Sociedade

Arrancou projecto de gestão do lixo para São Tomé voltar a ser a mais limpa de África

Nas últimas duas décadas e meia, a cidade de São Tomé, foi sendo dominada pelo lixo. A ausência de um plano de gestão dos resíduos sólidos, fez a cidade mais antiga do espaço lusófono em África, com mais de 486 anos perder ao longo dos anos o seu estatuto de cidade mais limpa, e mais linda da região da África Central.

Para além de muitas vezes não conseguir retirar o lixo amontoado nas ruas da cidade, o poder local do distrito de Água Grande e o Governo Central, foram confrontados com um cenário de insularidade gigantesco na única lixeira a céu aberto localizada no meio do bairro residencial de Penha. Uma ameaça permanente a saúde púbica, e com forte impacto ambiental, por causa da queima do lixo, naquela lixeira.

É neste cenário degradante para a saúde pública e para o ambiente na cidade de São Tomé, que a câmara distrital, chamou a imprensa para anunciar o arranque do projecto “REHDES” – Reforço Holístico para o Desenvolvimento Sustentável.

O projecto que pretende devolver a cidade de São Tomé o seu estatuto de limpa e com uma gestão sustentável do lixo, é quase todo financiado pela União Europeia. Orçado em 2 milhões e 190 mil euros, por um período de 30 meses, o Estado santomense só contribui com algumas despesas internas, que não ultrapassam os 5% do valor.

Para a Cidade de São Tomé alcançar a gestão sustentável dos resíduos, o Presidente da Câmara Distrital de Água Grande José Maria Fonseca, apontou a formação dos quadros do poder local.

«É um projecto virado para a capacitação dos quadros técnicos da câmara distrital de Água Grande. Vai-se realizar também intercâmbio entre os técnicos camarários de São Tomé e os técnicos do município dos Mosteiros de Cabo Verde», afirmou José Maria Fonseca(na foto).

A formação dos agentes camarários no domínio da gestão dos resíduos sólidos, vai permitir que a autarquia de Água Grande, comece a fazer a separação do lixo, desde o momento da recolha.

«Assim antes de levar o resíduo para a lixeira de Penha, o lixo será pré -seleccionado, o que vai evitar esta queima que assistimos hoje em dia lá na Lixeira.  … Com a selecção do lixo, Assim com o lixo seleccionado, o processo de queima será mais fácil e diminuirá assim a poluição que vivemos hoje através da lixeira de Penha», explicou o Presidente da Câmara Distrital de Água Grande.

Ao mesmo tempo, que forma os quadros da autarquia para melhorar o tratamento e a reciclagem do lixo, o projecto “REHDES” vai equipar a cidade de São Tomé com contentores de lixo, e viaturas para recolha dos contentores. Acção que vai evitar o tradicional amontoar de lixo nas ruas da cidade capital.

«Esse projecto representa o início para o desafogar da lixeira de penha. Se levarmos para a lixeira apenas os resíduos que não podem ser transformados, a lixeira ficará em melhores situações», assegurou o Presidente da autarquia de Água Grande.

O projecto “REHDES” da União Europeia, vai promover a transformação dos resíduos em produtos de valor económico.  O projecto vai inaugurar a economia circular em São Tomé. «Baseia-se na teoria de que tudo se transforma e nada se perde», precisou José Fonseca.

Os núcleos populacionais de São Tomé são também os principais alvos da campanha de formação, sensibilização e comunicação. A mudança da mentalidade e a promoção do espírito empreendedor no seio das comunidades do distrito de Água Grande, é o eixo central da estratégica de desenvolvimento sustentável, do projecto REHDES.

«A economia circular vai permitir a criação de postos de emprego, promoção de actividades empresariais ligadas ao aproveitamento dos resíduos sólidosVai-se produzir compostos orgânicos. Jovens serão formados para serem empresários no domínio dos compostos», destacou o Presidente da Autarquia.

Dentre as várias acções de gestão, e de transformação do lixo, o projecto financiado pela União Europeia, prevê a transformação da actual lixeira da Penha, que representa grave ameaça a saúde pública, num centro de produção de energia limpa.

«Ao invés de queimarmos o lixo e mandar a poluição para a natureza, o projecto prevê a identificação de interessados em investir na produção de energia a base dos resíduos sólidos», garantiu José Maria Fonseca.

O projecto prevê a realização de um estudo de viabilidade, antes da construção da central de produção de energia. Mas, segundo o Presidente da Câmara distrital de Água Grande, já existem propostas de investidores interessados na transformação do lixo que é queimado na Penha, em energia eléctrica.

Abel Veiga

    9 comentários

9 comentários

  1. Lucas

    17 de Março de 2021 as 10:47

    Tudo isto cheira mal
    Tem de vir dinheiro e gente de fora mandar varrer e limpar??

  2. Zalima

    17 de Março de 2021 as 11:09

    Quero ver para crer. Tanto bla bla bla mas quando chega a hora de execução não se vê nada e os políticos não prestam contas.
    Já nos prometeram mundos e fundos mas só vemos o inferno.
    Quanto ao petróleo e não vimos nada. Zonas francas mesma coisa. Porto de águas profundas então nem saiu do papel.
    Só sei que depois desses anos todos estamos desorganizados, pedintes, pobres, mal agradecidos,atrasados, mesquinhos, invejosos… E com uma capital vergonhosa onde o Estado não impõe autoridade e todos mandam e fazem o que querem.

  3. Matabala

    17 de Março de 2021 as 15:42

    Esse é país dos projecto. Muito projecto e muito financiamento para projecto que nunca passa disso mesmo. O resultado é sempre o mesmo só dinheiro gasto em: -formações (pagar salas em hoteis, pagar a formadores que vem de fora com tudo pago, catering, etc)- contratação directa de pessoal para fazer parte da equipa (amigos/família/boquita) do projeto sem fazer concurso e a pagar salários elevadíssimo mais ajuda de custo durante x meses ,-compra de alguns equipamentos (viaturas e outros) sem passar por concurso público
    e outros desmandos….
    Coisa nunca vai…continuam a lidar com povo como se fosse tudo ignorante e eles que são muito esperto.

  4. Credo

    17 de Março de 2021 as 21:11

    Ó Zé Maria é preciso vir estrangeiros para vos ensinar a limpar a cidade? Que vergonha. Não sei que tipo de independência este país tem….

  5. luisó

    17 de Março de 2021 as 21:22

    Credo, só descobriram este método agora?
    Não tinham percebido que isto existe há muitos anos?
    Vocês não viajam para a Europa a toda a hora e nunca viram ecopontos?
    Vou dizer-vos uma coisa que parece que ainda não sabem:
    o lixo separa-se no principio, nos ecopontos, e quando chega á central mais de 80% dele já deve vir separado nos contentores.
    Então, ponham contentores por cores, façam campanha de informação na TV e depois façam a recolha todos os dias para não ficar a encher passeios.
    Com isto a funcionar vão ver que é mais rapido, eficiente, mais barato e bom para o ambiente.
    Depois é reciclar garrafas em novas, fábrica e mão de obra, e embalar plástico e papel e vender no estrangeiro.
    É fácil e dá milhões.

  6. Dihnis Costa

    18 de Março de 2021 as 10:56

    Estes senhores são maus, não gostam do seu povo, amam o país, por este ter se tornado uma agradável fonte de rendimento.
    Existem políticos e pessoas ligadas a estes que só trabalham em projetos, porque fatura-se mais…
    Nem com um projeto de mais de 2 milhões de euros, é possível desativar por completo a lixeira de penha que tanto mal tem causado à saúde de muitos santomenses, num país onde o serviço de saúde é péssimo, quase nulo.
    Para vermos o quanto isto está uma trapalhada total, basta ler com atenção as coisas que o senhor presidente do poder total foi falando, ora diz uma coisa e depois contradiz-se a ele próprio, o mesmo chega a fazer papel dos ministros que tutelam as pastas de agricultura, quando fala em produção de compostos orgânicos, de trabalho, quando fala em criação de postos de emprego, de energia, quando fala na produção de energia a base dos resíduos sólidos…
    Tanta ladainha com um único propótito, confundir e enganar o povo, enquanto vamos continuar a ver esta lixeira a céu aberto, até sabe-se lá quando, pois, tal como disse o senhor presidente, “esse projeto representa o início para o desafogar da lixeira de penha.” e não o início da irradicação da mesma como devia ser…e enquanto isso estes senhores vivem a grande e a francesa com dinheiro de financiamentos de muitos projectos que se ouviu falar neste país e que na prática nem 1/3 acontece…triste realidade.

  7. Andorinha

    18 de Março de 2021 as 14:31

    Esse governo de Jorge bom Jesus só reage não age, sempre que uma coisa aparece nos jornais e rede social eles arrebentam uma notícia de propaganda tal como foi quando população de Príncipe ameaçaram manifestação veio logo uma notícia aqui no Tela-Non com concursos para barcos que não deu em nada só trukes para enganar o povo.

  8. Rui de Sousa Rosa Cardoso

    18 de Março de 2021 as 22:26

    Era necessário tanta crítica nas redes sociais para voçês se despertarem?
    Que vergonha…!!!
    Senhores autarcas e políticos da nossa praça, acordam desse sono longo por favor.
    O país está enfermo por vossa causa.Por favor mudem do paradigma, o país espera por vós.

  9. Toni

    19 de Março de 2021 as 11:05

    Não há palavras!!!!
    Como é possivel STP ser um Pais independente !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo