Opinião

Democracia em coma induzido 

 Prezado cidadãos 

De São Tomé e Príncipe 

A Quem possa interessar 

Democracia em coma induzido 

Gradualmente temos sentido o peso da frustração e preocupação em relação ao estado atual do nosso país. A democracia, que categoricamente é o pilar dos nossos valores, aspirações e princípios, simplesmente parece estar num estado de coma induzido, profundo e prolongado, totalmente incapaz de fazer o seu papel e cumprir sua missão de representar verdadeiramente a vontade e a voz do povo. 

Ora vejamos, não é preciso sermos intelectuais para darmos conta de que há actualmente uma enorme inquietação, se não mesmo um repúdio total, explícito e categórico da população de São Tomé e Príncipe em relação ao todo sistema jurídico do país, que deveria ser um órgão de soberania transparente e imparcial da justiça mas infelizmente o nosso sistema jurídico encontra-se num estado gravíssimo, corruptamente assustador, extremamente desigual e desequilibrado, comprometedor, democraticamente insustentável, vergonhoso enfim , pode-se mesmo dizer  que em pleno 2023 temos um sistema jurídico mais desprezível e nojento que vimos até a data.

A ética jurídica tornou-se um mito e por conseguinte não há confiança do povo nestas instituições que deveriam zelar de forma soberana e justa pelo equilíbrio e pelo cumprimento das leis, nota-se facilmente de que os tribunais e os magistrados estão escandalosamente corruptos, comprometidos e corrompidos politicamente, apenas preocupados com os interesses próprios e dos seus partidos, basta olharmos para o caso rosema e o 25 de Novembro de 2022. O que é extremamente lamentável, vergonhoso e perigoso para o sistema democrático do nosso país.

Os outros três órgãos de soberania, que também deveriam ter a responsabilidade de guiar exemplarmente a nossa nação com transparência, intelectualismo, profissionalismo, patriotismo e discernimento, parecem estar perdidos numa vergonhosa encruzilhada. Até parece que deixou-se de ter órgãos de soberania no país e passou-se a ter circos de soberania, onde os dramaturgos, produtores e realizadores competem-se entre si na assembleia nacional da república, onde os palhaços brincam com os recursos do país e respetivamente com as pessoas no governo, onde a presidência da república é chefiada por uma marionete em forma de gente. 

O povo é maltratado e menosprezado, alimentando-se de migalhas, rouba-se a qualquer hora nas empresas públicas, no governo, nos tribunais e por aí fora, e o pior de tudo, privam-nos por vezes de exercer os direitos básicos da democrática, como reclamar e/ou manifestar-se pois o medo foi instalado no circo equatorial outrora visto como um país democrático desde Novembro do ano passado. 

Porém, torna-se imperativo de que como representantes do povo de Santomense, reafirmemos os princípios constitucionais que moldaram a nossa nação como uma república democrática e que nos unamos para relembrar esses palhaços (governantes) e os de mais actores no poder, de que de facto a “República Democrática de São Tomé e Príncipe é um Estado soberano e independente, empenhado na construção de uma sociedade livre, justa e solidária, na defesa dos Direitos do Homem e na solidariedade activa entre todos os homens e todos os povos” como consta no Artigo 1.o  da nossa constituição, e portanto, garantir que a voz do povo seja ouvida e respeitada, bem como os seus direitos salvaguardados.

Como pátria, todos sabemos que estamos enfrentando dificuldades crónicas, diversas e crescentes. 

Da miséria económica ao declínio infra-estruturais, do deplorável sistema de saúde ao inadequado sistema de educação e ensino, não se esquecendo dos problemas sociais, enfim temos os nossos problemas a transformarem-se num mar implacável, silenciosamente afogando a população em desespero. 

Aos jovens apelo para que pensem e repensem, façam uma profunda reflexão, analisem as infinitas promessas vazias jamais cumpridas desde 1975 pelos nossos políticos e governantes, analisem cada um e todos os políticos (deputados e ministros) crónicos agarrados ao poder a décadas, que se enriqueceram e continuam a viver a grande a custa do povo e a sua desgraça e empobrecimento.

Como jovens;

Será que somos assim um povo tão ignorantes?

Será que 48 anos de miséria não chega?

Será que não somos capazes fazer uma reciclagem desses políticos e deputados corruptos e crónicos e substituí-los com jovens honestos e capacitados?

Será que nós os jovens não sonhamos com um STP mais organizado, próspero e desenvolvido?

Será que o país tem dono?

Será que não somos capazes de acordar desse pesadelo?

Será que o banho da campanha política é mais importante do que o desenvolvimento de STP?

Será que a nossa geração não é capaz de fazer a diferença?

Será assim tão difícil construir um novo hospital em cada distrito do país?

Será que não somos capazes de criar condições para ter energia elétrica 24h por dia?

Será que não somos capazes de produzir pelo menos 80% dos alimentos que consumimos?

Será que não somos capazes de construir um museu da cultura?

Será que o general João Seria não merece uma estátua, pelo que fez pela música e pela cultural Santomense?

Será que não somos capazes de construir um museu da música Santomense?

Jovens, devemos lembrar que nossa história é repleta de superações e triunfos sobre as adversidades. 

Juntos podemos revitalizar a nossa democracia em decadência, fortalecer nossas instituições e criar oportunidades para todos.

Apelo a todos os cidadãos comprometidos a se unirem nesse esforço. 

Jovens, é preciso debater novas ideias, dialogar sobre a corrupção, os corruptos e que fazer para erradicarmos essa doença. 

Jovens é preciso criticar de forma construtiva e agir  para moldar o presente e construir o futuro que queremos para nossos irmãos, filhos e netos. 

Vamos reacender  o espírito de patriotismo e solidariedade que nos caracteriza e trabalhar incansavelmente para superar os desafios que enfrentamos. Não é fácil o que vos proponho, tendo em conta o medo instalado mas é uma jornada necessária. 

É preciso determinação, reflexão e colaboração, podemos reacender a chama da democracia, restaurar a justiça e reconstruir a dignidade de nosso povo e de forma séria trabalhar para desenvolvermos da nossa linda, acolhedora, tropical e promissora pátria. 

A mudança começa em cada um de nós. …

Muito Obrigado 

Um bem haja a todos.

Autor: Heddy Sangambongo

3 Comments

3 Comments

  1. Lucas

    24 de Agosto de 2023 at 9:02

    Os jovens estão de partida
    Não acreditam mais em *hestorias*
    Que fiquem os *dinossauros* gordos e inuteis comendo-se uns aos outros

  2. Pedro Costa 2

    24 de Agosto de 2023 at 10:03

    Só pelo título do tema, já dá para perceber e eu há muito que fiz esta constatação: Democracia está em coma induzido.
    No entanto, gostaria de perceber este nome: Heddy Sangambongo.
    Este nome é digno de um santomense!? Nomes fora da nossa história!
    Não deveria ser permitido

  3. Elisa Tavares Martins

    24 de Agosto de 2023 at 17:13

    Olá Heddy Sangambongo, muito obrigada por dar voz á muitos jovens que ainda têm olhos . é muito triste ver a minha terra como está. É triste ver e saber que os jovens preferem trabalhar esforçados e por longos horas em outros países, porque na nossa terra não há condições de viver bem. é triste ter que lutar para viajar e não querer voltar mais. é muito triste e doloroso.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

To Top