Sociedade

Governo São-tomense solidário com as vítimas do acidente no Congo-Brazaville

O Governo enviou dois médicos e 5 enfermeiros para socorrer as vítimas da explosão de um paiol de armas no Congo – Brazaville. O Ministro Secretário do Governo, Afonso Varela(na foto), disse ser um gesto de solidariedade com um país e povo que desde a independência nacional, tiveram as mãos estendidas para apoiar São Tomé e Príncipe.

Um médico especialista em ortopedia, e outro de clínica geral, integram a missão solidária para com o povo do Congo. Face a dimensão do acidente que vitimou mais de 2 centenas de pessoas, o Governo são-tomense enviou também 5 enfermeiros para socorrer as vítimas da explosão do paiol de armas no Congo-Brazaville. «É chegada a altura para nós retribuirmos a ajuda que vimos recebendo do Congo, prestando a nossa solidariedade. Mesmo o governo a que pertenço testemunhou gestos de solidariedade por parte do Congo», declarou o ministro secretário do Governo, Afonso Varela. No aeroporto internacional, na última segunda – feira, o Ministro Secretário do Governo, recordou que «nós tivemos aqui, professores congoleses».

Professores congoleses que começaram a trabalhar em São Tomé desde o início da independência nacional. Ajudaram a formar várias gerações de estudantes são-tomenses. Abel Lopandza, é um dos professores congoleses, que foi conquistado por São Tomé e Príncipe. Tem nacionalidade são-tomense, faz parte da delegação na qualidade de tradutor.

Celso Oliveira, médico ortopedista, manifestou-se confiante de que a equipa médica nacional vai cumprir com o seu dever. «O pessoal que foi seleccionado para esta missão está habituado a trabalhar em casos de urgência e acho que estamos em condições de lidar com a situação», pontuou.

A missão da equipa médica solidária são-tomense, vai demorar duas semanas. Note-se que o Presidente da República Manuel Pinto da Costa, endereçou uma mensagem de condolências ao seu homólogo congolês Denny Sassou N´Guessou, assim como para as famílias das vítimas da explosão do depósito de armas no Congo.

Abel Veiga

    15 comentários

15 comentários

  1. Pedro Cravid

    7 de Março de 2012 as 5:01

    Pois é,e o povo Sãotomense qual e a solidáriedade,senhor ministro?…aquele seu povo que não morre de explusões mas que morre de miséria,de condições socias,falta de água e energia,de comida,de hospital em condições humana,etc…Por favor tenham vergonha, deixa de propaganda.Em primeiro lugar o povo Sãotomense deviam saír a rua para também pedir para o senhor ministro mais solidáriedades com aqueles que neste país não conseguem fazer pelo menos duas refeições por dia(digo nem uma)ai sim os senhores tomariam a lição,..bando de ladrões,desonestos,gente sem escrupulo,corruptos…enfim…assim vai o nosso STP.

  2. Mumuka José Capóla

    7 de Março de 2012 as 6:54

    Tela-non, por favor corrigem o erro. O médico ortopédico selecionado não se chama Celso Oliveira, mas sim, Celso Matos.

    Fuiiiiiiiiiiiiii

    • Conóbia cumé izê

      7 de Março de 2012 as 17:20

      Cada um ajuda com que pode e como pode.O gesto do governo para com um país irmão e africano é positivo.Quando fazemos bem,fica-nos bem !…fui

  3. tiocego

    7 de Março de 2012 as 9:04

    O Médico Ortopestista Chama-se Celso Matos. Oliveira é o Puto do seu irmão mais novo: Abnildo d’Oliveira.

    tela Non! Ahahaha

  4. estudante em portugal

    7 de Março de 2012 as 9:38

    Meu Deus ,que gente é essa ,povo deixa de intolerância,tenha mais amor carinho e principalmente compreensão, nestes momentos não podemos demonstrar a nossa miséria e nem reclamar dos erros que o jornal cometeu na escrita o que importa é que os leitores entenderam a mensagem, o nosso governo só fez o que tinha que ser feito deu uma ajudinha ao povo que neste de tristeza está precisando. enfim mas como a gente pra tudo neste mundo temos que contentar ate um dia que este tipos de pessoas acordarem porque ainda estão a dormi bom paro por aqui e que Deus abençoe estes médicos e enfermeiros para que eles possam ter força e capacidade suficiente para ajudar os que neste momentos precisam deles em Congo.

  5. Engenheiro( LISBOA)

    7 de Março de 2012 as 9:50

    É verdade que o povo está em condições extremamente difícil, mas também é verdade que não podemos deixar de estender as mão à aqueles que também nos têm estendido a mão,aliás se os senhores comentadores repararem bem, o nosso país vive de mãos estendidas.
    Onde está o mal? Se o governo decidir se solidarizar com o CONGO nesta hora, há mal nisso?

    Ninguém deve ser criticado por fazer o bem. Veja lá se cuidam da linguagem e valorize boas acções do GOVERNO e critiquem de forma construtiva.

    É uma pena que esse espaço de opiniões só tem servido para os comentadores criticarem e nunca vi comentarios em que as pessoas APRESENTEM SOLUÇÕES ALTERNATIVAS E INCENTIVEM O GOVERNO A FAZER JUÍZO DAS SUAS ACÇÕES E SE NECESSÁRIO CORRIGÍ-LAS.
    É triste,mas infelizmente tem sido assim…
    GOD BLESS SAO.TOME AND PRINCIPE IN THIS CENTURY!!! AMÉM!

    • Jaca San Goia

      9 de Março de 2012 as 14:57

      concordo e subscrevo o comentario do engenheiro(lisboa)deixemos de criticar so por tudo e por nada vamos ajudar apresentado alternativo e soluções
      aquele abraço tamanho de mundo para todos

  6. Coladura

    7 de Março de 2012 as 11:56

    Afinal já existe solidariedade em STP! Que maravilha!

    Solidariedade sim, é um gesto digno de louvar, sucintamente justificado com argumentos e fundamentos dignos de aplauso.

    Já que existe consciência da necessidade de solidariedade, porquê dualidade de critério?

    Se não é dualidade de critério, como é que se explica a falta de solidariedade com os nossos compatriotas mais necessitados que todos os dias perdem a vida por falta do mínimo meio de subsistência, nomeadamente falta alimentação, tratamento de saúde e higiene e compra de medicamentos? Também são vítimas ou não?

    Qualquer ser humano quando toma consciência do mundo em que vive, utiliza o” eu “ , o que significa, em primeiro lugar = primazia = prioridade, porque não priorizar essa solidariedade para com os nossos compatriotas vítimas de miséria?

    Quem é capaz de negar “ primeiro eu, segundo “eu” , é falso, o mesmo que dizer, é mentiroso.

    Os nossos antepassados diziam: “ nom na ka txila tlipa fô pê paia fa-ê, Valera ! …

  7. Zidane

    7 de Março de 2012 as 13:28

    Caros amigos.
    Sabe-se que hoje, o nosso Quartel das Forças Armadas está localizado no meio de vários bairros da nossa Cidade. Sabe-se igualmente que existe um paiol dentro do quartel. Será que estão garantidas todas as medidas de segurança para evitar o que aconteu no Congo??
    Seria bom que iniciassemos um debate neste sentido.

    • Jaca San Goia

      9 de Março de 2012 as 15:00

      concordo
      temos que olhar para espelho saber se temos alguma marca força 1º M PET

  8. jaka doxi

    7 de Março de 2012 as 17:00

    Uma boa iniciativa.O país não pode apenas a andar a pedir.Tem que dar apoio também para ser reconhecido pelos nossos parceiros.

  9. Isidoro Porto

    8 de Março de 2012 as 12:58

    “Comentario encerado.” Porque?

    • Téla Nón

      8 de Março de 2012 as 13:25

      Simples avaria no servidor, onde o Jornal está inserido. Breve estará aberto.

  10. beny sacramento

    9 de Março de 2012 as 18:59

    a onde que esta o povo do principe,,,,,,,,,,,,e o sào tomè??????????????so estào a dormir??????????? palavrea dora è admirado,,,,,,,,,,, e triste os nosso pais

  11. beny sacramento

    9 de Março de 2012 as 19:18

    laury tenho 9 anos nasce em gabào entro-meem france,,,,,,,,,,, sào tantas coisas que oiço em sào tomè e principe triste atè onde que vamos parar????????????? com essas brincadeira de mau gosto (fabiola????????????????????????????passou??????????????????????????????????????????????????

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo