Política

“Elsa Pinto é candidata às eleições presidenciais”

A frase foi dita cheia de determinação e carregada de convicção por Elsa Pinto, a vice -presidente do partido MLSTP. A mulher de 55 anos que foi ministra da justiça e dos assuntos parlamentares, primeira mulher a ocupar as funções de ministra da defesa nacional em São Tomé e Príncipe,  e mais recentemente ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, convocou uma conferência de imprensa para anunciar a sua candidatura ao cargo de Presidente da República.

«Hoje 23 de Março iniciamos uma caminhada. O objectivo é dizer aos santomenses e as santomenses que eu, Elsa Pinto servidora desta nação decidi lançar as amarras e iniciar um processo que culminará com as eleições de Julho de 2021», afirmou.

Elsa Pinto, quer envolvimento de todos os santomenses na árdua tarefa de abertura do caminho, «para a eleição da primeira alta magistrada desta nação.».

A candidata apelou a sociedade santomense a participar no movimento que pretende «romper com as práticas actuais, fazer roturas, ensaiar coisas novas, e que bom seria que talvez o povo de São Tomé e Príncipe, tivesse a consciência de que chegou a hora da mudança, e que seria bom apostar naquilo que chamamos o outro lado, a mulher..», precisou.

Na caminhada para chegar ao Palácio Cor de Rosa, Elsa Pinto, pede união. «Unidos para construir pontes. Termos uma plataforma e discutir as prioridades do nosso país. Buscar consensos, e unidos podermos ser mais fortes. Penso que é isto que pretendo nesta caminhada. Ouvir os santomenses partilhar com eles as suas inquietações e construir um rumo novo para a nossa República», reforçou.

MLSTP violou os seus Estatutos no processo de eleição do candidato do partido às eleições presidenciais 

Oradora bem apurada, na sua primeira comunicação como pré-candidata às eleições presidenciais, Elsa Pinto, respondeu a pergunta do Téla Nón, sobre a decisão tomada pelo seu partido no último sábado, de eleger um candidato para as eleições presidenciais, e de impor medidas sancionatórias aos militantes que não apoiarem o referido candidato.

Elsa Pinto começou por demonstrar que o MLSTP de Jorge Bom Jesus violou os seus Estatutos. «O MLSTP rege-se pelos seus Estatutos e tem regras próprias. Da mesma maneira como o os Estatutos indicam o Presidente do MLSTP, como candidato a todos os cargos nacionais, não estando ele disponível os vice-presidentes são candidatos a todos os cargos nacionais. Deveria haver pelo menos uma preferência aos vice-presidentes», criticou.

A vice-presidente do MLSTP, acrescentou que com base nos Estatutos antes da direcção do partido ter convidado os militantes que quisessem concorrer ao cargo de Presidente da República para se manifestarem, «dever-se-ia em primeiro auscultar a cúpula do partido e depois os outros militantes que estivessem interessados», frisou.

O MLSTP através do seu conselho nacional decidiu como decidiu, e Elsa Pinto, rejeita qualquer tentativa do partido de sancionar ou de impedir que os outros militantes concorram também e na qualidade de independentes ao cargo de Presidente da República.

«Uma coisa é escolher o candidato e outra coisa é coarctar o direito dos outros candidatos de poderem prosseguir com a sua candidatura. Penso que os nossos estatutos são claros. O MLSTP não tem que ter um candidato. O MLSTP pode apoiar um candidato. Não é uma norma imperativa. A partir do momento em que o próprio Estatuto não estabelece uma imperatividade na escolha de um candidato, não pode haver derivações outras de sanções», pontuou Elsa Pinto.

Mais importante ainda segundo a candidata, é o que diz a constituição política de São Tomé e Príncipe. «A própria constituição não quer que as eleições presidenciais estejam amarradas aos partidos políticos. O Presidente emerge da vontade popular, e não da vontade dos partidos», destacou.

Elsa Pinto disse a imprensa que acumulou alguma experiência sobre o que é e deve ser a eleição do Presidente da Republica. Experiência acumulada quando concorreu às eleições presidenciais do ano 2011.

As funções de ministra dos negócios estrangeiros e cooperação de 2018 à 2020, conferiram a Elsa Pinto, outras experiências, no domínio das relações internacionais. «Hoje conhecendo os corredores da diplomacia posso melhor ajudar o meu povo», sublinhou.

Elsa Pinto disse também que quer ser Mamã Grande do povo santomense. «Chegou a hora do povo sentar com a Elsa, e dizer Mamã Grande vamos caminhar juntos…» concluiu.

Abel Veiga

    13 comentários

13 comentários

  1. Buter

    24 de Março de 2021 as 21:40

    Já perdeu!

    • Gregorio Furtado Amado

      27 de Março de 2021 as 8:59

      Elsa não tem nada a perder.Quem perde é o MLSTP. Esse partido aprendeu com o PAIGC que expulsou militantes e ganhou as eleícoes com 90 por cento. Vamos esperar pra ver. Os militantes não são vosso servo pra escolherem qualquer um corrupto e lá vai todos militantes a apoiar. Não somos carneiros. Não estou a ver qual será desta vez o banco que será seca por vós e depois criar vosso lobi para encerar depois. Deixem dessa mania. Stome é de todos nós.

  2. Andorinha

    24 de Março de 2021 as 22:07

    Definitivamente o MLSTP nem o pais não tem liderança como havia dito o antigo presidente Manuel Pinto da Costa nenhum pre-candidato do MLSTP as eleições Presidenciais estão acatar as ordens do Jorge bom Jesus ninguém lhe obedece nem no MLSTP nem no governo e assim cada um faz o que bem entender olham para o Jorge bom Jesus como u bôbu.

  3. Mlstperdido e desnorteado

    25 de Março de 2021 as 5:08

    Infelizmente o MLSTP está totalmente fraturado,de a vários anos pra cá nunca houve um intendimento para escolha do candidato a ser apoiado pelo partido. Mais uma chicotada que todo o MLSTP vai levar nas urnas. Cambada de incompetentes

  4. Mario Rosário

    25 de Março de 2021 as 8:40

    Força Camarada Elsa. Você vai vencer este besta do Posser.
    Eu te apoio
    Forçaaaa.

  5. Matabala

    25 de Março de 2021 as 9:34

    Vai começar danço Congo…MLSTP deu passo maior que perna quando fez ameaça.

  6. Nada haver

    25 de Março de 2021 as 12:49

    A muito falta de respeito nesse pais tudo mundo quer ser chefe, ninguém escuta ninguém, cada um dorme e faz oq quer, se n foi eleita quer ser por força, esse abusso vai ter q acabar um dia, a muita dessordem ai nesse pais.

  7. Santo

    25 de Março de 2021 as 14:51

    Eu pergunto se o MLSTP/PSD, tem um estatuto que tem regimentos internos e que tem também preceitos de disciplina partidária o porquê que os militantes que desobedecem a decisão da deliberação de um conselho decisor não são punidos com afastamento provisório caso sejam primários e definitivos caso sejam reincidentes?
    Eu ainda me lembro da suspensão de 2 militantes do MLSTP em 2019, os camaradas Aurélio Martins e Jorge Amado, que tivessem violado alguma decisão. Agora eu pergunto o estatututo para punir os militantes infringem o estatuto do pertido é para todos ou para alguns.
    No meu ver todos os candidatos do MLSTP, que oficializaram seus interesses em concorrer com apoio do partido e que foram derrotados no Conselho Nacional não devem concorrer como independentes a não ser que pedem afastamento definitivo do partido, porque já não gozam de confiança do partido.

  8. Sandra Fontes

    25 de Março de 2021 as 16:25

    Elsa, bô bila bi??? Sem vergomha pá. Mesmo com despedimento do Governo, com morte do Chino….Vice presidente do Partido que nem consegue mobilizar internamente, quer ser presidente?

  9. Vanplega

    25 de Março de 2021 as 16:50

    Mamā Grande vamos a caminho, PIDU

    È sò interresse, sempre foi

  10. Sem assunto

    25 de Março de 2021 as 17:35

    Valha me meu Deus!
    Ver esta senhora a lançar candidatura ao mais alto e posto constitucional do país é deprimente e inquietante.
    Perguntem a ela porquê que foi substituída da pasta dos Negócios Estrangeiros, e saberemos toda a verdade.
    Senhora Elsa Pinto, sem vergonhice tem limites.
    Povo vamos em massa boicotar estes sanguessugas que nos querem sugar até os ossos.

  11. POVOS DAS ILHAS

    31 de Março de 2021 as 11:04

    PALAVRAS DA Drª. ELSA PINTO

    Uma coisa é escolher o candidato e outra coisa é coarctar o direito dos outros candidatos de poderem prosseguir com a sua candidatura. Penso que os nossos estatutos são claros. O MLSTP não tem que ter um candidato. O MLSTP pode apoiar um candidato. Não é uma norma imperativa. A partir do momento em que o próprio Estatuto não estabelece uma imperatividade na escolha de um candidato, não pode haver derivações outras de sanções», pontuou Elsa Pinto.

    Mais importante ainda segundo a candidata, é o que diz a constituição política de São Tomé e Príncipe. «A própria constituição não quer que as eleições presidenciais estejam amarradas aos partidos políticos. O Presidente emerge da vontade popular, e não da vontade dos partidos», destacou.

  12. POVOS DAS ILHAS

    31 de Março de 2021 as 11:08

    Resposta da Dr.ª. Elsa Pinto ao Comunicado do Partido em que ela é uma das Vice-Presidente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo