Política

Paludismo recuou em 2019, após 4 anos de contínuo aumento

O Ministro da Saúde Edgar Neves anunciou esta quinta – feira, o recuo do índice do paludismo no país. Após sucessivos aumentos dos casos da doença registados entre os anos 2014 e 2018, a partir de Janeiro do ano 2019, o governo empreendeu uma nova campanha para estancar o ressurgimento da doença.

São Tomé e Príncipe, definiu o ano 2025 como meta para eliminação do paludismo no país. Um desafio que esteve ameaçado nos últimos anos(2014-2018).

Segundo o Ministro da Saúde(na foto), entre os anos 2014 e 2018, São Tomé e Príncipe registava um retorno do índice do paludismo, com o registo de cerca de 200 novos casos por ano.

«Felizmente estamos no bom caminho. Depois de 4 anos, este é o primeiro ano em que reduzimos o número de casos de um ano para outro. Os casos vinham subindo em 200 por ano, desde 2014 à 2018», precisou o ministro da saúde.

Foi exactamente entre os meses de Janeiro e Fevereiro do ano 2019, que a imprensa internacional, mais concretamente portuguesa, divulgou a informação dada pelo ministério da saúde de São Tomé e Príncipe, que indicava para um ligeiro aumento de casos de paludismo no país.

O reforço das medidas de luta contra a doença desde Janeiro de 2019, travou o avanço galopante do paludismo.

«Conseguimos reduzir. Apesar de todas as dificuldades de um ano atípico dentro do contexto macroeconómico que o país vive, das dificuldades de estruturação de um governo que acabava de entrar em funções. Reduzimos o índice em mais de 500 casos. Isso nos deixa com muita vontade e coragem para vencermos o desafio», declarou o ministro da saúde.

Para atingir a meta da eliminação do paludismo no ano 2025, o ministro Edgar Neves, apela a participação de toda a força viva do país, nesta fase crucial de luta.

«O Futuro do país passa pelo controlo do paludismo. É impensável sonharmos com turismo, construções etc…, pode-se até fazer….., mas não haverá desenvolvimento se não controlarmos sobretudo o paludismo», concluiu.

Paludismo recua, num ano em que São Tomé e Príncipe, é considerado pela CNN como um dos melhores destinos de férias para 2020.

Abel Veiga

    1 comentário

1 comentário

  1. Smash

    12 de Janeiro de 2020 as 20:48

    Meninos,Depois de um ano e picos de governação do atual governo ainda continuam com esta mentalidade de que tudo que os outros fizeram está mal? e tudo que eu faço é certo? Para quando a mudança de mentalidade dos políticos Santomense? Paludismo devia estar eradicado há bastante tempo mas como a BIOS dos governantes é bastante limitadafaz com que esta problematica continua a ser tema de virem ao público vangloriar-se como um bom samaritano. Trabalhem no silêncio e esperem que o resultado apareçam naturalmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo