Economia

“Bom Jesus” assiste a agonia do melhor chocolate do mundo produzido em STP

Defensor do aumento da produção agrícola para exportação. Defensor também que a produção nacional seja de alta qualidade, para conquistar o mercado internacional, Jorge Bom Jesus, ainda não conseguiu levar o discurso à prática.

Prova disso mesmo, é a situação inexplicável que vive hoje, a primeira empresa santomense de produção de chocolate. A empresa que recolocou o cacau de São Tomé e Príncipe no cimo da pirâmide de alta qualidade mundial, e se posicionou como produtora do melhor chocolate do mundo, deixou de poder exportar a sua produção.

Desde meados do ano 2018 que a companhia aérea de bandeira nacional a STP-Airways e a transportadora portuguesa TAP, deixaram de transportar cargas a partir do aeroporto de São Tomé.

Um chocolate que conquistou o mundo, da Califórnia nos Estados Unidos de América, passando pelas principais capitais europeias até Tóquio –  Japão, no continente asiático.

O nome de São Tomé e Príncipe, e o chocolate nacional, que passaram a ser marca de referência começaram a desaparecer do mercado internacional. A fábrica que produzia cerca de 6 toneladas de chocolate por ano, entrou em declínio. Cerca de 200 empregos directos e indirectos foram cancelados.

Mas, antes que acontecesse o desmoronamento da empresa agro-industrial, vocacionada para a produção do cacau e café de alta qualidade, e a transformação do produto em chocolate de altíssima qualidade, foi lançado um pedido de socorro ao Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus.

“Bom Jesus” ignorou o grito de socorro. O Téla Nón coloca a disposição do leitor a cópia da carta, que a administração da Sociedade Agrícola Santomense endereçou ao Chefe do Governo, com detalhes da situação de perigo. – Carta ao Primeiro ministro

Sem respostas de “Bom Jesus”, que não aceitou a audiência solicitada, Claudio Corallo e a sua equipa de trabalho, procurou junto a companhia angolana TAAG, solução para o transporte do chocolate de alta qualidade.

Através do aeroporto de Luanda, as mercadorias oriundas de São Tomé, acabaram por encontrar sistemas de fiscalização e de segurança aeroportuária, que correspondem as exigências internacionais. Assim o carregamento do chocolate de São Tomé, poderia seguir viagem para Europa, a partir de Luanda.

«Fomos salvos pela TAAG que aceitou carregar o nosso chocolate….Mas pelo facto de ter que passar por Luanda, os custos de transporte, armazenamento e transitários, quase quadruplicaram, e com prejuízo para a empresa. Por isso pedimos audiência ao Primeiro Ministro», referiu Claudio Corallo.

No entanto,  a pandemia da Covid-19, forçou desde Fevereiro passado, a suspensão da ligação aérea entre São Tomé e Luanda. «O produto já não chega mais a Europa. Recebemos encomenda mas, não houve mais possibilidade de enviar o produto para os distribuidores…», explicou Claudio Corallo.

A suspensão dos voos da TAAG, acabou por ser o golpe fatal. O projecto de produção e valorização do cacau e do café pura origem de São Tomé e Príncipe, no mercado internacional, iniciou-se no ano 1992.

Claudio Corallo(na foto) liderou a cooperativa que em 1997, começou a produzir café na Roça Nova Moca na ilha de São Tomé, e Cacau na Roça Terreiro Velho na ilha do Príncipe.

Uma produção de alta qualidade no campo, que era transformada em produto de valor acrescentando na primeira fábrica de chocolate, montada em território santomense. Uma marca que ajudou a projectar São Tomé e Príncipe, como destino turístico de excelência.

Um projecto que conquistou o mundo, e colocou São Tomé e Príncipe na boca do mundo. Um projecto de desenvolvimento agrícola sustentado, que foi homenageado pela Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe. O leitor pode conferir a homenagem feita pelo malogrado Presidente da Assembleia Nacional, Francisco Silva – Presidente_Assembleia_Nat.

O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca de visita a São Tomé no ano 2015, degustou a qualidade do cacau e do café de São Tomé e Príncipe, na fábrica localizada na marginal 12 de Julho. O Presidente de Cabo Verde, destacou a qualidade do projecto e da sua produção. O leitor pode conferir tudo na carta escrita pelo Presidente de Cabo Verde. – Presidente_CaboVerde (3)

A fábrica do melhor chocolate do mundo, está em agonia, porque São Tomé e Príncipe, e os seus dirigentes ainda não conseguiram criar as estruturas básicas, nomeadamente de segurança aeroportuária, para garantir a prestação de serviços entre o país e o mundo.

Um facto que prova mais uma vez, que a tão propalada politica de transformação de São Tomé e Príncipe, numa placa de prestação de serviços no Golfo da Guiné, para servir o mundo,  não passa de uma simples miragem, uma ilusão, uma autêntica alucinação distante da realidade.

Abel Veiga

    24 comentários

24 comentários

  1. Rapaz de Boa Morte

    14 de Outubro de 2020 as 22:09

    O artigo é interessante mas sejamos realistas . Não cabe a mim atirar pedras a quem seja , mas em 2016 , apresentei um business plan para a segurança aeroportuária com investimentos directos e imediatos com fundos próprios na ordem de centenas de milhares de euros em equipamentos, que foi negada sem justificação ou seja sem resposta, talvez porque neste não estava contemplado usando uma expressão angolana “ as gasosas “ . Cada povo tem os governantes que merece . Como dizia um velho jornalista : Sejam felizes

    • Ralph

      15 de Outubro de 2020 as 6:46

      Os políticos, de forma geral, só querem agir quando se trata de receber dinheiro em troca, de ajudar os seus amigos e familiares ou de ganhar votos do eleitorado. O interesse do povo não importa para essa gente. É a natureza triste da política.

  2. Nada haver

    14 de Outubro de 2020 as 22:23

    JBJ estas a dar barra nesses gajus isso só deve ser que não esta entrar nada no cofre de estado, e mesmo isso meu cota lhes falas que nós não estamos haver nada desse bom nome que si diz na nossa conta bancaria, abri olho meu cota, eu estou a gosta yha.

  3. Andorinha

    14 de Outubro de 2020 as 23:23

    No que tange a Jorge bom Jesus trata-se de um indivíduo mentiroso e ilusionista mentiu iludiu para chegar ao poder e só esta a ficar gordo ele mas os camaradas não cumpriu nada que prometeu a energia e água continua uma lástima veio a folha de prêmios na direção das pescas é uma vergonha e ele faz de surdo e mudo tal como o relatório do Tribunal de Contas das pontes de água grande.
    E no que tange a economia robusta ja sanunca só mesmo cara dele que esta robusta.

  4. Lugido

    15 de Outubro de 2020 as 3:14

    Sempre achei essa governação uma farsa. Como é que é possível recusar uma audiência de um empresário desses Jorge! Tudo isso prova que o país está a sua sorte. Só ajudam empresários que dão comissões. Por isso é que há muita corrupção no país e os que não aceitam fazer jogo sujo são marginalizados.
    Muito bem Abel continua com as denúncias.

  5. Ralph

    15 de Outubro de 2020 as 6:10

    Que tristissima história é essa. Sendo australiano e fã de chocolate de origem santomense, comecei a ficar um pouco preocupado há umas semanas atrás quando fui à minha cadeia preferida de chocolate mas não pûde encontrar nenhumas unidades dos blocos de chocolate de origem santomense. Perguntei ao empregado o que foi que tinha acontecido e ele respondeu-me que a cadeia não podia obter o produto recentemente, elegendo por substituir os blocos de origem santomense por blocos de chocolate de origem Belize (na América Central). Esta cadeia estocava a linha de chocolates há vários anos e fiquei chocado ao descobrir que decidiu não continuar a fazê-lo. Ainda há outra loja de chocolates na qual posso obter chocolate de origem santomense, mas receio que mesmo eles vão começar a ter dificuldades, dado os problemas referidos neste artigo. Espero que a situação se corrija em breve.

  6. El Santo..

    15 de Outubro de 2020 as 8:37

    O produto nao pode ser exportado via maritima??

    • Toni

      15 de Outubro de 2020 as 18:12

      O chocolate tem que ser expedido via aérea trata se de um produto muito deteriorável com alterações de temperatura, por isso na Europa só é consumido de outubro a abril.
      O problema é que Stp não tem autorização para fazer carga aérea, por não ter condições no aeroporto nem ter controle das mercadorias.

      Como país do terceiro mundo acaba por ter estes constrangimentos.
      É assim que Stp tem sido governado, e depois querem desenvolver a agricultura…..

    • semedo

      16 de Outubro de 2020 as 11:32

      Desculpa a pergunta, por acaso tem conhecimento do que é carga perecível (carga perecível é a carga composta por produto passível de deterioração ou composição que exige condições especiais de temperatura e/ou arejamento para manutenção de suas características orgânicas.)
      Talvez isto responda a questão!

  7. Manuel Aragão

    15 de Outubro de 2020 as 8:41

    Este Governo farta-se de derramar lágrimas de crocodilo. Chora, chora, mas nada de concreto é feito. Quando criticas tudo de mal que eles estão a fazer, vem logo os lambebotas justificarem, que não estão a fazer porque o governo anterior não fez. Até parece que este governo é uma emanação do governo anterior.
    Diz-se que a STP Airwaises é uma companhia nacional, com Conselho de Administração presidido por um nacional mas que não é capaz de defender as causas nacionais.
    A empresa de chocolate não está a pedir boleia para transportar a sua carga. Ela paga pelo transporte de cargas. Porque é que não deixam transportar os chocolates. Mas por sua vez, os cambalachos são feitos no aeroporto toda a semana, para transporte de fruta pão, vinho de palma etc.
    Este governo está a gabar que está a construir uma nova fábrica de chocolates que vai produzir milhares de toneladas para o mercado externo. Será que o senhor Jorge Bom Jesus irá levar os próximos chocolates a serem produzidos por sua fábrica no seu carro para exterior, ou vai levá-lo na cabeça. Senão,isto é mais uma propaganda para fazer o burro dormir.
    Em vez de fazerem coisas concretas, andam a publicitar porcarias, tais como Zona Franca no Sul de S.Tomé, com hospitais de referência, Universidades de referencia etc. etc.. Se não conseguem manter um pequeno hospital que existe no país, já estão a pensar nos hospitais no sul no norte etc. Até parecem destas coisas que quando as pessoas caem de madeira e começam a falar von von.
    Pelo menos o Governo anterior que criticam tanto, fez algumas coisas visiveis. Levou água e energia para mais de 70% do país. E na altura vocês diziam que água e energia não era nada. Se não fosse a ingratidão deste povo, hoje já teriamos o Hospital Central a ser reabilitado. Mas depois de 2019 tudo ficou para trás.
    Mas bem feito. Diz-se que cada povo tem os governantes que merecem.
    Santomenses dizem: Muclucu fé xinte êlê só quiê son plimelo.
    Caro Claudi Corrales. Não te stresses e mantenha sempre a tua esperança. Os bons dias irão vir. O Povo reconhece o esforço que fizeste para por o bom nome do nosso país no alto ao nível internacional.
    Algumas pessoas podem dizer que não pagavas imposto. Se não pagavas a culpa não é sua, pois existem órgãos que deveriam ocupar disto. Mas o papel do Governo é apoiar todas as empresas privadas nacionais
    Bem Haja

  8. Madiba

    15 de Outubro de 2020 as 9:37

    Caramba heim! É preciso ver para crer. Só em S. Tomé e Príncipe. Os governantes são obrigados a ouvir a sociedade civil. Quem não entende isto, não pode aspirar a ser político e acima de tudo democrata!

  9. mesada

    15 de Outubro de 2020 as 14:53

    Vejo que este governo conseguiu tudo o queria: acabar com a oposição, calar o ministerio público, calar o Tribunal de Contas, calar os tribunais judiciais, receber muito dinheiro de exterior onde vai gastar sem fiscalização. Jorge Bom Jesus conseguiu o “Bom Doxi” desse País. Agora falta calar sindicato de jornalistas onde tudo já está a ser preparado para não fazerem mais barulho. Acham isso democracia? Não será que estamos a dirigir para uma ditadura disfarçada?

  10. Alligator

    15 de Outubro de 2020 as 16:00

    E depois vêm com essa “baléla” que o país não produz nada, não exporta nada, claro está, se alguém que queira fazer algo não encontra apoios necessários de quem de direito; só sabem é aparecer na comunicação social com discursos bonitos, cheios de palavras difíceis que mais não passam de conversa para fazer “boi dormir” e entreter o povo, povo este também que não há meio de emendar-se, povo cujo o “couro” não dói, apanhando nos “cornos” há 45 anos e não aprende.Mas alguém já disse e com toda a razão,” cada povo tem os dirigentes que merece”.

  11. Humberto Santos

    15 de Outubro de 2020 as 20:51

    Em vez de grandes alaridos, seria bom percebermos, o que é que essa tal venda do nosso famoso chocolate pelos 4 cantos do mundo, representa como contribuição para o tesouro público nacional.

    HS

  12. Tomas Mendonça

    16 de Outubro de 2020 as 14:22

    Honestamente, creio que todos os governantes que passaram por São Tomé e Príncipe desde a independência, nunca souberam tirar proveito das reais riquezas do país. Não sei se é por falta de competência ou má fé, mas quero acreditar que seja por falta de competência. Mas o mais triste é a falta de educação dos nossos dirigentes em não saberem responder as cartas e iniciativas. Isso é mesmo lamentável, imoral. Espero que comecem a corrigir esse mau comportamento porque não é a primeira,… nem décimo caso.

    Um bem haja

  13. Al

    18 de Outubro de 2020 as 18:39

    This is beyond sad. In a world where the food industry cut corners and compromise quality for profit, Claudio Corallo stands as the farmer and protector of the best quality chocolate in the world, and the world is lucky to have him. It goes without saying that 2020 has rocked the world and knocked us off balance, but if the government is foolish enough to sit back and watch Corallo and everything he’s built crumble, then perhaps we don’t deserve Corallo. All I can say is please do not rob us of this treasure.
    -Al from Palo Alto

  14. antonio martins

    20 de Outubro de 2020 as 0:47

    boa noite
    este governo através do ministro Abreu roubou me expropriou o que era meu e tinha investido com licença ate ao ano 2034 a central do agostinho neto, que este povo tem energia ainda hoje gracas a equipamentos meus assim como a linha de transporte de energia que eu tinha construído, tendo este ministro aldravão vigarista ter dado o que era meu a outros e ate hoje nunca ninguém de são tome quis saber quanto tinham de me pagar por terem arrombado e tomado conta da central
    quando um pais trata quem investe tempo em dinheiro desta maneira, so resta uma coisa
    que sejam felizes com o que roubaram.
    o povo não tem culpa da porcaria de alguns políticos que esta a governar.
    o tempo de a comunidade internacional dar de graça esta chegar ao fim
    nessa altura quero ver como vai ser do povo de são tome
    os políticos fogem mas estão bem governados
    o povo vai passar fome
    isso ninguem quer saber

  15. jfernandes

    22 de Outubro de 2020 as 19:02

    Apenas traduzi para facilitar
    a leitura em portugues

    Isso é muito triste. Em um mundo onde a indústria de alimentos corta cantos e compromete a qualidade pelo lucro, Claudio Corallo se destaca como o agricultor e protetor do chocolate de melhor qualidade do mundo, e o mundo tem a sorte de tê-lo. Nem é preciso dizer que 2020 abalou o mundo e nos desequilibrou, mas se o governo for tolo o suficiente para sentar e assistir Corallo e tudo que ele construiu desmoronar, então talvez não mereçamos Corallo. Tudo o que posso dizer é, por favor, não nos roube este tesouro.
    -Al de Palo Alto

    • Al

      25 de Outubro de 2020 as 1:55

      Obrigado!

      -Al de Palo Alto

  16. Giovanni

    25 de Outubro de 2020 as 1:27

    Such a shame that the global community has been denied access to such a wonderful product. In the U.S., a small shop in Palo Alto was the only source of Claudio Corallo chocolate. Now, it cannot even be imported at all because of government incompetence. It is already bad enough that this global pandemic has stolen our freedom, now we are losing our chocolate, too.

  17. Betty

    25 de Outubro de 2020 as 1:44

    This is a tremendous loss for me! I met Claudio Corallo at his shop in Palo Alto, California. He was a very nice and wise man. Whenever I open a box of his chocolate, I smell the air of Africa and it makes me want to travel to São Tomé and Príncipe. Now I know why the shop is empty. For those who are interest in tasting the best chocolate in the world, here is a link to Claudio’s shop in Palo Alto, CA: https://www.yelp.com/biz/alegio-chocolaté-claudio-corallo-palo-alto?osq=alegio

  18. Cleopatra

    26 de Outubro de 2020 as 21:20

    Such a shame…. this excellent chocolate is no longer available in the US!! Hope the situation resolves soon and the best chocolate in the world is back on our shelves!!

  19. Karen

    27 de Outubro de 2020 as 14:50

    Claudio Corallo’s chocolate is by far the best on earth. Nothing comes close. Our family has been eating no other chocolate for years. His chocolate is something we looked forward to every evening. It was a pleasure in our lives. We miss it greatly.
    This is a tragedy for Claudio Corallo and all the people who work for him, including the wonderful people at the Alegio Chocolate shops in Berkeley and Palo Alto. It is hard to believe that in this day and age São Tomé and Príncipe cannot manage to provide basic services to a world-renowned company. Shameful.
    South Orange, NJ

  20. Birte

    21 de Novembro de 2020 as 19:32

    Dear Sir,
    I’m so sad reading this. Claudio’s chocolate made me understand what real cocoa is about, and since then it became my absolute favorite. Also the islands, which I had the pleasure to visit, are of stunning beauty. That situation is such a waste and I do not understand why the Prime Minister does not understand the importance of company’s with that state of excellence. Claudio is the best ambassador of the island and puts this unknown tiny country on the palate of the world. I hope that the situation will rapidly evolve positively.
    Paris, France

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo