Análise

QUESTÃO AMBIENTAL E ECONOMIA VERDE

O termo economia verde está diretamente ligado ao ambiente. Economia verde significa o uso do planeta para fins lucrativos de alguns sem ter que prejudicar o ambiente e o ar que todos respiramos, bem como a estrutura natural do planeta em que todos vivemos. Infelizmente o que se passa é que o homem usa o planeta de uma forma arbitrária tal que ultrapassa o extremo permitido pelo divino.

Antes de entrarmos propriamente no que diz respeito ao assunto em epígrafe, algumas notas de abertura:

  • Os cidadãos de um país que destrói árvores, vegetação, flora e a fauna do seu país sofrem as consequências da desertificação, falta de chuva e água.
  • Há milhares de anos “milhares recentes”, o deserto de Saara era um país do tamanho igual ou superior ao do Brasil! Com a presença dos europeus se fizeram cortes constantes de árvores, desflorestaram grandes zonas privilegiadas do país, levando a que hoje todos nós somos testemunhos.
  • Os objetos enviados para o espaço pelos Americanos e Russos, após uns tempos no espaço tornam-se obsoletos, caem por gravidade nos próprios solos onde foram lançados, criando crateras e poços gigantes e profundos e alguns destes objetos que ficam a céu aberto refratam produtos químicos cancerígenos causando doenças de várias ordens aos cidadãos dos mesmos e levando muitos á morte.
  • Resumido e concluindo, todo aquele que polui no seu próprio solo ou país tem com recompensa fenómenos e doenças jamais visto ou ouvido falar. Por isso, preocupa-te em não poluir o teu solo ou o ambiente que te envolve, porque é uma dádiva que o divino separou para ti, é o teu ninho do qual se estragares as consequências só sobrarão para ti mesmo.
  • O pequeno espaço que o Divino nos atribuiu, ultimamente tem sido palco de pilhagens de madeira e desflorestação do ambiente, Evasão por lixos domésticos e Industriais (fruto da demografia e desenvolvimento desproporcionado), causando para os santomenses a falta de chuva, zonas áridas nunca visto, o atraso temporal das estações do Ano” Época da chuva e da Gravana”, enfim tudo isto como indicador de quem polui o planeta em particular terá consequências particulares. Não te admires!

Questão ambiental

A problemática a volta do ambiente quanto a questão da preservação da natureza, tem a ver com o desenvolvimento sustentável.

Segundo versa a Bíblia Sagrada, os homens descendem de Adão e Eva e que após as duas destruições “O dilúvio,  Sodoma e Gomorra” perpetradas por Deus, restou o filho de deus chamado Abraão do qual todos nós somos descendentes. Ao Abraão, foi-lhe ordenado a multiplicação de seres e que os espalhasse pelo mundo como os grãos de areia. O certo é que a profecia se está a concretizar contabilizando atualmente cerca de sete biliões “7*1012 “ de habitantes ou de seres humanos a viver no planeta terra com tendências sempre de crescer!

O certo é que: o mesmo Deus prometeu às suas próprias criaturas que nunca e jamais irá destruir os viventes da terra como punição dos seus atuais comportamentos. A partir daí o Deus deu ao homem o livre arbítrio de viver e de se autodestruírem se for o caso disso. Na onda desta liberdade os homens foram distribuídos pelo planeta a cada um a sua cultura, língua e inclusive o livre arbítrio de fazer a sua religião, etc… Sendo assim, o nosso globo ou planeta como queira o chamar, também será destruído parcialmente pelos homens em diferentes regiões do mesmo sem ter que afetar outras regiões.

Com isso, quero eu dizer que se cada país polui o seu espaço” espaço que lhe foi atribuído pelo divino”, por curiosidade ou outras virtudes quaisquer e se desculpabiliza sempre com avanço tecnológico, avanço da ciência e outras mais farpadas possíveis e imaginárias desculpas, não implica obrigatoriamente a destruição de outras zonas do globo ou planeta terrestre, porque cada um paga pelos seus atos, embora tenha alguma repercussão em zonas mais próximas do prevaricador, mas sem a mesma intensidade sofrida pelo prevaricador. Exemplos têm de sobra: Chernobil na Ucrânia, Fukuchima no japão, Tremor de terras em diversos locais do globo, secas na Europa e na África, são acidentes locais que se formos ver em termos escalares pouco afetou o mundo, tendo como consequências maiores os próprios prevaricadores, concluindo que cada um paga pelos seus atos. A natureza quando nos foi ofertada; foi de uma maneira proporcional a cada região consoante a sua área.

O Deus nos deu a montanha que nos fornece água, deu-nos rochas e minerais e alguns produtos para energia tais como: o petróleo, o gás, o carvão, o plutónio, Urânio e raios solar bem como a própria água. À todos esses elementos, o Deus deu-nos o livre arbítrio “Uso com inteligência para não se magoar”. Como o homem é curioso, ambicioso e sempre querendo mais, ele vai para além do permitido a ponto de se magoar, sem medir as consequências. Os elementos existentes na natureza são dádivas infindáveis! Sabeis porquê? Eis alguns exemplos: Se o diamante se esgota no norte, de certeza que existirá no sul! Sendo assim, o exemplo virado para o diamante é o mesmo para o petróleo e outros elementos.

O Divino nunca deixará esgotar totalmente esses elementos no planeta. Para o que gasta lhe sairá um outro elemento para sua subsistência e para os que recebiam como troca, novas perspetivas de negócio na mesma ou outra área lhes será benéfico. A terra ou planeta em que vivemos, nunca se transformará em algo diferente do da terra!

Tudo quanto você tirar da terra, se transformará em algo que a equilibrará em todas as suas características iniciais. Um exemplo elucidante para você se comparar: Se eu tirar 50Kg de terra do Brasil e o depositar em terras de Portugal, o planeta terra não deixará de ter os mesmos quilos iniciais atribuídos pelo divino! Por isso que lhe digo mais uma vez; Toda a transformação que você fizer à terra em qualquer zona do planeta, nada influenciará o planeta em termos da sua constituição! Mas, o que é mais provável é o seguinte: O homem e o ambiente sofrerão transformações! Sendo assim, se conclui que toda a transformação que ele fizer ao planeta, só à ele “o homem” sofrerá transformações e se autodestruirá! Mas, essa transformação é parcial, ou seja, o sofrimento é regional ou parcial e incide sobre o prevaricador! Vejamos outro exemplo: Os russos quando lançam objetos para o espaço, após uns tempos o próprio objeto se torna obsoleto e cai na mesma em solo russo, pelo que eu saiba nunca ouvi que algum objeto desse caiu em solo Africano ou vice-versa! O mesmo exemplo se aplica aos objetos lançados pelos norte americanos para espaço!

Estes dois exemplos servem para mostrar ao mundo que quem polui, paga pelos seus atos! Por isso, a conferência do Rio sobre o ambiente ou o planeta é mais um bater no vazio porque os maiores poluidores do mundo e do planeta jamais obedecerão os concertos saídos desta conferência. Mas, em todo caso, não sou tão pessimista assim, ao ponto de estar contra a conferência, pois água mole em pedra dura tanto bate até que fura! Resumindo, direi aos povos do mundo para não se preocuparem com a destruição do planeta, mas sim, se preocuparem com a destruição parcial de cada zona do globo a que diz respeito a cada um, claro com um pouco de preocupação com a destruição de o que é de um, é de todos! A natureza é tão parcial e distribuída equitativamente para cada povo, atribuindo a cada um a sua responsabilidade para a sua zona, responsabilidade essa que é tão omissa que os europeus e os americanos inventaram todos os meios de produção de produtos de higiene e limpeza que culminou com a teoria de: se não morres de doença, morrerás de cura! Isto para dizer o seguinte.

O mundo ocidental se preocupa muito com a limpeza profunda de casa e dos lares até as profundezas das destruição dos ínfimos ácaros que nos acompanham dia a dia da nossa vida, usando os mais potentes sabonetes, champôs de toda marca e feitio, desodorizante de toda marca e feitio, desinfetantes de toda marca e feitio, até os mais potentes aspiradores de vapor e água quente e fria, purificadores do ar e do ambiente de todas as maracas e feitios, contribuindo assim para que o homem fique isento de anticorpos e se exponha a todos os tipos de doenças possíveis e imaginárias, tendo como pano de fundo a mais mortífera doença que é o cancro causado pelo falta de anticorpos produzidos pela exposição em demasia de muitos produtos químicos que se julga benfeitores a sua saúde e o seu bem estar!

Como é de conhecimento de todos e de tudo quanto se frisou hora atrás, são causas das mortes prematuras existentes na Europa e Na América que se desculpabilizam, atribuindo culpas aos ventos da globalização vindos de África ou da Ásia. Resumindo e concluindo, o planeta nunca será destruído, porque está profetizado e assim será, ao menos que o próprio homem o queira fazer sobre a sua própria responsabilidade quer parcialmente, regionalmente, localmente ou planetariamente. Na verdade te digo: Não te preocupes, porque a cada um e a cada região do planeta só será destruído se os mesmos o quiserem fazer. Se a Europa ou a América polui, não pense você que irá pagar em pé de igualde pelas consequências que daí sairão! Cada um colhe o que plantou!

Lisboa 21 de Junho de 2012

Humberto Santos

    6 comentários

6 comentários

  1. Josias Umbelina dos Prazeres

    22 de Junho de 2012 as 9:46

    Gostei bastante da sua reflexão.
    O mundo só poderá alcançar o desenvolvimento sustentável, quando nós entendermos que deviamos tornar responsabilidade em dever e saber que a natureza actua com leis físicas. No entanto, o homem continua a actuar apenas com leis socio-económicas!
    Estou de acordo consigo que a Rio+20 não tará grandes resultados mas “antes tarde que nunca”!
    O grande abraço;
    Josias Umbelina dos Prazeres
    (Ilha do Príncipe)

  2. Baga Tela

    22 de Junho de 2012 as 10:40

    Lembrem que odinheiro não tem alma.
    Todo esse palavreado é muito bonito, mas para aqueles que sujam o espaço estão-se nas tintas. Vê lá se os ambientalistas lutam contra eles? Se derrubas o teu patrão, quem é que te paga?
    Eu não disse nada…

  3. Papagaio

    22 de Junho de 2012 as 21:04

    Ninguem transforma esse mundo se primeiro não dominar o seu espírito.Para dominar o seu espírito é preciso nascer de novo,para nascer de novo é preciso morrer para sí proprio.Quando o homem morrer para sí proprio, ele descubrirá que é apenas mordomo do mundo e não o dono do mundo.Porque todos mordomos tem na mente de um dia prestar contas ao dono «Deus».Disse jesus: que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma.O dinheiro é a raiz de todo mal no mundo ao ponto de ser chamado de senhor mamom,e se esse senhor mamom governar os filhos de abrao na terra o mundo nunca mais será o mesmo…
    nota:quanto mais rico (mamom)for um País,maior é cumplice da distruição do planeta.

  4. Vane

    23 de Junho de 2012 as 14:40

    Várias espécies já foram exterminadas por vários motivos como por exemplo: clima, solo, vento,tufões, terremoto, inundações e etc. A Terra continua de séculos em séculos com sua dinâmica natural, se vão e se vem espécie das mais diversas e o Planeta continua firme inabalado, portanto nós seres vivos pobres mortais que devemos cuidar de nossas vidas, condutas, ações no meio ambiente, porque lamento dizer o Planeta não sofrerá, e sim nós que seremos exterminados da Terra. Desculpe-me por ser direta, e nem levem isso como verdade pq não sou a Dona da Verdade, mas que isso sirva como reflexão!

    “Os que estão em Jeová Deus terão a vida eterna no paraíso e com o governo perfeito de Jesus Cristo, terá uma nova terra e um novo céu”

    Saúde e sucesso!

    • Papagaio

      25 de Junho de 2012 as 19:48

      disse Jesus:ninguem vem ao Pai sinao por mim,por isso ninguem pode estar em Jeova sem antes estar em Jesus.

  5. Maria Lima

    25 de Junho de 2012 as 21:44

    Gostei muito do seu texto! Reflexão nota 1000 mesmo! Tomara que todos os governantes de cada país e a população em geral pudesse ter essa sua capacidade de ver o mundo e de falar dos problemas ambientais tão debatidos actualmente dessa forma como você fez. Tomara que todos tivessem a determinação de cuidar do “seu canto”, do seu respectivo país, da sua respectiva cidade, da sua respectiva aldeia, etc. Pois dessa forma estariam a cuidar mais do ambiente. Se cada um fizer a sua parte, com certeza teremos resultados globais. Vamos portanto, pensar global e agir localmente!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo