Destaques

Colaboração é essencial para fomentar o comércio em África

CAPE-TOWN, South-Africa, June 15, 2015/ — Líderes empresariais de todo o mundo reuniram-se na Cidade do Cabo, na passada semana, no Fórum Económico Mundial (FEM) sobre África, subordinado ao tema Passado e Presente: Repensar o Futuro de África. De acordo com Charles Brewer, Diretor-Geral da DHL Express da África Subsariana (http://www.dpdhl.com), o tema do fórum não poderia ser mais adequado dada a ascensão de África nas últimas décadas.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/dhl_logo2.jpg

Photo Charles Brewer: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/photos/charles-brewer-1.jpg (Charles Brewer, Diretor-Geral da DHL Express da África Subsariana)

Enquanto participante em vários painéis de debate na conferência, Brewer disse que, apesar de África ser uma das últimas fronteiras do crescimento económico e do desenvolvimento, os líderes precisam de determinar urgentemente qual a melhor abordagem para o progresso do continente e trabalhar afincadamente para implementá-la. Para garantir que África tem as ferramentas necessárias para manter e ultrapassar a sua atual trajetória de crescimento, os líderes empresariais, os governos e as comunidades precisarão de trabalhar em conjunto de modo a facilitar as relações comerciais.

Brewer diz que a expansão das Pequenas e Médias Empresas (PME) será um forte motor de crescimento para o continente. “A região oferece muitas oportunidades por explorar, que abrem caminho para que as PME preencham lacunas que presentemente não estão a ser colmatadas por empresas maiores. A manufatura, em larga escala, ainda está em estado embrionário em África e, como tal, existe uma verdadeira oportunidade para as PME que operam na indústria manufatureira.”

Tendo-se fixado em África em 1978, a DHL está hoje presente em todos os países e territórios africanos, e está muito familiarizada com os desafios e as características únicas do continente. Brewer afirma que o maior fator de mudança para que África se expanda será a sua capacidade de impulsionar a conetividade e o comércio intra-africano.

Refere-se ao mais recente Índice de Conetividade Global da DHL que mostrou que África é o continente menos ligado do mundo, quando se considera a facilidade de movimentação de pessoas, comércio, informações e finanças. “Todos os países africanos devem, por conseguinte, focar-se no desenvolvimento da conetividade no continente e no desenvolvimento de relações comerciais,” diz Brewer.

De acordo com um painel de debate(1) sobre o Futuro do Comércio que decorreu no fórum FEM dedicado a África, os participantes realçaram que apenas 12% do comércio total dos países africanos é feito entre si, e que o continente representa apenas 3% de acréscimo de valor no comércio global.

“África precisa de remover os obstáculos que prejudicam a facilidade de fazer negócio e de procurar incessantemente novos acordos comerciais na região, pois estes têm o potencial de impulsionar significativamente o volume de negócios. África já beneficiou de várias parcerias comerciais, tais como a Comunidade da África Oriental (CAO), a CEDEAO e o lançamento iminente da Área de Comércio Livre Tripartida.  Estes são desenvolvimentos significativos para África – e é crucial que estas relações de colaboração continuem e, mais importante, que sejam implementadas consistentemente.”

“Os governos e o setor privado precisam, por isso, de trabalhar conjuntamente para criar um ambiente sustentável e inclusivo, e de arranjar soluções para facilitar a prática de negócios e para que o ambiente empresarial prospere. Participar num fórum como o FEM sem dúvida que enriquece o nosso conhecimento, mas acho ainda mais valioso que muitos dos debates desafiem as nossas crenças e valores. Por exemplo, as sessões sobre a igualdade de género no local de trabalho, a digitalização em África e como ser uma organização socialmente responsável que transmite valores partilhados e inclusivos, reacenderam as minhas áreas de interesse. Estes pontos sempre foram prioritários para a DHL, mas é sempre bom saber como outras organizações lidam com estes problemas e aprender com eles.” conclui Brewer.

(1) https://agenda.weforum.org/news/holistic-approach-to-regional-integration-vital-for-africas-economic-development/

 

Distribuído pela APO (African Press Organization) em nome da Deutsche Post DHL.

 

 

Contacto para os meios de comunicação social:

Megan Collinicos

Diretora: Publicidade e Relações Públicas, África Subsariana

DHL Express

Tel.: +27 21 409 3613 Telemóvel: +27 76 411 8570

megan.collinicos@dhl.com

 

DHL – A empresa de logística para o mundo

 

A DHL (http://www.dpdhl.com) é a marca líder mundial na indústria logística. A família de divisões da DHL oferece um portefólio de serviços de logística sem rival, desde a entrega nacional e internacional de encomendas, expresso internacional, transporte rodoviário, aéreo e marítimo até gestão de cadeias de abastecimento industrial. Com mais de 325 000 colaboradores em mais de 220 países e territórios por todo o mundo, ligamos pessoas e negócios de forma segura e fiável, permitindo fluxos comerciais globais. Com soluções especializadas para mercados e indústrias em expansão, incluindo comércio eletrónico, tecnologia, ciências da vida e saúde, energia, ramo automóvel e comércio a retalho, um compromisso assumido com a responsabilidade social corporativa e uma presença sem rival nos mercados em desenvolvimento, a DHL está decididamente posicionada como “A empresa de logística para o mundo”.

A DHL faz parte do Deutsche Post DHL Group. O Grupo gerou receitas superiores a 56 mil milhões de euros em 2014.

Para obter mais informações: www.dpdhl.com

Imagens de stock disponíveis em: http://www.dpdhl.com/en/media_relations/media_library.html

 

SOURCE 

Deutsche Post DHL

    1 comentário

1 comentário

  1. sun bodu

    25 de Junho de 2015 as 8:40

    DHL é uma farça em Africa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo