Política

AN cortou duplicação de viagens e tirou linha de crédito sob tutela da Secretaria de Estado da Juventude

No último sábado, o Secretário de Estado da Juventude e Desporto, Abnildo Oliveira, apareceu na TVS fora de si. Tudo porque a segunda comissão especializada da Assembleia Nacional, apresentou e aprovou a proposta de reafectação das verbas do OGE para 2012.

A maioria parlamentar cortou a duplicação do valor para viagens, e tirou da tutela da Secretaria de Estado, um total de 1 milhão de dólares, inscritos como linha de crédito.

Por isso pela primeira vez desde que assumiu o cargo de Secretário de Estado da Juventude e Desporto, o jornalista Abnildo Oliveira, apareceu na TVS, fora de si. Rosto habitual dos telespectadores, porque desempenha as funções de porta-voz do Governo, este sábado o Secretário de Estado estava muito aborrecido, a reacção de Abnildo D´Oliveira é parecida a de uma criança quando se lhe tira a chupeta.

Disse que o país estava dividido em duas repúblicas. A república Democrática de São Tomé e Príncipe e a República dos Deputados da Oposição.

Furioso, o Secretário de Estado, acusou a maioria parlamentar composta pela oposição de por em causa o futuro do jovens são-tomenses. Tudo porque a proposta de reafectação das verbas do OGE para 2012, apresentada e aprovada pela segunda comissão especializada da Assembleia Nacional no debate do OGE na especialidade, retirou da tutela da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto, um total de 1 milhão de dólares, que o Governo inscreveu no OGE como linha de crédito que o Secretário de Estado deveria gerir para promover o empreendedorismo juvenil.

A segunda comissão especializada da Assembleia Nacional, chegou a conclusão que segundo as leis da República Democrática de São Tomé e Príncipe, a Secretaria de Estado da Juventude e Desporto, não é instituição vocacionada para conceder créditos.

Por isso retirou o valor de 1 milhão de dólares posto sob tutela da Secretaria de Estado da Juventude, e transferiu para a tutela do Ministério das Finanças e Cooperação Internacional, que também não tem competência para atribuir créditos, mas no entanto vai fiscalizar a sua execução que será feita por um banco comercial da praça financeira são-tomense.

Aliás no OGE para 2012, o Governo inscreveu também o valor de 1 milhão de dólares, sob tutela do Ministério das Finanças e Cooperação Internacional, como linha de crédito a ser concedida aos homens de negócios são-tomenses, através de operações bancárias.  No total o governo colocou 2 milhões de dólares para fomento do sector privado. 1 milhão sob tutela do ministério das Finanças e Cooperação Internacional e 1 milhão sob tutela do Secretário de Estado da Juventude e Desporto.

De acordo a proposta de reafectação de verbas apresentada e aprovada pela Assembleia Nacional, 1 milhão e 200 mil dólares, foram alocados para alimentar a linha de crédito a favor do sector privado nacional e para o empreendedorismo juvenil. Os restantes 800 mil dólares, a comissão parlamentar decidiu afectar para outros sectores importantes, nomeadamente apoio aos doentes da SIDA, apoio aos deficientes físicos, reforço da verba para requalificação da cidade de Santo António, construção do pólo desportivo da cidade de Santana, construção da estrada de terra batida na localidade de Micondó – Santana, para aquisição de dois transportes escolares para as crianças dos distritos de Lembá e Caué, e aquisição de equipamentos para a Polícia de Investigação Criminal.

Da mesma forma a comissão parlamentar que debateu o OGE na especialidade, decidiu cortar a duplicação de verbas para viagens proposto pelo Governo. No mapa que o Téla Nón teve acesso, a maioria parlamentar composta pelo MLSTP/PSD e o PCD, decidiu reduzir o montante proposto pelo Governo de 16.022.000.000 dobras, para 8.688.000.000 dobras.

A diferença de 5.771.384.515 dobras, foi redistribuída a favor dos seguintes sectores: Reforço das despesas correntes da Assembleia Nacional, subvenção do custo de transporte aéreo para a ilha do Príncipe, aquisição de insumos agrícolas e apetrecho de pesca.

A proposta de reafectação das verbas do OGE foi aprovada com 5 votos do MLSTP/PSD e do PCD contra 4 da ADI.

O Téla Nón publica a tabela de reafectação das verbas que foi aprovada na discussão do OGE na especialidade, através da qual os leitores podem avaliar melhor os números. Para ler a tabela clique –ESPECIALIDADE – PROPOSTA

Abel Veiga

    35 comentários

35 comentários

  1. Das ilhas

    12 de Dezembro de 2011 as 16:09

    triste comentário o vosso”a reacção de Abnildo D´Oliveira é parecida a de uma criança quando se lhe tira a chupeta”

    • Calibre-12

      13 de Dezembro de 2011 as 11:25

      Verdade seja dita. Esse coitado do Secretario de Estado da Juvenrtude enfiou os pés pelas mãos e comprometeu o seu proprio Chefe Patrice Trovoada.
      Abnilde está arumado que fala muito, mas só fala arneiras. Das palavras que ele produyziu para a TVS apercebe-se que é um burro da primeira. Não entende de nada, não sabe falar, não sabe expressar e pior ainda é que insultou os Deputados da República ao afirmar que os Deputados têm uma segunda república.
      Francamente! Esse garoto deveria mas é apanhar açoite. Deviam chicotear o gajo.
      É por estas e outras que até a presente data o ADI não arranca e o País vai de mal a pior.
      Fracos!

    • Luis Guilherme

      13 de Dezembro de 2011 as 11:43

      Não conheço particularmente o Sr. Secretário de Estado, mas devo dizer que acho infeliz dizer-se que o dirigente “apareceu na TVS fora de si”. Como diriam os brasileiros, “Tela Non pegou pesado!” Vi um Secretário de Estado algo furioso, mas não ao ponto de se dizer que esteve fora de si, sem consciencia dos seus actos. Também acho infeliz e mal intencionada a metáfora do bébé a quem se retirou a chupeta.

  2. Templa Seco

    12 de Dezembro de 2011 as 16:11

    Desta vez a Assembleia agiu muito bem. Bem vindo a oposicao, desde que ela se faça de forma costrutiva.
    Um bem haja.

  3. Tomba Aly (Cantagalense)

    12 de Dezembro de 2011 as 17:10

    O programa de Empreendedorismo em qualquer parte do mundo tem um sector específico. Credito ao sector privado não é a mesma coisa que programa de empreendedorismo.

    MAs a posição do tela non deixa muito a desajar e podemos aqui dizer que tela nom é parcial. pois vejamos:

    “Por isso pela primeira vez desde que assumiu o cargo de Secretário de Estado da Juventude e Desporto, o jornalista Abnildo Oliveira, apareceu na TVS, fora de si. Rosto habitual dos telespectadores, porque desempenha as funções de porta-voz do Governo, este sábado o Secretário de Estado estava muito aborrecido, a reacção de Abnildo D´Oliveira é parecida a de uma criança quando se lhe tira a chupeta”.

    Isso é notícia ou posição do Tela Non?

    O homem tem sentimento. pelo que sei o dinheiro nunca estaria sob gestão do Secretário. A informação que o Ministro das Finanças deu é de que o Dinheiro estaria no Banco.

    Achei sem graça a forma como o tela nom quis passar informação.

    Abel você é jornalista. Abenildo Oliveira também. Mas nesse momento ele é politico e tem que defender a sua parte.

    Triste é adiar o futuro da juventude. há muitos jovens desempregados.

  4. MÉ SOLO

    12 de Dezembro de 2011 as 17:28

    Furioso porque?

    O srºSecretário de Estado não tinha nada q ficar furioso porque a Secretaria de Estado não é nenhum banco. Estou de acordo que se crie condições para apoiar os jovens que tanto precisam mas de forma correta e a forma correta é o dinheiro no banco.

    O srº Secretário de Estado devia ser mais humilde e não mostrar tanta indignação pelo facto de não poder gerir o tal montante porque não faz parte das suas atribuições,reagindo desta forma demonstrou que lhe tiraram a possibilidade de OINOR.

    Para tudo há um tempo

  5. zuchi

    12 de Dezembro de 2011 as 17:49

    O que a AN pode fazer é chumbar o oge caso o governo não altere ou não acolha as propostas da oposição, mas a dita 2ª comissão não as pode ao seu critério alterar e fazer aprovar, pois tal constituíria uma invasão das esferas de constitucionalidade, logo as alterações assim introduzidas pelas 2ª comissão serão inconstitucionais.
    A AN fiscaliza o governo mas nunca governa. Estamos numa república constitucional.

  6. mello

    12 de Dezembro de 2011 as 17:55

    Esta secretária de estado, não esta a dar conta da situação, não têm projectos que convensa a ninguem,
    Poderia criar INSTITUTO JUVENIL FORMAÇÃO.
    e criar um projecto durador, por dinhero nas mãos dos que têm formação proficional
    Esse secretário, foi escolhido, porque o partido tem falta de quadros,temos que saber dar nome as coisas, Emprendedorismo tem a sua maneira de criar.

    • Sargento Pinto

      13 de Dezembro de 2011 as 0:54

      Voce mazé é invejoso. Secretarário de Estado da Juventude só seria bom para ti caso fosse da oposição. Recordas que a Célia Posser também foi Secretária do Estado, também na altura muito jovem. Para tua informação, segundo os colegas dela do Liceu, ela foi uma péssima aluna. Mas com o país que temos foi ela quem onseguiu sair de bolsa pra ir fazer uma licenciatura em Direito.Então podiamos dizer que ela foi escolhida porque o MLSTP não tinha ou não tem quadro, ou então podiamos dizer que foi por causa da influência do pai dela Guilher Posser?

      O que aconteceu ao Secretário do Estado Abnildo foi uma forma fantuchada que a oposição criou para impedir a secretaria do Estado trabalhar. Pois sabemos que é um dos sectores do actual executivo que mais tem mostrado dinâmica. Por isso a oposição como grupo de parasitas sem inovações inventou formas de travar o Secretário do Estado. Agora pergunto, durante a governação do MLSTP e PCD o que é de concreto que fizeram para desporto e os jovens em particular. Deixaram o Dendê da FSF durante 14 anos a solta enquanto o país nem se quer aparecia no Mapa da FIFA. Paralém do mais, desnortearam o país, e como resultado temos jovens que temos, jovens sem futuro,sem perspectivas, jovens à Deus dará por falta do direcionamento dos anteriores executivo do MLSTP, PCD e MDFM.

      Nisso tudo, acho ligítimo a frustação do Secretário do Estado Abnildo.

  7. maiker

    12 de Dezembro de 2011 as 18:41

    Esse orçamento de estado deveria ser chumbado. é o pior orçamento na mimória dos vivos. esse governo não consegue dar respostas-

    • Ceso Abreu

      13 de Dezembro de 2011 as 20:26

      MIker
      Esse governo nao so nao consegue dar resposta, como tambem nao consegue parar a promocao de corrupcao, Vejam o caso da cunhada do R. Branco.O montante que sai do OGE para pagar salario de uma pessoa que nao fala Ingles e que esta na nossa embaixada(STP) nos EUA a fazer nada.

  8. maiker

    12 de Dezembro de 2011 as 18:51

    este é o pior orçamento na mimória dos vivos. esse governo não consegue dar resposta.

  9. Amely

    13 de Dezembro de 2011 as 0:29

    O sr secretario é jornalista ou é especialista em Microfinança? É tanto mel ate que o sr aborreceu pq não vai consiguir chupar dedo não é! Malandro esta a prever queda d Governo não é! E ja queres fzer a vida não é!

  10. Ricardo Carvalho

    13 de Dezembro de 2011 as 0:59

    Esperar para ver as consequencias desta estranha decisao dos corruptos que ainda pensam que a impunidade ira prevalecer em S.T.P. Sabemos que estes senhores inconsolados pelo facto de estarem na oposicao tudo irao fazer para obstruir as accoes do melhor governo que o Pais ja conheceu apos 1975.

  11. Granger Causality

    13 de Dezembro de 2011 as 5:26

    Estou de acordo com a”República dos Deputados da Oposição”, visto que a secretaria do estado para juventude e desporto não é instituição vocacionada para gerir riqueza e conceder emprestimo.
    O que esta em causa não é o futuro dos jovens,mas sim a forma como essa verba iria ser gerida em prol do beneficio dos jovens. Por outro lado, gerir riqueza requere gestão rigorosa e cuidada,e o Sr secretario do estado não esta habilitado para tal.

  12. P.Carlos

    13 de Dezembro de 2011 as 8:04

    A reafectação do excedente da verba alocada às viagens não está muito clara, diria mesmo que é incompreensível. Como é que os deputados reafectam uma parte deste dinheiro para o orçamento da AN que já tinha sido aprovado? Será que não existe noutros sectores carências que deveriam ser supridas a não ser dotar fundos para financiar as despesas da AN? O que acontece neste país é que cada um quer puxar brasa para a sua sardinha!

  13. fidelito

    13 de Dezembro de 2011 as 8:05

    Há que se fazer alguma coisa neste país para “ESTANCAR O DESEMPREGO JUVENIL”.

    Dá-me uma imensa tristeza ver jovens desempregados e mergulhados na pobreza.

    Essa situação agrada a alguém?
    Eu também sou jovem!

    Há que se criar uma agencia vocacionada para promoção, financiamento e acompanhamento de projectos de pessoas com iniciativas empreendedoras, de forma a se retirar do desemprego mais de 30% da nossa população activa.

    No final o nosso país ficará indubitavelmente a ganhar.

    Juntemos todos para o bem do nosso lindo país, ao invés de colocarmos os nossos interesses pessoais acima dele (S.T.P.)

  14. Espirito Santo

    13 de Dezembro de 2011 as 8:24

    A intervenção do Secretário de Estado foi infeliz, mais a oposição não deve reafectar as verbas por capricho, deve haver entendimentos porque quem governa não é oposição mais sim o governo eleito pelo povo e com a vigilancia da oposição.

  15. abdulai

    13 de Dezembro de 2011 as 9:28

    Viva a democracia,
    A secretaria de Estado da Juventude e uma Secretaria de Faz de conta, que tem certa influencia em alguns circulo juvenil sob a coordenação do Sr. PM, a prova disso é alguns ditos jovens( candongueiro, cambista e vendedor de carne) que aparecera na TVS mostrando a sua indignação pelo corte de verba que talvez destinava a juventude .São todos activistas do ADI que fizeram campanha claramente pelo partido. Penso que a AN deve investigar isso esta pondo em causa a democracia nacional

  16. Abel Martins

    13 de Dezembro de 2011 as 9:42

    que vergonha Abel Veiga e’ por isso que quando gente te critica voce sensura a pessoa por que es tambem politico.

  17. Miguel Garcia

    13 de Dezembro de 2011 as 9:56

    Cada vez mais os politicos ajem descaradamente perante o povo colocando seus entereces politicos a frente do povo é triste essa cena, nos jovens temos q começar a fazer alguma coisa pra esses politicos saberem q ñ temos medos…..

  18. Digno de Respeito

    13 de Dezembro de 2011 as 11:00

    A grande falha deste Governo parece notar. A vontade de fazer é muita. Mas é preciso saber fazer. Assim, aconselho que se aproximem de quem sabe fazer e partilhem conhecimento, outrosim vamos continua com os mesmos erros e a marcar passos no mesmo espaço. Porque ainda andam confusos quando se mistura a palavra empreendedorismo com outros aspectos de desenvolvimento social.

    O facto de se pretender promover empreendedorismo desportivo, não implica que se tenha de colocar a verba nas mãos da Secretaria do Estado do Desporto para gerir. Deve-se criar um sector com autonomia de gestão para fim específico. Até pode-se criar escolas desportivas que faz imensa falta aos santomenses espalhados por todo o País. Acredito que criar uma linha de crédito com o dinheiro da OGE, torna mais fácil captar fundo exterior para reforçar as finanças do projeto. Mas, vê-se logo qual é a intensão das pessoas pelos comportamentos deixam transparecer para a opinião pública.

    A democracia é mesmo assim. Uns sabem outros não sabem mas, para ignorantes a palavra partilha de conhecimento não existe.

  19. Mimi

    13 de Dezembro de 2011 as 14:41

    Pelo que entendi, os deputados propuseram que as verbas inicialmente afetadas à Secretaria de Estado da Juventude fossem canalizadas ao Min das Financas e junto a outras verbas serem geridas por instituicoes credenciadas para o efeito. Nao entendo, talvez por ignorancia, em que medida é que este “shift” na gestao de verbas poderá impedir os jovens empreendedores de desemvolver as suas acçoes. Que critérios planeava a Sec. de Estado da Juventude adotar para a atribuiçao das verbas? Sendo critérios legalmente estabelecidos, penso que estas serao também muito bem atribuídas pelos sectores vocacionados para tal. Estarei eu errada?

    • Tomba Aly (Cantagalense)

      13 de Dezembro de 2011 as 15:11

      Cara Mimi e caros leitores.

      eu Cantagalense não sô doutor nem enginheiro.

      MAs Ministério de Assuntos sociais há muito que dá Crédito. É instituição financeira?

      Ministro Gegé deu Credito do projecto de raparigas produtivas e minha prima foi beneficiada. O antigo Ministério era instituição financeira?

      Programa/projecto de empreendedorismo jovem deve está na instituição que trata da juventude. Estou errado?

      Tudo não passa de politica e politiquice barata. Força Juventude. Que a oposição traga projectos alternativos.

      Cantagalense.

  20. O MAIS CERTO

    13 de Dezembro de 2011 as 16:12

    Todos aqueles que defendem o comportamento dos deputados da oposição em deitar por terra a oportunidade única dos jovens santomenses poderem ver financiados as suas iniciativas, pois que se sabe do nível de desemprego que temos, então, ou não são jovens, não são Santomenses, ou são filhos, sobrinhos de tais corruptos que cortaram de barriga cheia aos jovens esta oportunidade! Mas acredito na força da juventude em tudo fazer para que a verdade venha a tona, para que esses malfeitores, inimigos da juventude, causa única dos jovens estarem na situação em que estão, tendo enriquecido a custa do sacrifício dessa juventude, terem roubado ao povo :”STP TRADING, GGA, DOCA, FUNDO JAPÂO”,saibam que o país não é deles. Que eles saibam que os jovens, se ainda não reagiram, não é porque estão inocentes de tudo isso, não é porque têm medo!…. è preciso lhes dar um sinal. Força juventude!!

    • Ceso Abreu

      13 de Dezembro de 2011 as 20:57

      Sr. mais certo
      Concordo que a juventude deve tudo fazer para que a verdade venha ao de cima.
      1- Pedir transparencia aos politico
      2 A juventude deve criar estruturas para avaliar e acompanhar projectos execuiveis e denunciar projectos sob capa de pseud-Consciencia intelectual e politica.
      3- mantenham o sonho e nao desistam de acreditar em voces proprios.

  21. Anca

    14 de Dezembro de 2011 as 2:07

    Para um país que somente, produz 8% do financiamento nacional para o orçamento de Estado, que depende em mais de 92%, de financiamento externo, para as execuções de de encargos, políticas e projectos inscritos no orçamento de Estado Nacional, como podem atrever os Sr Deputados da Oposição???, reafectar, verbas de financiamento externo, que estão inscritas no orçamento, mas que ainda não tem o aval (ainda têm que ser disponibilizadas, pelos parceiros de cooperação, mediante acordo com o Governo) dos parceiros internacionais de cooperação, dado em conta serem destinada a execução de um determinado projecto ou projectos, acordado em termos de financiamento ao país através do Governo, impondo a execução dos programas pela cativação e disponibilização destas verbas.

    Pois nada é de graça. Ninguém da nada a ninguém, sem esperar ter algo em troca.

    Na semana, passada, alertava para a perda de soberania, pois o país(território/população) por intermédio de Governo( quem executa) eleito pela maioria relativa dos Santomenses, para levar a cabo o seu programa, tem inscrito à nível nacional, somente 8% de financiamento para o Orçamento de Estado, e a nível de financiamento externo, inscrito 92% de financiamento externo, com a condição de estas verbas virem a ser disponível, se for o programa do governo for executado de determinada forma, para determinados projectos, como requisitos pré-acordado com o Governo(quem executa). Pois dizia, que nesta matéria, de perda de soberania nacional,que por exemplo, o país(território/população) poderia estar, afecto à qualquer multimilionário, ou multinacional externa, mediante parceiros de cooperação externa, no controlo, a nível financiamento, do orçamento geral de Estado, que serve para fazer as nossas instituições de direito internas, funcionarem, bem como, financiarem determinados projectos, que lhes prestam mais interesse ou dividendo económico.

    Nesta acepção, os deputados da nação, deveriam ter mais capacidades de analise e visão, e nunca continuar a perpetuar a divisão para reinar, pois o país(território/população), está falido e encontra-se na pobreza e miséria extrema.

    Mais unidade, mais disciplina, mais empenho no trabalho, humildade e ponderação, pois quem financia os salários internos, é a vontade e produtividade exterior, pois somos preguiçosos, a pensar e agir.
    Com o agravante de esta situação, aumentar a corrupção, instabilidade politica e social, aumentar a pobreza e miséria extrema em que nos encontramos, como país como povo.
    Defendo o financiamento externo, mais limitado a 30% ou 50% porcento, sendo a 100%, 30% deveria ser financiamento externo ao sector Público, 70% a sector privado Santomense, pois dinamizaria, melhor a economia, criava possibilidades de empregos, reduziria a pobreza e miséria extrema em que nos encontramos, fortalecia melhor as instituições mediante cobranças de impostos, e financiava no futuro à economia com recursos nacionais.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Santomenses

    A ordem constitucional diz, que o Governo executa, e a oposição faz a fiscalização e da sugestões.

    Não à invertemos.

  22. Anca

    14 de Dezembro de 2011 as 2:27

    Quem no passado cometeu erros graves de injustiça governativa, deve hoje ter outra modéstia, em termos de atitude de oposição, o existe um presente que é fruto do desvio do passado, embora o que nos interessa como País(território/população), é o que podemos fazer hoje com a realidade do presente (herdada do desvio passado, situação de extrema pobreza e miséria), para delinear-mos juntos um caminho de desenvolvimento social cultural, político, económico e quiçá financeiro no futuro, que se quer desenvolvido e sustentável, futuro de progresso a todos os níveis da nossa sociedade.

    Porque a casa onde falta pão, todos ralham e ninguém tem razão.

    Outros têm que nos dar de fazer, comer, beber, vestir, saber e saber fazer, para o mal dos nossos pecados, falta de humildade, preguiça mental e física, falta de ética e moral, inveja, corrupção, falta de união, falta de disciplina, etc, etc, para a nossa própria vergonha como País(território/população), que teve um dia na sua aspiração ser livre a nível social cultural e político, ainda que interdependente, em termos económicos/ambiental e financeiro.

    Tenhamos um pingo de Altruísmo Ambição e Orgulho Nacional.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Santomenses.

  23. Eusebio Neto

    14 de Dezembro de 2011 as 6:56

    Meus caros

    Sinceramente que nao encontro os suportes de tanta confusao. Se nao sou traido pela interpretacao que fiz da noticia do Telenon, nada mais foi feita que uma inteligente correccao a apresentacao do OGE. Ou seja, a AN ajudou o governo a reorganizar o orcamento, redistribuindo a gestao das verbas. Os objectivos nao foram mexidos, o apoio do governo aos jovens empreendedores nao esta posto em causa. O que mudou foi o organismo (titular) responsavel pela sua gestao. O senhor Secretario (Secretaria) de Estado continua a ser responsavel pela mobilizacao(seleccao) dos potenciais jovens beneficiarios mas sera o Ministerio das Financas a desbloquear e transferir as verbas para os jovens empreendedores apurados. Mais me parece que a verdade sao as vantagens politicas pessoais que S.Ex.SE poderia tirar caso todos os tramites do processo fossem por si decididos. Parece que os 2 titulares sao de governos ou partidos diferentes. O importante sao as vantagens politicas que o governo como equipa pode ganhar com o projecto independemente de ser este ou aquele ministro a liderar o processo. E mais, nunca e bom dispersar a gestao dos dinheiros publicos. Que SE assuma a parte politico-administrativa do projecto e o MF se encarregue do dossier financas do mesmo e que este saia imediatamente do papel e se torne realidade.

    • Tomba Aly (Cantagalense)

      14 de Dezembro de 2011 as 11:23

      Senhor Neto,

      Senhor Já reparou que o Ministério de Assuntos Sociais tem dado crédito há décadas, mesmo não sendo instituição financeira?

      Os projectos de Estrada, água e outros estão no sector competente. A juventude tem sector próprio. O que se tratou é também politico porque a oposição tem receios do Governo ser bem visto junto a juventude.

      Continuo a defender que o Secretário de Estado/Governo tem razão em atribuir o Programa/Projecto de empreendedorismo juvenil na Secretaria de Estado. O contrário não pode ser. Devemos discutir a logica.

      Quando MLSTP/PCD forem Governo poderão também fazer o mesmo. Neste momento deixemos de politiquisses.

      E Se o Secretário não mostrasse a sua indignação ninguém estaria a falar da juventude.

      Era 1 milhão de dólares para juventude. Agora 21 mil milhões de dobras serão para o sector privado e juventude. Acham que o Juventude vai ter chanse?

      A verba deve estar no banco, tratando-se do crédito. MAs o programa de empreendedorismo juvom deve ser executado pela Secretaria de Estado da Juventude.

      Abraços,

  24. Anca

    14 de Dezembro de 2011 as 7:14

    No desenrolar da vida humana, da vida e condições dos países e povos, alguns hoje hoje são, condenados pelos seus dirigentes, iguais seus humanos, por um a questão, de egocentrismo, vaidade, arrogância, despotismo, corrupção, parte bem ínfima das possibilidades da pessoa humana, que de humano, enquanto ser dotado de parte físico e pensante, mas se assemelha a animais sem parte pensante.

    Hoje alguns dos seres humanos, países povos do planeta, vêem em si, mesmo uma enquanto pessoas iguais e humanas, possibilidades, hora vejamos a titulo de exemplo, o homem já descobriu, outro possível planeta habitável, com possibilidade de vir o habitar, mediante estudo do mesmo, mediante possibilidades que colocaram a si mesmos, fizeram coisas, descobriram mediante investigação, transformaram os seus meio habitat, controlando doenças e epidemias, arranjando modo e possibilidades de alimentar, seus iguais humanos, etc, etc,…
    Enquanto outros seres humanos, países e povos, no que a África diz respeito, e em particular, São Tomé e Príncipe, diz respeito, o Homem, ou os Seres Humanos, não vêem possibilidades nos seus iguais, alguns acham que a possibilidade está em si mesmos, como únicos seres com possibilidades de,…que tamanha aberração animalesca.

    Existem alguns políticos particularmente, do MLSTP, do PCD, que não conhecem outra possibilidade, outra forma de ganhar, vida a não ser, serem deputado da república, a montanha os fez nascer, com um único propósito na vida, serem deputados, e quando se vêem ameaçado, neste propósito, põem em causa a possibilidade de um povo, uma nação, pois, que em São Tomé e Príncipe, a quem a montanha encarregou de nascer pobre e miserável e morre pobre e miserável, a quem nunca forma dadas a possibilidades de, gerar riqueza,…a quem nunca apreendeu a ler e escrever e morre sem nunca apreender a ler e escrever, a quem nunca forma dadas a possibilidades de conhecimento, educação/formação de qualidade, de saúde melhor, etc, etc,.. a quem nasce assim e morre assim. Será que há outra possibilidade?

    Há, basta observar o desenrolar, da vida dos seres humanos, no planeta, alguns com possibilidade de conhecer e habitar novos mundos e planetas, como diz o ditado, para o bem e para o mal, (nas costas dos outros vê-se a nossa).

    A nossa dimensão humana, para aquilo que constitui, (a nossa limitação de comportamento e pensamento ou aquilo e aqueles que se limita a outros nossos iguais), a nossa média de vida, no planeta, cerca de 80 anos( alguns nem está possibilidade têm, pois morrem a nascença, devido a falta de cuidado de saúde natal), deveria servir, para criarmos e dar-mos possibilidades a outros nossos iguais, pois se comparar-mos aquilo que é a nossa dimensão enquanto pessoa humana, com a dimensão do Universo( por mais importante que parecer-mos ser, por mais importante que seja a nossa posição e cargo social, por mais que vivamos 80 anos, por mais e mais), somos e constituímos uma ínfima partícula no Universo, tudo que fazemos( a nossa arrogância, o nosso egocentrismo,etc,etc,…) é vaidade, de nada nos serve, porque devemos aproveitar para criar possibilidades,…é tudo que nos resta como memoria e vangloria na suposta transição de vida, se é que ela existe, mas é uma possibilidade.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Santomenses

  25. Pedro Cassandra

    14 de Dezembro de 2011 as 11:14

    A falta de moderação deste forum, vai acabar por descaraterizar esse espaço, aqui fala-se de tudo, e com um linguajar que mesmo um cidadão comum não aceitaria, quanto mais um “ministro” . Sou um leitor assiduo desse espaço, e tb faço os meus comentarios, mas sinceramente, nos ultimos tempos não sei oque tem havido com o Telanon. Me desculpem , sou muito grato pelo serviço que vcs fazem, acordo de manha e a primeira coisa que faço é ler aqui, oque acontece no nosso STP. Devemos criticar, devemos participar, mas convem organizar tudo isso, é inadimissivel que se passe o ano inteiro insultando quem quer que seja. Sou de opinião que as pessoas moderem por si o seu jeito de dirigir a quem quer que seja, e caso isso não aconteça que seja banido desse espaço.
    Um muito obrigado.

    • Hugo

      14 de Dezembro de 2011 as 19:17

      A democracia é mesmo isto. Cada um pode e deve emitir a sua opinião neste e outros espaços. Se as pessoas não podem falar na rádio porque está controlada pelo ADI; Se as pessoas não podem falar na TVS porque está controlada por AD; Se o Parvo se transformou num pasquim do ADI; Se não há debate na sociedade sobre os vários problemas que nos afligem; O que é que o senhor quer que façamos? Que deixemos o ADI matar o povo? Que deixemos o ADI fazer o que bem lhe apetece? Que deixemos a oposição, o MLSTP, PCD, CODÓ, e outros tomarem conta do país enquanto nós dormimos uma cesta nesta democracia falhada e estes senhores vendem o país? O Téla Nóm esta a fazer um papel importantíssimo no país e com a nossa diáspora. Se eu tivesse uma fundação ou Associação que tem estes objectivos eu propunha o Téla Nóm para um Prémio de jornalismo cívico em prol do aprofundamento da democracia no país. Eu sei que aquilo que o Téla Nóm faz incomoda muita gente, sobretudo aqueles que estão no poder. Mas tem que ser feito. Senhores desculpem-me mas isto tem de ser feito, doa a quem doer. O país é nosso e todos temos o direito de dar a nossa contribuição para o seu desenvolvimentio. Vocês são vivos e eu sei, muito bem, o que vocês querem. Já que Patrice não consegue controlar “Téla Nóm” estão a criar condições para “curvar” o Abel Veiga e o seu projecto. Ele é, sem dúvidas, o melhor jornalista, actualmente, no país. Tem feito mais pela democracia do nosso país do que aquela cambada de ministros e secretários de estados corruptos que passam na vida a enganar o povo.
      Eu atrevo-me a dizer que o “Téla Nóm” é a melhor coisa que aconteceu na nossa democracia nos últimos anos.É por isso que incomoda-vos tanto. Querem que o “Téla Nóm” seja como aquela bandalheira e mediocridade da TVS onde o senhor primeiro-ministro telefona para o Director a decidir o alinhamento dos telejornais, das reportagens, das entrevistas, etc para adormecer o povo e andarem a encher os bolsos.
      Eu apelo pessoalmente ao Abel Veiga: não vergues. Eles vão te perseguir, vão te castigar, vão te criar entraves. Nunca desistas, pelo teu e nosso povo.
      Um bem haja
      Hugo

  26. Põe boca não tira

    14 de Dezembro de 2011 as 11:54

    Concordo inteiramente com os depotados. Esse país não é e nunca foi república de ADI e eles não podem fazer disto aquilo que eles querem. Cada um quer verba no seu gabinete para tratar da sua vida e como estão a lhes tirar o pão da boca está toda gente aborecido. Desde que assumiram poder nada fizeram em benefício daqueles que mais sofrem com tanta dificuldade e pobreza no país os cabrões pagam avião fazem de taxi agora estão a reclamar, alguém tem que por cobro a essa onda de anarquia politica qua anda no país. nós todos temos direito de viver nessa terra. isso não é património de Miguel Trovoada que o Sr Patricio herdou e que está a gerir do geto que ele quer.

    • Henriques

      14 de Dezembro de 2011 as 19:27

      Isto parece uma monarquia. O pai do senhor Patrice fez o que fez ao país. Os outros ministros, anteriores fizeram o que fizeram ao país. Agora temos este governo que está a acabar, de vez, com este país. Nunca vi tante instabilidade em tão pouco tempo de mandato. Os ministros parecem baratas tontas, não sabem o que fazem, não têm uma estratégia para o desenvolvimento do país, não sabem falar com o povo, semeiam ódios e rancores, promovem divisão e corrupção. Neste momento que o país precisava de um rumo traçado, de organização, de mobilização, de trabalho, de empreededorismo, de iniciativa e criatividade, vemos confusão, divisão, desmobilização, avareza, bandalheira, anarquia, falta de cooperação, despesismo sem sentido e outras coisas que nos estão a afundar num lamaçal. Eu tenho pena da juventude e crianças que estão nesta situação sem capacidade de escolher outras alternativas mais saudáveis para as suas vidas.
      É triste que um governo que está no poder por pouco tempo esteja já praticamente morto e não temos, aparentemente, alternativas para mudar de rumo. Seja o que Deus quiser.
      Henrique

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo