so much that they are criticized and have to shut up and to do better, Sao Tome and Principe our Prime Minister controls with the very very old law of Portugal of the Time of SALAZAR.

    NUNO MENEZES
    LINCOLN, ENGLAND

  14. Antonio Rocha

    23 de Agosto de 2017 as 10:46

    Alguem falou no nome de Helder Bexigas? Quem é esse Helder Bexigas? Será um tal individuo que dizem ser presidente do sindicato dos jornalistas? Ora bem…..esse individuo não vale nada. Não vale nem como profissional da comunicação social e muito menos como presidente de um sindicato de uma classe tão sensivel e que deveria ser tão responsavel. Como se costuma dizer, cada povo tem o dirigente que merece e a classe dos jornalistas tem o presidente do sindicato que merece. Com tantos jornalistas competentes que foram relegados para o abandono pelo ADI e seu governo, porquê que eles não assumem esse sindicato para lhe dar luz, dar visibilidade e dar credibilidade?
    Mas o estranho de tudo é como também o Conselho superior de imprensa também não diz nada…. Muito estranho!!!!!????

  15. guadalupe

    24 de Agosto de 2017 as 0:57

    Antonio Rocha! Está tudo pago…

  16. Ralph

    25 de Agosto de 2017 as 4:33

    Para um país supostamente democrático, esta história deveria ser uma fonte de vergonha ao governo. Ter uma imprensa livre é uma parte essencial de qualquer democracia respeitável (dentro dos limites da lei, claro). Como refere o artigo, uma imprensa livre serve para brilhar luz aos problemas de uma sociedade, incluindo governação. Um governo que mereça o próprio nome deveria tratar as situações reveladas por programas como o referido como uma oportunidade de escutar a voz do povo e melhorar o serviço que oferece aos seus eleitores. Em vez disso, o governo parece preferir silenciar o debate ao invés de tentar solucionar os problemas enfrentados pelos cidadãos que o governo supostamente representa.

  17. pascoal de carvalho

    28 de Agosto de 2017 as 23:32

    Mudam-se os tempos mas, mantém-se as vontades. Enquanto se a nossa classe informante não se unir em prol de uma causa única e comum, cada rosto que emergir, sucumbirá da mesma forma. Isso simplesmente pela escassez de unanimidade e legislação apropriada/ atualizada e contemporânea. Uma enorme pena.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo