Política

PATRIOTAS suspenderam formação em Portugal para lutar contra Covid-19 em STP

A decisão patriótica mereceu reconhecimento do Governo de São Tomé e Príncipe, e foi protagonizada por duas mulheres.

São santomenses, com o amor pela sua terra e seu povo, impregnado na alma. São quadros do ministério de saúde de São Tomé e Príncipe.

Após formação no estrangeiro trabalharam vários anos no sistema nacional de saúde. Bakysse Pina(à esquerda na foto) epidemiologista de formação, trabalhou no departamento de vigilância epidemiológica do Ministério da Saúde.

Jessica Veiga(à direita na foto), enfermeira de formação superior trabalhou no hospital Central Ayres de Menezes, e depois fixou base no Centro Nacional de Endemias.

As duas mulheres profissionais do sistema nacional de saúde, decidiram há cerca de 2 anos, prosseguir os estudos no estrangeiro.

Deixaram filhos, maridos e demais familiares, para ampliar o conhecimento na área da saúde pública.

Por iniciativa própria sem apoio do Estado são-tomense, Bakysse Pina, matriculou-se na faculdade de medicina de Lisboa, para fazer mestrado em epidemiologia. O mesmo aconteceu há quase dois anos, com Jéssica Veiga, que por sua conta e risco, inscreveu-se no Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, para fazer mestrado em saúde pública.

No meio das batalhas da vida estudantil, e ao mesmo tempo de trabalho, para ajudar no custo da formação em Lisboa, as duas mulheres, foram confrontadas com a notícia de que São Tomé e Príncipe, a sua terra natal, entrou em guerra.

Uma guerra declarada por um inimigo que também já estava a ceifar vidas em Portugal, o país que as acolheu para dar formação mais actualizada em saúde pública e epidemiologia.

Bakysse Pina e Jéssica Veiga, dizem que  pela primeira vez foram invadidas pelo poder da santomensidade.  «Nós somos são-tomenses e se não ajudarmos a nós próprios de nada serve a nossa santomensidade», Bakysse Pina.

À semelhança do que aconteceu com muitos cidadãos estrangeiros que viviam ou trabalhavam em São Tomé e Príncipe, e que decidiram regressar as suas terras de origem para enfrentarem a guerra imposta pela Covid-19 nos seus países, assim as duas profissionais de saúde de São Tomé e Príncipe, deixaram as universidades portuguesas, para se juntarem aos seus, no torrão natal, para lutar contra a Covid-19.

As duas profissionais de saúde santomenses, chegaram ao país no dia 15 de Maio, no mesmo voo que trouxe a equipa do INEM e os equipamentos da OMS. As duas santomenses fizeram parte do reforço que veio estruturar o combate contra a Covid-19 em São Tomé e Príncipe.

Anonimamente, elas estão todos os dias nas trincheiras da luta contra a Covid-19 em São Tomé e Príncipe. Nunca antes se registou qualquer declaração ou qualquer espécie de manifestação de protagonismo dessas duas mulheres santomenses nas redes sociais.

Espírito patriótico, que se distancia da conduta de simples “linguarejar”, que caracteriza boa parte de quadros de saúde e não só, de São Tomé Príncipe, residente no estrangeiro.

«Eu quero reconhecer este vosso exemplo de patriotismo, estando em Portugal não hesitaram em deixar as vossas famílias, possivelmente, os vossos filhos para apanharem o primeiro avião e seguir, sem ninguém vos rogar, sem estarem no facebook só a criticar, decidiram vir e fizeram muito bem e contribuíram», declarou solenemente o Primeiro ministro Jorge Bom Jesus.

Na guerra imposta pela Covid-19, as palavras escritas em suporte digital, valem muito pouco. O soldado(profissional de saúde), deve vir para a trincheira. Vem combater, para vencer o inimigo, e assim dar crédito e importância as suas palavras ou escritas sobre a Covid-19 nas redes sociais.

A terra santomense clama pelo patriotismo dos seus filhos. Covid-19, trouxe o desafio. Centenas de santomenses tem formação nos mais variados domínios do sector da saúde, e trabalham em hospitais e clínicas privadas sobretudo na Europa e em África.

Bakysse Pina e Jéssica Veiga, deram o exemplo. O país reconhece e agradece pelo patriotismo dos seus filhos, neste momento de guerra, de vida ameaçada pela morte.

Abel Veiga

    8 comentários

8 comentários

  1. Como será

    17 de Junho de 2020 as 18:41

    Sim realmente estao de parabens pelo este empenho e intrega a sua patria, so que o senhor PM se esqueceu que muitos santomense muito bem formados trabalham por ai nas clinicas da diaspora, por vossa ma politica que emplementaram no pais, muitos quadros depois de varios anoe de formação,quando regressam a pais para dar o seu contributo nao encontram espaço, voces teem medo da vossa imcopetencia e corrupção, os quadros sao posto na pratileira, ou entrar no vosso jogo sujo, mais e uma pena se dessem atenção aos tantos bons quadros que o pais tem na diaspora o pais estaria longe, eu aproveito para deixar aqui um apelo as nossas manas para aconselhar este govetno para formar quadros de saude e capacitar estrutura danitaria no pais.Espero que aprenderam alguma lição com esta Covid19. Força manas.

  2. Dádiva

    17 de Junho de 2020 as 22:12

    Que bom saber que já temos voos para Portugal, pelo menos bons patriotas suspenderam, huuuuuuuu,

  3. Generosa

    17 de Junho de 2020 as 23:44

    Sao liçoes para dr Carlos Tiny e Fernando Silveira. Estas senhoras é que sao de facto patriotas. Nao quizeram protagonismo. Quizeram é trabalhar. Deus que lhes ajude nas suas longas caminhadas.

  4. Ana Graça

    18 de Junho de 2020 as 7:40

    Um recado para a senhora Tina Lucena, filha do senhor Lucena, que estudou a custa do Estado com 2 ou 3 bolsas e fica apenas a mandar boca no Facebook e a criticar tudo e todos. Na hora h, preferiu ficar em frança a ganhar bom dinheiro em vez de regressar a terra. Muitos como ela, ficam só a mandar boca no facebook em vez de descer para grota para vir contribuir. cambadas de hipocritas. Obrigado Bakisse e Jessica.

    • Inconformado

      18 de Junho de 2020 as 20:41

      E para outros cujo profissão é criticar.

      • Inconformado

        18 de Junho de 2020 as 20:43

        Quiz dizer: e para muitos outros….

  5. António cunha dos santos

    18 de Junho de 2020 as 9:29

    Muito bem. Mas o Governo tem que Governar bem para que mereça reconhecimento de muitos outros. Senão, não vale a pena ser patriota, quando os politicos andam a roubar o povo.

    • Inconformado

      18 de Junho de 2020 as 20:39

      Você está a acusar este governo de roubo?! Você tem provas disso? Ou é um dos tais linguaJeiros?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo