Política

MLSTP diz que o OGE para 2012 não traz qualquer novidade

O maior partido da oposição, realça as viagens “infinitas” do Primeiro Ministro que ao contrário do prometido, não contribuíram para alimentar o OGE para 2012, que segundo o partido continua a depender dos financiamentos angariados pelos anteriores governos. MLSTP através do seu líder parlamentar José Viegas(na foto)avança com uma série de questões de fundo, para mostrar que não concorda com o OGE de 2012.  

INTERVENÇÃO DO LÍDER PARLAMENTAR

Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Excelência

Senhor Primeiro – Ministro, Excelência

Senhora e Senhores Membros do Governo, Excelências

Caras Deputadas

Caros Deputados.

Quero com devido relevo apresentar as minhas cordiais saudações à todos e aproveitar esta particular ocasião para saudar efusivamente o povo de São Tomé e Príncipe merecedor de todo o nosso tributo.

Hoje nos predispomos a um importante exercício legal e regimental e impende sobre todos a

necessidade de conjugação de esforços para a melhoria das condições de vida do povo de S. Tomé e Príncipe, único e exclusivo destinatário das conquistas que o país for alcançando. infelizmente a vida dos cidadãos está cada vez mais defícil.

Caros deputados,

Lamentavelmente, salvo algumas excepções, estamos diante de um governo que elegeu arrogância e desrespeito à Assembleia como a linha essencial da sua actuação.

Senhor Primeiro Ministro,                                                                                                                                                                                                                                                                                  

Seria de todo gratificante que ao lançarmo-nos neste expediente legal, pudéssemos sentir de vós a tão propalada disponibilidade de diálogo, actualmente ausente em muito dos seus  actos. A prova mais patente foi-nos recentemente dada pela ausência irresponsável da parte do tutelar do sector da comunicação social que de forma acobardada se refugiou no silêncio e laconismo das disposições regimentais, desperdiçando uma oportunidade impar de reflexão sobre a Comunicação Social em São Tomé e Príncipe.

Excelencias

O MLSTP/PSD, Partido comprometido com o povo de São Tomé e Príncipe e igualmente representante de uma parte significativa da vontade popular está atento as manobras de manipulação e demagogia que é marca notória do actual governo. Importa afirmar que depois das inaugurações dos empreendimentos feitos e deixados pelos governos anteriores, o verbo do actual Primeiro Ministro  se conjuga na forma  “iremos fazer”. Pois tendo decorrido mais de um ano, não há sinais evidentes de imaginação, com respeito a algumas excepções .

Senhoras e Senhores deputados,

Chamo a vossa atenção para o exercício cabal das vossas atribuições. Importa relembrar que o papel da Assembleia é de fiscalizar a acção governativa, papel que poderá ser pervertido pela inércia da bancada que sustenta o governo, resumindo-se a uma câmara sem opinião e de registo, funcionando como mero apêndice do poder instituído.

Ao bramir aqui a necessidade de sermos efectivamente parlamentares é preciso ter em linha de conta que a Constituição Política fixa os princípios de relacionamento institucional não devendo ser evasivo ou atentatório o poder fiscalizador desta augusta Assembleia. É preciso que todos sejamos exímios no exercício do poder de que somos detentores. Ora, é nesta qualidade que devemos ter um papel interventivo na protecção do interesse geral e na melhoria das condições de vida das nossas populações.

 Não podemos desperdiçar a oportunidade para chamar a atenção da necessidade do cumprimento e respeito escrupuloso dos direitos e liberdades individuais pois que perante o imperativo da restauração da autoridade do Estado se possa resvalar na profunda violação das garantias e direitos consagrados constitucionalmente aos cidadãos.

Senhor Presidente,

Senhor Primeiro Ministro,

Senhora e Senhores Membros do Governo,

Caras e caros Deputados,

A discussão das Grandes Opções de Plano e do OGE acontece num momento em que o mundo regista constantes mudanças e algumas bastante conturbadas, não dispondo de solução a vista para a crise profunda e multifacetada que dilacera as grandes economias do mundo.

Ora, é deveras preocupante como o Governo se referindo a amplitude da crise não tem vindo a tomar medidas sustentáveis e concretas para prevenir as repercussões desta, contentando-se a paliativos.

Pois vejamos: Priorização das politicas de investimento para o crescimento económico.

 O que significa um orçamento próximo do realista? É preciso saber em que água vai-se navegar?

A argumentação do crescimento económico de forma realística (que sector real da economia participará ou concorre neste crescimento).

Medidas de alargamento da base tributária deve proporcionar maior articulação com as politicas sociais e de redistribuição de riquezas.    

Agricultura, pescas_21% do OGE

E turismo?

 20% do OGE- Transportes e Comunicações

 9% do OGE para Energia

E sectores que concorrem para a garantia da autoridade do Estado ?

A situação gritante da diáspora e as medidas de politica externa a serem adoptadas no fórum da diáspora?. Achamos que deviam ser criadas condições para que os cidadãos da diáspora possam dispor de passaportes actualisados.  

O aumento constante de preços reflecte-se na diminuição de poder de compra das populações.

Autorização ao credito externo – artigo 7º

A  primeira  coisa que nos salta a vista no seu OGE é a redução abismal. Se em 2011 apresentaram um OGE na ordem dos 127 milhões de euros, neste ano temos cerca de 116 milhões. Mais ainda, tinhamos em 2011 um PIP programado de 92 milhões de Euros ( e talvez cheguemos a uma execução efectiva de 50%), enquanto para o  ano ( 2012)temos  72 milhões de euros. 20 milhões a menos!. E se seguirmos na mesma prespectiva de executar 50%, teremos um pouco mais de trinta milhões de Euros de PIP executado no fim do ano, de 2012, o que sera catastrófico para o nosso desenvolvimento.

( Fazemos essa analise em euros porque a paridade cambial com a nossa dobra facilita-nos fazer uma analise coerente e menos enganadora dos numeros).

Porquê dessa tamanha redução do OGE?  Entao. sr Primeiro Ministro, em que ficamos? O senhor disse durante a aprovação do OGE 2011 que”…O País não pode permanecer enclausurado, só no Golfo da Guiné, ou nas malhas das solidariedades clássicas. .. não pode esperar que o procurem, …e declarem o seu interesse por ele, à vista de uma simples foto pela Internet. ..é absolutamente necessário viajar. É para nós apenas e tão-somente uma questão que se resolve com uma análise de custos/benefícios”. Pois  bem, neste momento   a balança pesa para que lado sr PM? Para o lado do custo ou dos beneficios?

Quais são esses beneficios? O que é que o sr conseguiu das infinitas viagens que fez? Nada!  E quanto aos custos? Quanto custou esse infinito numero de viagens em aviões privados? Esse valor está registado como despesa corrente do OGE 2011? Qual foi o doador que financiou? Acreditamos que não estejam registadas, o que quer dizer, que os numeros de execução orçamental que nos apresentaram são falsos. Não dizem toda a verdade. Todas as despesas a título do Estado, tem que ser registadas. Assim dizem as  leis de finanças. O valor da dívida do estado para com a Enco está resgistado? E o valor da dívida da EMAE para com a Enco? Portanto, sr. Ministro das Finanças, recalcule o saldo primario que nos apresentou, sr ministro!  So assim se cumpriria uma partezinha de um dos seus objectives do GOP 2011- “Credibilizar a classe dirigente para uma boa governação”;

Do nosso ponto de vista a baixa taxa de execussão deveu-se a fraca capacidade de mobilização de recursos financeiros e fraca capacidade organizacional e Institucional interna para lidar com os procedimentos dos nossos parceiros.

  • Diz-se que em 2009 a economia cresceu em 4% ( pag )  no site do INE vemos que foi 4.8%. E o INE é  uma instituição  governamental credenciada para o efeito. Afinal quem tem razão, ou melhor qual dos numeros está  certo ? Ou sera que utiliza-se os numeros de acordo com as conviniencias? Tentei  adequar a  discordancia de numeros nas  suas opções  de politica de 2011, mas nao consegui. Ajude-me sr PM.
  •  Diz o documento que nos apresentou que houve uma redução de investimento directo externo (IDE) e de remessa de emigrantes, ( pag 17). Por outro lado a execução do PIP não foi boa. Entretanto o PIB   sera de 4,9% em final de 2011? O que e que sustenta esse crescimento?
  • Basta olhar qualquer jornal economico estrangeiro para entender que o quadro economico global não melhorara em 2012. Isso sugere a continuação de redução do investimento directo externo (IDE)em STP.A isso se adiciona  uma redução significativa do PIP 2012 (com 20 milhões de Euros a menos). E mesmo assim  estão a prever que  a economia vai crescer 5.5%? Como?.Esses  numeros estão fundamentados em quê?
  • A politica salarial levada a cabo pelo seu governo é obscura. Não se sabe quem ganha e  quanto ganha? Durante a discussão do OGE 2011, o sr M. Finanças disse  que o aumento da massa salarial que previam no OGE ( 10%) era para as promoções e para “…fazer um aumento só no regime geral e não afectá-lo aos regimes especiais, directivo e político…”. Ficamos durante o ano todo a espera que o governo submetesse  a A. Nacional a proposta de lei para a alteração dos salarios, tal   como a lei obriga, e todos os governos sempre fiseram . Mas não vimos nenhuma proposta de lei.

 

  • Houve ou não houve aumento salarial? Se sim na base de que lei? Se não, porque infringiu a lei? E quem paga por isso?
  • Quando olhamos para a execução orçamental, reparamos que as despesas programadas ate foram sobrecumpridas, ou seja, foi pago mais do que programado! O que é isto? Onde é que estamos?O que é que se passou? Qual foi a fonte de financeamento?
  • A alinea (a) do artigo n3 da lei número 1/2011 ( lei do OGE), define o tecto para as despesas correntes. Diz a lei SAFE que não pode haver sobrecumprimento do plafond orçamental. Quando as necessidades o exijam deve-se fazer um orçamento rectificativo, ou seja uma lei para alterar a lei inicial. ( como se fez em dezembro de 2008, para pagar despesas com agua e energia). O artigo 35 da lei 3/2007 ( safe) e o artigo 16 da lei 1/2011, esclarece como isso deve ser feito.
  • . Para que serve a lei sr primeiro ministro? Para que serve estar aqui a discutir? Diga-nos quem deve ser punido de acordo com o estatuido no  artigo 72 “Regime de Responsabilidade”da lei 3/2007 (safe)- “.?
  • Não temos a execução detalhada do PIP ( por projecto) por isso pedimos que nos ilucide sobre o seguinte: Os investimentos feitos este ano na Doca estão refletidos na execução do PIP? Quanto sabemos, a Doca é patrimonio do Estado (porque não foi vendida), não foi arrendada nem existe nenhum acordo de parceria publico/ privada para a sua exploração. Sendo assim, parece-nos que qualquer investimento feito nela é um investimento publico. Por isso queremos saber quem é esse novo doador e quanto nos doou em 2011 para essas despesas?

 

  • Estivemos a ver as fontes de financiamento do OGE 2012. Estavamos a contar com novidades-os tais novos parceiros sobre os quais tanto  ouvimos o Sr. Primeiro Ministro falar mas não vimos! No OGE 2012, nenhuma inovação. São todas fontes que ja estavam. Como ja dissemos, parece que as viagens devem estar a dar beneficios,  não para o Estado, nem para os cidadãos comuns. 
  • A ONU acaba de publicar o Indice de Desenvolvimento Humano  dos diversos paises, e STP baixou consideravelmente de lugar. Dos aspectos que estiveram em  desfavor do nosso pais, a saude teve grande peso. Perante esse facto, o tratamento que esse sector teve nesse OGE 2012 é desolador! Como queremos garantir um desenvolvimento sustentado com esse nivel de atenção Dado à saúde e à Educação?

Muitas das acções enunciadas nas Grandes Opções do Plano não têm qualquer enquadramento orçamental no OGE/2012. É do conhecimento público que vai-se realizar o Recenceamento Geral da população e da habitação em 2012, inclusivé tinha sido incluido no OGE 2011, no entanto não é feita qualquer referencia quer nas Grandes Opções do Plano quer no OGE. Que atrapalhada essa?

As dotações orçamentais atribuidas aos sectores da Educação (8%) e Saúde (11%), não reflectem os engajamentos assumidos pelo estado.  

A lei n2/2011- grandes opções do plano – constituem “…o compromisso do XIV Governo Constitucional, com a Nação são-tomense, é de mudar São Tomé e Príncipe, mediante uma estratégia que visa mobilizar toda a sociedade são-tomense e os parceiros de cooperação para os grandes desafios de desenvolvimento sustentado e da conquista do bem-estar para os são-tomenses.”  «Bleff e falacioso»

Estivemos a fazer uma breve rezenha das opções de politica que  foram programadas nas  Gop 2011 e o seu respectivo cumprimento, e chegamos a conclusão de que numa classificação de zero a dez ( 0-10), teriamos o seguinte quadro:

-Credibilizar a classe dirigente para uma boa governação….zero ;

– Crescimento económico para mais e melhor emprego….zero ;

– Organização e coesão nacional….zero ;

– Reforço da autoridade do Estado….zero ;

Perante esse resultado, entendemos porque é que o sr Pm, não  fez no seu discurso, nenhum balanço de cumprimento do GOP.

Perante as questões aquí colocadas, perante as constactações feitas neste orçamento. Será da nossa parte muita incoerencia não exigir um documento melhorado.  

Não podemos e não estamos a exigir que se aumente o plafond, até porque entendemos a complexidade que comporta hoje a disponibilidade dos nossos parceiros. O que dizemos  é que é anadmissível aceitar um Orçamento com despesas concentradas nos Gabinetes, que no mínimo são muito duvidosas e não respondem  os propósitos do desenvolvimento nacional. Isso deve merecer um novo trabalho de base para colher a nossa aceitação, sob pena de estarmos a ser complice de irresponsabilidades.   

Senhor Presidente da Assembleia Nacional,

Senhor Primeiro Ministro,

Senhoras Deputadas,

Senhoras Deputadas

O povo de São Tomé e Príncipe aguarda com expectativa medidas concretas, soluções visíveis aos problemas que ensombram o seu quotidiano. Este orçamento não traz inovações para estancar a pobreza que assola o país. O MLSTP/PSD não se revê no mesmo e agirá em consequência.

Tenho Dito.

´s.

    30 comentários

30 comentários

  1. Santomista

    2 de Dezembro de 2011 as 13:06

    Sr. Jornalista,
    Espero que o senhor publique o meu comentário.
    Eu não sou jornalista, mas sou um “consumidor” das notícias aqui expostas pelo senhor. Neste caso, em nome de um bom serviço de jornalismo, não fica bem o senhor estar a cansar os leitores com a cópia dos discursos proferidos por quem quer que seja. O Senhor deveria ler os discursos, interpretá-los e resumi-los para os leitores! O discurso na íntegra poderá constar no anexo para quem estiver interessado em lê-los na íntegra.
    Obrigado.

    • maiker

      13 de Dezembro de 2011 as 18:16

      a senhora tem preguisa de ler. O jornalista publicou o descurso feito pelo lider parlamentar do MLSTP, a senhora não gosta de ler.Não culpa o jornalista por cansaso.O jornalista fe o seu trabalho.

  2. Helves Santola

    2 de Dezembro de 2011 as 13:47

    *passaportes actualisados (Actualizados)
    *e todos os governos sempre fiseram (fizeram)

    Despesas públicas, a dor de cabeça de qualquer país. É difícil administrar o que não é só nosso…. a política é um dos trabalhos mais complicados de se fazer e a facilidade com que se leva os vícios na nossa vida pessoal para a administração pública é enorme.

    8% para educação e 11% para saúde… não sou perito na matéria, mas me parecem ser parcelas muti pequenas….. a educação merece mais atenção…a saúde está logo atrás!!

    Se temos tantos problemas financeiros, porque não reduzir os salários de pessoas que recebem salários gigantescos provenientes de recursos públicos (políticos)?? Eu nunca ouvi falar de algo parecido com redução de salários dos que ganham muito sem fazer nada e aumento dos que trabalham todos os dias, como professores e profissionais da saúde.

    A má fé persiste no país e os sucessivos governos cometem os mesmo erros. Quais, eu não sei, sou um leigo na matéria, mas tenho a certeza de que o país ainda está no estado em que se encontra por incompetência e má fé da classe política….. por causa disso, a população perdeu as esperanças e só vive para o presente, o estado não oferece condições para que o santola sonhe…. cada dia em STP é uma batalha, um pesadelo, até quando sairemos desse abismo?????

  3. Santomista

    2 de Dezembro de 2011 as 13:48

    Eu concordo plenamente com a classificação feita pelo Sr. José Viegas.
    Ora vejamos:
    1. “Credibilizar a classe dirigente para uma boa governação….zero ;”
    Boa classificação. Sr. Viegas, por acaso no fim do mandato do seu MLSTP/PSD, ou melhor no fim do mandato do governo do Sr. Rafael Branco a classificação para Credibilização da classe dirigente para uma boa governação era de – 8 (menos oito), e para atingir a nota de zero em menos de dois anos é muito positivo.
    2. “Crescimento económico para mais e melhor emprego….zero ;”
    Quanto ao crescimento económico, também faz sentido a sua classificação. A nota ao principio do mandato deste Governo era de – 5 (menos cinco) e agora já se encontra no ponto de equilíbrio, que é a nota zero. Nada mal!
    3. “Organização e coesão nacional….zero ;”
    Mesmo apesar das trafulhices e politiquices que a oposição tem estado e implementar, houve uma melhoria considerável no que diz respeito a organização e coesão nacional. Com o anterior governo, o seu governo, a avaliação era de – 7 (menos sete). Chegar a zero em pouco tempo de governação, é obra!
    4. “Reforço da autoridade do Estado….zero ;”
    Sem falar dos boicotes de toda a oposição, porque a maioria da classe política não quer o País organizado. O País em caos lhes dá mais jeito para as suas artimanhas e com o aperto de cerco que tem transformado os fins de semanas de algumas pessoas cinzenta e sem cumbu alheio, claro que houve uma melhoria. Evoluímos de – 10 (menos dez) para zero. Bravo!

    Já agora, seguindo esta senda de avaliações, permita-me fazer uma avaliação:
    Actuações do Líder Parlamentar do MLSTP/PSD: NOTA ZERO.
    Justificação:
    a) Confundir politica com politiquices
    b) Não ser humilde
    c) Não saber estar na oposição
    d) Ser prepotente
    e) Não contribuir para o desenvolvimento do País
    f) Contribuir somente para criação de instabilidade e caos
    g) Pensar que somente o MLSTP/PSD sabe e pode governar o País – Se fosse verdade, STP já seria a Singapura da África.

    HAJA MUITA PACIÊNCIA…

    • António Veiga Costa

      2 de Dezembro de 2011 as 15:43

      Gostei, gostei, gostei do que o amigo disse.
      Confundem política com politiquices. Políticos do PCD e MLSTP se acham os únicos capazes de governar o país, mesmo depois dos anos passados que estão aí para provar o contrário.

    • Tito

      5 de Dezembro de 2011 as 10:36

      Inteligente análise.
      Bravo Excelentíssimo Sr. PM. e o seu elenco governamental. Força, os senhores estão em caminho certo. Continuam trabalhando, já conseguiram trazer STP para o ponto de partida, ou sendo a “nota zero”, segundo a classificação do MLSTP/PSD. Força, acredito que até o final do ano 2012, o povo santomense te dará notas positivas.
      Há uma musica santomense que diz: chipanzé volô macacú cumá ê sâ fê, lha macacú li dá queblá… supebô, supebô…
      Esperemos do avaliador José Viegas, que ele tenha a honestidade e atribuía uma nota a governação tanto do MLSTP como do MLSTP/PCD. Alias isso nem é preciso, porque nas urnas, o povo santomense já fez esta avaliação. Em democracia o poder de classificar cabe ao povo e não a um grupo de malandros, competentes de corrupção, de desvio de fundos ….

  4. Calibre-12

    2 de Dezembro de 2011 as 14:25

    É verdade sim. Já op disse, esse orçamento não traz qualquer novidade. mais do que isso, esse orçamento é mais complicado que uma conta de multiplicação com o objectivo, certamento de confundir um punhado dos nossos deputados (sem insulto nenhum) que não entendem patavina desse assunto.

    • JB

      2 de Dezembro de 2011 as 21:02

      Senhor Calibre-12,concordo realmente consigo quando diz(sem insulto nenhum) que um punhado dos nossos deputados nao entendem patavina do assunto.Deixou-me entender que o senhor melhor entende das contas de mutiplicacao,por isso eu gostaria que o senhor podesse fazer um grande favor aos demais leitores propocionando-nos respostas as diversas questoes relacionadas com o OGE actualmente em discusao.
      Pretendemos saber:
      – Quem sao os financiadores e qual e/sera o montante ja que na proposta esta e uma das grandes contradicoes;
      – As despezas com as constantes viagens do PM e o seu executivo, esta inscrito nas despesas do Estado?
      – Quais os lucros e os prejuizos que o povo Saptomense tem tido com esssas sucessivas viagens?
      – Quanto o senhor PM ja trouxe para o pais com essas suas viagens?(lucro)
      – Quanto tem sido o prejuizo sofrido com essas mesmas viagens,inclusive am abioes privados.
      – Quem sao os privados que tenhem posto a disposicao do senhor PM os tais avioes.Pois como sabemos ninguem da ninguem nada de graca podendo essas accoes trazer beneficios ou prejuizo ao povo Saotomente a curto ou longo prazo.
      – Que accoes concrectas esse governo ja desenvolveu em cumprimento das promessas feitas durante a campanha?
      – Houve ou havera aumento salarial?Se houve como e porque a AR nao foi informada e nem se criou uma lei para os devidos efeitos como deveria ser por regra?
      – No tocante ao turismo e pesca a que se faz referencia nas grandes opcoes do plano, que Ministerios irao tutelar as tais actividades? E a agricultura?
      -Infelizmente nao temos um Ministerio de Agricultura,pesca e turismo porem temos um Ministerio de Assuntos Parlamentares e Descentralizacao. Sera que esse Minsterio traz mais beneficio ao povo Saotomense?
      Ou sera uma forma de criar taxos as cores partidarias? E desta forma que pretende esse governo cortar nas despezas publica?
      Fui

      • Olga

        4 de Dezembro de 2011 as 21:59

        JB e outros que defendem a oposição desculpem responder, podem ter razão em algumas coisas …mas não nos trata de tolos… é bom fazer a oposição sim o que não é bom, é estar sempre a deixar o governo cair para tirar proveito disto…. criticam sim a oposição mas sem instabilidade…porque quando o senhor José Viegas vem dizer por exemplo das multiplas viagem de PM ,,,,eu respondo porque que quando MLSTP estava no poder diversos ministro viajavam de lazer…e eles não faziam nada… até o povo diz “tempo de MLSTP eles roubavam e deixava pra os outros….Isto é que é trabalhar bem….. Viajavam diversos ministro para visitar estudante sem nenhum objectivo …. isto é trabalhar bem… põe mão na conciência que não é desse jeito que podem regressar ao poder…Gostaria que a vossa critica fosse mas objectiva….Aprendem com o erro. Não podem estar fora de poder a menos 4 anos….

        • JB

          5 de Dezembro de 2011 as 22:28

          Senhora Olga,pelo visto nao leu bem o que escrevi ou se leu e bem nao teve a capacidade de compreender com objectividade.Eu em momento algum defendi a oposicao e a minha poniao venho apenas como formo de responder sobre a oponiao de um colaborador que deu-me a entender que ainda estavamos no regime do partido unico onde tudo se fazia e e todos concordavam sem hipoteses de reclamar. Se leu bem eu pude explicar que nao tenho,nunca tive alguma filiacao com qualquer partido politico Santomense, ate porque para mim todos sao iguais e nenhum me convence em nada.Se a senhora sentiu-se ofendida ou resumiu que eu tivesse atacado o seu partido,peco-a que preste mais astencao nas leituras antes de ca vir defender a cor politica neste espaco que e livre e todas as oponioes sao livres.Que a sua cor politica faca o bem e o melhor tirando-nos no marrasmo em que nos encontramos a 36 anos. Que fique claro que para mim todos os partidos politicos Santomenses sao iguais e nenhum me interessa e nunca dependi e nem dependo de nenhum apenas comento como Saotomense e nunca e jamais como membro deste ou daquele partido.Sem querer entrar em mais detalhes desejo a senhora muito sucesso na sua jornada,no seu optimismo,na sua visao politica e dos beneficios que a senhora tem colhido com a classe politica.Fui

        • h silva

          6 de Dezembro de 2011 as 0:08

          Lol santa ignorancia dos santolas…os governtes de mlstp viajam em passeio e os da adi tb terao de viajar pra tornarem cultos…hahahahah,axo que as vezes muitos deveriam fazer como eu!ler noticias do pais para manter me informado.Nao ves que todos os paises tem feito cortes nas despesas?Pensava que PM era conhecedor desse mundo e que nas suas viagem ia trazer frutos a stp.mas pelo visto a sua riqueza esta a duplicar ou triplicar.que pena porque acreditei muito nesse senhor.mais uma vez estamos a ser enganados!ate quando meu senhor?da-nos uma luz senhor…

  5. eu

    2 de Dezembro de 2011 as 15:21

    Muito bem!Bom discurso. Precisamos da resposta do Patrice as estas pertinentes questões .

  6. Ludumisa do Rosario

    2 de Dezembro de 2011 as 16:49

    Tou de acordo com vosso comentario,so queremos que eles aprovam o OGE,o partido do MLSTP E PCD acham que eles podem tudo mais nada.Deixam de politiquese e fazem politica.

  7. a verdade

    2 de Dezembro de 2011 as 21:12

    O canalhas do MLSTP estiveram todo tempo e nao fizeram nada agora e q saberam fazer, por favor deicha o homem acabar o seu mandato. MLSTP ja esteve la muitos anos e nao fez nada. Invejosos.

  8. FEXA PATA

    3 de Dezembro de 2011 as 0:54

    PAREM DE VOTAR SAO TODOS IGUAIS

  9. Emilio Freitas

    3 de Dezembro de 2011 as 1:23

    O senhor deveria fazer uma introspeção, qd era ministro de juventude , ate bolsa de estudo seu ministro atribuía, como se fosse o senhor o ministro da educação, criando mais corrupção. A ser serio o nosso, vosso STP, ja o senhor estaria preso o no minimo seria completamente banido dos cargos publicos e de decisão.

    Mas para o abono da verdade muito do que disse é verdade. Mas vindo de si ate a mais pura verdade parece ser a mais deslavada MENTIRA. Oxala ultrapassemos tudo isso.

  10. Anca

    3 de Dezembro de 2011 as 4:04

    Casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.

    Tanto arrufo, para a montanha parir um rato.

    O país(território/população), se desenvolve de maneira sustentável, à nível social, político, económico, ambiental, e financeiro, com empenho pelo trabalho árduo de todos os cidadãos Santomenses, mediante a honestidade da sua consciência moral e física, para a produção da riqueza interna, para uma distribuição mais justa dos recursos produzidos internamente.

    Fé nas ajudas e donativos externos?

    As ajudas e donativos financeiros exterior, só por si,(devia-mos estar cientes disso como país-território/população/povo), serve primeiramente a interesses exteriores(pois ninguém da nada de graça à ninguém/ pior fica a mão estendida por baixo e corpo e mente que está na ociosidade e preguiça, tanto mental, como material na pobreza e miséria), pois essa receita já conhecemos bem,(fé somente na ajuda externa), para o mal do país(território/população), pois aumenta as desigualdades, aumenta a corrupção, e ajuda a dividir para reinar, degrada as condições de vida das pessoas, destrói os valores da sociedade, destrói famílias, cria vícios nas diferentes classes sociais e dirigentes, nos cidadãos, nas instituições, na sociedade.

    Só se muda aquilo que se conhece.

    Só mudamos aquilo que conhecemos bem.

    Pois a mim me parece que, conhecemos mal, as nossas potencialidades culturais e territoriais como povo, qualidades estas( a nossa coragem, força, orgulho e vontade), capaz de nos fazer mudar a nossa própria sociedade, nosso país(território/população, pois mal conhecemos a nossa História, nada valorizamos a nível nacional, com amor e dedicação à pátria), rumo ao progresso social,político, económico, ambiental e financeiro).
    Mais Unidade, Mais Disciplina, Mais empenho no Trabalho, pois do trabalho é que podemos gerar riqueza para o país(território/população).

    Porque fazemos fé nos recursos, dos outros povos?

    Quem nos ensinou essa doutrina e paradigma?

    Façamos fé nos nossos recursos-população/território.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    • Anca

      3 de Dezembro de 2011 as 4:19

      Lições

      Se deres um peixe a alguém(um povo), dás-lhes de comer, por um dia.

      Se os ensinares a pescar(trabalharem, empenharem-se pelo trabalho árduo, mediante honestidade moral e física), dás-lhes de comer para toda a vida.

      Pratiquemos o bem

      Pois o bem

      Fica-nos bem

      Já somos um povo adulto, temos trinta e seis anos de independência, erguer-mos todos a manga da camisa e vamos ao trabalho árduo, pelo bem estar social, político, económico, ambiental e financeiro do país(território/população), que se encontra na miséria e pobreza, pois o tempo é de união, de disciplina e amor pelo trabalho.

  11. santiago

    3 de Dezembro de 2011 as 11:47

    emilio freitas, pelos vistos não entendes nada sobre abribuição de bolsas de estudos que foram disponibilzadas na altura em que esse “senhor” era ministro da juventude.. o ministerio de educação não atribuia bolsas pra ensino profissional, apenas para superior. e isso era uma das lacunas que havia na area de formação, o que foi colmatado com essas mesmas bolsas pra ensino profissional que foram atribuidas pelo ministerio de juventude… estas fora do assunto emilio freitas.. desafio-te a explicar que que aspecto isso contribuiu pra o aumento da corupção como tu disseste.. aquilo que tens chama-se: falta de cultura social e politica… quem não sabe, não opina.. espero pela tua resposta, se tiveres palavra pra tal..

    • Emilio Freitas

      3 de Dezembro de 2011 as 23:10

      Caro amigo Santiago, não vou enveredar pela via de insultos, como o amigo fez aqui transpirar. Falei tudo que falei com conhecimento de causa. Me privei por diversas vezes com esse senhor, ate porque fiz parte da JMLSTP durante muito tempo. Por outro lado, muitas bolsas atribuidas aos alunos que foram a Cuba sairam das mãos desse senhor. O ex ministro Alvaro Santiago na altura era como se fosse um menino de recado desses senhores, por isso muita gente que foi a Cuba na altura nem 11º ano tinha, dai o porque de muitos regressarem ao país sem se quer se formar. Gostaria que vossa senhoria me dissesse qd foi que se atribui bolsa profissional pra Cuba?

      Digo mais, em 2005 qd cerca de 150 alunos conseguiram vaga para estudarem no Brasil o governo não tinha meios para financiar as bolsas, de tal sorte que o governo sugeriu na altura que os pais pagassem passagem para os seus filhos e depois o governo reembolsaria, ficou decidido tb que os alunos que estudavam no ISP ja no segundo ano do curso não fossem custeado pelo governo, ate porq muitos deles ja ganhavam ou ganharam uma bolsa interna. Posto isto, rogo-vos que convide o senhor Zé Viegas a explicar que manobra ele fez na altura para um dos alunos prestes a terminar o ISP sair sem que os outros na mesma condição ficassem a saber, e isso tudo suportado pelo governo de então. Por esses males todos é que esses mesmos alunos ainda no brasil reclamam constantemente por subsidio em atrasos. Se depois disso tudo continuares ainda acreditando nele, sugiro-vos que procure um psicologo.

      O meu maior sonho é que STP se torne num país de gente seria, e quando isso acontecer então poderei dizer aos meus filhos, vcs podem sonhar!!!

      • Chiquinho

        5 de Dezembro de 2011 as 15:37

        Caro Emilio..Lembro na altura ser descartado da lista..por razões que até hoje desconheço..ja tinha concluído o 11ºano com uma media superior a muitos que foram para Cuba..sem citar os que nem 11ºtinham..hoje sou economista/e sou grato ao país que me deu esta oportunidade onde exerço as minhas funções. Muitas coisas devem ser esclarecidas na nossa Administração Pública….Transparencia

    • Emilio Freitas

      4 de Dezembro de 2011 as 12:47

      Caro amigo Santiago, não vou enveredar pela via de insultos, como o amigo fez aqui transpirar. Falei tudo que falei com conhecimento de causa. Me privei por diversas vezes com esse senhor, ate porque fiz parte da JMLSTP durante muito tempo. Por outro lado, muitas bolsas atribuidas aos alunos que foram a Cuba sairam das mãos desse senhor. O ex ministro Alvaro Santiago na altura era como se fosse um menino de recado desses senhores, por isso muita gente que foi a Cuba na altura nem 11º ano tinha, dai o porque de muitos regressarem ao país sem se quer se formar. Gostaria que vossa senhoria me dissesse qd foi que se atribui bolsa profissional pra Cuba?
      Digo mais, em 2005 qd cerca de 150 alunos conseguiram vaga para estudarem no Brasil o governo não tinha meios para financiar as bolsas, de tal sorte que o governo sugeriu na altura que os pais pagassem passagem para os seus filhos e depois o governo reembolsaria, ficou decidido tb que os alunos que estudavam no ISP ja no segundo ano do curso não fossem custeado pelo governo, ate porq muitos deles ja ganhavam ou ganharam uma bolsa interna. Posto isto, rogo-vos que convide o senhor Zé Viegas a explicar que manobra ele fez na altura para um dos alunos prestes a terminar o ISP sair sem que os outros na mesma condição ficassem a saber, e isso tudo suportado pelo governo de então. Por esses males todos é que esses mesmos alunos ainda no brasil reclamam constantemente por subsidio em atrasos. Se depois disso tudo continuares ainda acreditando nele, sugiro-vos que procure um psicologo.
      O meu maior sonho é que STP se torne num país de gente seria, e quando isso acontecer então poderei dizer aos meus filhos, vcs podem sonhar!!!

  12. santola

    4 de Dezembro de 2011 as 10:08

    Eu no meu ponto de vista com a crisé que anda pela europa. os deputados deviam ter mais calma em pensar em povo não em eles o que se ve no parlamento é mais uma questão de poder . séra que vamos deixar o governo cair, deixa o governo trabalhar o seu mandato o mal de stp não vem de agora já muitos anos nenhum governo fica 4 anos de poder o resultado é sempre os mesmo, mesma cara ou seja MLSTP/PCD . Por favor tenhen pena do povo . nós merecemos da alegria ao povo

  13. opiniao realistica em geral!!!

    4 de Dezembro de 2011 as 14:13

    Gegé, tu calado és melhor poeta ainda!!!

    o mais cómico é como é que se senhor é porta voz desse partido. epa mal se sabe expressar, nem poem pausa nas palavras e oracoes, em vez de dizer mlstp-psd, diz: “mlspsd…

    fez um discurso forreta e paupérrimo sobre o orcamento geral!

  14. aumato

    5 de Dezembro de 2011 as 8:08

    sao deputados ou deportados

  15. Espirito Santo

    5 de Dezembro de 2011 as 8:15

    Pergunto ao lideres do MLSTP: Quando estiveram no governo vizeram melhor? O povo esta atento e nas urnas saberam. Pelo menos ao absterem foram dignos pela primeira vez a este povo.

  16. Tomba Aly (Cantagalense)

    5 de Dezembro de 2011 as 13:19

    CAro amigo do Tela Non,

    Por favor!

    Falou da posição do MLSTP e do PCD.E ADI?

    Queremos saber se o Partido ADI que sustenta o Governo também tem ou não posição. Tela Non seja imparcial. Nós aqui so vemos posições do MLSTP e PCD. Está na altura de também começar a informar o publico da diáspora sobre as posições do ADI. Mesmo que voçê não gosta mas é jornalista ou jornalismo.

    Não sou especialista mas penso que seria bom.

    Viva STP
    Cantagalence atento

  17. MD

    5 de Dezembro de 2011 as 17:39

    Estamos na nova era, era de trabalho, colaboração, respeito pela coisa do outro, respeito para com o próximo, respeito pela coisa colectiva, era da mudança, era de arrancar este país rumo ao desenvolvimento. Era de devolver a esperança à população.
    muitos actuais deputados não têm experiencia dos 10, 15 e 20 anos, porque querem mudar STP. Até agora não há sinal de corrupção neste governo, não há desvio de dinheiro, de bens de estado. É um governo sério e com pesspoas sérias que sabem gerir o bem colectivo.
    Até agora os STomenses (população) agradecem este governo do ADI pela forma que tem regido o país.
    É pena o governo ser classificados pelo os que não sabem fazer.
    O Senhor Líder do MLSTP deveria fazer auto avaliação do seu desempenho a frente de um dos projectos do Ministério da Educação? Que moral moral ele tem para classificar este governo.
    Há +olitico que intervêm para dizer blicamente que não servem para estar a frente de qualquer sector deste país.

  18. luis Cesar

    6 de Dezembro de 2011 as 2:07

    O País precisa mesmo de uma revolução e reformulação política de fundo.
    O bandidos de ontem criticam hoje, os de hoje que nada têm feito preparam para criticar amanha e os ricos continuam a ser os mesmos de sempre, Trovoadas, Rafaeis, Marias das Neves, Os Senhores dos tribunais, Pintos da Costas, Posser, Tinis, Delfins e os que se estão a projectar como Varelas e Americos.
    Recorda-se que ficarm ricos de muito trabalho e das riquezas que os seus país deixaram
    É só bandidagem

  19. maiker

    16 de Janeiro de 2012 as 19:03

    Temos um primeiro-ministro que fala muito não faz nada, viaja tanto sem resultado e que usa sempre o mesmo verbo “ iremos fazer” a sua incompetência está no rosto, só não vê quem não quer. No decorrer de mais de um ano o que foi que este governo fez? Resposta: Zero
    Tudo que o governo inaugurou foi empreendimentos deixados pelos anteriores governos, depois disso nada. Este governo só sabe tomar medidas de burros, o Patrice Trovoada que fala tanto em competência será que olhou a sua volta? Os seus membros de governo são maioria incompetentes, não se vê o sinal de imaginação. Agora está a atacar os quadros do PCD, que são altos profissionais e muito bem qualificados para colocarem mais analfabetos como têm feito.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo