Política

São Tomé e Príncipe país onde o crioulo cabo-verdiano é uma das línguas mais faladas celebrou 5 de Julho

Ké Morabeza, sede social construída em São Tomé, pelo Governo cabo-verdiano, foi o principal palco das celebrações do dia da independência de Cabo Verde. Catchupa, não faltou na festa que congregou vários milhares de são-tomenses de sangue cabo-verdiano.

Parte significativa da população de São Tomé e Príncipe, é composta pelos cabo-verdianos e por várias gerações dos seus descendentes.

Uma mensagem da Associação Ké Morabeza, destacou a importância dos cabo-verdianos e seus descendentes, assumirem a nacionalidade são-tomense.

Caros compatriotas
Cabo – verdianos
Cabo-verdianas
Descendentes de Cabo-verdianos e cabo-verdianas. Estamos aqui hoje a comemorar mais um 5 de Julho, desta vez o 37º aniversário da Independência de Cabo Verde sob o lema “FINKADU NA RAIZ – Juntos fazemos São Tomé e Príncipe ; Momento oportuno para desejar todos os cabo-verdianos , todas as cabo-verdianas e seus descendentes radicados em São Tomé e Príncipe, festas felizes e um bem haja a Cabo Verde; Momento também oportuno, para uma profunda reflecção , sobre a situação dos cabo-verdianos, cabo-verdianas e seus descendentes  nas roças de São Tomé e Príncipe e não só;

Já la vão 37 anos da Independência de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, já la vão mais de 37 anos que a situação dos cabo-verdianos, cabo-verdianas e seus descendentes principalmente nas Roças de São Tomé e Príncipe continuam sem dar sinais de melhoria; Assim sendo é chegada a altura de nós começarmos a pensar numa fórmula de tentar ultrapassar estas dificuldades que todos nós conhecemos e muito de nós vivemos o dia dia;
Caros Concidadãos; A ASSOCIAÇÃO KÉ MORABEZA, acha que uma das soluções para começar a ultrapassar estas dificuldades está em assumirmos a cidadania São Tomense ( cabo-verdianos e cabo-verdianas em São Tomé e Príncipe têm que adquirir a nacionalidade São Tomense), adquirindo a nacionalidade São Tomense não estamos a negar Cabo Verde, pelo contrário ; Uma outra solução é estarmos mais unidos, cultivar mais o espírito de Associativismo (cabo-verdianos, cabo-verdianas e seus descendentes devem aproximar mais a Associação KÉ MORABEZA  assim como a Associação deve aproximar-se das Comunidades );

Compatriotas;
Sendo hoje um dia de festa e não de discurso, a Associação deseja todos cabo-verdianos e  cabo-verianas e seus descendentes em São Tomé e Príncipe, continuação de uma boa festa, mantendo sempre o civismo, o respeito, em suma, a nossa “MORABEZA”.

Obrigado.

    14 comentários

14 comentários

  1. Emiratos

    6 de Julho de 2012 as 14:55

    Uma expressão que nunca se deve utilizar” Sangue Cabo verdiano, Sangue português, Sangue Angolano”, Mais rigor, senhores Jornalistas. Xenofobia é crime!

  2. Aristides Barros

    6 de Julho de 2012 as 15:26

    Da maneira que esse comunicado está redigido, da-nos a impressão que os cabo verdianos que têm a nacionalidade santomense estão todos bem e os que não a têm estão mal.É isso? É por essa razão têm que adquirir a nacionalidade santomense para viverem bem como os santomenses ou como os cabo verdianos que têm a nacionalidade santomense?
    É a pergunta que faço a Associação Ké Morabeza.

    • HLN

      6 de Julho de 2012 as 17:41

      Artides em que país vives? Em STP mesmo os Santomenses de raiz vive pessimamente mal. só a classe politica e corrupta vive bem.

      • RS

        6 de Julho de 2012 as 18:47

        Não há santomenses de raiz, é tudo importado.

        • Ôssôbô

          7 de Julho de 2012 as 19:39

          Eu não sabia que santomenses eram produtos, porque no meu entender o que se importa é produto!!!
          Fui!!!!

  3. ZE PEDRO

    6 de Julho de 2012 as 16:20

    Em São Tomé e Principe só está bem a classe politica, tudo o resto está mal, por isso esta reflexão deve também servir aos são-tomenses de outras origens….

  4. Ôssôbô

    6 de Julho de 2012 as 18:44

    É verdade!! É verdade! Em S. Tomé e príncipe, não há pão para malucos nem pentes para carrecas. Todos partilham o mesmo espaço e coabitam com a pobreza. Se levarmos em consideração o laço histórico entre CV e STP, não tardamos a entender que realmente o criolo fala-se em cerca de 60% do teriitório santomense. Os caboverdianos e os descendentes partilham a mesma língua pelo amor a pátria caboverdiana. Não vejo xinofobia nem discriminação!!
    Fui!!!

  5. Ricardo dos Santos Neto

    7 de Julho de 2012 as 8:59

    Meus Caros,
    Não se preocupem. O Abel pela sua ascendência caboverdiana não quererá no fundo dizer que somos todos caboverdianos e que a nação santomense não existe.
    Apenas reflexão.
    Fui……….

  6. Nando Vaz (Roça Agostinho Neto)

    7 de Julho de 2012 as 12:09

    Para que a nossa Associação pudesse e ganhar outro dinamismo é bom comecemos aniquilar todos tipo de autoritarismo e autocracia reinante no ceio da Associação.
    E em seguida desenvolver a nossa comunidades!..

    • silvinoplopes milagrosa trindade

      4 de Novembro de 2013 as 4:16

      amigo será de grande importância existir esta associação caboverdiana em s.tomé para defender os interesses da comunidade , e fazer saber as obrigações que o estado de s.tomé terá que se assumir por este povo trabalhador que não merecem a passar por motivo do regime colonial e esta comunidade terá que ser mais interveniente em saber das condições de vida que eles merecem alojamento saúde e sobrevivência força a executar o vosso trabalho …

  7. Carlos Moreno

    8 de Julho de 2012 as 10:59

    Descendentes ou não, partilhamos o mesmo teto,o que importa é o respeito um pelo outro e lutarmos em prol de bem estar social,harmonia pensando sempre no desenvolvimento do País onde nos encontramos. Viva Cabo Verde, Viva S.Tomé e Principe….

  8. Rogerio Da silva

    8 de Julho de 2012 as 12:38

    Sr Ricardo dos Santos para de falar a tua ha saotomens de sangue cv e de ao angolanos e saotomens raiz ok tudos sao saotomens

  9. Emiratos

    10 de Julho de 2012 as 17:26

    Temos que finalmente, fazer deste espaço um espaço de educação pedagógica. Devem ler o achamento das ilhas?
    Os povos de Africa!
    O processo de formação das Ilhas, Vulcão!
    Por isso reflectem um pouco e poupam os neurónios da gente. Estudar é bom e faz crescer!

  10. Badiu di STP

    11 de Julho de 2012 as 9:21

    Meus caros
    Fica convite para irmos fazer visitas nas roças de STP e ver in loco a situação dos cabo-verdianos e seus descendnetes, depois da visita, depois da visita faleremos
    Meus caros
    Acham normal que os cabo-verdianos que estão em STP há mais de 50 anos não terem direito a participar no processo político (pelo menos, terem direitos de votos nas Autarquias)todos sabemos que o voto conta
    Para dizer ao senhor Nando Vaz (Agostinho Neto) que o autoritarismo e autocracia não são Estatutos nem Regulamento Interno da Associação e que a gestão da Associação faz-se na base dos Estatutos e Regulamento Interno, digo mais, não devemos cuspir no prato que comemos…
    Meus caros
    A situção em vivem os cabo-verdianos nas Roças de STP é só visto para acreditar…
    Mantenhas
    Badiu di STP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo