Destaques

Onde esta Leopoldina Domingos?

É uma pergunta que as autoridades são-tomenses, não conseguem responder. Em Maio passado, o Téla Nón denunciou a saída ilegal do país, da criança de 1 ano de idade, sem a devida autorização da Cáritas de São Tomé e Príncipe, que era a casa de acolhimento da menina, tendo a guarda da criança, por decisão do seu pai, o senhor José Maria Domingos, residente na roça Angra Toldo, no sul da ilha de São Tomé.

A Cáritas que confiou nos candidatos a adoção e a título excepcional, deu uma autorização que a bebé Leopoldina Vitória Domingos ficasse ao cuidado de um casal de nacionalidade francesa. Uma autorização que deveria ser renovada todos os meses.

Enquanto isso prosseguia nos Tribunais o processo de adoção. O certo é que l Jean Sourigues e Angélica Alves Sourigues cidadãos franceses, abandonaram o país de forma misteriosa, levando a criança com um visto de duração de 3 meses.

Facto é que já se passaram mais de três meses, e a menor Leopoldina encontra-se numa situação ilegal onde quer que ela esteja. O casal francês conseguiu levar a criança com base numa declaração, assinada pelo advogado José Carlos Barreiros, pessoa amiga do casal francês.

O Estado são-tomense, não sabe o paradeiro da criança que não foi adoptada pelo Tribunal, e ainda mais agora, em situação ilegal e em parte incerta neste mundo.

A Ministra da Justiça Edite Tem Jua, que anunciou em Junho passado, a abertura de um inquérito para esclarecer as circunstâncias em que a criança saiu do país, não deu mais nenhuma informação a opinião pública até o dia de hoje.

O Téla Nón procurou conhecer os resultados do inquérito, e uma reacção da Ministra da Justiça, em relação a actual situação da menina Leopoldina, cujo visto expirou. Mas, não teve sucesso. Desde a passada sexta – feira que a ministra está incontactável.

No entanto urge um tratamento mais célere a estas situações, os direitos das crianças precisam de ser respeitados. São Tomé e Príncipe não pode continuar a ser um país, onde se pode levar uma criança como se de uma mercadoria se tratasse.

Ainda mais, num mundo globalizado, onde as quadrilhas especializadas atuam no contrabando de menores através das fronteiras nacionais e internacionais, vendendo-os como objetos.

Abel Veiga

    8 comentários

8 comentários

  1. Onda da vitoria

    11 de Setembro de 2014 as 21:53

    Esse Zé Carlos foi boa pessoa quando estava ao lado de Fradique.Abandonou Fradique entrou no ADI, misturou com Patrice Trovoada ,tornou igualzinho a ele.Coitado.Rapaz endiabrou totalmente tornou!!! Enfim. Pouca sorte.
    Toda gente mais ou menos honesta que meteu com Patrice viu como ficou….Vila Nova,Stock,Varela,Agostinho,Levy etc….não como eles ficaram todos donochadu!

  2. fala serio

    11 de Setembro de 2014 as 22:24

    Vou adivinhar: o advogado José Carlos Barreiro anda solto ai em São Tomé e Príncipe. So la mesmo!

  3. luisó

    11 de Setembro de 2014 as 22:27

    Sobre este caso já li muitas coisas e muitas versões.
    Mas a pergunta que faço é esta;
    Se a criança não estava autorizada a sair de STP como é que o SMF no aeroporto não impediu?
    Já perguntaram ao SMF se a saída desta criança estava legal e autorizada?
    Se estava então a culpa não é das pessoas que a levaram e o caso muda de figura, e se não estava então o SMF tem de ser chamado à razão e responder por isso, ou não será assim?
    Depois disto respondido então poderemos passar para a descoberta sobre que se passou.

  4. SEABRA

    11 de Setembro de 2014 as 23:10

    Que fez o gabinete dos COMPETENTES ADVOGADOS Posser e Companhia? Que tem feito a ministra da justiça, a confusenta Edite Ten Jua? Outros como o Agostinho Fernandes, o Varela, o Pascual Daio….? Com tantos ADVOGADOS avisados, nao houve um so que fizesse algo para evitar tal catàatrofe no pais, STP. Serà porque trata-se de uma familia POBRE, a pequenita?

  5. Otário?

    12 de Setembro de 2014 as 9:23

    Minha gente não nos tratem de otários! Reparem que a coisa foi tornada pública pelo gabinete de advocacia do senhor Pósser da Costa, pelo simples facto de terem achado que perderam o negócio para Carlos Barreiro. Não pensem que em momento algum quiseram proteger a menina!!! Estavam sim, na luta pelo negócio!!! E só tenho que agradecer a sábia opinião do sr ou srª luisó!

  6. ATENCIOSO NA DIASPORA

    12 de Setembro de 2014 as 10:38

    sei que não passam os meus comentários mas , mais uma vex quero perguntar…..onde estava o serviço de migração e fronteiras….porque que neste pais , deixam coisas acontecer e depois reclamam e principalmente nas vésperas da eleição? não comencam a desviar a atenção do povo meus senhores….vcx tao gosando muito com esse Pais….um pais serio é assim: quem é a autoridade maxima que autoriza a saída das crianças? quando o processo de viagem tava em curso, quem analizou? essas entidades devia ser chamada ao tribunal e assumir a responsabilidade….porque este bla bla bla do tela nom, não tem importância…espero que passem o meu comentário…..

  7. Susana brito

    12 de Setembro de 2014 as 10:47

    Estes país vai de mal a pior, como pode este advogado andar por aí como se nada tivesse acontecido? Onde está o bastonário ? Esta ordem já não é a mesma, faz falta a Celiza, este bastonário é o pior de todos os tempos, com gente incompetente e malandra a sua volta e nada faz. Ordem ou desordem??? Ainda falam mal dos juízes

  8. António Menezes

    12 de Setembro de 2014 as 11:00

    Bom, o melhor profissão é mesmo ser advogado. Fazem tudo, vendem tudo do pais e nada acontece. Pais democrático e de direitos como eles dizem…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo