40 Anos a gatinhar…..

40 Anos a gatinhar….Mas mesmo assim parabéns minha nação….Também minha.

Hoje, só hoje vou fazer o que nos têm feito durante esses 40 anos. Vou roubar. Vou roubar citações, comentários, posts de outras pessoas. Mas a grande diferença que pedi permissão para “ roubar”. Até o bolo roubei.

Saiam à rua e perguntem as pessoas se estão contentes, se estão orgulhosas do estado do nosso Estado, perguntem se estão contentes com no rumo que o país tem vido a tomar nesses 40 anos? Tenho quase a certeza que muitos não estão, mas isso não nos impede de ter um amor infinito pelo nosso país. O facto de dizermos que não estamos contentes, que não nos identificamos com esse ou aquele, não significa que somos mais ou menos são-tomenses. E aqui vai o primeiro roubo: A também minha Nação. A minha nação faz 40 anos. Uma mulher já. Devia ser adulta, madura, atraente, voluptuosa, cheia, bonita, sedutora, pura, dengosa, mas não. Ela não cresceu, continua uma bebé que a mãe ainda tem que levar a comida à boca.

Palmas para o nosso rico São Tomé e Príncipe. 40 Anos….40 Anos. Passaram tão depressa, foi tão fugaz.

Apupos fortes e estridentes, (já vou no segundo roubo), para o Estado, que é a esposa que passa a vida a trair o marido,” tem casos, atrás de casos mas que, nem por isso constitui motivos suficientes para que o seu marido chifrudo (povo) peça o divórcio, limita-se a ameaçar a Mulher, no sentido desta ter mais atenção quando o for trair novamente: “ faz teu mambo matado pra ninguém saber, porque eu não quero ver o meu nome na boca dessa gente fofoqueira, chamando-me de corno…Viva o quê mesmo?

Apupos fortes e revoltados para nós (povo, que ainda não aprendemos a castigar os nossos políticos, apupos para os, governantes, deputados, ministros e presidentes). Apupos para a nossa incompetência, para a nossa falta de vergonha.

Palmas para esse povo tão paciente, tão calmo, tão contentadu.

Apupos para os que gozam, desrespeitam, maltratam e humilham.

A também minha nação, que apesar de eu ter saído dela, ela não saiu de mim, nem de ti, nem deles….Os que estão fora têm a nação vincada nas entranhas. Por isso ninguém tem o direito de se sentir mais nacionalista que eu, que tu, que nós que eles.

Disseram que ainda falta cumprir o sonho da independência…Ainda, quantos anos mais?

Pensaram que bastava dizer “ brancu pá rua “ e estava tudo resolvido. O verdadeiro desafio era o depois do brancu. Nós não fizemos nada para cumprir esses sonhos. Os sonhos tornaram-se individuais. Os três V, (mais um roubo), vivenda, viagens e viaturas, hummm, acrescentaria mais um: vivenchá. Com esses 4 V estamos nos Céus. Que sonho tão pequeno.

E o sonho ficará por cumprir. E assim mata-se o sonho de independência total e completa de um povo. Um povo cujo sonho é agora ter um prato de arroz para alimentar os filhos.

Carambas não tivemos guerras,

Não tivemos inundações,

Não tivemos seca,

Não tivemos furacões, então porque raio estamos assim? Nesse ponto, quase sem retorno?

Há dias alguém disse: “ Guiné Bissau está a ir embora deli ééé….Não vai ficar vantenado tipo nós não ééé…Último roubo…ufa, isso de roubar cansa.

Ao ler essa frase o primeiro impacto dá-me para rir….Mas temos que chorar. Chorar amargamente. Chorar de vergonha, carambas não tivemos guerra colonial, não tivemos guerra civil, então?

Ah a nossa guerra é outra. A nossa guerra é estúpida

Como aguentamos tanto tempo? Como conseguimos viver e conviver e ser coniventes com tanta malabarice, tranbiquice, politiquice, ratice, chatice, fofoquice, lamechice e lambe botice?

Axém só non cá bá uê? Bôbô…Tamos a massadá só.

Será que a nossa sina é ficarmos vantenados? Vamos aceitar assim? Sem dar luta?

Domingo 12 de Julho, vamos festejar mesmo assim. Apesar das nossas imensas “ dificulidades”, vamos erguer uma taça de vinho de palma ao nosso S. Tomé e Princípe,vamos um bom prato de calulu ou um delicioso molho no fogo com todos os sabores, cheiros do nosso São Tomé e Principe.

Um dia o nosso Kalu cantou: que os meninos também cantam.

“ No nosso São Tomé, os meninos também cantam,

Cantamos de alegria de viver em terra livre,

Cantamos de confiança,

Num futuro bem melhor…por isso meu povo cantemos com o Kalú e bomu kêlê com os Calema, porque:

“Encontramo-nos no meio do mar

Duas ilhas que formam um país

Tudo o que precisamos está lá

É só acreditarmos e seguir

Vamos dar as mãos num só coração

Bomu kêlê

Ni scola, ni tlaba, e ni tudu kuá

Cu non cá pô fe

Non tê cacau, non tê baná,

Non tê côcô , non tê vuadô panhá,

Non tê áuá……”

Não temos tempo.

Eu não quero ficar vantenada não éeeeeee.

E tu queres?

Solange Pinto

 

 

 

  1. img
    António Manuel Responder

    Gostei muito desta peça ,

    De facto estamos independentes de quê?

    Vivemos de ajudas externas, estamos completamente dependentes de Países exteriores, meus caros trata se de uma nova dimensão de colonização, e não se passa somente em Stp , mas em muitos lugares do mundo.

    Agora nós , em 40 anos, e como diz a peça , era mandar o brancu embora e o que restou…. Nada!

    Havia 153 roças , se não estou enganado, todas com centros de saúde e escolas, Stp era um dos maiores produtores de cacau, e agora passou para a Costa do marfim aqui ao pé , um dos maiores produtores de cacau. E o povo como vive , sem emprego, tenta sobreviver no esquema, com problemas de água, energia e com um hospital .

    Um dia vamos dar a volta…..

    Fui

  2. img
    Luizf Responder

    Olha Solange. Manda tanta boca no forum tela non, e publica um artigo n jornal sem fotografia. Solange é claro que veste mal da cara, mas devias ser mais corajosa.

    • img
      MIGBAI Responder

      Minha gente.
      O problema de STP é o mesmo de todo o continente africano sul do Saara. Incompetência, arrogancia, corrupçâo, falta de iniciativa, péssima educaçâo, racismo, tribalismo e por encima de todos esses males, o complexo de inferioridade eterno que sofrem a maioria dos africanos de raça negra.

  3. img
    REFLEXÃO IMEDIATA Responder

    Solange… estou contigo.E te digo mais…enfim.Passei bem e estou bem, tudo porque senti ser um nacionalista. E é ali onde os tais ditos nacionalistas não estão nem querem saber.Fizeste um trabalho perfeito e todos deveriam ler este artigo independentemente de ser de um ou de outro partido e , esse lado é que está a castigar o povo de S.Tomé ao ponto dos festejos da independência de S.Tomé em Angola não se fazer sentir.Outros dizem é pobreza ou falta de dinheiro, mas digo que é uma questão de consciência e orgulho .Só aplaudimos os outros e o que eles fazem , mas os nossos…Nós estamos sem rumo a pensar que estamos certos.Os santomenses deveriam nos 40 para e pensar responder muitas perguntas do povo que na altura das eleições dizem defender e … estamos a descer vertiginosamente por causa deses três Vs mais um e este último é que … se a moda pega!!!Obrigado pela tua contribuição.

  4. img
    Nando Responder

    Vivemos numa guerra silenciosa em que a parte mais fraca (o povo)ainda nao descobriu. Eles comem tudo e nao deixam nada. Estão a nos matar, a nos enterrar ainda vivos.

Deixe um comentario

*