Sociedade

EMAE garante que estão a ser tomadas medidas para sancionar as pessoas que vandalizaram a sua cabine de distribuição de electricidade na cidade da Trindade

Numa nocapital-me-zochi.jpgta de imprensa assinada pelo Director Geral da empresa, o tenente-coronel Óscar Sousa, a EMAE, anuncia que estão  em curso acções judiciais que visam sancionar as pessoas que na noite do último domingo destruíram as suas instalações, durante o protesto popular na cidade da Trindade, tendo causado prejuízos avultados.

A subestação SE3 da EMAE, instalada na Trindade, sofreu prejuízos. A porta foi arrancada tendo sido recuperada mais tarde com ajuda da polícia nacional. A direcção da EMAE, suspeita que dentre as pessoas que vandalizaram a sua subestação haviam pessoas que conheciam as manobras eléctricas. «Destruição de uma das portas das células interruptoras e danificação parcial de outras 3 que se encontravam no interior da subestação e seguindo as regras de procedimento técnico, o que significa dizer que entre os assaltantes, alguém conhecia perfeitamente as manobras eléctricas e talvez a pessoa fosse promotora de tal acto», denuncia a EMAE.

A empresa da conta de furto de 15 indicadores de presença de média tensão nas células, os chamados leds. Um equipamento que a EMAE diz ser fundamental para realização de manobras a nível da média tensão. Também anuncia o furto da alavanca que permite a execução de manobras nas células interruptoras.

Quanto a falta de energia que provocou a grande revolta popular na cidade da Trindade, a nota de imprensa apresenta algumas novidades. Segundo a EMAE a queda de uma árvore de grande porte sobre a linha de alta tensão no troço que liga a subestação de Guege a cidade de Santana, provocou avarias que no entanto já foram superadas.

O mau estado da rede também é apresentado como causa de várias avarias que têm agravado o fornecimento de energia.

No fecho da nota de imprensa a EMAE, informa que «medidas foram tomadas no sentido de chamar responsabilidade aos autores dos referidos actos de vandalismo».

Abel Veiga

Recentemente

Topo