Destaques

Mudanças climáticas e energia serão debatidos no encontro do G7

Começa nesta sexta, 26 de maio, a 43ª reunião dos países do G7 e dois dos temas que debatidos nesse encontro são mudanças climáticas e energia.  Os líderes do G7 estão programados para discutir esses dois temas nesta sexta-feira. A Presidência italiana vai divulgar um comunicado final no sábado à tarde, seguido de declarações públicas dos líderes.

Para especialistas da E3G, do WWF-France e do World Resources Institute, a economia global já se decidiu em relação às mudanças climáticas.   “O mundo real já se decidiu. Os fluxos de capital deixaram claro que estamos olhando para um cenário de oportunidades econômicas na transição para a energia limpa, não para constrangimentos econômicos, e este discurso hoje conta com o apoio de importantes vozes do setor de petróleo “, destacou Tom Burke, presidente do E3G. Em 2016 foi estabelecido um novo recorde para o investimento global em energias renováveis, segundo novo relatório da ONU. A energia solar agora tem o mesmo preço ou chega até a ser mais barata do que os combustíveis fósseis em 30 países, de acordo com o Fórum Econômico Mundial, e em 2025 pode ser mais barata inclusive do que o carvão na média global, de acordo com a Bloomberg.

Apesar da vacilação dos Estados Unidos, outros países estão dobrando a aposta no Acordo de Paris. China e Índia estão aproveitando a oportunidade para liderar, com um novo relatório mostrando que ambos os países estão no caminho certo para superar suas promessas de clima de Paris.  Pierre Cannet, Diretor de Clima, Energia e Infraestrutura Sustentável do WWF-France, lembrou que “O G7 é a primeira oportunidade para o novo presidente francês Emmanuel Macron demonstrar que ele é realmente um homem do nosso tempo, levando em conta nossos desafios planetários e fazendo avançar, em parceria com outros líderes, as oportunidades relacionadas com a transição energética e ecológica que estão surgindo.”

A maioria dos observadores não espera uma linguagem extensa sobre a mudança climática no comunicado formal do grupo, mas as declarações e ações dos líderes serão observadas de perto. Duas semanas atrás, o presidente da França, Emmanuel Macron, sinalizou seu compromisso de acelerar a ação sobre as mudanças climáticas em um telefonema ao presidente dos EUA, Donald Trump, além de um telefonema ao presidente chinês, Xi Jinping.  David Waskow, Diretor da Iniciativa Internacional sobre o Clima no World Resources Institute, alertou que “O que não seria aceitável ou apropriado é linguagem semelhante ao que vimos na recente declaração do Conselho Ártico, que simplesmente toma nota do Acordo de Paris. Isso deixaria dúvidas e deixaria de dar os sinais políticos claros de que o apoio à ação climática global permanece forte, mesmo quando confrontado com uma administração relutante Trump. A mudança climática não é algo a ser observado, é algo para agir “.

Após o encontro do G7, as atenções irão se voltar para o próximo G20, onde mudanças climáticas é um tema prioritário para as economias emergentes. De acordo com um relatório da OCDE divulgado esta semana, tornar a ação climática parte da agenda de crescimento poderia adicionar 1% à produção econômica média nos países do G20 até 2021 e elevar a produção em 2050 até 2,8% até 2050. Quando são contabilizados os benefícios econômicos de evitar impactos climáticos, tais como inundações costeiras ou danos causados ​​pelas tempestades, o aumento líquido do PIB seria de quase 5% em 2050.

######

Notas aos editores
1. O E3G é um think tank independente sobre mudanças climáticas que opera para acelerar a transição global para uma economia de baixo carbono. O E3G é especializada em diplomacia climática, risco climático, política energética e financiamento climático.
2. Em 2016, o E3G foi classificado como o número um think tank ambiental no Reino Unido pelo índice Go To Think Tank, segundo na Europa e sexto no mundo.

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo