Política

Angola reduziu em 1/3 o fornecimento de combustíveis à STP

O Governo do Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, está enfrentar dificuldades talvez nunca antes registadas no país. O impacto sobre a vida da população é cada vez mais grave. Angola único fornecedor de combustíveis ao país desde a independência em 1975 decidiu cortar na quantidade de combustíveis que fornecia o país.

Jorge Bom Jesus revelou a situação complicada, na reunião com a comunidade santomense radicada em Portugal. «Angola neste momento está a nos enviar 1/3 daquilo que deveria normalmente enviar, daquilo que é o nosso consumo», afirmou o Chefe do Governo.

Na reunião com a comunidade são-tomense em Lisboa, realizada na última semana, o Primeiro Ministro, explicou que Angola tem o monopólio no mercado de combustíveis de São Tomé e Príncipe.

Situação que por outro lado complica qualquer diligência do Governo no sentido de arranjar outro fornecedor de combustíveis. «A sonangol é detentora de mais de 76% do capital social da ENCO, e o Estado são-tomense só tem 16%. Os reservatórios de combustíveis pertencem a ENCO. Ainda que quisesse comprar combustíveis num outro lado, tinha que conversar com a Sonangol», explicou Jorge Bom Jesus.

A redução por Angola da quantidade de combustíveis que fornece a São Tomé e Príncipe, já provocou sucessivas roturas nos reservatórios de stocagem de combustíveis da ENCO, localizados na cidade de Neves.

Cortes no fornecimento de energia eléctrica dominaram o país no mês de Julho, e a falta de petróleo para cozinha e para iluminação complicou a vida da maioria da população do país. «Há 8 dias estive em Angola precisamente para abordar esta questão, porque é insustentável. Precisamos de uma moratória pelo menos até Dezembro para encontrarmos novas soluções», defendeu Jorge Bom Jesus em declarações à comunidade santomense em Lisboa.

O Primeiro Ministro sabe que a persistir a rotura do stock de combustíveis, o seu governo tem dias contados. «Porque o problema da energia e do arroz deixam cair Governos em São Tomé e Príncipe, e tenho consciência disso», concluiu.

Recorde-se que o Ministro das Finanças e da Economia Azul, Osvaldo Vaz anunciou que São Tomé e Príncipe deve a Angola 150 milhões de dólares. Valor igual ao do Orçamento Geral do Estado são-tomense para o ano 2019. Uma dívida acumulada, sobretudo com o fornecimento pela ENCO de gasóleo para as centrais térmicas da empresa nacional de electricidade, a EMAE.

Abel Veiga

    25 comentários

25 comentários

  1. MIGBAI

    4 de Setembro de 2019 as 5:01

    Minha gente.
    Então os nossos cacmaradas estão a mandar o povo de São Tomé e Príncipe à merda!
    Não admira que o façam pois estão saturados de pedintes.
    Nem me vou alongar no comentário pois nunca acreditei na boa vontade de Angola
    Façam acordos com a gasolineira portuguesa GALP e teremos combustíveis de qualidade, evitando está merda de gasolina que destrói os motores e as borrachas dos nossos veículos e equipamentos de combustão.

    • MIGBAI

      4 de Setembro de 2019 as 8:24

      Porque será que o governo não faz o mesmo com a Sanongol o que fez com a Euroatlantic???
      Será que não dá para explicar a incoerência de atuação do governo de stp nos dois casos expecificos.
      Palhaços!!!

      • Zagaia

        4 de Setembro de 2019 as 20:18

        Boa questão…..e a resposta está nos segredos dos deuses…..

      • MIGBAI

        6 de Setembro de 2019 as 1:30

        E resposta é muito simples. O governo de Stp não faz com a sonangol o que fez com a Euroatlantic porque a Euroatlantic é uma empresa de brancos e a sonangol é uma empresa de pretos.
        Em caso de conflitos usam a conversa da treta dos colonos brancos para a euroatlantic e para a sonangol a conversa dos irmãos de luta pela independência.
        E pronto vivemos assim felizes neste quintal cheio de pretos palermas estupidificados.

    • Lucas

      5 de Setembro de 2019 as 5:34

      Nao vale o trabalho
      Esvaziem sao tome
      O ultimo a sair nem precisa apagar a luz
      Já está apagada

  2. Púmbú

    4 de Setembro de 2019 as 5:46

    … Vejamos uma coisa: Angola forneceu o gasóleo á EMAE para os geradores de corrente elétrica que os consumidores pagaram á EMAE. Esta por sua vez devia ter receitas para pagar a SONANGOL. Sendo assim não devia existir tão avultada dívida!!! Onde está o CUMBU que a populaçāo e as empresas pagaram a EMAE???

  3. Coerência

    4 de Setembro de 2019 as 7:37

    Energia e arroz deixam cair governos em STP? Ainda bem que é assim. Energia é uma necessidade básica e fundamental para qualquer nação. A energia é crucial na produtividade e funcionamento de toda administração pública e de todo o sector privado. A falta de energia causa transtornos e prejuízos enormes as famílias, é em resumo, uma necessidade imprescindível para qualquer nação. E se um governo cai por falta de energia, faz todo o sentido que assim seja. Isto é só um exemplo de que o país tem problemas estruturantes de base para resolver, o que nos obriga a pôr mente a funcionar para o bem de todos nós e deixar de política da treta de perseguição, taxos e mediocridade. Temos coisas mais importantes com que nos ocupar e o abastecimento de combustível e fornecimento de energia, é um deles.

  4. Barão de Água Izé

    4 de Setembro de 2019 as 7:39

    Urgente mudar modelo econômico de dependência do Estado e das “cooperações”. Fim das nacionalizações; privatização/reprivatizacão da terra. Fazer ressurgir a agricultura, agro-pecuária. Criar agro-indústrias Atrair capital directo estrangeiro.Criar emprego. Deixar de fantasias da dependência do Estado.

  5. Nuno Menezes

    4 de Setembro de 2019 as 8:44

    Angola único fornecedor de combustíveis ao país desde a independência em 1975 decidiu cortar na quantidade de combustíveis que fornecia o país.

    Viver do unico essas coisas acontecem,amanha por qualquer razao Angola entra em Guerra outra vez e ficarem 100% destruida e sem capacidade de resposta, eu pessoalmente gostaria de ver como assim Sao Tome and Principe vai resolver a situacao de serem a Angola os Unicos a fornecerem Gasolina a Sao Tome and Principe, e outra Concerteza esse fornecimento nao deve ser por free a Populacao de Sao Tome and Principe.

    Quem sabe na proxima geracao estamos todos no Pais de mil maravilha com uma boa condicoes de vida como por exemplo United Kingdom e os confusionistas ou as pessoas de mau coração voltam a nascer em Africa,a africa que nos os Negros complicamos com nos os Negros.

    Mais no entat#nto como esta a questao de Petroleo Sao Tome and Principe e Nigeria?
    Quem sabe com 40% que assim temos … Angola e Nigeria temos essas duas opcoes.

    Nuno Menezes
    Lincoln,Reino Unido

  6. miguel serra

    4 de Setembro de 2019 as 8:52

    O jorge não vale a pena chorar porque os governos sao nomeados para governar e governar impõe encontrar soluções para os problemas….se não é capaz põe o cargo a disposição.

  7. Libreville

    4 de Setembro de 2019 as 9:57

    Eu pensei que com a NM todo seria uma nova pagina para esse Pais?
    De tantas criticas a governação do ADI parece que todo mantém na mesma e tende a piorar.
    Até quando vamos ter governo credível e com políticos sérios nesse país?
    Todos, um pior que o outro… só populismo e o povo sempre na miséria profunda…
    Mas um dia esse povo vai despertar e não vai ser tarde… acreditem…

  8. STP Terra linda e gente boa

    4 de Setembro de 2019 as 10:54

    Quem sabe se agora o governo acelera no desenvolvimento de energias renováveis. Em parte essa decisão vem mesmo a tempo. S. Tomé e Principe é o único país que não mostra interesse nesta área sabendo que a prevenção e o cuidado do ambiente é o foco principal da maioria dos governos mundiais. O nosso país precisa urgente de diminuir toda esta quantidade de combustível que gastam no país causando mais poluição e trazendo graves problemas respiratórias à população.

  9. Vanplega

    4 de Setembro de 2019 as 14:38

    Se a ENCO, nao paga.

    Os que voces queriam? Tomar e nao pagar?

    Mais ainda pergunto.

    Aonde esta o dinheiro da venda? O combustivel e vendido.

    ENCO, o que fizeram ao dinheiro, vaporou?

    Ou o Estado, nao paga?

  10. Antonio Danqua

    4 de Setembro de 2019 as 14:53

    Realmente trata-se de uma situação muito complicada para este pequeno e pobre país, onde na verdade as pessoas, os ditos verdadeiros filhos da terra, não trabalham o suficiente para se produzir o suficiente para se ter o suficiente rendimento familiar.
    Na verdade S.Tomé e Principe precisa se afirmar como país e não continuar a ser considerado o parente pobre, pedinte, ao ponto de chegar, muitas vezes a ser humilhado pelos parceiros de cooperação.
    Mas para isso, para que o país se credibilize, é preciso também que a justiça desempenhe um papel sério capaz de credibilizar o proprio Estado, desde logo começando por avançar com varios prcessos pendentes como por exemplo;
    – O processo BGFI, relacionado com uma transferencia bancaria duvidosa, penalizando o proprio estado santomense;
    – O processo do Fund do Koweit de 17 milhões de dolares;
    – O processo de credito de 30 milhões junto de uma empresa chinesa;
    – O processo do Golpe de Estado em o nome do ex-primeiro ministro Patrice Trovoada é evocado como sendo mandante, dentre muitos outros processos que se encontram nas prateleiras do Ministério publico que não atam nem desatam.
    Existem outros processos ainda envolvendo casos de trafeco de droga, sendo um com data de 2017 e outro com data de 2018 envolvendo figuras da região autonoma do Principe.
    Ainda do Principe, graves acusações sobre abuso sexual de menores, enfim, a justiça, o ministério publico esta a dormitar e os outros que estão atentos vão vendo as nossas acções a nossa morosidade senão mesmo a nossa cumplicidade em coisas más e por isso mesmo, ficamos cada vez mais descredibilizados.
    Caros elitores,
    Para um país se crediblizar, os parceiros, os amigos de cooperação precisam sentir trabalho sério em todos os sectores, mas sobretudo uma justiça que na verdade funciona.
    Que Deus nos acuda e que não voltemos mais aos tempos recetes de ditadura e da mordaça.
    Liberdade precisa-se já, o desenvolvimento é um processo que se vai fazendo caminhando, mas para que para tal a base deve ser a estabilidade politico-governativa e seriedade dos órgãos do poder de estado.

    • Amar o o que é nosso

      4 de Setembro de 2019 as 17:37

      S. Tomé não é humilhado por nenhum país entenda. A gente próprio é que se humilha. Os outros não têm culpa disto. Santomense tem de deixar de orgulho besta e arrogância. Estas duas características são vínculo do Santomense do mais pobre ao mais rico que enriqueceu por roubo. Apenas uma pequeníssima percentagem é humilde

  11. Manuel Rosário

    4 de Setembro de 2019 as 14:55

    Embora neste momento a Angola esteja a nos enviar 1/3 de combustível daquilo que deveria normalmente para o nosso consumo, toda população deve estar informada. Ainda que persista a rotura do stock de combustíveis, isto não pode constituir o motivo para a queda do governo. A população deve compreender que mesmo Angola que é produtor de petróleo tem problemas sérios. E coadjuvado com a elevada dívida que o país já tem com Angola é de esperar. Pergunto-lhe o Senhor Primeiro Ministro caso de uma queda ao seu Governo por este ou aquele motivo, quem irá assumir, trará consigo todas soluções gritantes que o país enfrenta neste momento? Acho que ninguém. O que apenas paira neste país é orgulho e interesse do poder. É necessário que haja uma grande união no seio do próprio Governo e uma maior sinergia dos partidos políticos na oposição para discutirem ideias positivas que possam fazer erguer STP. Outro problema é a perca de credibilidade para com os nossos parceiros quando o país é muito instável, não investem. Ainda não é o momento para que os interesseiros do poder percebam disto?

  12. Amar o o que é nosso

    4 de Setembro de 2019 as 17:39

    Dentro do governo, a maioria é ladrão. Não vai avançar nem agora nem daqui a pouco

  13. Vanplega

    4 de Setembro de 2019 as 18:23

    Senhor 1 Ministro.

    Depois de varias acordos assinado entre Sao Tome e Principe e a Nigeria, sober exploracao de petroleo.

    Aonde anda a parte de Sao Tome e Principe?

    Porque que nao enviam os barris de petroleo, para ser vendido no pais?

    Senhor 1 Ministro, queremos uma explicacao.

    Ate quando os politicos desta terra, continuaram a enganar-nos( povo )

  14. Sorrema Valente

    4 de Setembro de 2019 as 21:44

    Vamos.aos.numeros! Em 2008/2009 o Estado Santomense saldou a divida com Angola de 21 milhoes de.dolares atravez da Venda DOS 70% da ENCO no Valor de 30 milhoes de dolares. Os 9 milhoes de dolares restantes que deveriam entrar no cofre do Estado nao entraram. Houve Uma batalha campal entre o Dr. Francisco Fortunato Pires, ex-Presidente do Tribunal de Contas e o Dr. Rafael ex-Primeiro Ministro no sentido de repor a verdade. O Sr. “Rafeiro” lutou mas nao venceu o Chinguilamento do Dr. Fortunato Pires. No fim os nove milhoes entraram no cofre do Estado santomense.
    Voltemos aos numeros da divida. Em 2009 a divida estava zerada. De 2009 a 2019, sao passados 10 anos e a divida sobe de zero a cento e cinquenta milhoes de dolares. Neste caso, concluimos que STP deveu em media quinze milhoes de dolares de combustivel a Sonangol por ano.
    Quinze milhoes de dolares em media de divida por ano so em combustivel? Essas Contas estao Mal feitas. Ou seja, em media: Um Milhao e Duzentos e Cinquenta Mil Dolares de divida por mes so em combustivel? Essas Contas estao inflacionadas pelos com cumplicidade DOS ANIENCO (Accionistas Nao Identificados da ENCO), que para os quais quanto Mai’s inflaccionarem a divida, quanto Mai’s geradores forem instalados melhor para os bolsos desses ANIENCO.
    Este “Boca Charroco” so Fala em duvidas com a ENCO. Nunca Fala de quantos litros de combustivel foram fornecidos diariamente, semanalmente, mensalmente, anualmente a STP e a que preco por litro. Este nosso “Academico” foi a Angola” na primeira visita e voltou a STP NUM aviao privado, com o Pais a dever centena e meia de milhoes de dolares a Angola. Avarento e sem escrupulos. E a sua cadeira no aviso da TAAG deve ter ssido ocupada por outrem. Agora esta a chorar AOS quattro ventos que a Sonangol cortou combustivel. Angola da com a nao direita de dia e tira com a mao esquerda a noite. Agora ja nao ha lugares na TAAG de Angola a STP as sextas feiras. So as quartas. O turismo de relaxe de Ida nas sextas e regresso nas segundas tambem esta afectada. Os passageiros muambeiros de Angola a STP estao a ser passados a pente Fino no aeroprto de Luanda. Em Suma STP Vai ter que abrir as pernas a Angola, como fez com a venda da ENCO. Angola ja arrebatou pelo menos Dois blocos de petroleo na ZEE de STP. Um, no tempo de GABI e outro, no tempo do “BOCA CHARROCO”. E nao se ouve NADA sobre os trabalhos de deaenvolvimento dos tais blocos.
    E nem eatamos a referir ao bloco arrebatado pela SINOPEC (um consorcio entre Angola os e Chineses) na Zona Conjunta STP/NIGERIA desde a decade 2000. Ja passaram quase 20 anos e ninguem presta Conras. Se calhar a SINOPEC ja revendeu o bloco a outro gigante.a preco de ouro e fez-se a Vida. A Agencia Nacioonal de Petroleo nao se pronuncia. A propalada pesca semi-industrial e farinha de peixe na Zona Conjunta STP/NIGERIA, anunciada no Tela-Non pelo Sr. TIny nos tempos idos, nunca sairam do papel. Para concluir: depois de tantas lutas entre irmaos sobre a titularidade da fabrica ROSEMA, so resta ao Diplomata Melo Xavier salvar STP, fazendo Uma vaquinha de Cento e Cinquenta milhoes de USD a STP para zerar de Novo a divida com. Sonangol. Senao, terao de vender a STP AIRWAYS de Fradique a Sonangol para saldar a Divida.Acabou a mama. E
    isto de levar carros.do Estado aos obitos, as praias nos finais de semana, as rocas privatizadas, enfim o esbanjamento, tem que acabar. Por que razao o Estado continua a usar caroos de Alta cilindrada para expedientes na.cidade? Esses “patetas” nunca tiveram falta de bons concelhos. Mas insistem nos erros para satisfazerem os ANIENCO (Accionistas Nao Identificados da ENCO) e atacam os ANI-STP AIRWAYS (Accionistas Nao Identificados da STP AIRWAYS). A NOVA pode(Como ultimo recurso) recorrer ao apoio do povo Guadalupense para ir pernoitar ao relento na sede da Sonangol em STP para exigir a reposicao do stock abitual.
    Palhacos!

    • Tchesman santo

      5 de Setembro de 2019 as 5:52

      Cadê o combustível que Nigéria esta a explorar

  15. Toni

    5 de Setembro de 2019 as 0:09

    Custa me comentar esta notícia.

    1 como é possível um primeiro ministro falar o que falou, perdeu qualquer hipótese negocial que poderia usar com a Sonangol.
    2 como é possível um País estar dependente de um fornecedor de energia.
    3 como é possível ao fim de 44 anos, ainda existirem fogões a petróleo.

    E chegamos ao grande País, Stp, livre e independente enfim como é possível chamarem Stp de independente!!!!!!!

    Mais, afinal a culpa não é dos portugueses……

  16. Eduardo

    5 de Setembro de 2019 as 7:19

    Xi ngola cota gazolina cela non lédéé canja zete, inen compa mué cuma non ca bà posson??? Cela non bé bisqueta oo trotinete…non desseé chiga posson za ola subli dé???

  17. VAI TU

    5 de Setembro de 2019 as 14:35

    Ainda não percebi e é o mais importante.
    O Tela Non enganou-se ou foi o PM?
    Angola reduziu “um terço” (33%) ou “a um terço”.
    A diferença é enorme, penso que se o fornecimento foi reduzido “um terço” penso que uma boa gestão do Governo se pode ultrapassar a crise, se foi reduzido a “um terço” é uma crise, pois a ENCO vai é fornecer as suas “Bombas de Combustível”, em que recebem cash.
    Isto é que é uma crise. Novos geradores sem combustíveis para eles.
    É uma dívida muito elevada 150 Milhoes
    Assim vai S.Tome e Príncipe.

  18. Solange Madeira

    6 de Setembro de 2019 as 0:16

    Os números confirmam que alguém ou um grupo de pessoas no Governo e na ENCO em conluio com a Sonangol querem burlar o Estado e o povo santomense. Senão vejamos:
    Há menos de um ano o nosso “Académico”, BOCA CHARROCO” no seu primeiro balanço do Estado da Nacao anunciou que a dívida pública do país rondava os Quinhentos e tal milhões de dolares e que aquele valor deveríamos acrescer OITENTA E TAL MILHOES DE DOLARES de dívida a Sonangol.
    Em menos de um ano, a dívida com a Sonangol “pula” repentinamente de OITENTA E TAL MILHOES para CENTO E TAL MILHOES de dólares. Em menos de um ano a dívida quase que duplicou. Não é possível. Isto e roubo claro. Este roubo vai a Sonangol e será dividido pelas partes. Angolanas e santomense. E isto ia acontecendo a quando da venda da ENCO em os Nove milhões de dólares foram roubados e posteriormente recuperados com o Chinguilamento do Doutor Fortunato Pires, Presidente do Tribunal de contas naquela altura. Agora, a história está prestes a repetir. E será consumada pois não acreditamos que o actual Tribunal de Contas tenha vontade, coragem e abnegação para escrutinar as contas da ENCO, desvendar a verdade e abortar está mega burlar a vista.
    Pelos contornos entre os actuais Governo e o Tribunal de Contas dados a conhecer publicamente muito recentemente, não acreditamos no abortar desta mega burla.
    Em menos de um ano a dívida com a Sonangol “pula” de Oitenta e tal milhões de dólares para cento e e.cimquenta milhões de dólares, de repentemente? Quase que duplicou????? Emenos de ano????? Xa ke kwa tem?! Povo de Guadalupe eh! Subli camion, dece ba posson, ba dumini ni Placa Yon Gatu oh! Axi fã, zentxi cá futa sessenta milion.dola oh. Dece cedo oh!
    Bandidos, ladroes, safados.

  19. cundú de múala vê

    18 de Setembro de 2019 as 14:55

    JBJ faz sai do poder. vc nao esta dar a conta do trabalho, desde que vc entrou no poder, a nossa população esta sofrer cada vez mas, o país so produz 3% PIB. E custo de vida esta cada vez pior, até quando que vamos viver na ajudar Eterno? agora deu pra sr jbj aumentar combustíveis.Que Deus nos abençoa na mao desses corruptos.
    bem revoltado.
    cundú de múala vê.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo