Política

Vamos recordar algumas promessas de 2011

Começamos pelo Supremo Tribunal de Justiça que em Janeiro de 2011, anunciou à nação são-tomense que os casos mediáticos de alegada corrupção financeira seriam todos esclarecidos em 2011. O Supremo Tribunal de Justiça, chegou mesmo a enumerar os casos que seriam esclarecidos.

Numa comunicação à nação em Janeiro de 2011, o Supremo Tribunal de Justiça, garantiu a nação são-tomense que em 2011 a justiça iria ser justa. «O Exercício pleno do Supremo Tribunal de Justiça, irá contrariar a injustiça instalada segundo a qual existem duas justiças: uma para os pobres e outra para os privilegiados», disse o Supremo Tribunal de Justiça, em Janeiro de 2011.

O Órgão de Poder Judicial, assegurou ao povo, que os casos mediáticos seriam esclarecidos. «Pautará por uma justiça imparcial e primará para que casos “badalados” da nossa esfera social, que envolvem algumas personalidades possam finalmente ser resolvidos», precisou o Supremo Tribunal de Justiça, que foi mais longe, tendo dado exemplo de pelo menos dois casos que seriam resolvidos em 2011, nomeadamente o escândalo financeiro do antigo Gabinete de Gestão das Ajudas (GGA), e o processo relativo a utilização da linha de crédito concedida pelo Brasil ao Estado são-tomense no valor de 5 milhões de dólares.

Figuras de quase todos os quadrantes políticos de São Tomé e Príncipe, estão directa ou indirectamente implicados nos dois casos citados pelo Supremo Tribunal de Justiça, que envolvem mais de 8 milhões de dólares. 5 milhões da linha de crédito do Brasil, que foram concedidos a empresa criada por comerciantes são-tomenses, a STP-Trading, e que resultou na importação de produtos deteriorados, impróprios para o consumo humano, ou que a população são-tomense não tem hábito de consumir. O pagamento da linha de crédito ao Brasil continua a ser uma incógnita. A STP – Trading parece não ter conseguido vender grande parte dos produtos deteriorados. O acordo da linha de crédito, foi assinado entre os dois Estados, e pode haver risco de o povo ter que pagar o que não comeu.

Juntam-se mais de 3 milhões de dólares do GGA, resultantes do comércio de arroz ofertado pelo Japão, em que grande parte das receitas ao invés de ser depositado no fundo de contra-partida, para execução de projectos de luta contra a pobreza, acabou por ser delapidado. Para melhor esclarecimento dos leitores, estes casos de alegada corrupção financeira, aconteceram antes, muito antes, do actual governo ser investido.

No entanto o órgão de poder que tem a competência de esclarecer tais casos, prometeu fazê-lo em 2011, assumiu compromisso com o povo, o único e legítimo beneficiário de tais montantes que foram desviados, ou mal geridos. A imprensa registou. Mas até esta última semana de 2011, nenhum dos casos de corrupção financeira, foi julgado.

Fica para recordação mais um estrato da declaração pública do Supremo Tribunal de Justiça em Janeiro de 2011 a propósito da promessa feita de julgar os principais casos de colarinho branco. «Perante o desafio nacional de combate a corrupção, os tribunais não ficarão impassíveis, deixando apenas claro que não servirão interesses outros que não sejam a protecção do interesse geral, o bem comum, a imparcialidade, baluartes de um verdadeiro Estado de Direito».

II

O Ministro da Educação Cultura e Formação Olinto Daio, foi o protagonista em Dezembro de 2010, da promessa enganadora para 2011. Após assinatura de um memorandum de entendimento com a empresa Portuguesa JP Sá Couto, para construção de uma fábrica de processamento de computadores Magalhães em São Tomé e Príncipe, o ministro Olinto Daio anunciou ao país que em Janeiro de 2011, seriam realizados os estudos de viabilidade económica do projecto, assim como a definição da região onde seria construída a fábrica de computadores Magalhães, “Made in São Tomé e Príncipe”. O Ministro garantiu que o mais tardar até Fevereiro de 2011, arrancariam as obras de construção da fábrica de computadores. «Com esta infra-estrutura vamos garantir empregos para cerca de 200 pessoas. É mais uma oportunidade para que possamos entrar neste mundo da industrialização e das novas tecnologias», afirmou o Ministro em Dezembro de 2010.

O Ministro da Educação e Cultura, sabia até a quantidade de computadores Magalhães que a fábrica iria produzir. Um total de 200 mil computadores por ano segundo Olinto Daio, tendo como alvo principal o mercado da África Central. «Com esse projecto queremos também a curto prazo, termos um computador por Professor e um computador por Aluno. Hoje para recuperarmos o atraso que a nível de desenvolvimento temos que alfabetizar as nossas crianças e jovens digitalmente», prometeu, o ministro.

2011, está a despedir-se sem ver o lançamento da primeira pedra para construção da fábrica de computadores Magalhães em São Tomé e Príncipe.

III

Esta é mais recente, aconteceu em Maio passado. A crise de água potável nas localidades de Almas, Praia Melão e Micondó, provocou protestos da população. O Primeiro-ministro Patrice Trovoada, entrou em campo, manifestou-se aborrecido com o pessoal técnico da empresa de água e electricidade e dialogou com a população tendo garantido que a falta de água seria resolvida em 15 dias. «O assunto de Almas vai estar ultrapassado dentre de alguns dias, é uma solução de curto prazo». 7 Meses depois, e com 2011 a despedir-se as populações de Almas, Praia Melão e Micondó continuam a recorrer ao rio Manuel Jorge para abastecerem de água.

O ano que termina põe também em contradição, algumas declarações proferidas de forma solene pelas autoridades nacionais. No que concerne ao Hospital Nacional de referência, o Ayres de Menezes, registou-se a maior crise em termos de insumos, como reagentes ou fio de sutura. O elevador do bloco operatório continua inoperante, apesar da constatação feita há mais de 1 ano pelo Chefe do Governo. O Ayres de Menezes foi a primeira instituição pública alvo da visita surpresa do Primeiro-ministro, assim que tomou posse. «Posso falar da cozinha do hospital. Posso falar do elevador do bloco operatório, que não funciona há 5 anos». Certo é que o elevador do bloco operatório continua inoperante na despedida de 2011.

No fecho de 2011, a ilha do Príncipe assumiu destaque com manifestações públicas e ocultas de grupos de populares, reclamando maior atenção do Governo Central em relação a pobreza crescente e ao isolamento da ilha. A população local que assinou com o actual Primeiro-ministro um acordo eleitoral que não tem sido implementado, protesta também contra as dificuldades na implementação do investimento da empresa de capital sul-africano, HBD-Boa Vida.

Mas o próprio Chefe do Governo, para além do acordo eleitoral assinado com a população do Príncipe, tinha prometido num discurso perante a Assembleia Nacional em finais de 2010, dar tratamento especial, não só a ilha do Príncipe como outras regiões do país onde o fardo da pobreza é mais pesado. «No domínio dos investimentos quer públicos, quer privados, a região autónoma do Príncipe e os distritos de Caué e Lembá serão constituídos em zonas especiais de desenvolvimento devendo gozar de um regime aduaneiro e fiscal especial e beneficiar de outras medidas com o mesmo alcance», disse o Primeiro-ministro na apresentação do programa do seu Governo à Assembleia Nacional.

Ano novo está a porta, e já se ouvem promessas muito optimistas para 2012. Elas estão a ser registadas. Aliás o Téla Nón vai criar um espaço dedicado a isso, ou seja, de registo das promessas e compromissos assumidos pelas autoridades nacionais perante o povo, dando assim oportunidade ao público de durante o ano, não se esquecer de tais declarações, e assim acompanhar a sua execução, exigir a sua implementação, ou então explicações sobre o não cumprimento das promessas ou compromissos assumidos.

Abel Veiga

    40 comentários

40 comentários

  1. luis

    26 de Dezembro de 2011 as 13:52

    E a promesa de instalar na Ilha do Principe, um Centro Nacional de Pescas para aumentar a produção piscatória do País. Aliás, o próprio P.M. em uma entrevista aos Jornalistas do Estado, afirmou que já tinha 1 milhão$ para o efeito…. e em parceria com outras instituições estrangeiras.
    Aguardemos!!!

    • Torres

      26 de Dezembro de 2011 as 14:51

      Assim continuam a enganar o povo. Mentem com todos os dentes da boca. Empurram o povo para a pobreza. Continuam ricos e o povo vai ficando cada vez mais pobre. Malditos politicos.
      Torres

    • Conóbia cumé izê

      27 de Dezembro de 2011 as 13:26

      Se as promessas dos malfeitores , bandidos e corruptos, mentirosos, com ausencia de um sistema judicário infuncional,vamos pagando muito carro essas aldrabices. Se os mentirosos pagassem impostos, STP seria um dos países de desenvolvimento médio da nossa sub-região da áfrica central. Sem um plano de desenvolvimento, curto, médio e logo prazos ; para os partidos que ganham eleições devem conformar os seus progrmas de governo com o plano nacional de desenvolvimento . Um povo anestesiado a todos os níveis;estamos fritos ao bife do búzio bem torradinho !… Fui…

    • RS

      28 de Dezembro de 2011 as 0:04

      De que adianta aumentar a pesca se depois o peixe vai pro lixo devido à falta de energia para conservar no gelo o excedente?
      As pessoas têm que se convencer que a energia deve ser a primeira prioridade, tudo o resto vem por arrasto, o pescador compra uma arca congeladora e pode conservar para vender depois, o carpinteiro compra uma serra eléctrica e pode fazer mais cadeiras, mesas em menos tempo e por ai adiante…

  2. fidelito

    26 de Dezembro de 2011 as 14:45

    MUITO BEM Sr jornalista Abel Veigas!

    Cria mesmo um espaço para o acompanhamento das promessas dos politicos à NAÇÃO!

  3. Amigos de STP em londres

    26 de Dezembro de 2011 as 14:45

    Em primeiro lugar quero agradecer o magnifico trabalho do nosso jornal tela non que pela sua competencia e responsabilidade; fazes passar a informacao a todos os sao tomenses em todos os pontos do nosso planeta, daqui vai a nossa gratidao. Em segundo lugar desejando-lhes uma boas festas e um ano de porsperidade.E sempre bom fazer recordar as atitudes negativas e comportamentos pouco responsavel dos nossos dirigentes e membros de supremo tribunal de justica que muito pouco se preocupa em mudar esse nosso abencoado Sao Tome e Pricinpe nesta linha de recordacao gostaria compartilhar convosco algumas perguntas analizada por alguns Sao Tomense residente em londres, em que notas poucas vontade dos mesmos protagonistas em nao fazerem nada para tal, pois que ainda existe: DOS CONTRATOS CONFIDENCIAS DAS LICITACOES DE BLOCOS : Existe uma desconfiança significativa por parte do público e falta de informação de fácil acesso pelo público sobre a situação actual destes contratos, e não foram divulgados publicamente quaisquer esforços no sentido de os renegociar ou resolver. DAS ESTRUTURAS DE GESTAO DO PETROLEO Existe uma sensação de que as estruturas foram impostas e que carecem de apropriação nacional ; deste modo fazemos as seguintes questoes: como estão a funcionar os mecanismos de gestão, fiscalização e publicidade da informação criados para atenuar os perigos da riqueza gerada pelo petróleo em todos esses anos? Estão esses mecanismos a assegurar uma gestão e fiscalização mais eficazes do sector petrolífero? Estão eles a gerar mais conflitos sociais ou a ajudar a promover a consolidação de uma sociedade mais pacífica e mais justa em São Tomé e Príncipe? Estão esses mecanismos a ajudar ou a prejudicar? Porquê ou porque não? Pois recordamos o porque da guerra em Angola e outros paises que possui o mesmo recurso natural dos seus impactos da exploração petrolífera etc. Pois sabemos que esta actividade decorre do facto de se reconhecer que os recursos naturais deviam ter um impacto positivo nos países que estão a tentar sair da pobreza. No entanto, os países em desenvolvimento com recursos abundantes vêem-se confrontados com uma nova série de desafios políticos, económicos e sociais que não têm condições para gerir, o que conduz à “maldição dos recursos naturais” de petróleo e outros. As elevadas expectativas sociais e as desigualdades na distribuição dos benefícios provenientes desses recursos é uma combinação politicamente explosiva. Os conflitos que advêm da descoberta do petróleo têm geralmente as suas raízes na dinâmica preexistente da sociedade. O afluxo de dinheiro tende a aumentar o que está em jogo e a intensificar as tensões sociais. A competição pelo acesso aos benefícios do petróleo aumenta geralmente o recurso à violência e a abordagens militarizadas da segurança, a fim de obter ou manter o controlo desses benefícios.
    Da mesma forma recordamos que: Em 1960, surge um grupo nacionalista opositor ao domínio português. Em 1972, o grupo dá origem ao Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP), de orientação marxista. Assim, em 1975, após cerca de 500 anos de controlo de Portugal, o arquipélago é descolonizado. Sera que a colonizacao deve o seu fim em Sao Tome e Principe ? ou que estamos a ter uma colonizacao avancada por proprios nativos? Recordamos tambem o porque dos diregentes Sao Tomense de nao se preocupar em formar ou capacitar Sao Tomense na area de formacao propria para acompanhar o desenvolvimento da economia mundial ou a evolucao do mundo.

  4. kua li

    26 de Dezembro de 2011 as 14:50

    Assim vamos,crêdo país!! Esse Olinto Daio já, demónio com fogo no rabo ,fazendo-se de bom-zinho! Computadores Magalhães bô padreco! Vieste com protagonismo,blabla-ba,pensando que enganas o povo com teus versinhos de sempre!

  5. Feijoada

    26 de Dezembro de 2011 as 14:51

    Haver vamos, este é o país que temos. Cada povo merece dirigente que tem…..

    • Helves Santola

      26 de Dezembro de 2011 as 19:37

      Fail!! Eu não mereço esses ter esses gajos no poder!!!! De onde vc tirou isso? Tu mereces??

    • Helves Santola

      26 de Dezembro de 2011 as 19:39

      ….resta saber se o cabo submarino de telecomunicações vai estar a funcionar no primeiro trimestre de 2012, como foi anunciado pelas autoridades!! Enfim sem fim, serafim!

  6. fidelito

    26 de Dezembro de 2011 as 14:51

    Quero apenas dizer que se trata de uma irresponsabilidade sem medidas, um Ministro ir à Comunicação Social anuanciar um projecto dessa envergadura de JP Sacouto, para iniciar em dois meses, e depois, passado um ano NADA acontece.

    Não se vê a fabrica, nem representantes da JP Sacouto, nem NADA!

    Qual é a justificação do Excelentíssimo sr ministro da Educação à NAÇÃO?

    Criação de 200 postos de trabalho, é uma esperança (expectativa) muito grande, para um país cuja taxa de desemprego é elevadíssima.

    O Sr Olinto Daio precisa dar uma explicação à Nação Santomense.

    Anuanciar coisas dessas é facil. Concretizá-las, é o que estamos a ver. ZERO!

  7. ECAS

    26 de Dezembro de 2011 as 15:25

    Parabéns Abel e obrigado, pk permitiu-me rever de facto tais promessas k pra mim já haviam caido em esquecimento. Encorajo-o pelo pontapé de saída de, dar passos p/o cumprimento do verdadeiro papel do jornalismo em STP. Que o ano 2012 seja melhor.
    Bem haja!

  8. Nando

    26 de Dezembro de 2011 as 15:59

    O problema de água piorou no ano 2011 nas localidades de almas, riba-mato e praia melão. Dantes havia agua constantemente nas torneiras e agora já não. A água só começa a correr por volta de 19 horas e para as 6 horas. Ha que se levantar cedo as 4 da mnha para buscar agua. há pessoas que preferem buscar água as 24 horas(meia noite) para evitar a aglomeração em volta das torneiras. Salvai-nos senhor Deus.

  9. João Bosco Menezes de Pinho

    26 de Dezembro de 2011 as 16:11

    Grande artigo. mas esqueceste das promessas do Procurador geral. Disse que o ano 2011 iria esclarecer todos casos de corrupção. Maltratou o Presidente do Tribunanal Surpremo Dr. Silvestre Leite. Cmaou-lhe de louco. Mas quando está em causa a partilha de … eles entendem se. Não esclareceu e foi acusado publicamente de ter estorquido dinheiro a um advogado da nossa praça. Tenham coragem em por os vossos lugares à disposição para o bem do Pais.

    • OLHO

      27 de Dezembro de 2011 as 0:44

      Concordo consigo meu caro João Bosco, infelizmente nesses 36 anos de nossa independência o nosso País não conseguiu gerar ou produzir politicos, e gestores integros, são todos bandos de larapios.

      Em cerca de 14 governos que nós ja tivemos durante esses anos , ninguem fez nada, mas mesmo assim so um ministro foi capaz de colocar o lugar a disposição, por encontrar tantos obstaculos, Paulo Jorge , este foi o único. Não conseguem fazer e não são capazes de dizer não sou capaz….

      Precisamos reeducar o nosso povo

      • amigo

        29 de Dezembro de 2011 as 13:43

        Um outro Ministro tambem foi capaz de colocar o lugar a disposição : Dr Carlos Graça, em 1977, por causa de posiçoes divergentes à ditadura e manutençao do partido na orbitra sovietica.Por isso , foi condenado, à revelia, à mais alta pena politica proferida na historia do pais : 24 anos de trabalhos forçados.

  10. Helves Santola

    26 de Dezembro de 2011 as 19:35

    Oba!! Amei esta matéria e a ideia em torno dela, a de permitir um maior esclarecimento da população sobre aquilo que acontece na vida política do país, promovendo a cidadania e o direito a informação. Meus parabéns à direcção do Tela Non por esse trabalho, assim como por todos que tem feito até hoje, já agora. Abraços….

  11. luana

    26 de Dezembro de 2011 as 21:29

    Este artigo é realmente uma realidade: faz-se promessas e promessas e mais promessas e no fim não cumprem, ou seja, nem pelo menos dá o início da mesma. O país está uma vergonha comparado com Cabo-Verde que antes os seus povos vinham para STP à procura de melhores condições de vida porque STP era dos melhores sítios onde podiam esperar melhoria de vida. E agora? Continuará a ser assim?
    Cabo-Verde está no 1º lugar da CPLP dos países mais democrático e nao só, porque apesar de não terem muitos recursos materias, solo fertil, está muito desenvolvido. Nem sequer falaram de STP na lista dos países da CPLP em democracia, mas falaram dos outros todos. Será que isso é uma alerta? Este é o link:http://www.asemana.publ.cv/spip.php?article71334&ak=1

  12. realista

    26 de Dezembro de 2011 as 23:14

    como santomense que sou adoro o meu pais mais uma coisa e certa tiro o meu chapeu pra politica de cabo verde pao pao queijo queijo ali a justica funciona seja la quem for em s.tome a justica so funciona pra quem rouba uma pinha de banana ou galinha
    malditos politicos bandos de vermes que nao fazem nada ou melhor so pensam em roubar e ver a terra a chorar pelo tato sofrimento vces vao pagar tarde ou cedo

  13. Homem

    27 de Dezembro de 2011 as 0:13

    esse PM e alguns amigos deviam ser pendurados no troncp.

  14. Male

    27 de Dezembro de 2011 as 1:23

    Estou a espera de ligacao da estrada Saton a SANTO Amaro meu filho nasceu ja vai fazer 5 anos.

  15. Anca

    27 de Dezembro de 2011 as 2:40

    Muito bem Téla Nóm, pela e para a memória social/cultural colectiva dos cidadãos Santomenes rumo a construção da cidadania Santomense.

    O Jornalismo de Investigação, associado a isenção e transparência, na produção de informação, no acompanhamento de eventos e factos que marcam a realidade social/cultural/desportiva, política, ambiental/económica e financeira, da nossa sociedade, bem como a informação factos e acontecimentos internacionais, traz consigo a emancipação crescimento social/cultural e político dos nossos concidadãos e nomeadamente ás autoridades e instituições competentes, na acepção de cultura de responsabilidade, transparência, e luta conta a corrupção, justiça, na unidade, na disciplina no empenho para e pelo trabalho árduo, ganhos estes, que podem transformar o nosso modos de ser, pensar, estar e fazer, logo para o crescimento e desenvolvimento da massa crítica e cultura de responsabilidade, de transparência no nosso país(território/população).

    Pese embora, se deva publicar e informar também, tudo o que foi dito feito e cumprido, pela e por uma maior isenção e transparência, na produção de informação, e visto que sendo a Comunicação Social ou os Mass Média, denominado de quarto poder, tem um papel estruturante na formação da consciência e memória colectiva do individuo logo da sociedade, sociedade esta que se quer livre justa transparente e moderna desenvolvida sustentável, salvaguardando sempre interesses, tanto das gerações presentes, bem como das futuras.

    Um grande abraço Abel Veiga

    Muito bem

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

    • Anca

      27 de Dezembro de 2011 as 6:36

      Para que a cultura de responsabilidade, transparência, de bom desempenho no trabalho, na representação acção governativa, na acção da justiça, para a credibilização e aumento de poder das instituições e seus representantes junto aos cidadãos, possa ganhar forma de respeito mutuo, que sirva de exemplo a sociedade no seu todo, pois assim se constrói, um Estado, um Estado( da qual fazemos todos parte integrante) que se quer e sirva de garantia de deveres e direitos democráticos, de cultura democrática pela responsabilidade, transparência e boa gestão governativa, da coisa pública, da qual pertence à todos os cidadãos.

  16. Tentado a ler

    27 de Dezembro de 2011 as 4:48

    O Abel merece ser “acarinhado”. Agora quero ver que balanço vai o governo fazer, se é que tem moral para o fazer.Se fizer, o salvo, vs Abel balanço nao ha de ser positivo de certeza. Bravo Abel. Tas no caminho certo. Por outro lado o Abel abre um bom precedente; de certeza que muito profissionais da area, ja começam a fazer exame de consciencia ao desempenho deles e abalisar ao do Abel. Bravo. Como diria alguem que nao sei quem, mais nao digo

    • Tentado a ler

      27 de Dezembro de 2011 as 4:49

      …saldo

      • Antero

        27 de Dezembro de 2011 as 17:14

        Eu estou farto de dizer que este governo nunca vai fazer nadaa. Existe ai gente fraca e incompetente que nunca deveria estar ai. Carlos Stock, Angela Costa, Olinto Daio e mais alguns nunca deveriam ser ministros neste pais. Mas como disseram anteriormente, mesmo a Cristina Dias foi ministro… Quem mais falta para ser ministro em S.T.P.?
        Por isso, meus amigos, nuca saberemos onde vamos parar. Temos que rezar e pedir a Deus que nos ajude. Nunca pensei que o pais chegasse a este ponto. Um governo que passa a vida a fazer promessas, mais promessas, depois, em vez de ajudar a resolver os prroblemas, complica ainda mais? Onde iremos parar, meu Deus?
        Greve dos funcionarios publicos, greve dos jornalistas, greve dos professores, problemas com gente do Principe para sacarem dinheiro ao investidor Sul Africano… O que falta mais, minha gente?
        Um bom ano novo para todos.
        Antero

  17. aumato

    27 de Dezembro de 2011 as 9:57

    Olinto Daio
    Tanto ele como a familia toda gosta muito de gabar e nao fazem nada

  18. Carlos Ceita

    27 de Dezembro de 2011 as 15:20

    Este texto dos Amigos de STP em londres totalmente fora do contexto do artigo trazido pelo Jornalista Abel Veiga me mereceu particular atenção. É um texto muito confuso. Li duas vezes e não percebi nada. Mas consegui ainda assim decifrar a questão da maldição do petróleo.
    Lá está o mito e as crenças as fantasias os baiás (bruxarias) mais uma vez dos santomenses. Se as coisas correram mal aos outros tem de correr mal a nós também. Nunca nada pode correr bem em STP ou na Africa por causa das maldiçoes. Que diabo. Que mal fizemos a Deus para merecermos tantas maldiçoes. As maldiçoes so acontecem a Africa e aos africanos. Será que a crise económico-financeira que assola os EUA e a Europa tem a ver com as maldiçoes? Mas eles os europeus e americanos sabem que a crise e o desemprego galopante nada tem a ver com as maldiçoes mas sim a corrupção a ganancia e a ma gestão da banca. Então porque razão nós africanos temos de acreditar nas maldiçoes? A verdade é que a invenção da maldição da muito jeito aos corruptos e os corruptores para desviar atenção do essencial e tentar confundir os ignorantes ilibando-os de qualquer responsabilidade no eventual fracasso nas negociações do petróleo.
    o que os santomenses precisam é de mudar de mentalidade e ser anti-maldiçoes. Se um pais como STP tendo petróleo e se souber buscar um pais sério ou uma companhia e negociar bem as contrapartidas as maldiçoes deixam de fazer sentido.

  19. Carlos Ceita

    27 de Dezembro de 2011 as 15:24

    As maldiçoes so acontecem a Africa e aos africanos? faltava o ponto de interrogaçao na frase.

  20. BRUNO DAS NEVES

    27 de Dezembro de 2011 as 15:38

    Duma forma geral, somos nos (os sontomenses)quem esta consentindo todos esses abusos desses larapios politicos da nossa praca, se nao vejamos,as promessas feitas por senhor presidente do STJ,em esclarecer ou julgar os maiores casos de corrupcao do nosso pais, porque tanto tempo? Sera que os ditos corruptos estao ausentes do pais? O falta pra que esses casos sejam esclarecidos? Ou ele ou quem de direito que nao tem rabo preso na estrada com maior ombridade e espirito de servir bem esses belo pais nos facam o favor de esclarecer esses factos que muitos filhos desse pais tanto esperam. Saiba senhor Abel Veiga que tudo isso que tens feito pra nos nao ha recompensa possivel que lhe podemos pagar, mas sao.tome poderoso esta te vendo.
    “VIVA S.TOME E PRINCIPE”

  21. Da ilha

    27 de Dezembro de 2011 as 17:49

    sim senhora uma ideia nova e inovadora do nosso estimado jornlista Abel Veiga, uma sugestão quando esse governo cair e vier outro por fvor não se esqueça da fazer o mesmo já que quando o mlstp esteve no governo essas ideias não saiam da cartola, pergunto-me quando a liberdade de imprensa estas mais fraca existe mais força para lutar contra esse estado e surgem ideias destas ou sera que esta incomodado com essa situação ou esta realmente preocupado com o bem estar do seu povo? a ver vamos

  22. crédo

    27 de Dezembro de 2011 as 18:01

    não mata nós de fome não,

    mas vosso diavai chegar,esse é governo!

  23. Maiker

    27 de Dezembro de 2011 as 18:56

    Esse governo anda a brincar com o povo.
    Temos um ministro de Educação que ja deveria ter pedido demissão a muito tempo O Olinto Daio fala muito não faz nada”politico”, esse o homem vai entrar na história como o pior ministro que a história da Democracia conheceu.

  24. Pumbu fresquinho

    28 de Dezembro de 2011 as 7:20

    “Ano novo está a porta, e já se ouvem promessas muito optimistas para 2012. Elas estão a ser registadas. Aliás o Téla Nón vai criar um espaço dedicado a isso, ou seja, de registo das promessas e compromissos assumidos pelas autoridades nacionais perante o povo, dando assim oportunidade ao público de durante o ano, não se esquecer de tais declarações, e assim acompanhar a sua execução, exigir a sua implementação, ou então explicações sobre o não cumprimento das promessas ou compromissos assumidos”.

    Este espaco e muito necessario e sera muito bem vindo.
    Obrigado Abel, desejo-lhe e a toda equipa do “TELA NON” prosperidades, muita saude e exitos no Ano Novo de 2012.

  25. keblancana

    28 de Dezembro de 2011 as 9:17

    Estes tipos nem sequer estão a enganar ninguém, visto que estes ditos politicos, nenhum tem moral “ficha limpa”, para julgar seja lá o k for. Por isso não se pode esperar nada …Os santomenses é que se estão a deixar enganar.

  26. hedy

    29 de Dezembro de 2011 as 8:27

    É uma pena porque no final quem sofre é o povo.O que se tem notado é que a cada ano que passa a nossa vida vai ficando mais difícil, os preços dos produtos estão cada vez mais altos, está cada vez mais difícil viver em São Tomé e Príncipe.É verdade que isso está a acontecer em toda a parte do mundo, mas o nosso país graças a Deus é abençoado tem de tudo um pouco, e eu tenho certeza que podíamos evitar muitas situações tristes se alguns filhos da terra assim o quisessem. Estamos a nos aproximar de 2012 e queremos que as coisas sejam diferentes,não queremos governantes que nos mintam, mas sim governantes que queiram assumir um real compromisso com o povo, que estejam dispostos a trabalhar para mudar o nosso país. Feliz ano novo para todo o povo santomense.

  27. Zé Maria

    29 de Dezembro de 2011 as 13:24

    Gostei do artigo.
    Isso deixa os demagogos de “saia justa”.
    Somente os autores dessas frases não devem ter gostado de ler isso.
    Parabéns, excelente reflexão para nós santomeneses,o povo que vive de promessas.

  28. zeme almeida

    29 de Dezembro de 2011 as 17:08

    As promessas não é novidades pra ninguêm!As promessas são de todos politicos,antes de chegarem ao poder,portanto não vejo este artigo com nada que se aprende!O artigo só está a tiçar tudo contra uma pessoa do Governo.Mundos e fundos, sempre foram slogan dos governantes que estiveram a frente do destino deste País e os maiores prejudicados disto tudo é este povo sofredor.Os que estão a levar com esta carga toda são os Trovadas o mal pior deste País?Não sou da familia dos Trovodas mas as verdades têm que ser ditas.O meu comentário não tras nenhum insulto e será objecto de moderação do vosso jornal Tela-Non como é obvio.Viva RDSTP

  29. Justino Manuel Abreu do Ramos

    30 de Dezembro de 2011 as 23:16

    Apesar de tribunal ter feito uma nomeação dos juízes novos, ainda falta de mudar muitas coisas. Espero que seja mudado mais rápidamente para que as coisas entrassem como devia. Se o tribunal não estiver como deve ser as coisas nunca correrá como deve ser.Espero que o senhor Primeiro Ministro tenha corragen e fazer uma reforma como édevido para que os envistidor ganha coragen de envestir no País, que haja um desenvolvimento no País. Quero perguntar aos nossos dirigente até quando haverá uma energia como deves ser, e que tudo funcionará como deves ser.Já a cerca de trinta seis anos que o nosso Pais é independente e nada funciona como deves ser. Quando é que vai haver saneamento no nosso País.Quando é que governo vai resolver o saneamento de locumí apartir de chacara pra ir fora, fizeram uma estrada que não vale nada, já está todas emburacadas as partes que ficaram já não se fala as coisas estão assim e o paludismo não acaba as coisas continuam na mesms. começam as obras e não as cabam. O governo tem que ter mão de ferro de resolver as coisas e que comer dinheiro do estado será punido e condenado e ir á cadeia.

  30. cantineiro de sundy

    31 de Dezembro de 2011 as 7:30

    na proxima terça feira a convite do Governo Regional do Principe, o povo sairá mais uma vez a rua, mas desta feita em peso como comentam alguns ladiantes do presidente tozé. este sugeriu a sua demição ontem as 10h00, mas os delegados a reuniao marcada de urgencia pelo presidente, preferiram declarar manifestação e paralização geral do Principe na proxima terça feira.
    activistas do GR ja estao no terreno mobilizando a população que indeposta diz que quem sai a ganhar com o homem da lua sao os amigos do PR.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo