Política

PCD propõe debate parlamentar com Patrice Trovoada sobre o Estado da Nação

Após a entrevista do Chefe do Governo a Televisão Pública, em que segundo o PCD, o Primeiro-ministro manifestou desespero, desnorte e frustração, é altura diz o partido da Assembleia Nacional agendar um debate parlamentar, sobre o Estado da Nação, com a presença de Patrice Trovoada.

Segundo a terceira força política são-tomense, o seu grupo parlamentar já foi mandatado para junto a mesa da Assembleia Nacional, realizar o debate que deve contar com a presença do Chefe do Governo.

As declarações do Primeiro-ministro em entrevista a TVS, impulsionaram a proposta do PCD. O partido diz que na entrevista Patrice Trovoada, apresentou-se como uma «personalidade claramente desesperada, desnorteada, e frustrada por não ter conseguido demonstrar a competência e capacidade necessárias a quem o poo confiou a governação do país e implementar, de facto as suas promessas eleitorais», lê-se no comunicado distribuído a imprensa.

O partido reforça que «durante dois anos de governação, o senhor Patrice Trovoada elegeu viagens ao estrangeiro como sua principal tarefa, no intuito de enganar mais uma vez a população de que as suas viagens iriam trazer proveito para o país. Como todos os são-tomenses sabem, o resultado até então tem sido verdadeiramente negativo», sublinha o comunicado.

PCD, rejeita as insinuações feitas pelo Chefe do Governo, que apontam o partido como sendo um dos organizadores da manifestação pública que está na forja. «Este partido quando achar necessário e oportuno organizar e liderar uma demonstração popular, há-de assumilo publicamente, com a presença de todos os dirigentes e militantes. Não é e nunca foi prática do PCD esconder-se por detrás de quem quer que seja, de modo a fazer passar a sua mensagem ou implementar acções que sejam da sua competência e responsabilidade», pontuou.

Abel Veiga

    19 comentários

19 comentários

  1. david santos

    5 de Julho de 2012 as 8:58

    assim mesmo pcde esse senhor nao só enganou os a populaçao como também muitos dos seu colaboradores jovens e com formaaçao

  2. nora

    5 de Julho de 2012 as 10:52

    Mesmo os Deputados do ADI estão legados a sua sorte, como se fossem capachos do Patrice Trovoada. MUITOS DOS DEPUTADOS DO ADI ESTÃO DESCONTES COM PATRICE TROVOADA, é tempo de sacodirem a poeira. O PATRICE TROVOADA PREVILEGIOU OS IRMÃOS MONTEIROS E ZÉ DE PADARIA, COMO SE FOSSEM O SEU SUBSTRATO. OH, DEPUTADOS DO ADI ABREM OS OLHOS. MUITO BEM PCD.DÊ AO PATRICE TROVOADA RABO NO CHÃO.

  3. Augerio dos Santos Amado Vaz

    5 de Julho de 2012 as 11:06

    Neste debate parlamentar, devem perguntar ao senhor Primeiro-Ministro, quais são os Juizes- Conselheiros que ele contacta e fala, se fala em processos concretos, perguntar, a razão de manter até agora o Procurador- Geral da Republica qe deu provas mais que suficiente que é inapto para o cargo. Perguntar se é poblema do Governos os processos pedentes no Tribunal…

  4. Cidadão

    5 de Julho de 2012 as 11:27

    Nós santomenses ja demos provas de que não sabemos governar. Sugiro a intervenção da Nações Unidas durante pelo menos 10 anos para o bem de todos.

  5. fundo

    5 de Julho de 2012 as 13:02

    O PCD nao pede a assembleia estado da nacao para descutuir stptrading passeios
    barco principe comiga podre.

  6. ôssobó1

    5 de Julho de 2012 as 14:52

    PCD,nao tem dignidade para falar de nada. Deviamos ter debate parlamentar sobre a justiça, sobre os corruptos e devem mostrar o povo onde pozeram os 5,000,000.00 de dolares? onde foi os bilhoes de passeios, quem vai pagar? porque ko tribunal nao faz nada? Delfim é cunhado de Juiz e outro é sr. bejamim, ele deram ele dinheiro pa comprar Barco, uk ele fez? tomou metade e comprou barco de turismo au in de transportador de cargas. isso que é agora para povo saber. Depois vamos fazer contas com Governo de Patricio.

    Justiça.

    Bem Haja.

  7. Verónica

    5 de Julho de 2012 as 15:22

    Fundo,
    Tens toda arazão. O caso STP Trading, os passeios e Doca, não terão pernas para andar. Tudoo que tem feito a volta disto é só propaganda para atingir moralmente determinadas pessoas, qdo não seja uma que é o Delfim.
    Acha que se fosse um caso com pernas para andar, o Patrice não teria feito seguir este processoaté ao fim.
    Qdo a coisa esteve quente, o meu amigo Armando Correia e o Santana, eram iscas para puxar o Delfim e como eleé xaroco e rato aomesmo tempo, não conseguiram. Qtosnão meteram na cadeia injustamente e depois puseram na rua sem causa justa. Nguê môlê môlê ê. Isto foi feito para os espetos.
    Cuide-se.
    Qtas coisas o Delfim não disse ao Patrice Trovoada? O STP Trading, passeio e Doka, écomo lôçôô.Só propaganda para denegrir.

  8. E.jeronimo

    5 de Julho de 2012 as 15:36

    Sao Tome e Pincipe ate quando?nem da para chorar,so rir,37anos e demais,a independencia total glorioso canta o povo,assim cantem o nosso hino nacional,mas na realidade e a gloriosa tristeza que convivemos,so com Cristo

  9. Anca

    5 de Julho de 2012 as 16:24

    O partido político PCD/GR, antes de pedir o debate sobre estado da nação, deveria pedir, um debate sobre casos de corrupção, jamais resolvidos, como é o caso, GGA, STP-TRADING, etc,… dentre muitos, muitos, outros em que, os seus membros estão implicados, para citar por exemplo do Sr, Delfim Neves, dentre muitos outros.

    Deveriam pedir, um debate sobre o estado da injustiça no país(território/população), do funcionamento do sitema de Justiça(os Tribunais).

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Porque casa onde não há pão, todos ralham e nínguém tem razão. É a pobreza de espírito e material, a fome e miséria a assolar.

    Há que trabalhar

    Deus abençõe São Tomé e Príncipe

  10. Isidoro Porto

    5 de Julho de 2012 as 16:37

    STP tem mais políticos que agricultores competentes,
    Mais políticos que médicos competentes,
    Mais políticos que professores competentes,
    Mais políticos que canalizadores competentes.
    Mais polííticos que pedreiros competentes;
    Mais polticos que electricistas competentes;
    Mais políticos que pescadores competentes,
    Mais políticos que agronomos competentes,
    Mais políticos que veterinarios competentes,
    Mais politicos que juristas competentes,
    Mais politicos que embaixadores competentes,
    Mais politicos que jornalistas competentes.
    Em suma há mais politicos em STP do que profissionais e técnicos competentes.

    Nenhum país se desenvolve apenas com políticos e comerciantes.
    Os politicos devem ser antes de tudo bons profissionais e bons técnicos para que possam propor sugestões técnicas que possam alavancar o país.

    Em STP as discussões giram essencialmente a volta da vertente politica das questões e passam ao largo das suas vertententes técnicas porque grande parte dos nossos políticos estão desprovidos de conhecimentos técnicos.

    Politicos não produzem riqueza. Só a produção de riqueza ajuda a alcancar o pais para desenvolvimento.
    Por isso, se não invertermos o quadro, STP jamais atingirá o desenvolvimento tão propalado.

    1991-2012. São passados 21 anos e o petroleo não jorra, e a nação não sabe em que estado de desenvolvimento este projecto se encontra. Isto demonstra muita preguiça, meus compatriotas.

    CITAÇÃO:” O navio norueguês que está a realizar a investigação marítima da zona, foi contratada após a avaliação de vários parceiros contactados para a realização da tarefa. «A Noruega respondeu aos nossos anseios e decidiu participar com 70% de financiamento para esta pesquisa que está em marcha. Trata-se de um barco de investigação científica apetrechado com o mais modernos equipamentos, desde sondas e outros, para recolha de dados. Essa operação começou no dia 7 e vai durar 19 dias», explicou Olegário Tiny.” FIM DE CTAÇÃO.
    Estas pesquisas que decorreram em Maio do ano passado, tinham como objectivo apresentar os resultados em Novembro passado. Passados mais de um ano, a nação desconhece tais resultados e os nossos politicos/deputados nao chamam ninguém da Autoridade Conjunta para ir ao Parlamento explicar em que pé estamos. Talvês por estarem desprovidos de capacidade técnica para discutirem esta questão.

    CITAÇÃO: A Autoridade Conjunta através do seu departamento de recursos não petrolíferos já começou a negociar com algumas empresas internacionais a possibilidade de virem a explorar os recursos identificados pela investigação em curso. «Dentre os contactos temos uma empresa nigeriana séria, que tem perfil adequado com larga experiência nesta área, e que trabalha em parceria com empresas espanholas e russas, no comercio do peixe no mercado internacional», frisou.
    Segundo Olegário Tiny, a Autoridade Conjunta, pretende ser parte do projecto. Não vai limitar-se apenas a vender pescado para a empresa contratada. «Queremos é ser parte do projecto, transformar o pescado na Nigéria ou em São Tomé e Príncipe, com prioridade para São Tomé e Príncipe. No capítulo da transformação não queremos apenas produzir enlatados. Queremos sim é, produzir também derivados de peixe, farinha etc», sublinhou. FIM DE CITAÇÃO.
    Hoje assistimos Espanha doando equipamentos e materiais agricolas a STP. Será que com parcerias credíveis ao nível das pescas, a STP não teria capacidade de comprar tais equipamentos? Sugiro os deputados a convidarem elementos da Autoridade Conjunta para explicarem em que situação encontram tais negociações com as referidas empresas.
    CITACAO: «Na zona conjunta foram feitos 5 perfurações no ano passado e descobriu-se petróleo ou gás em cada uma dessas perfurações. Pretendemos iniciar agora e depois das pesquisas as actividades piscatórias. Então surge uma certa contradição entre a actividade petrolífera que normalmente é poluidora e as actividades piscatórias que têm a ver com recursos vivos que em princípio são renováveis, e precisam por isso de condições adequadas para a sua renovação e protecção. Então entra a questão ambiental», precisou. FIM DE CITAÇÃO.

    Torna-se necessário que os nossos politicos/parlamentares chamem os agentes da Autoridade Conjunta a fim de explicarem quantos furos já fizeram em 2012 (tendo em conta os 5 de 2011) e quais serão os passos daqui em diante. Reparem que são passados 20 anos nessa “lenga-lenga”.

    Na minha opinião a Autoridade Conjunta deve ser pressionada pelas autoridades nacionais para que ela pressione os seus parceiros (empresas com as quais têm contratos) para que o país produza riqueza a partir do petroleo e das pescas, de formas a alavancar outros sectores da economia.

    No estágio económico e de corrupção em que STP se encontra, não tenhamos dúvidas, sem um sector vital como o do petróleo, (que sirva de alavanca), jamais sairemos do abismo em que nos encontramos, nem que mudemos de governo todos os anos (aliás, já tivemos 14 governos nestes últimos anos e os resultados estão à vista).

    Não devemos disparar contra o Governo só por termos sido feridos com o anúncio das listas de devedores do Estado por não termos pago as casas que devemos ao Estado. Só isto não deve constituir motivos bastantes para criação de uma crise política com manifestaçõões à mistura.

    E preciso que os dirigentes, politicos e gestores devedores compreendam que técnicamente, devem repôr os valores gastos pelo Estado na construção das casas. Mesmo que não resolvam isto a bem, e formem o um novo Governo agora, abafando este escandalo, tarde ou cedo, outros governos hão-de cobrar-nos no futuro. Entao não sejamos avestruzes escondendo a cabeça e deixando o rabo de fora.

    Não devemos criar crise política com manifestações à mistura, pelo facto de STP não ter pago a divida dos cinco milhoes de dolares ao Brasil. Isto é um facto e devemos encará-lo com serenidade e encontrarmos a forma mais viável para o solucionar. Tecnicamente devemos pagar ao Estado brasileiro e ponto final. Brasil nao e nenhuma CASA PIA dos nossos politicos, dirigentes e gestores.

    Não me parece correcto, que só por termos sidos feridos por esses dois assuntos (que acho sérios, de polícia e de justiça) que transformamos em avestruzes, escondendo as nossas cabeças, deixando os nossos rabos de fora.

    Este Governo vai ser julgado ao seu tempo pelos eleitores. Faltam precisamente 2 anos, tenhamos calma, pois lá chegaremos.

    Isidoro Porto
    05/JUL/2012

    • alb.franc

      6 de Julho de 2012 as 12:44

      Kiê,meu irmão mais 2 anos????É muito.Nón cá molê tuda chiiiifa.

  11. Bestide Menezes

    5 de Julho de 2012 as 17:33

    Topicos para discussao na debate pedido pelo PCD 1. o estado nacao 2. STP trading e 5000000 de dolares do Brasil 3. Caso dos passeios e Doka 4. O escandalo do barco comprado para servir a populacao do Principe 5. O caso do dinheiro do arroz desviado pela empresa Delfin Ltda 6. O caso da imunidade parlamentar dos deputados 7. O estado da justica Saotomense

  12. António Silva

    5 de Julho de 2012 as 18:43

    O que me espanta nestes partidos, tanto faz do governo ou da oposição, é de tentarem imitar outras democracias. Isto é bom!
    Contudo, tudo isso fazia sentido se todos cumprissem e fossem realistas.
    O Estado da nação!?
    Que nação?
    Onde se pode pegar para começar o debate?
    Existe neste país um plano de desenvolvimento?

  13. gostoso

    5 de Julho de 2012 as 19:01

    O PCD não tem moral para exigir nada. Com PCD STP foi pessimamente governado. É verdade que o Governo ainda não brindou o povo com realizações. Mas há muita coisa ainda por esclarecer. Tem que se arrumar a casa. Resolver caso dos juizes, STP Traiding, passeios, barco príncipe,GGA. Meus caros vocês imaginam quantos milhões de dólares estão envolvidos nestes processos? Sabem que vai pagar isto tudo? Sabem que tipo de vida levam esses Srs. que assambarcaram esses fundos? Sabem quantas casas têm esses Srs.? Deixa o Patrice fazer o seu trabalho. Precisa-se saber quem andou a delapidar fundos do estado. Viram que tipo de gente que anda a viver nas casas de estado sem pagar? Acham isto justo. O pais é todo nosso, porquê que toda gente não é beneficiado. São eles que têm mais condições e são eles que não paga as suas obrigações. Põe todos no tribunal. VIVA PATRICE.

  14. Carlos Ceita

    5 de Julho de 2012 as 20:24

    Meu caro Isidoro Porto só você mesmo é capaz de nos para brindar com mais uma reflexão deste nível. Apareça mais vezes
    Eis a minha contribuição.
    Critica: O país reclama como pão para a boca um debate sobre o estado do país em termos políticos económicos e sociais a curto médio e longo prazo, sobre o estado da governabilidade, sobre o estado do actual governo do ADI e sobre o estado de todas as oposições (do MLSTP, PDC MDFM).
    Soluçao e minha humilde contribuição (não estão fechadas aceito outras contribuições/opinioes):

    O que o país precisa a semelhança ao que o nosso amigo do Príncipe (To Ze) fez é:
    Os saotomenses independentemente das suas diferenças devem sentar a mesa e elaborar um plano nacional estratégico sustentado de desenvolvimento do país a curto médio e longo prazo ( em que estejam definidas as prioridades do desenvolvimento economico). Definidas também os desígnios nacionais.
    Mobilizar os recursos humanos e os parcos recursos naturais para esta causa nacional.
    Buscar apoios e investimentos de países parceiros tradicionais e sobretudo aprender com experiencias de países insulares como nós.
    Os desígnios nacionais devem ter continuidade no tempo independentemente dos governos e primado na constituição da república
    São eles:
    O Ambiente e ordenamento do território.
    A luta contra todas as formas de corrupção activa e passiva.
    A segurança de pessoas e bens.
    A protecção das mulheres, terceira idade e crianças.
    Educação e saúde.
    Justiça.
    As prioridades do desenvolvimento;
    Economico:
    Agricultura/Agroindustrial (terra, floresta, rios)
    Mar (pesca, e as riquezas marinhas )
    Turismo
    Energia
    No que diz respeito ao desenvolvimento económico temos de nos questionar:
    Que sector de actividade económica pode gerar riqueza interna a curto prazo e médio prazo?
    Pode ou não a agricultura e o desenvolvimento rural e pescas gerar riqueza a curto médio prazo?
    Pode ou não São Tome e Príncipe produzir bens alimentares para o consumo interno e em caso de excedente expoertar.
    Porque é que as políticas dirigidas a este sector não tiveram sucesso. O que falhou, o que podemos fazer para melhorar ou potenciar o desenvolvimento deste sector? e qual a garantia de que não vamos falhar.
    Porque continuar a importar bens que podem ser produzidos localmente. (ex: agua mineral, sal, óleo alimentar, )
    Aos desígnios nacionais apenas uma questão que considero fundamental que é a corrupção.
    Todos os que ascendem a cargos públicos tem de declarar os seus bens e qualquer servidor publico condenado por actos de corrupção fica impedido de exercer cargos públicos.
    É por ai que os partidos políticos devem seguir o contrário disto é o que temos visto neste 37 anos: caos, banhos, transe/bobismos, fait divers e instabilidade endémica em suma um Estado Falhado.
    Tenhamos juízos meus amigos compatriotas

  15. Carlos Ceita

    5 de Julho de 2012 as 20:44

    Nem mais meu caro Antonio Silva
    Assino por baixo e cito as tuas palavras
    “Onde se pode pegar para começar o debate?
    Existe neste país um plano de desenvolvimento?”

  16. santa catarina

    6 de Julho de 2012 as 8:26

    PCD quer estado da nação: Ora muito bem gostei da proposta para tal temos que saber tudo desde Doca sem barco, STP Trading, passeios da capital, reabilitação da estrada do sul, caso PBN em S.Tomé,fundo do Japão, espaço aereo “mina de ouro”barco principe,hospital de cantagalo,estrada campo de milho,Projecto BAD pecuaria etc..
    Como diziam na reunião da Trindade Ubagá cá chá sócú báké cá bê cúmá.

  17. Filipe Samba

    6 de Julho de 2012 as 11:14

    A falta de prosperidade económica despertou o activismo político do PT mas a situação financeira de muitas pessoas no país continua a ser precária e é possível que PT não consiga cumprir as suas promessas de melhorar a vida da população.
    Uma das piadas mais actuais do comediante Santomense é a que diz que a recessão é tão grave que as pessoas se queixam de não poder ter mais de uma refeição por dia, onde as farmácias registam escassez de todos os medicamentos sem referir as condições antisanitarias nos hospitais. A anedota não tinha muita graça durante o período anterior às eleições presidenciais. Mas os Santomenses continuam pobres. “O Mundo em 2012”, secção da Economista dedicada a calcular o que o ano reserva ao Povo

    • Ôssôbô

      6 de Julho de 2012 as 22:03

      Se é o Samba de Monte Café … já se sabe que é um comunista!!!!
      Fui!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo