Sociedade

Cabo Verde enfrenta níveis recordes de insegurança alimentar

DACAR – O número de pessoas afetadas por uma crise alimentar e nutricional em Cabo Verde atingiu um recorde histórico em junho de 2022, com 181.000 mulheres, homens e crianças a enfrentarem uma fome aguda. Isto representa 32 por cento da população total e marca uma inversão maciça dos ganhos duramente conquistados em segurança alimentar e nutrição nos últimos anos, obrigando o Governo a declarar uma emergência nacional social e económica a 20 de junho. Se não for abordada com urgência, esta crise perturbará gravemente o acesso aos alimentos e a produção agrícola, colocando mais vidas em risco, uma vez que o país depende largamente das importações para satisfazer as suas necessidades alimentares.

A atual crise alimentar e nutricional resulta de uma combinação de fatores, incluindo anos de seca, que levaram a quedas significativas na produção alimentar e perdas de terras de pastagem, e as consequências económicas da pandemia da COVID-19. Devido à sua forte dependência do turismo – um sector que representa mais de 60% do seu produto interno bruto e que dá emprego a quase 70% da população – a economia de Cabo Verde foi abalada pela pandemia. Em apenas dois anos, o país registou uma queda de 78 por cento nas receitas do turismo – com graves consequências no seu desempenho económico nacional.

A situação foi ainda agravada pelas repercussões da crise na Ucrânia, que está a provocar uma agitação nos mercados globais de alimentos e energia, perturbando as cadeias de abastecimento alimentar e provocando aumentos acentuados dos preços dos alimentos, que afetam desproporcionadamente os mais pobres.

“Os atuais níveis de insegurança alimentar são sem precedentes. A menos que medidas apropriadas sejam urgentemente tomadas, a produção agrícola local, o gado e os meios de subsistência das comunidades rurais estão sob grave ameaça”, disse Dr. Gouantoueu Robert Guei, Coordenador Sub-Regional para a África Ocidental e representante da FAO no Senegal.

Em abril de 2022, uma missão conjunta da FAO, do PAM e do Governo de Cabo Verde no Arquipélago descobriu que famílias vulneráveis em algumas zonas rurais estão a reduzir o número de refeições e a comer menos, de três refeições por dia para por vezes uma refeição por dia, uma vez que os stocks de alimentos estão a diminuir, e os preços dos alimentos atingem níveis recorde no país. Além disso, os agricultores estão a vender o seu gado, reduzindo a produção de leite e queijo – e, por sua vez, reduzindo o consumo destes alimentos importantes entre as crianças. Com um défice pluviométrico de 34% na época passada, o país registou a maior queda na produção de cereais da região em 2021, com um preocupante corte de 93 por cento na produção.

Cabo Verde

“A situação atual em Cabo Verde realça a fragilidade dos sistemas alimentares e de proteção social nos países costeiros da África Ocidental. É fundamental que nos juntemos agora para apoiar o governo na manutenção de programas essenciais de redes de segurança social e na satisfação das necessidades alimentares e nutricionais imediatas das comunidades mais vulneráveis”, disse Elvira Pruscini, Diretora Regional Adjunta do PAM para a África Ocidental.

O primeiro programa de alimentação escolar da África Ocidental em Cabo Verde de iniciativa nacional está também em risco de ser suspenso devido à incapacidade do governo de fornecer todos os bens necessários. O programa apoia famílias vulneráveis em risco de insegurança alimentar e ajuda a evitar uma inversão nas taxas de matrícula e frequência escolar. Com o mundo a enfrentar um ano de necessidades humanitárias sem precedentes, o Governo apela agora a todos os parceiros para um apoio imediato. 

Cabo Verde

A fim de evitar um maior esgotamento dos meios de subsistência e deterioração da situação alimentar e nutricional em Cabo Verde, o PAM e a FAO necessitam de 15 milhões de dólares para apoiar um plano de resposta governamental de dois anos com o objetivo de reforçar os programas nacionais de rede de segurança, tais como refeições escolares, apoiar atividades de reforço da resiliência, e impulsionar a produção agrícola.

Nota aos editores:

Globalmente, em Cabo Verde, a análise do Quadro Harmonizado de março de 2022 projetou que 3.000 pessoas estarão em situação de emergência (Fase 4) e 43.000 pessoas em situação de crise (Fase 3) de insegurança alimentar, requerendo assistência humanitária urgente durante a época de escassez (junho – agosto). Ao mesmo tempo, 138.000 pessoas estão sob pressão (Fase 2) e em risco de grave insegurança alimentar, exigindo apoio aos meios de subsistência. Esta análise foi realizada antes da crise na Ucrânia eclodir.

FONTE : PAM/FAO

1 Comment

1 Comment

  1. Jose Teixeira

    25 de Junho de 2022 at 16:21

    De facto o nivel de insegurança alimentar em cabo verde, devido a anos de seca (o que já é normal) e agravado severamente pela guerra na Ucrania, aumentou assim como em vários os países africanos, e a situação do bloqueio dos cerais e dos fertilizantes ameaça a segurança alimentar mmundial.
    No entanto, não posso deixar de fazer reparos à peça, que está de falta de rigor.
    Insegurança alimentar e fome aguda, são conceitos com diferenças bastante assinaláveis.
    O turismo não representar 60% do PIB, mas sim menos de 25%, e muito menos emprega 70% da população. Na Ilha do Sal em que o turismo represnta o maior mercado empregador, 52% trabalham no ramo de turismo e hotelaria.
    Estudos recentes mostram “Em sétimo lugar do ranking, Cabo Verde aparece com uma contribuição de 17.66% do turismo no PIB, 15.77% para o emprego, alcançando uma média de 16.72%.”

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top