Sociedade

Congresso Nacional de Tecnologias de Informação marca fim-de-semana em São Tomé

Uma iniciativa do Instituto de Inovação e Conhecimento, que pretende atrair a sociedade são-tomense para o uso das novas tecnologias de comunicação e informação. O Ministério da Educação Cultura e Formação, está a promover a alfabetização digital, para ligar o cidadão as novas tecnologias de comunicação e informação.

10 Palestras sobre os mais variados temas relacionados com as novas tecnologias de comunicação e informação, marcam a actualidade são-tomense até domingo. O segundo Congresso Nacional de Tecnologias de Comunicação e Informação, aberto no espaço Cacau contempla oficinas de curso de informática, acesso livre a internet e empresas do ramo das tecnologias abriram exposição de vários produtos para o público.

Segundo o Ministro da Educação, Cultura, e Formação, Olinto Daio, é uma forma de alfabetizar a sociedade são-tomense no domínio digital. «Esta manhã (sexta-feira) foi apresentado o projecto São Tomé em rede que envolve cerca de 4 componentes desde governação electrónica, área da educação, das empresas e da inclusão digital», declarou o ministro Olinto Daio.

Integração dos cidadãos nas tecnologias de comunicação e informação, é um dos pilares fundamentais do processo educativo. «Na componente educação há um papel importante do projecto de integração das pessoas nas tecnologias de informação no sistema educativo, integração da informática no curriculum escolar, criação de telecentros, e quiosques digitais. Portanto aos poucos vamos alfabetizando as pessoas digitalmente para que nós como país não fiquemos de fora deste processo de sociedade de informação e conhecimento», reforçou.

Em 2012 o cabo de fibra óptica chega a São Tomé e Príncipe. Uma infra-estrada essencial para a maximização do uso das novas tecnologias de comunicação e informação. «O governo está empenhado para que este projecto seja implementado o mais breve possível, mas não só isso. Haverá uma série de medidas que o próprio instituto está a estudar desde a redução de taxas em relação aos equipamentos informáticos para que os custos dos equipamentos sejam mais acessíveis aos cidadãos. Estaremos assim a criar oportunidades para que o cidadão tenha acesso a essa ferramenta. Medidas que serão implementadas ao longo do ano», explicou o Ministro da Educação, Cultura e Formação.

São Tomé e Príncipe quer posicionar-se no futuro como um arquipélago digital, para conquistar o desenvolvimento.

Abel Veiga

    8 comentários

8 comentários

  1. deolindo semedo

    30 de Outubro de 2010 as 14:13

    Não podemos colocar a carroça a frente do boi. Não faz sentido o Governo falar de “alfabetização digital” com a má qualidade de internet que temos no país: cara e de má qualidade.
    O Governo deve dialogar com a CST, para resolver o problema da internet. Ouvimos há tempos acusações do lider sindical da AGER e até hoje ninguém disse nada.

  2. Digno de Respeito

    31 de Outubro de 2010 as 3:52

    Felicito ao Governo pela iniciativa. “Alfabetizar” a população santomense, principalmente a classe mais vulnerável, é considerada uma preoridade. Digo perioridade, quando vivemos na era ga Globalização e São Tomé e Príncipe não deve ser excepção á regra. Ter um quiosque em cada centro distrital ou por várias localidade do País, para ensinar e apoiar os jovens e adultos sobre essa realidade Global,
    e sem dúvida o princípio de igualdade lutar contra a infoexclusão social. Felicito ao Titular ao Ministro Olinto Daio por insentivar e acelerar a área da governação electrónica bem como toda a sua equipa. Aconselho, a apostar nos jovens quadros que nos últimos anos regressam do Brasil com forte conhecimento nesta área bem como ir ao encontro de muitos outros técnicos nacionais formados em Tecnologias de Informação, Gestão de Dados, Redes e Arquitectura Informática, Gestão de Conteúdos, Comunicação Digital bem como os do Webquest’s. Com essas e outras areas relacionadas poder-se-a criar um program de e-learnig nacional onde a educação e o ensino chegue a todo canto do País, incluindo a Região Autónona do Príncipe. Certo que será um investimento (se bem aplicado), pode resultar positivamente poupando em transporte, tempo e outros encargos. É verdade que a existencia de energia electrica, deve ser uma garantia para o sucesso das TIC’s (Tecnologia de Informação e de Comunicação) em STP.

  3. vedilson pinto

    31 de Outubro de 2010 as 9:35

    Essa k é a maneira de evoluir as empresas nacional a ser cponhecida e por a nassa sociedade no topo da tecnologia de informação e deve ser conhecida

  4. Matabala

    31 de Outubro de 2010 as 10:35

    Estas acções indicam a vontade de alguns em fazer a divulgação das novas tecnologias no nosso país…
    Isso deve ser feito mais e de melhor forma e com um objectivo muito mais específico, ou seja de forma a atingir outras faixas da população santomense. Porque na realidade as NTIC estão muito aquém em STP, em termos de utilizadores.

  5. Sonhador

    1 de Novembro de 2010 as 10:35

    Alfabetizar o uso das novas tecnologias??? Esses governos de São Tomé só sabe bem gozar do coitado povo que tem olhos fechados. Não pode haver incentivo para o uso das tecnologias se o governo não investe seriamente nas infraestrutura de comunicação. Só se incentiva o uso quando ja se tem as bases pontas a funcionar ou ainda em fase teste, mas com o objectivo de melhorias. Falou-se em construção de uma infraestrutura de comunicação de alta velocidade para o país, isso vai acontecer em 2100 ou nem por isso, as infraestruturas actuais no país são as que já nem mundialmente, cabos que sofrem fortes atenuações do sinal e ainda com um acesso de internet ADSL com apenas 256kbps que nem são garantidos, lol se eles actualmente oferecem como velocidade máxima 256kbps e com esses cabos que sofrem bastante atenuação, até este sinal chagar a casa dos clientes são terá 56kbps ou seja o sinal fica uma porcaria. E mesmo assim querem insentivar o uso das tecnologia. bom se calhar o ministério da educação quer incentivar as pessoas para comprarem um computador e guardar em casa, só pode ser isto.

  6. Sonhador

    1 de Novembro de 2010 as 10:35

    Alfabetizar o uso das novas tecnologias??? Esses governos de São Tomé só sabe bem gozar do coitado povo que tem olhos fechados. Não pode haver incentivo para o uso das tecnologias se o governo não investe seriamente nas infraestrutura de comunicação. Só se incentiva o uso quando ja se tem as bases pontas a funcionar ou ainda em fase teste, mas com o objectivo de melhorias. Falou-se em construção de uma infraestrutura de comunicação de alta velocidade para o país, isso vai acontecer em 2100 ou nem por isso, as infraestruturas actuais no país são as que já nem mundialmente, cabos que sofrem fortes atenuações do sinal e ainda com um acesso de Internet ADSL com apenas 256kbps que nem são garantidos, lol se eles actualmente oferecem como velocidade máxima 256kbps e com esses cabos que sofrem bastante atenuação, até este sinal chagar a casa dos clientes são terá 56kbps ou seja o sinal fica uma porcaria. E mesmo assim querem incentivar o uso das tecnologia. bom se calhar o ministério da educação quer incentivar as pessoas para comprarem um computador e guardar em casa, só pode ser isto.

  7. Homem manda com tempo e Deus para sempre

    5 de Abril de 2012 as 12:34

    Tudo na vida tem que ter um início. Ser crítcos todos somos, por isso deixamos muitas vezes de validar o que pode trazer beneficios a sociedade. No que toca a alfabetização digital no meu ponto de vista é uma boa iniciativa do Ministério de Educação.A pergunta que eu colocaria é a seguinte. Será que disposmos de meios suficiente para implimentação desse projecto. Como os recursos são escassos devemos evidar esforços para melhorar o nosso sistema informativo, neste caso a capacidade da internet. Espero que o Ministro consiga levar o projecto avante.

  8. Homem manda com tempo e Deus para sempre

    5 de Abril de 2012 as 12:40

    Segundo Fernando Pessoa se não me falha a memória, “Tudo é possível quando a alma não é pequena”. Os objectivos são alcançados sempre com esforços e sobretudo determinação. Quero salientar que tem que se pensar na redução de preços no pacote de instalação de internet para que todos seja rico ou pobre que disponha de um PC possa usufruir.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo