Destaques

Militares do Gabão e da Guiné Equatorial vão desfilar em São Tomé

Pela primeira vez o desfile militar do dia 12 de julho vai contar com a presença de 1 pelotão de militares do Gabão e outro pelotão da Guiné Equatorial. Dois países vizinhos que foram bases  do movimento de libertação de São Tomé e Príncipe na década de 60 do século passado.

Libreville capital do Gabão e Malabo, capital da Guiné Equatorial albergaram e deram apoio aos nacionalistas são-tomenses, que a partir da diáspora promoveram o combate político contra a dominação colonial.

Para assinalar os 40 anos da independência, militares dos dois países, vão se juntar as forças armadas são-tomenses no desfile que  consagra São Tomé e Príncipe como país adulto.

O Téla Nón sabe que o parlamento deve reunir-se nesta terça – feira, para autorizar a entrada dos dois pelotões de militares gaboneses e equato-guinienses no território nacional.

No entanto até a última semana, o Presidente da Assembleia Nacional, José Diogo, não tinha conhecimento da vinda dos militares dos países vizinhos para o território nacional.

O líder do parlamento disse isso mesmo, na sessão plenária da Assembleia Nacional, quando foi questionado por um deputado da oposição sobre informações que indicavam para a chegada de militares estrangeiros ao território nacional.

Abel Veiga

    43 comentários

43 comentários

  1. Felisberto B.

    6 de Julho de 2015 as 11:35

    Sera que o Presidente da república tem conhecimento da vinda desta forca militar para o País ? , ficou claro que o Presidente da Assembleia não tem o conhecimento da vinda desses elementos de ambos os Países ; cuidado nance oo

  2. STP

    6 de Julho de 2015 as 11:44

    Este país está entregue a bicharada, sinceramente não percebo o que se passa neste país. Agora pelotão estrangeiro, credo é. Manda quem pode obedece quem deve.
    Então deputado Delfim Neves tinha toda razão quando falou da chegada desses homens no parlamento, e os senhores do ADI desmentiram.

  3. Atento

    6 de Julho de 2015 as 14:27

    Minha gente.
    Cada vez tenho menos respeito aos políticos de STP.
    Os nossos políticos deixaram de ser gente.
    O povo não foi ouvido aquando da independência, está na altura de ser ouvido agora e em REFERENDO se quer continuar nesta vergonha de independência.
    E já agora, que vergonha trazer tropas estrangeiras para STP.
    Que vergonha minha gente!!!!

  4. Pumbu fresquinho

    6 de Julho de 2015 as 14:58

    Assim os nossos militares aprenderao como se deve marchar…

  5. Manuel Pinto Correia de Jesus Afonso

    6 de Julho de 2015 as 15:07

    Mais uma brincadeira do ADI e Patrice Trovoada. Aonde que vamos com este Patrice Trovoada que está sempre a inventar coisas para gastar o pouco dinheiro que o governo tem? Brincadeira demais.

  6. País Real

    6 de Julho de 2015 as 17:16

    Afinal não é verdade a vinda dos militares estrangeiros!
    Na quinta feira feira passada durante a sessão pelenária ninguém sabia da vinda dos militares, nem mesmo o Governo e agora já é verdade!
    Afinal quem convidou? Governo ou cidadão Patrice Trovoada?
    Como é que o Ministro de Assuntos Parlamentares não sabia de nada e muito menos Presidente da Assembleia?
    Será que os outros países todos da CPLP que comemoraram os 40 anos fizeram o mesmo e estamos a copiar?
    Que Deus nos proteja a todos!!!

  7. luizf

    6 de Julho de 2015 as 19:32

    Uma palhaçada. Sinceramente, a oposição anda a dormir.Temos uma oposição sem imaginaçao. Não aproveita a juventude, ADI, é hoje um partido jovem. Ultimamente li neste jornal no espaço de opinião artigos a criticar abertamente o líder de ADI e o seu partido, nas redes sociais principalmente no fórum tela non, vejo varios comentários fortes de jovens a criticar o governo, pelo menos 2 ou 3,jovens. A oposição deveria aproveitar esses jovens. Eu se disse líder da oposição esses jovens já teriam cartão militante.Os partidos MLSTP e PCD tem que abrir o partido a jovem.

    • LuizF

      6 de Julho de 2015 as 20:28

      *Se fosse

    • Carlos Afonso

      6 de Julho de 2015 as 20:36

      Concordo consigo meu caro LuizF, ate parece que os partidos da oposição não têm jovens. Os jovens desse partido têm medo de falar. Aqueles que critiram o governo abertamente são quadros sem nenhum compromisso com a oposição. Fazem pelo seu direito de cidadania.

    • São-tomense

      6 de Julho de 2015 as 20:47

      Subscrevo o seu comentário meu caro Luizf. Mas o senhor sabe dizer aonde anda o sr.Aurélio Pontes, o sr. jess Flander, e o jovem que aquecia esse espaço o Dr.Adair Ribeiro,etc.?

      • Veronica

        7 de Julho de 2015 as 10:30

        Patrice está a brincar com esse povo.Patrice diabo……..

      • Dende

        7 de Julho de 2015 as 16:06

        Estão de férias!

      • D´Alva Teixeira

        8 de Julho de 2015 as 11:41

        eles têm medo de perder o tacho!

  8. Maria

    6 de Julho de 2015 as 21:15

    Alguém consegue explicar porque razão tropas do Gabão e da Guiné-Equatorial vão desfilar nos festejos dos 40 anos da independência de São Tomé e Príncipe? Estes países apoiaram o movimento de libertação? Sim apoiaram. Mas não bastaria a vinda dos seus Presidentes? De quem foi a ideia? Foi discutida? A que nível? Quem tomou esta decisão? O Comandante Supremo das Forças Armadas deu o aval?

  9. Veronica Sousa

    6 de Julho de 2015 as 21:25

    Se eu disse o governo tirava o direito de nacionalidade Sao-tomense,a começar pelo mandjaco do Abilio Neto, a Maria Alves Neto que agora é Malves Neto, a pleste de Elisabete Rodrigues, o Jeronimo Moniz,etc, essas gentes não merecem ser Sao-tomenses, são uma vergonha para os Sao-tomenses.Vi recentemente uma atitude incorreta dessa Malves Neto, que tentou frustradamente expulsar o Sr.Nelson Pontes do fórum Sao Tomé e Príncipe, só para selenciar o jovem, essas gentes não prestam para nada, são lambibotas e engraxadores do senhor Patrice Trovoada.Fizeram de tudo e expulsaram o Dr.Adair Ribeiro do fórum para silenciar o mesmo. Agora querem silenciar o Nelson Pontes.

    • Homem certo

      7 de Julho de 2015 as 15:56

      Cara Verónica, essas gentes não gostam de São Tomé, não vai para o País nem de férias a século e pensam que são intelectuais.
      Gostaria de saber a última vez que Maria Alves Neto e o Abílio Neto visitaram São Tomé.
      Alguwm pode fazer o favor de me dizer, estou a espera.

  10. ANCA

    6 de Julho de 2015 as 22:00

    Instituições militares podem cooperar, partilhar conhecimento e experiência, treinos militares conjuntos, formação, etc, etc…

    Se for para a confratenização do dia da “Independência”(que Independência? que Soberania? só a Bandeira, o Hino, os Simbolos da nação? mesmo a Bandeira e o Hino hoje estão for do contexto do seculo XXI, de resto é pobreza fome e míseria, a montanha pariu muitos ratos), carece de mal nenhum.

    Jamais podemos continuar no isolamento geografico deriovado da insolaridade, geo-social, geo-político, geo-militar, geo-económico, geo-estrategico…

    Imaginem que um dos Pelotões da CPLP, ou dos PALOPS, incluindo Brasil, se confratenizavam, no dia da “Independência” em exercício militares conjunto, com paradas e desfiles militares, com exercicio naval das marinhas.

    Haveria também tanto rumores, tanta queixa, tanta criticas?

    Temos que sair do casulo, de evoluir…

    Temos uma região(Africa Ocidental) a nossa volta, com um potencial humano(200 milhoes de Habitantes), potencial desportivo, militar, económico e financeiro, que temos que saber aproveitar, para inserir e tirar proveito dela, com todas as contrariedades e vissitudes que isso nos possa trazer no futuro, as nossas instituições devem têm estar preparadas e fortes, se queremos apanhar o barco…

    Pois também vêm equipas de futebol de outros Países da região, confratenizar e competir connosco, nada de mal tem.

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  11. ANCA

    6 de Julho de 2015 as 22:32

    Se fossem pelotões Portugueses ou do Brazil ou de Angola a desfilarem haveria algum problema?

    Imaginem que São Tomé e Príncipe, estava a ser atacado no dia da Independência, e os Países vizinhos decidem ajudar com envio destes pelotões, haveria algum mal, caia o carmo e a trindade?

    De recordar que o País já teve um Batalhão das FAPULAS, a seguir a “Independência” estacionado em São Tomé e Príncipe, com todas as consequências sociais, que daí adveio com a retirada… filhos sem pais, desonra das filhas Sãotomenses… etc, etc, quem ainda se lembra das favoritas?

    Caros cidadãos deixemos de ser hipocritas politicos. Marionetas que dançam ao sabor da musicas políticas, olhemos para o País(Território/População/Mar, Agua, Ar), para a gestão administração e o desnvolvimento modernização sustentável a nivel social, ambiental, desportiva, política, economica e financeira.

    Para o bem e para o mal

    Nas costas dos outros devemos ver a nossa…

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  12. Maria Silva

    6 de Julho de 2015 as 22:39

    Patrice Emery Trovoada , por favor vem ao publico esplicar ” sem complicar ” a CAUSA e o real OBJECTIVO da vinda destes militares a stp, que nós os santomenses ficaremos gratos!
    Uma coisa é convidar um chefe do governo ou Presidente da Republica de qualquer pais para estar presente em eventos desta natureza, outra coisa bem diferente é convidar tropa/ militar , isto nao me cheira bem……..

  13. sina

    7 de Julho de 2015 as 6:14

    Brincadeira tem hora senhor Patrice Trovoada, mas o senhor esta a brincar demais com esse pais.

    • Bua

      8 de Julho de 2015 as 15:23

      estas venenada com o MLSTP,muda da ideia nós quermos o desenvolvimento

  14. Zé Boina

    7 de Julho de 2015 as 7:00

    Credo, que horror!

  15. santomense

    7 de Julho de 2015 as 8:45

    Espero que o Presidente da Republica não promulgue esta palhaçada.

  16. Vergonha

    7 de Julho de 2015 as 8:51

    Humilhação, humilhação, humilhação, e mais não digo.

  17. Original

    7 de Julho de 2015 as 10:17

    Estão a ferrar-nos atrás e a perguntar:tá doer?
    Se o povo não acordar deste sono,aí vai morrer de verdade.Que interesse tem uma festa de aniversário de independência vir militares de outro País desfilar? Se militares não tiverem botas devem marchar descalço e não admitir uma pouca vergonha destas.Agora é desfile amanhã será oficiais estrangeiros a tomar conta de Quartel porque já não haverá confiança em vós,Se admitirem isto,o povo perderá confiança em vós porque já não serão dignos da farda que usam.Meu Deus ,livra-nos de todo pensamento oculto que está na cabeça dos nossos dirigentes e proteja-nos.

    Então Horácio Sousa,batata quente já está no prato;vais come-las quente ou deixar arrefecer?

  18. Fokoto

    7 de Julho de 2015 as 10:31

    Nao sei qual o estatuto do sr Anca se é Santomense ou estrangeiro, porque passa a vida a desconversar em prol de não sei sabe o quê.
    Quero dizer ao sr Anca que quando os FAPLA estiveram em STP, o regime era outro.
    Agora STP é um país que goza da democracia plena e acções desta natureza carecem de consenço entre os órgãos de soberania com direito a tal.
    É só isso e nada mais.
    Nem o Presidente da Republica deve se achar com o direito de decidir sobre o que diz respeito à Nação ao seu belo prazer.

    • ANCA

      7 de Julho de 2015 as 12:16

      Caro FOKOTO

      Antes de mais deixa-me endereçar-lhe um abraço como irmão SãoTomense.

      Permita-me que lhe faça uma questão.

      Se fossem militares do Pelotão SãoTomense a serem convidados, para participarem num exercício militar de comemoração de uma data, num deste países, ou num exercício militar conjunto para a defesa da região ao qual São Tomé e Príncipe está inserido, ou num exercício conjunto dos Palops ou da CPlP, ou num dia comemorativo em Portugal ou no Brazil,…

      Qual seria a sua opinião, os nossos militares deviam participar, ou ficar de fora?

      Qual seria a sua opinião, sobre a decisão dos nossos órgão de soberania, deviam dizer sim ou não?

      Por vezes é preciso ver a questão de dois lados da mesma moeda.

      Quando militares nossos vão participar em missões de combate e ajuda humanitária, nos outros países da região, significa que estão a invadir a estes Países, ou fazer perder a soberania, a aqueles Países?

      Deixemos de ser Hipócritas Políticos…

      Ninguém se desenvolve sozinho, sem intercambio, sem entre ajuda mutua, sem interdependência, sobretudo um País(Território/População), com a dimensão como o nosso, mais ainda com a insularidade que temos… e somos duas ilhas.

      Acho que os pelotões destes Países, podem participar nos exercícios militares conjunto, mas jamais no desfile militar nacional, comemorativo do dia da tal dita “Independência”, de que nada temos. Se dependemos a 100% de exterior para comer e fazer “funcionar” as instituições nacionais(pagar o salários, medicamentos, escolas, etc, etc…), como podemos dizer que somos Independentes, que nacionalismo é este, que democracia é esta, onde há aumento, de doenças, fome, miséria e pobreza, roubo, falta de justiça, corrupção, violência e violação contra crianças, etc, etc … ao longo dos quarenta anos, da tal dita “Independência”?

      Tenhamos um pouco de Juízo, já somos adultos, temos que ganhar maturidade e começar a trabalhar, para o desenvolvimento do País(Território/População/Mar, Agua, Ar), já estamos a caminhar para velhos e as nossas instituições, continuam a agir como crianças e adolescentes…

      Pratiquemos o bem

      Pois o bem

      Fica-nos bem

      Deus abençoe São Tomé e Príncipe

    • ANCA

      7 de Julho de 2015 as 12:56

      A nossa segurança interna e externa advém da segurança nos Países Limítrofes(Vizinhos) da Região do Golfo, e Centro Africana, se partilhados pouco ou nada o conhecimento e troca de experiência como podemos, estar a par dos assuntos e nos precaver?

      Sabemos que há um grupo radical a operar na Região de Grande Lagos, noutros Países da Região, sabemos que existem acões de pirataria e trafico de pessoas e drogas, no mar da Região ao qual estamos inseridos…

      Se nos fecharmos no nosso casulo… será que estaremos preparados para combater estes males?

  19. lagatixa cu uã labo

    7 de Julho de 2015 as 15:19

    Normalmente, quando da comemoração da Festa Nacional da França, vários pelotões de militares pertencentes à ex-colónias francesas marcham no Champs Eliseés.
    São-Tomenses vamos crescer. Deixemos de ignorância!
    Obrigado. Bem haja!

    • Atento

      8 de Julho de 2015 as 10:09

      Meu caro “lagatixa cu uã labo”, não venha para aqui escrever e dar opinião sem saber o que diz.
      Aponte 1 (um) único exemplo de pais ex-colónia de França em que os militares marcham no Champs Eliseés.
      Por favor diga qual, que é para ficarmos a saber.
      Só fala fala.

      • tudoaprender

        12 de Julho de 2015 as 11:53

        Todas as ex-colonias francesas em África desfilaram no Champs Eliseés no ano passado.

        Tem ai o vídeo da parada completa:

    • felisberto espirito santo

      8 de Julho de 2015 as 17:58

      desculpa que lhe diga, mas voce foi buscar um exemplo infeliz.que eu saiba sao tome nao colonizou gabao e guine equatorial e vice-versa. portanto nao entendo porque traz esse exemplo. se a vinda desses militares e da iniciativa do governo, cabe a este na pessoa do 1 ministro explicar ao povo santomense o que esta na genese dessa inusitada iniciativa.

  20. País Real

    7 de Julho de 2015 as 22:43

    Meus irmãos! O problema que se coloca não é a vinda dos militares, é sim a forma como o senhor patrice trovoada ta fazendo as coisas. Todo país soberano tem leis e normas e elas devem ser respeitadas por todos . a nossa lei diz que nesta matéria de força a assembleia nacional e o Presidente da república devem autorizar mas o que assistimos é um expediente do patrice Trovoada sem dar a conhecer a ninguém pq o povo lhe deu o país para ele fazer o que quiser, meus amigos a democracia tem regras e só os ditadores têm estes comportamentos do Patrice Trovoada. Abram os olhos e deixem de seguir cegamente as falsas propagandas do pt

  21. Fokoto

    8 de Julho de 2015 as 0:36

    Como devem entender não está em causa a participação das forças militares para o assunto em apreço. Só é questionada a forma como foi forjada sem cconhecimento dos orgaos de soberania.
    Para informação geral os actos do género careçem de uma autorização da Assembleia Nacional de S.Tomé e Principe visto que na RDSTP prevalece o regime de pendor parlamentar.
    Entendido?
    Não ha problema nenhum de perfilação de forças de países amigos ou delegaçoes culturais na nossa República.

  22. Seabra

    8 de Julho de 2015 as 0:58

    Li todos os comentários…interessantes! Começo por responder ao Lagartixa. De facto,em França,pela ocasião da festa nacional,14 de julho, são convidados,militares estrangeiros,das ex.colônias. Mas o contexto é bem diferente….certo,é a comemoração da revolução francesa,no entanto, celebra-se a libertação das 2 guerras mundiais,cuja a França participou. Na época, tinha colonias na África (Este,Oeste e Norte),daí à activa participação dos exércitos formados,únicamente, pelos africanos,homens distemidos,valentes,que deram um enorme tributo à libertação da França…hoje, São países independentes,mas por reconhecimento São convidados a tal festejos. Bem merecido!
    Ao passo que em STP não tem sentido,aliás,é mesmo preocupante. Porque não convidar,nesse caso,os países da CPLP? Tem mais sentido,porque a luta foi por uma causa comum aos 5 da África.
    Quanto à louca “Lavinia”, seja Maria Alves Neto d’Almeida (nome do maridinho dela, o togoles),não passa de uma complexada,cheiinha de frustrações e de contradições. Nada fez da vida dele….felizmente que se casou, é sustentada, dela mesma nada faz. Vive de procuração, pretendendo ser de uma familia (os corruptos Trovoada),”qui ne la calcule même pas”…é como se ela não existisse.
    Que pode ela dar de positivo à STP? Porque não vai ela contribuir no desenvolvimento do país,em vez de dar palpites,sentada em Boulogne ou ailleurs. O dr.Adair Ribeiro,fazia argumentos inteligentes que levavam à reflexão, útil ao país.
    Ela com a sociologia,que tem feito? Publicou alguma obra interessante? Abordou alguma problemática sociológica sobre a sociedade africana, ou são-tomense? Enfim!
    Houve quadros que estudaram com bolsas de STP,que regressaram e brilharam ,fazendo avançar um pouquinho a sociedade são-tomense…infelizmente, participaram em curto espaço de tempo, uma porque partiu precocemente (Ondina Barros),paz à Alma dela,a outra por estar doente(Alda Melo).
    A Lavinia é simplesmente perturbada psicologicamente ,e por onde passa só cria polêmica, conflito,proprio do estado de espírito dela….CONFUSÃO.
    Espero que ela responda aos comentários …fazer-me-ia prazer de ler os argumentos dela (na língua que ela se sentir à vontade.). Benvinda,Maria Alves Neto, aliás,Lavinia.

  23. sotavento

    8 de Julho de 2015 as 9:10

    Para mim o problema nao esta em que venham militares do gabao ou da guiñé equatorial desfilar em STP.O problema maior é o estado em que estamos.Quarenta anos como país independente estamos em um estado deploravél miseria total dependencia total dos outros corupcao desenvolvimento nada.Em 40 anos nao fizemos nada em prol do país.Alguns sim os políticos oportunistas ladroes estes sim os 40 anos lhes cairam do céu.Todos somos culpados disto.A ver se a partir de agora consigamos ver analizar os 40 anos perdidos.
    Viva STP

  24. DUBAI TRANSFORMADO EM IRAK

    8 de Julho de 2015 as 10:47

    Credo P.Trovoada!
    Este 1º Ministro, desnorteado e sem saber o q fazer, quer converter STP em IRAK em vez d Dubai q prometera. Como é habito, continua a distrair o povo santomense. Desta vez, a brincadeira é mto feia! Aproveita-se dos festejos dos 40 anos da independência pra enviar Militares doutros países pra STP como forma de tentar semear caus! Só mesmo Deus nos pode salvar

  25. Imparcial

    8 de Julho de 2015 as 11:08

    Caros compatriotas,
    Antes de mais, quero que frisar que sou cidadão Sãotomense e não tenho qualquer afinidade politico-partidária.

    O fato de tropas estrangeiras participarem no desfile militar alusivo a nossa independência, por si só, não representa nenhuma afronta ou subjugação. Este convite constitui uma demonstração de apreço e gratidão pelos povos que contribuíram para a nossa independência. Não se trata de um ato inédito ou invulgar.
    Posso citar vários exemplos:
    1- 14/07/2014, Comemoração da Festa Nacional da República Francesa(Paris – desfilaram 200 soldados de 80 países que participaram na 2ª Guerra Mundial).

    2- 7/09/2012, Comemoração da independência do Brasil(Belém- Pará – desfilaram tropas estrangeiras de países convidados)

    3 – 24/02/2015, Dia da Independência da Estónia (Narva, perto da fronteira com a Rússia, soldados dos EUA, Letónia, Reino Unido, Holanda, Lituânia e Espanha desfilam na comemoração da Independência).

    Como podem ver, esses são alguns de muitos exemplos em que militares de países amigos desfilam nas festividades da independências ou dias nacionais).

    Eu considero que o governo errou ao não criar uma comissão para elaborar o programa das festividades, submeter o programa a aprovação na assembleia(certamente passaria com a maioria parlamentar) e ao não publicar o programa dos festejos com mais antecedência.

    Um abraço fraterno,

  26. Cruzeiro

    8 de Julho de 2015 as 11:28

    O milagre não será feito com actual governo que espelha melhorias, certo é que tanto o Governo como Oposição ou Privados e todo o povo devem deixar de pensar numa mentalidade fantaziada e arcaica. Isto é libertar do mundo da Caverna(escuridão), pensando em obter por conta pública e do povo compra de altos carros que cotem só chapa de matricula que pertence ao Estado e carro não, Casas Sociais do Estado alugados aos Estrangeiros e nacionais na rua sem abrigo, Conta financeira grande por desvio ao Estado, Ter varias mulheres no contar com desvio do bem público para sustentar. Acima de tudo temos todos de mudar a Mentalidade de má fé. Devemos sim itegrar o Controlo Administrativo, caderno de reclamação na Instituições Públicas. Ainda falta a base funcionar em pé do príncipio de igualdade logo o Ministério da Justiça e Direitos Humanos com titular (Roberto Raposo) deve ser severos na tomada de decisão. Porque quando não funciona Justiça; nem que o país seja rico em Capital natural ou Humano nada avança. Vejá o nosso país irmão amigo A mulher mais rica do continente e pobreza é extrema no país.
    Só será possivel com Coesão nacional quer os privados, oposição, comerciantes quer o Estado, Governo pela unidade e iclusão de Todos fazedores da Justiça usando mais os recursos humanos com Estabilidade, portantanto cheguemos ao Desenvolvimento ainda primeiro que a vinda de Jesus Cristo.
    Um bem haja 40 anos da Independência para todos Santomenses! Viva 12/7/2015 pela mudança de mentalidade e chegada do Desenvolvimento. Crónica minha: Francisco Maria da Graça frnciscog1994@hotmail.com “Cuá cu ca tê que, sócu sa stê di quê” ( O que suporta casa é que é a sua segurança). Mentalidade e Recursos Humano

  27. Vilma Quaresma

    8 de Julho de 2015 as 13:19

    não estou contra vinda dos militares do Gabão e guiné equatorial, mais a comissão deveria preocupar com outra coisa ou seja deveria solicitar os países vizinhos outros apoio como resolver a estão de alimentação que está elevado em são Tomé. Nesta data, houvesse o tal arroz Dbs.13.000,00.deveria colocar o esse arroz neste mês a esse valor?
    bem haja
    STP viva 12 de julho
    viva o nosso governante sem palavra…

  28. de Ceita

    8 de Julho de 2015 as 18:13

    Acho bem, pelo facto de a cerimónia de 12 de Julho nos últimos anos não tem animado muito a participação do público, que tem diminuído de ano para ano. Eu pessoalmente não assisto esta cerimónia há anos pelo facto de não haver nada de novo sempre a mesma rotina. Talvez este ano com a presença de tropas estrangeiras vai animar a população a participar em massa pelo facto de ser algo novo dos últimos anos de comemoração.

  29. Elizabete Faria

    8 de Julho de 2015 as 21:30

    Viram quanto o Ministro Afonso Varela adjunto de Patrice Trovoada GAGUEJOU no parlamento e não conseguiu dar explicações sobre a vinda dos militares Gaboneses?
    Acabando sempre pedindo desculpa pelo mal feito.
    Este país ta fodido mesmo
    Inclusive ele teve que fala sobre uma tal LANCHA MILITAR GABONESA que atracou às escondidas nas nossasaguas e fez descargas clandestinas. E diz ser normal porque trouxe diversos materiais militares e (…) e fardamentos para FASTP desfilar no 12 de Julho.
    É assim vai indo este que já foi S.Tome e Principe.

    ENFIM o povo tem o governo que merece. Porque o POVO é que colocou no poder, o que fazer?

  30. fala seto

    9 de Julho de 2015 as 14:39

    olha desculpe la isso para mim é um convite normal vocês pegam tudo fazem uma tempestade ,si tão a reclamar agora por esse convite para as força de armadas de Gabão e guine equatorial desfilar no 12 de Julho ,si for para reclamar voltamos no passado , quantos anos a Fapla ficou em são Tomé?????

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo