REGENERAÇÃO RURAL UM PROCESSO INDISPENSÁVEL PARA AS ILHAS DE S.T.P.

As ilhas de S.Tomé e Príncipe, viveram durante anos da sua história períodos gloriosos de produção agrícola, dinamizado pela existência de grandes extensões de roças que contribuíram para o aumento da capacidade de exportação e estabilidade económica e social do país.

CLIQUE para LER O ARTIGO : artigo rocas

  1. img
    Buzio sem pena Responder

    Caro amigo Estevao, como santomense que sou agradeço imenso o teu contributo, mais gostaria que mais gentes sobretudo a classe politica desse atençao a todo tipo de artigo, laçados em prol do desenvolvimeto do país, mais estao mais preocupados em banhos, em poder e enriquecer a custa do povo, o resto é cantiga.

  2. img
    Celsio Junqueira Responder

    Carissimo Engº Estevao,

    Antes de mais felicitar os seus estudos e ideias para STP. Louvo-lhe a ousadia e a dedicação manifestada.

    Realmente as nossas Roças “aparentemente” votadas ao abandono e a má utilizaçao, tem todo um potencial de outrora e dos tempos vindouros. O importante será saber como rentabiliza-las nos tempos modernos? É um grande desafio para as mentes nacionais, que preferem “hibernar” a meter-se em trabalho, mesmo que este trabalho venha a produzir “frutos” no futuro.

    O seu trabalho em matéria de diagnostico e saidas possiveis, está interessante, pena é que três paginas (disponibilizadas) sabe a pouco. Aguardo pelo “Livro”.
    E uma critica preliminar, fico sem saber ao certo em que parte (concretamente) para a recuperaçao/reactivaçao das Roças cabera ao Estado, aos Privados e/ou em Parcerias Publico Privadas (PPP).

    Um Agradecimento “especial” e tenho/temos orgulho no seu trabalho,

    Abraços calorosos,

  3. img
    stp Responder

    Iniciativas como estas sao louvar tendo en conta que o pais necessita urgentemente de uma revalorizaçao das nossas roças.
    Pra garantirmos o desenvolvimento do nosso pais temos que apostar nas nossas riquezas naturais de forma que a stabilidade economica e social do pais.

Deixe um comentario

*