Sem categoria

Dia dos Mártires da Liberdade

3 de Fevereiro, é feriado nacional em São Tomé e Príncipe. Em 19653, o país registou o maior massacre da sua história, perpetrado pelo então Governo Colonial Português. 64 anos depois e como habitualmente os são-tomenses se concentram na Praia de Fernão Dias para recordarem os que perderam a vida sob tortura colonial. Os acontecimentos de Fevereiro de 1953, despertaram a consciência nacional e internacional para a necessidade da independência do arquipélago.

 

    6 comentários

6 comentários

  1. MIGBAI

    3 de Fevereiro de 2017 as 10:58

    Minha gente.
    Para quando o dia nacional dos mártires dos colonos negros após os massacres efetuados após a independência?
    Vamos criar o dia dos massacrados na ditadura negra após a independência.
    Também seria justo criar o dia da destruição de São Tomé e Príncipe com a ditadura dos negros gordos, ladrões de roças, ladrões de casas junto ao mar e da virgindade de muitas meninas.
    Minha gente, temos muito dias ainda para comemorar!!!
    Vão concentrar-se mas é junto ás casas dos colonos negros, que destruíram estas ilhas que nunca deveriam ter recebido a oferta da independência dos portugueses.
    Miséria, pedintes, ladrões, corruptos, doenças é o que a independência acabou por trazer a este meu povo.

  2. luisó

    3 de Fevereiro de 2017 as 15:23

    Com tantos dias nacionais para celebrar acho que não sobrava nenhum para trabalhar….

  3. MandelaX

    3 de Fevereiro de 2017 as 19:17

    Para o Sr MIGBAI, o Sr que não presta; para o Sr que fala barato e podre. Uma bela poesía que faz parte da memoria das miserias do refimem colonial: è pra saber…que o regimem colonial acabou!!

    Está aqui um homem negro de pé, estendendo os braços lassos cansados tonto de bater em vão a todas as portas e ter de estender os braços com os ohos injectados de sangue e angústia.
    A sua história é real. Saiu duma câmara da morte.
    Escapou com vida, enquanto trinta dos seus companheiros
    morreram asfixiados, pedindo água e ar.
    E isto passou-se. Foi a 5 de Fevereiro que eles morreram.
    E o negro, tonto de tanta ruína humana, caindo desmaiado
    sobre os cadáveres dos companheiros mortos, despertou atordoado,
    correndo como ébrio para o pátio da prisão,
    gritando com fome e sede.
    Eu chamo-me Cravid
    e tenho um crime…
    -Nasci na Trindade
    A Vila condenada.
    Pintava casas
    nas empreitadas da cidade
    Fui levado manhã cedo
    e eles prenderam-me. (…)
    Alda Espírito Santo
    in ”É Nosso o Solo Sagrado da Terra”

    • MIGBAI

      6 de Fevereiro de 2017 as 9:45

      Por favor “MandelaX”, poupa-me aos teus comentários em jeito de arroto de banana.
      Vens tu emprenhado pelos ouvidos, e pior que cego que teima em não ver a realidade do nosso povo e a sua verdadeira Historia(não a que foi e é contada pelos políticos), e dar numa de ilustre criatura!!!!
      Vai aprender a pensar pela tua cabeça, e a ver a realidade da vergonhosa independência que nos foi imposta.
      Não me venhas com belas poesias de quem nunca foi poetisa.
      Quem foi essa Alda Espírito Santo a nível literário para lhe chamarem poetisa?
      Sabes o que é poema? nem ela coitada sabia o que eram poemas.
      Contudo, para um povo analfabeto e desejoso de ter ídolos, tudo serve, e como tal foi criada a figura de Alda Espírito Santo como uma poetisa, quando na realidade pode ser tudo menos poetisa.
      Aliás ela é delatora do próprio pai, que fez questão de denunciar ás autoridades ditatoriais da altura, lembrando os tempo de Estaline onde quem denunciasse os pais era considerado herói nacional.
      “MandelaX” acorda e começa a pensar pela tua cabeça nas misérias desta nova colonização de negros, bem mais agressiva que a colonização dos portugueses que descobriram as ilhas e que nunca as deviam ter entregue aos negros, mas sim, considerarem parte integrante de Portugal e como tal impossível de ser independente, quanto muito regiões autónomas, como eles fizeram com a Madeira e Açores.
      Já perdi muito tempo contigo “MandelaX”, começa a pensar pela tua cabeça, que eu já não te aturo mais.

      • Mandelax

        6 de Fevereiro de 2017 as 15:49

        Si calhar pensarei com a tua cabeça. Obrigado e não me atures que… te faz mal. Viva a Revoluçao portuguesa e o fim das colonias!!

  4. seabra

    7 de Fevereiro de 2017 as 4:12

    O dia dos mátires?…é todos os santos dias.Enquanto não mudarem da mentalidade do gôsto pelo PODER…expulsar os Trovoada e todos os corruptos na direção de STP.Aí haverá só uma data para comemorar o célèbre dia dos mátires.
    Reflitam!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo