Sociedade

Medidas de austeridade do Governo deixam Direcção da Floresta sem capacidade para travar abate ilegal de árvores

Aumenta o abate indiscriminado de árvores, e a direcção da floresta está de mãos atadas. Páscoa Costa responsável pelo departamento de controlo, diz que pela primeira vez a Direcção da Floresta tem meios de fiscalização, mas as medidas recentemente tomadas pelo governo bloquearam a acção de combate.

Segundo Páscoa Costa, durante largos anos a Direcção da Floresta não tinha equipamentos adequados para fiscalizar a área florestal do país. Actualmente a instituição tem dois jeeps para controlar a área florestal do país.

No entanto a recente decisão do governo, para contenção do défice, que se reflectiu na proibição de viaturas do estado circularem fora das horas normais de expediente, ou seja, depois das 15 horas nos dias úteis, e nos fins-de-semana, veio bloquear a acção de combate contra o abate indiscriminado de árvores. «Hoje temos duas viaturas para fazer este controlo, mas aos fins-de-semana e fora das horas normais de serviço, estamos impedidos de circular. No entanto é precisamente neste período que os operadores de motosserras aproveitam para abater as árvores e de forma ilegal», explicou.

De mãos atadas, a direcção da floresta apela ao governo no sentido de abrir uma excepção para que os técnicos do sector possam utilizar as viaturas depois das 15 horas nos dias úteis, e também nos fins-de-semana, ainda mais quando grande parte das acções de abate de árvores ocorre durante a noite. «Pedimos a colaboração do governo no sentido de nos conceder uma autorização para circularmos a qualquer hora. Aos fins-de-semana é o período em que as pessoas dedicam-se mais ao abate das árvores. Para por cobro a essa situação é necessário que estejamos lá nestas alturas», pontuou.

Abel Veiga

    24 comentários

24 comentários

  1. molange

    14 de Outubro de 2010 as 15:25

    muito bem Sr. Pascoa Costa..

    o nosso Governo esta a trabalhar bem mas esse é um ponto que se deve ter em conta para a conservação do nosso STP verde…..

    apoio…..

  2. cereno

    14 de Outubro de 2010 as 15:26

    Na minha opinião para minimizar este flagelo, deve-se impedir entrada de motocerras no pais e retirar das mãos dos operadores todas que circular nas nossas florestas……….

    • Jorgek

      14 de Outubro de 2010 as 17:58

      nao acredito que seja a solução. existe muita pobreza em STP. cada um procura sobreviver. nem sempre quem tem motosserras é culpado pois eles geralmente fazem-no para ganhar dinheiro, ou seja, sao pagos por mandantes.
      Pode-se sim, fazer uma maior fiscalização na medida em que ha motosserras ilegais como tambem abates ilegais.
      Mas ha tambem abates legais…

  3. Lódóma

    14 de Outubro de 2010 as 15:40

    Até certo ponto tens razão, mas a decisão do governo é mesmo para manter, essa reclamação é meio para manobrar e aproveitar de fazer o que faziam anteriormente, porque vejamos: não é primeira vez que ouve orientação para actuarem contra esses actos dos males feitores e que nada fizeram agora como os benefícios estão em causa traz essa conversa de tanga, por não haver viatura para tratar dos assuntos pessoais nestas horas. O governo não pode criar exclusividade mas sim montar vigia secreta contra todos os vendedores das matérias derivados dessas acções e penaliza-los.

  4. Carlos Ceita

    14 de Outubro de 2010 as 15:45

    Não é nada que não possa ser resolvido. Não é necessários milhões de dólares ou euros. Basta haver vontade política das partes. Exige-se que o estado e os demais instituições articulem-se para haver soluções e resultados. As viaturas do estado se forem para trabalhar tudo bem. Agora se for para passear com as meninas e as catorzinhas nem pensar. Penso que foi esta a decisão do governo de proibir as viaturas fora das horas de serviço.
    Julgo e espero que estamos perante um governo sensível a questões ambientais. De outra maneira estamos feitos ao bife. Abraços a todos. Que Deus proteja STP.

  5. fala verdade

    14 de Outubro de 2010 as 16:20

    Isso é truque, para poderem desfilar com as viaturas. Sr Primeiro Ministro abre os olhos os gajos são espertos.
    Assim todos vão arranjar pretestos.
    Bem Haja Sr PM

  6. Madalena

    14 de Outubro de 2010 as 16:39

    Estas palavras não podem ser de gente com responsabilidade na gestão das nossas matas, prefiro chamar de matas, do florestas, sei porquê!!
    O abate de arvores se faz todos os dias, ao olho nú, de dia. Na zona de cascata de São Nicolau, homens com motossera a fazerem abates de “pau de canela”, cujo nome cientifico não me ocorre agora, para fazer lenha e carvão no mesmo local. A ponte vai cair dentro de dias se não houver intervenção do estado. Aquela zona, salvo erro é uma reserva protegida, ou area protegida, deve ter um plano de gestão, mais elementar.
    Vamos proteger as nossas matas. Que não conseguem controlar o abate, que demita das funções que exerce. NAda tem haver, utilização abusiva das viaturas, do estado, com a fiscalização das matas. Florestas.

  7. INCOMODADO COM ISTO

    14 de Outubro de 2010 as 16:48

    POIS É COMO NÃO SE PODE FASER TUDO DE BOM, ISTO DE FACTO É UMA DAS CONSEQUÊNCIAS DAS MEDIDAS DO TOMANDAS PELO GOVERNO.
    E SE NÃO COMEÇAREM A CIRCULAR NESTAS HORAS AI SIM VAI SER O ADEUS AS NOSSAS ARVORES.
    PORQUE MESMO D’ANTES COM OS TÉCNICOS DA DIRECÇÃO DAS FLORESTA A CIRCULAR A QUALQUER HORA ABATIA-SE MUITAS ARVORES
    IMAGINAR AGORA!!!!!

  8. Simao

    14 de Outubro de 2010 as 17:05

    O que interessa é proteger as florestas. Se for truque, as florestas continuam a desaparecer se nada se fizer. Senão for truque, talvez algo mude. Eu voto para que se faça algo em vez de ficar de braços cruzados.

  9. Mé Pombo

    14 de Outubro de 2010 as 17:06

    Por isso é que anda a dizer que essa medida não é para durar. Querem viaturas para o fim de semana, prais, lenha, banana, pedra, areia.
    Vão la comprar o que é vosso mão hábito.

  10. Matabala

    14 de Outubro de 2010 as 18:13

    Pois é, não há regras sem excepções, portanto, a determinação de uma regra deve ter em conta os prós e os contras…nesse caso, circular depois das 15h ou aos fins de semana é trabalho, e que assim seja, agora é importante que haja responsabilidade e pessoas certas autorizadas par circular com as viaturas e um plano…por exemplo, cada deslocação deve ser feita na companhia de uma ficha de utilização de viatura onde ficará marcada a hora de saída, objectivo da saída,o Motorista, Km na hora de saída, hora de regresso, Km ao chegar ao seu posto e hora, assinado pelo motorista.
    Outra medida é colocar vigias secretos em cada zona alvo de abates com um telemóvel com pelo menos 100 contos de saldo que lhe baste para dar um toque no responsável dos vigias e cabendo a este contactar-lhe e saber o que se passa…há muitos jovens com vontade de colaborar, isso seria uma forma de dar trabalho honesto a alguns jovens das roças…
    Basta haver vontade de se fazer que tudo é possível…ainda mais para nosso país que é tão pequeno.

  11. António Veiga Costa

    15 de Outubro de 2010 as 0:28

    Sra. Pascoa Costa, acredito que os gatunos devem estar mesmo a aproveitar os finais de semana e madrugadas para o roubo das madeiras, pois é assim q agem no caso da areia de praia.
    Mas, espero que a Sra. tenha feito alguma solicitação POR ESCRITO E DIRETAMENTE AO SENHOR PRIMEIRO-MINISTRO com os devidos esclarecimentos sobre as necessidades de se abrir exceção no caso. Tenho certeza de que estarão revendo e autorizando. Cada caso é um caso…
    Espero que sua solicitação não tenha sido só atraves o tela-non, ficaria no mínimo estranho!

    • Uê beto

      17 de Outubro de 2010 as 20:34

      Muito de acordo com o seu comentário, se algum sector acha que a regra deve ter uma excepção para o seu caso, então que escreva ao senhor chefe do governo e não venha cá ao telanon em uma tentativa de desacreditar o governo. Acho que a senhora como uma responsável deve ser penalizada no caso de não ter seguido os trâmites legais antes de vir ao telanon.

  12. Matabala

    15 de Outubro de 2010 as 0:52

    Pois é, não há regras sem excepções, portanto, a determinação de uma regra deve ter em conta os prós e os contras…nesse caso, circular depois das 15h ou aos fins de semana é trabalho, e que assim seja, agora é importante que haja responsabilidade e pessoas certas autorizadas par circular com as viaturas e um plano…por exemplo, cada deslocação deve ser feita na companhia de uma ficha de utilização de viatura, onde ficará marcada a hora de saída, objectivo da saída,o Motorista, Km na hora de saída, hora de regresso, Km ao chegar ao seu posto e hora, assinado pelo motorista.
    Outra medida é colocar vigias secretas em cada zona alvo de abates com um telemóvel com pelo menos 100 contos de saldo que lhe baste para dar um toque no responsável dos vigias e cabendo a este contactar-lhe e saber o que se passa…há muitos jovens com vontade de colaborar, isso seria uma forma de dar trabalho honesto a alguns jovens das roças…
    Basta haver vontade de se fazer que tudo é possível…ainda mais para nosso país que é tão pequeno.

  13. Macarofe

    15 de Outubro de 2010 as 8:33

    Pela explicação da Srª Pascoa me faz lembrar que a função pública tem gente que não quer trabalhar. Vejamos: a decisão do Governo não impede de forma nenhuma o pragamatismo de uma directora. Após esta decisão qual foi a contraproposta feita pela mesma pra salvaguardar os interresses nacionais? Nenhuma… Penso que a fiscalização florestal deve ser feita utilizando meios de transporte fudamentalmente motorizadas e excepcional as viaturas em casos especiais. Num país sério ela devia por o cargo a disposição, caso não, uma demissão imediata. O país precisa de gente com alguma destreza. Basta os sangue-sugas. Temos que por ponto final a isto. Haver vamos. Viva STP.

  14. Mambi

    15 de Outubro de 2010 as 10:32

    Penso q a situação ´fácial resolver
    Vejamos: Comentou-se por aí de que os combustíveis da EMAE uma grande parte eram desviados como também Areia nas praias Presentemente já não mais se fala devido a presença dos militares. Porque não também a presença dos mesmos naquilo q se diz “patrulhamento militar” permanentemente. Pelo menos ajudaria…

  15. Pomplio Mariano

    15 de Outubro de 2010 as 11:49

    Onde andam os guardas florestais ? o trabalho da direcção seria unica e simplesmente fiscalizar os guardas fiscais. Se se organizarem melhor não haverá a necessidade do uso dos meio rolantes depois das 15 e nem aos finais de semana.

    • INCOMODADO COM ISTO

      15 de Outubro de 2010 as 17:03

      POR ACASO O MEU AMIGO QUER SER GUARDA FLORESTAL???
      MAS, LEMBRE-SE DEIXAR A VIDA LA FORA E VIR A STP PARA SER GUARDA FLORESTAL ( GANHARAS O SALARIO MINIMO NACIONAL 870.000 + SUBSIDIO DE RISCO 310.000 + TRANPORTE 220.000 = 1.400.000-14% DOS IMPOSTOS = Á 1.204.000 DOBRAS = 49.14 EUROS )
      VENHA OARA PARA STP E DEIXA DISSO

      • E.Santos

        15 de Outubro de 2010 as 19:11

        Este é o país que temos. Alguém tem de ser gusrda florestal. E antes este rendimento do nada. Com tanta gente sentada no jardim paciência…voltem a criar sim a figura de guardas florestais. Pelo menos teremos a quem imputar responsabilidades.

        Queria ver Pácoa Costa deixar seu concó de fim de semana para ir fazer fiscalização. Isto é que era bom….

  16. Zinane

    15 de Outubro de 2010 as 17:31

    Vão mais é plantar batatas!

    É essa mesma Direcção de florestas que passa levianamente credenciais de abates indiscriminados de árvores a seus comparsas que vem a terreiro falar em fiscalização. Tenham dó né! Querem viaturas para a faina pós-laboral? Pois que comprem as vossas e podem depois plantar bananeiras para à sombra delas, hibernarem.

    Tenho dito.

  17. E.Santos

    15 de Outubro de 2010 as 19:08

    Carissima Páscoa Costa, isto é desculpa de mau pagador. A senhora que me desculpe. Devia ser demitida de imediato ao vir dizer isso.
    Antes deveria propor a mudança do horário de trabalho dos seus funcionários, para incluir fins de semana. Desta forma já conseguiria que a viatura circulasse ao fim de semana. Fácil de resolver. Ou então marcava com o governo para discutir excepções que devem existir às regras.

    Faz o seu trabalho, nada de desculpas. Se não lhe derem estatuto de isenção, ou se não lhe aceitarem a mudança de horário de trabalho, aí sim, venha cá põr a boca n trombone que a gente vai lhe apoiar. Ora ora….

  18. Digno de Respeito

    16 de Outubro de 2010 as 4:14

    Li atentamente os comentários e com normalidade todos apresentam o seu ponto de vista (uns mais ou menos favoráveis) bazeando do argumento da Responsável pel oSector (Páscoa Costa). Mas tenhamos em conta que para se prevalecer a Autoridade de estado, não se pode andar á “meias medidas” porque as medidas tomadas por qualquer Governo de ser de forma acertiva. E, o respeito cria-se e não se adquiri. Tudo para dizer só o governo sabe porque decidiu sobre a recolha de viaaturas do Estado ao fim de semana.

    E se se abre excepções, não me admira nada que brevemente virá outros “choradinhos” para em jeito de pedidos justificando por A+B.

    Para contornar a situação, sugiro um acordo de parceria entre a Direcção das Florestas e as forças paramilitares e similares que poderão iventualmente contribuirem para a causa pública. Isto, considerando que que os serviços militares e paramilitares ~entre outros de emergência são os que beneficiam de livre circulação durante o fim de semana com as viaturas de estado. Logo, ai o governo estaria a ganhar porque são todos parte integrante do bem comum. E nesse caso, em defesa do nosso ecossistema.

    Posso estar errado, se sim, agradeço melhorias que convençam o governo a poupara e ao mesmo tempo por cobro a abate indescriminado de arvores no País. É certo que haverá muito mais e melhores sugestão que ajudem a Responsável do Sector das Florestas nas suas “lamentações” públicas.

  19. N.C

    16 de Outubro de 2010 as 16:19

    So espero que este jornal nao esteje a tornar parcial,pois nao vi nada de erado que comentei com relacao a noticia em causa.O meu comentario foi censurado,apenas por ter dito a verdade.gostava de ver o meu comentario restabelicido,para que os ouvintes poderem inclusive deliberar se foi ou nao abusivo,ou seja la outra coise que lhe tornou sensurado

  20. lele

    17 de Outubro de 2010 as 11:46

    acho que a soluçao nao é impedir a entrada de motoseras no pais a soluçao é haver mais fiscalizaçao e mais sensibilizaçao junto as populaçoes para os sensibizar e nós todos dar o nosso contributo porque senao isto vai mal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo